Baltasar Carlos, Príncipe das Astúrias

Baltasar Carlos (Madri, 17 de outubro de 1629 - Saragoça, 9 de outubro de 1646) foi Príncipe das Astúrias, Príncipe de Gerona, Duque de Montblanc, Conde de Cervera, Senhorio de Balaguer, Príncipe de Viana e herdeiro universal de todos os reinos, estados e senhorios da monarquia hispânica até sua morte.

Baltasar Carlos
Príncipe das Astúrias
Retrato do príncipe Baltasar Carlos, por Juan Bautista Martínez del Mazo.
Casa Habsburgo
Nome completo Baltasar Carlos de Habsburgo e Bourbon
Nascimento 17 de outubro de 1629
  Madrid, Espanha
Morte 9 de setembro de 1646 (16 anos)
  Saragoça, Espanha
Enterro Mosteiro e Sítio do Escorial, San Lorenzo de El Escorial, Espanha
Pai Filipe IV
Mãe Isabel da França
Religião Catolicismo

BiografiaEditar

Foi filho do rei Filipe IV da Espanha e sua primeira esposa Isabel de França. Ele foi batizado em 4 de novembro de 1629 na Igreja de São João Batista em Madri.[1] Seus padrinhos foram a Infanta Dona Maria, futura rainha da Hungria, e o Infante Dom Carlos, tios do recém-nascido. Quem o levava era Dona Inés de Zúñiga e Velasco, condessa de Olivares (esposa do conde-duque de Olivares).[2][3]

A própria condessa de Olivares, que também era Camareira da rainha Isabel, serviu como governanta para o príncipe, o que levou a comentários sobre o controle que o conde-duque de Olivares teve sobre o herdeiro.[4]

Em 7 de março de 1632, ele prestou juramento perante a nobreza e as Cortes de Castela como "Herdeiro de Sua Majestade [e] Príncipe desses reinos de Castela e Leão, e o restante desta Coroa a eles sujeitos, unidos, incorporados e pertencentes a ele" em uma cerimônia realizada na Igreja de San Jerônimo, em Madri.[5][6]

Ao chegar a adolescência, logo começaram os esforços diplomáticos para a encontrar uma futura esposa para o príncipe, sendo escolhida a arquiduquesa Maria Ana da Áustria, filha do imperador Fernando III e sua tia paterna, a Infanta Maria Ana, sendo Maria Ana, portanto, sua prima em primeiro grau.[7]

Após a revolta catalã de 1640, Filipe IV tentou conquistar os aragoneses para conseguir dinheiro e homens para a nova frente de guerra. Uma das medidas tomadas para esse fim foi fazer com que o príncipe Baltasar Carlos fosse empossado como príncipe herdeiro do Reino de Aragão.[8] O juramento foi feito em 20 de agosto de 1645, quando o príncipe tinha dezesseis anos, na Catedral de El Salvador, em Saragoça.[9] Assim, Baltasar Carlos tornou-se príncipe de Gerona, governador geral de Aragão, duque de Montblanc, conde de Cervera e senhor da cidade de Balaguer.[10] Por sua parte, em 13 de novembro do mesmo ano, Baltasar Carlos foi jurado herdeiro das Cortes de Valencia.[11]

Em abril de 1646, Filipe IV, desejoso de que seu filho fosse jurado herdeiro da coroa pelos navarros, como no ano anterior havia sido pelos aragoneses, mudou-se com ele de Madri para Pamplona, onde, depois de se reconhecer as leis do reino navarro, essa cerimônia foi celebrada solenemente em 3 de maio.[12][13]

MorteEditar

Após o ato, a família real se mudou para Saragoça. Em 5 de outubro, na véspera do segundo aniversário da morte da rainha Isabel de Bourbon, Filipe IV e Baltasar Carlos assistiram missas sua memória. Naquela mesma tarde, o príncipe sentiu-se doente e no dia seguinte, sábado, 6 de outubro, teve que ficar na cama enquanto o rei comparecia ao funeral. A doença, varíola,  foi devastadora.[14] Assim, na terça-feira, 9 de outubro, às oito da manhã, o arcebispo de Saragoça administrou a extrema-unção. Dizem que o Santíssimo Foi exibido até as três da tarde, quando uma procissão geral foi feita no convento de Jesus, onde a Virgem de Cogullada havia sido levada e levada processionalmente ao altar de La Seo, onde ela se cercou de velas e orações.[15] Às nove horas da noite, o príncipe Baltasar Carlos morreu. Seus restos mortais permaneceram em Saragoça até a noite de 16 de de outubro, quando foram transferidos para o Mosteiro de São Lorenzo de El Escorial.[16]

Consequências da morte de Baltasar CarlosEditar

 
Detalhe do 'príncipe Baltasar Carlos a cavalo' por Velásquez, 1635.

