Abrir menu principal

Bandeirantes (Mato Grosso do Sul)

Município brasileiro do estado de Mato Grosso do Sul
Disambig grey.svg Nota: Para a cidade de Bandeirantes (Mato Grosso do Sul), veja Bandeirantes (desambiguação).
Bandeirantes
  Município do Brasil  
Símbolos
Bandeira de Bandeirantes
Bandeira
Brasão de armas de Bandeirantes
Brasão de armas
Hino
Gentílico bandeirantense[1]
Localização
Localização de Bandeirantes em Mato Grosso do Sul
Localização de Bandeirantes em Mato Grosso do Sul
Bandeirantes está localizado em: Brasil
Bandeirantes
Localização de Bandeirantes no Brasil
Mapa de Bandeirantes
Coordenadas 19° 55' 04" S 54° 21' 50" O
País Brasil
Unidade federativa Mato Grosso do Sul
Municípios limítrofes norte e ao nordeste: Camapuã
leste e sudente: Ribas do Rio Pardo
sul e sudoeste: Jaraguari
oeste: Rochedo e Corguinho
noroeste: São Gabriel do Oeste
Distância até a capital federal: 956 km
estadual: 58 km[2]
História
Fundação 11 de novembro de 1963 (56 anos)
Emancipação 20 de junho de 1965 (54 anos)
Aniversário 20 de junho
Administração
Distritos
Prefeito(a) Álvaro Urt (DEM, 2017 – 2020)
Características geográficas
Área total [3] 3 115,514 km²
 • Área urbana  est. Embrapa[4] 0,368 km²
População total (est. IBGE 2011[5]) 6 623 hab.
 • Posição MS: 63º
Densidade 2,13 hab./km²
Clima tropical de altitude (Cwa)
Altitude [6] 629 m
Fuso horário Hora do Amazonas (UTC−4)
Indicadores
IDH (PNUD/2000 [7]) 0,733 alto
 • Posição MS: 43º
Gini (est. IBGE 2003[8]) 0,410
 • Posição MS: 4º
PIB (IBGE/2008[9]) R$ 93 618,786 mil
 • Posição MS: 55º
PIB per capita (IBGE/2008[9]) R$ 15 486,98
Outras informações
Padroeiro(a) Nossa Senhora Aparecida (Rel, MS)

Bandeirantes é um município brasileiro da região Centro-Oeste, situado no estado de Mato Grosso do Sul. A cidade localiza-se à 58 km da capital do estado e é conhecida por ter a mesma padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida.

GeografiaEditar

LocalizaçãoEditar

O município de está situado no sul da região Centro-Oeste do Brasil, no centro de Mato Grosso do Sul (Microrregião de Campo Grande), próximo da capital do estado. Localiza-se na latitude de 19º55’04” Sul e longitude de 54°21’50” Oeste. Distâncias:

Geografia físicaEditar

Solo

No município de Bandeirantes são encontrados os seguintes tipos de solos: Predomínio de latossolo de textura média, que são solos minerais, não hidromórficos, altamente intemperizados, profundos, bem drenados, sendo encontrados geralmente em regiões planas ou suave onduladas, associado ao Neossolo Quartzarênico de baixa fertilidade natural, são solos pouco desenvolvidos, profundos e muito profundos, excessivamente drenados, mas com baixa capacidade de retenção de água, torna esse solo desaconselhável à utilização agrícola.

