Bandh é uma forma de protesto usada por ativistas políticos em países sul-asiáticos, tais como Índia e Nepal. É similar a uma greve geral. Durante um bandh, um partido político ou uma comunidade declaram uma greve geral.[1] Por exemplo, um Bharat bandh é um chamado para um bandh em toda a Índia, embora o chamado para tais eventos possa ser localizado em estados ou municípios.

Um bandh organizado pelo Conselho Nacional Garo em Goalpara, Assam, 2013
Um bandh no Nepal. Os manifestantes organizaram o movimento em protesto contra o aumento do preço dos combustíveis.

A comunidade ou partido político que declarou o bandh espera que a população em geral permaneça em casa e não compareça ao trabalho. Os lojistas devem manter o comércio fechado e os integrantes do transporte público (ônibus, táxis, etc.) não devem sair às ruas e transportar passageiros. Houve casos de grandes metrópoles que foram levadas a um impasse causado pela total paralisação das atividades.[2]

Um bandh é um meio poderoso de desobediência civil e, em função de seu grande impacto nas comunidades onde é declarado, é uma forma de protesto muito temida pelos governos.[3]

Invasões de propriedades, fechamentos à força, incêndios criminosos, apedrejamentos, e escaramuças entre os manifestantes e a polícia são comuns durante o período de fechamento.

ProibiçãoEditar

O Supremo Tribunal da Índia decidiu contra qualquer forma de hooliganismo sob o título de bandh em 1998,[4] mas os partidos políticos ainda os organizam. Em 2004, esse tribunal multou dois paridos políticos, o Partido do Povo Indiano (BJP) e o Shiv Sena, por terem organizado um bandh em Bombaim como protesto contra ataques a bomba recentemente acontecidos na cidade.[4] O governo de Bengala Ocidental também proibiu os bandhs frequentemente liderados pelo Partido Comunista da Índia. [5]

Bandhs famososEditar

Bandh foi um fenômeno comum conduzido pelo Partido do Congresso nos lugares onde estava na oposição.[6] A Aliança Democrática Nacional e outros 13 partidos fizeram um chamado por um bandh nacional em 5 de julho de 2010, para protestar contra o aumento do preço dos combustíveis. Este bandh impediu os indianos de darem seguimento a muitas de suas atividades diárias, especialmente em estados governados pela Aliança e pela esquerda.[7] No Nepal, os chamados por bandhs aumentaram em função da instabilidade política.

Um Bharat bandh foi chamado pela Aliança, na oposição, em 31 de maio de 2012, para protestar contra o aumento da gasolina.[8]

Em 20 de setembro de 2012, o BJP e outros partidos fizeram o chamado por um bandh nacional em resposta às reformas na economia conduzidas pelo primeiro-ministro Manmohan Singh e seu ministro da fazenda Palaniappan Chidambaram. Dentre as principais queixas estavam o corte nos subsídios para o óleo diesel e o gás de cozinha, assim como a decisão de permitir aos investidores estrangeiros a possibilidade de detenção da maioria de ações no setor do varejo, incluindo supermercados e lojas de departamento.[9]

Ver tambémEditar

Referências

Bibliografia adicional (em inglês)Editar