A morte do príncipe deixou a monarquia sem um herdeiro masculino direto, o que causou uma grave crise dinástica (o único herdeiro possível que foi deixado vivo foi a Infanta Maria Teresa[17]) e mergulhou o rei em profunda angústia, como observado em carta escrita à sua conselheira espiritual, irmã Maria de Jesus de Ágreda:

"As orações não moveram o espírito de Nosso Senhor pela saúde de meu filho que desfrutava de sua glória. Não deveria ter sido adequado para ele ou para nós. Estou no estado que você pode julgar, porque perdi meu filho único, do modo que você o viu. [...] confesso que nesse estado que eu estou não sei se é sonho ou verdade o que acontece para mim".[18]

Esta carta mostra a dor e o desespero de Filipe IV que, em apenas cinco anos, havia perdido seu irmão mais novo, o cardeal-infante Dom Fernando, sua esposa, Isabel da França e seu único filho e herdeiro universal, o príncipe Baltasar Carlos.

Após a morte de Baltasar Carlos, Filipe IV foi forçado a se casar novamente para dar continuidade à dinastia. O escolhido foi a noiva do príncipe falecido e sua sobrinha, como filha de sua irmã Maria Ana, a arquiduquesa Maria Ana da Áustria.

Os discursos sobre a necessidade de uma ou outra esposa para Filipe IV começaram logo após morte de Baltasar Carlos, dada a urgência da questão sucessória. Razões políticas e estatais, bem como físicas ou naturais, e que poderiam ser resumidas na "capital dinástica" e na maturidade sexual, determinaram que a nova esposa do rei deveria ser a jovem arquiduquesa, que na época só tinha doze anos de idade.[19]

Em janeiro de 1647 Filipe IV emitiu um decreto e resolveu casar com Maria Ana da Áustria. O casamento ocorreu no dia 07 outubro de 1649 em Navalcarnero,contando o noivo com quarenta e quatro anos e a noiva quinze. Vários filhos nasceriam desse casamento, dos quais apenas a infanta Margarida Teresa, e o futuro Carlos II sobreviveriam.

Baltasar Carlos e as artesEditar

A figura do príncipe Baltasar Carlos resistiu ao longo do tempo graças aos retratos que Velásquez fez dele.

Baltasar Carlos exercitou sua equitação desde tenra idade, como refletido nos diversos retratos equestres pintados por Velásquez, e também manejou armas de fogo com habilidade surpreendente; Os cronistas citam que em 1638, quando ele então tinha nove anos, matou um javali nas montanhas de El Pardo e, alguns meses depois, um touro durante as celebrações no Palácio do Bom Retiro.


Precedido por
Filipe
 
Príncipe herdeiro de Portugal

1629-1640
Sucedido por
D. Teodósio
Precedido por
Filipe
Príncipe das Astúrias
16321653
Sucedido por
Filipe Próspero
 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Baltasar Carlos, Príncipe das Astúrias