Relevo

Está a uma altitude de 629 m. Apresenta principalmente relevo plano elaborado por várias fases de retom ada erosiva e relevos elaborados pela ação fluvial. A noroeste, encontra-se um relevo mais movimentado onde o declive não é tão significativo quanto ao modelado. Os modelados de dissecação tabulares e colinosos de 2° a 5° predominam, ocorrendo áreas planas apenas ao norte do município. O município de Bandeirantes encontra-se em duas regiões geomorfológicas:

  • Região dos Planaltos Arenítico-Basálticos Interiores, dividindo-se em duas unidades geomorfológicas; Rampas Arenosas dos Planaltos Interiores e Divisores Tabulares dos Rios Verde e Pardo;
  • Região dos Planaltos da Borda Ocidental da Bacia do Paraná, apresentando duas unidades geomorfológicas: Terceiro Patamar da Borda Ocidental e Depressão Inter-patamares.
Clima, temperatura e pluviosidade

Está sob influência do clima tropical de altitude, sendo que no inverno a temperatura pode baixar de zero e no verão pode ultrapassar 40 graus. A maior parte do município tem características do clima Úmido a Sub-Úmido, apresentando índice efetivo de umidade com valores anuais variando de 20 a 40%. A precipitação pluviométrica varia entre 1.500 a 1.750mm anuais, excedente hídrico anual de 800 a 1.200mm durante um a seis meses e deficiência hídrica de 350mm durante quatro meses. Pequena porção a Leste do município apresenta clima Sub-Úmido.

Hidrografia

Sob influência da Bacia do Rio Paraná e Bacia do Rio Paraguai, pertencentes à Bacia do Rio da Prata.

Rios do município

  • Rio Pardo: afluente pela margem direita do rio Paraná, desaguando nele, pouco acima da ponte no porto XV de Novembro. Nasce na lagoa Sanguessuga (hoje seca), perto de Camapuã, tendo como principal formador o córrego Capim Branco. Com pouco menos de 500 km, faz divisa entre o município de Ribas do Rio Pardo e os de Bandeirantes. A partir da foz do afluente Anhanduí-Açu era francamente navegável, tanto que era conhecido pelos antigos pelo apelido de rio morto. Acima da referida foz, apresenta mais de cinquenta obstáculos, entre cachoeiras e itaipavas. Fica nele a Hidrelétrica do Mimoso, também conhecida pelo nome de Assis Chateaubriand, a quarenta quilômetros da cidade de Ribas do Rio Pardo.
  • Rio Aquidauana: afluente pela margem direita do rio Miranda, com 620 km de extensão. Navegável da foz até a cidade de Aquidauana. Nasce na serra de Maracaju, acima e ao oeste de São Gabriel do Oeste e percorre o vale entre as serras da Boa Sentença e Maracaju. Divisa entre os municípios Bandeirantes e Corguinho.

Córregos

Barreirinho, Barreiro, Bonito, Cabeceira Alta, Cachoeira Branca, Capim Branco, Cervo, China Branca, Congonhas, Fazendinha, Jatobazinho, Limpo, Matiri, Mimoso, Morro Alto, Pontinha, Retirinho, Retiro Velho, São João, Trelinha e Três Lagoas.

Ribeirões

Cervo e Pinhé

Distrito

congonhas (posto são pedro).

povoado

barrerão, assem.Alvorada, assem.Roda viva.

Vegetação

A análise da vegetação do município de Bandeirantes, revela um grande antropismo. O cerrado (savana) que dominava a região foi, em grande parte, substituído pela agropecuária e pastagem. Restam hoje poucas áreas de vegetação natural onde se destacam a savana arbórea densa (cerradão) e a Arbórea Aberta (Campo Cerrado).

Geografia políticaEditar

Fuso horário

Está a -1 hora com relação a Brasília e -4 com relação ao Meridiano de Greenwich (Tempo Universal Coordenado).

Área

Ocupa uma superfície de 3 115,514 km². A área urbana totaliza 0,368 km².

Subdivisões

Bandeirantes (sede).

Arredores

Ao norte e ao nordeste localiza o município de Camapuã, ao leste e sudente o município de Ribas do Rio Pardo, ao sul e sudoeste o município de Jaraguari, ao oeste os municípios de Rochedo e Corguinho e ao noroeste o município de São Gabriel D'Oeste.

DemografiaEditar

Dos mais de 6 mil habitantes que o município possui, 25% vivem na zona rural e 75% na zona urbana.