ReferênciasEditar

  1. «"Segunda y más verdadera relacion del bautismo del Principe de España nuestro señor, Baltasar Carlos Domingo, con todos los nombres de los Caualleros, y titulos que yuan en el acompañamiento 
  2. Mendoza, Pedro Salazar de (1794). Origen de las dignidades seglares de Castilla y León: con relación sumaria de los reyes de estos reynos ..., con un resumen al fin de las mercedes que su majestad ha hecho de marqueses y condes desde el año de 1621 hasta fin del de 1656 ... (em espanhol). [S.l.]: en la oficina de don Benito Cano 
  3. Torquemada, Gerónimo Gascón de (1991). Gaçeta y nuevas de la Corte de España desde el año 1600 en adelante (em espanhol). [S.l.]: RAMHG. p. 307. ISBN 9788460078555 
  4. Castilla convulsa, 1631-1652" (p. 77)
  5. Gelabert, Juan.E.: "Castilla convulsa, 1631-1652" (p. 78). Además, es de reseñar que para cuando se celebró, en San Jerónimo, la Jura de Baltasar Carlos, se optó por denominarlo sencillamente como "Príncipe destos Reinos", y no como Príncipe de Asturias, posiblemente como intento de homogeneizar la estructura de los antiguos reinos peninsulares, fin perseguido por el conde-duque de Olivares (Sampedro Escolar, José Luis: "La numeración de los Príncipes de Asturias", Real Academia Matritense de Heráldica y Genealogía, Madrid, 2004).
  6. Para más información sobre este juramento consultese: "Convocación de las Cortes de Castilla y juramento del Príncipe, nuestro Señor D, Baltasar Carlos, primero de este nombre, año 1632" de Antonio Hurtado de Mendoza (1632).
  7. Tras la muerte del joven príncipe en 1646, Mariana de Austria se casó con el padre de este, el rey Felipe IV
  8. Maiso González, Jesús: "Baltasar Carlos y Zaragoza" (p. 2).
  9. Gómez de Blas, Juan: "Relacion del iuramento de los Fueros de Aragon, que hizo el Serenissimo Principe D. Baltsar Carlos, en la Iglesia Metropolitana de la Ciudad de Zaragoça, en veynte de Agosto, de 1645." Sevilla (1645)
  10. Maiso González, Jesús: "Baltasar Carlos y Zaragoza" (p. 4).
  11. Cortes del Reino de Valencia en Biblioteca virtual Miguel de Cervantes
  12. de Apraiz, Angel: "Vista de Pamplona. Pintura de un aurresku atribuida a Velázquez" (p. 2)
  13. "juramento que hizo el serenissimo principe don Baltasar Carlos, principe natural heredero deste Reyno de Navarra nuestro señor por su persona, en presencia del rey don Felipe sexto su padre nuestro señor, en la iglesia catedral de esta ciudad de Pamplona. Y el que en sus reales presencias prestaron a S.A. los Tres Estados deste Reyno estando junto en sus Cortes generales el año 1646." en "El corpus legislativo de Navarra en la etapa de los Austria (siglo XVI-XVII)" de Ostolaza Elizondo, María Isabel (pag. 35).
  14. Véanse los pormenores de la enfermedad y muerte de Baltasar Carlos en "Relación de la enfermedad del Príncipe Nuestro Señor, escrita por el Padre Fray Juan Martínez, confesor de Su Majestad, para el Doctor Andrés de Uztarroz" (Zaragoza, 1646)
  15. "Muerte de príncipe de España" (1646) en "Baltasar Carlos y Zaragoza" de Jesús Maiso González (pag.4)
  16. Maiso González, Jesús: "Baltasar Carlos y Zaragoza" (p. 5)
  17. A pesar de que muchos autores han pasado por alto este hecho, la infanta María Teresa se convirtió, hasta el nacimiento de los príncipes Felipe Próspero y posteriormente del futuro Carlos II, en la heredera universal de la Monarquía Hispánica, como bien indica Laura Oliván Santaliestra en su tesis "Mariana de Austria en la encrucijada política del siglo XVII" (Universidad Complutense de Madrid, 2006). No obstante, María Teresa, presunta heredera durante años, no fue jamás Princesa de Asturias, por no ser jurada como tal, pese a las peticiones que se hicieron a su padre por parte de los procuradores castellanos, lo cual se comprueba consultando las actas de las reuniones de las Cortes de la época así como de lo dicho por Barrionuevo en sus Avisos. El numerarla como Princesa de Asturias es un error del Padre Risco, quien escribió cien años después de los hechos narrados, cronista copiado unánimemente por los autores que han tratado sobre esta materia con posterioridad. El citado Padre Risco dice que la Infanta Doña María Teresa fue jurada en 1655, y, extrañamente, da toda clase de detalles acerca de una ceremonia que jamás tuvo lugar (Sampedro Escolar, José Luis: "La numeración de los Príncipes de Asturias", Real Academia Matritense de Heráldica y Genealogía, Madrid, 2004 (pag.5).
  18. Carta de Felipe IV a sor María de Ágreda de octubre de 1646, tomada de "Crisis de la hegemonía española, siglo XVII" de Suárez Fernández, Luis, y Andrés Gallego, José
  19. "Mariana de Austria en la encrucijada política del siglo XVII" de Oliván Santaliestra, Laura (pag.43).

BibliografiaEditar