HistóriaEditar

Referências históricas mais conhecidas e confiáveis indicam como primeiros habitantes da região os componentes da família de José da Rocha Xavier, proprietário da Fazenda Cervo, cujo sede era atravessada pelo caminho que ligava Campo Grande a Coxim (ligação também para Cuiabá e o estado de Goiás). Em 1883 vieram da região de Rio Verde-Goiás um grupo de familiares, que tinham como líder o médico Jerônimo Pereira Maia, que já ficara conhecendo esta região quando de sua possível participação na Guerra do Paraguai. Se instalaram na região do Rio Cervo. A tradição religiosa tem a marca e a participação histórica ligada ao Santuário de Trindade de Goiás.

Não tardou para que surgisse ali a primeira hospedaria abrigando também um pequeno armazém, mas conhecido pelo nome de bolicho, cujo direção fora confiada a Cristovão Lechuga. Outros moradores se instalaram naquela fazenda com permissão da família Rocha. Era um sinal evidente de progresso local, cuja repercussão já atingia Cuiabá, no Governo do Coronel Pedro Celestino Corrêa da Costa.

A primeira iniciativa de instalar na área uma colônia, a fim de atender às aspirações daqueles moradores surgiu na Prefeitura de Campo Grande, então administrada por Dr. Arnaldo Estevão de Figueiredo. A ideia foi porém violentamente rechassada pela família Rocha, dando origem a vários conflitos. No entanto a 18 de Janeiro de 1930, pelo Decreto n° 898, o Governo do Estado reservou no lugar denominado Cervinho uma área de 8702 há destinada à almejada colônia que depois de loteada recebeu a denominação de Colônia Bandeirantes. Em 11 de novembro de 1963 Bandeirantes é oficialmente criada e instalada em 20 de junho de 1965. Em 1977 o município passa a fazer parte do atual estado de Mato Grosso do Sul.

EconomiaEditar

Destaca-se a agricultura, cultura cíclica, agricultura e pecuária de pastagem.

TurismoEditar

UrbanoEditar

Santuário Estadual Diocesano de Nossa Senhora da Conceição Aparecida e Museu Antonio Paulo Orempüller

A igreja é anexa ao museu. Localização: Av: Francisco Antônio de Souza, Centro.

Biblioteca Pública Municipal Francisco Antônio de Souza

Localização: Rua Joaquim Murtinho, s/nº.

RuralEditar

Cachoeira e Caverna do Mimoso

Queda e Gruta de difícil acesso.

Cachoeira da Pontinha

Queda pequena de fácil acesso. Localização: Fazenda do Senhor Afonso, Rodovia MS-080

Cachoeira da Fazenda Alvorada

Queda de 20m de altura, seu acesso é difícil. Localização: Entrada do Barreirão, Rodovia MS-080, a 10 km do Centro.

Cachoeira da Fazendo Senhor Bom Jesus da Lapa de Santa Elvira

Queda de 6m de altura, com águas transparentes. Local de difícil acesso. Localização: Rodovia BR-163, a 15 km do Centro.

EsporteEditar

Ginásio Coberto da Praça Joaquim Pecho Campos

Ginásio com capacidade para 4.000 pessoas. Localização: Praça Joaquim Pedro de Campos.

Ligações externasEditar

Referências

  1. «Gentílico dos municípios de Mato Grosso do Sul - IHGMS (PDF)» (PDF) 
  2. «Mapas e rotas». Guia 4 Rodas. Consultado em 3 de novembro de 2011 
  3. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  4. «Urbanização das cidades brasileiras». Embrapa Monitoramento por Satélite. Consultado em 30 de Julho de 2008 
  5. «Estimativa Populacional 2011» (PDF). Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2011. Consultado em 13 de setembro de 2011 
  6. «Mato Grosso do Sul». Embrapa. Consultado em 19 de julho de 2011 
  7. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  8. «Indice GINI». Cidade Sat. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2000. Consultado em 6 de agosto de 2011 
  9. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010