Bank One Corporation

O Bank One Corporation foi o 6º maior banco dos EUA. Foi negociado na Bolsa de Nova York sob o símbolo de ações ONE. Se fundiu com o JPMorgan Chase & Co. em 1º de julho de 2004 e tinha sua sede no Bank One Plaza (agora Chase Tower ) no Chicago Loop em Chicago, Illinois,[1] onde agora é a sede da divisão de banco de varejo da Chase.

Bank One
Bank One logo
Pública
Atividade Bancária
Fundação 1968; 52 anos atrás
Fundador(es) JP Morgan Chase
Encerramento 1 de julho de 2004; Há 15 anos atrás
Sede Bank One Plaza, Chicago Loop, Chicago, Illinois, Estados Unidos,  Estados Unidos
Pessoas-chave Jamie Dimon,

John B. McCoy, Frank E. McKinney Jr.

Produtos Serviços Financeiros
Website oficial bankone.com
A Chase Tower (antiga Bank One Plaza) abrigava a sede do Bank One

O banco tem suas raízes no First Banc Group, com sede em Ohio, que foi formado em 1968 como uma holding do City National Bank em Columbus, Ohio.[2]

HistóriaEditar

First Banc GroupEditar

O First Banc Group, Inc. nasceu em 1968 como uma holding do City National Bank e foi usado como veículo para adquirir outros bancos. Quando Ohio começou a relaxar gradualmente suas leis bancárias, que antes eram muito restritivas, na era da Grande Depressão e que restringiam severamente a sucursal e as propriedades bancárias, o City National Bank, através de sua controladora do First Banc Group, começou a comprar bancos fora de seu país natal. A primeira aquisição da nova holding bancária foi em 1968 da Farmers Saving & Trust Company em Mansfield, Ohio.[2] Com cada aquisição, os novos bancos membros da corporação mantinham seu nome, funcionários e administração enquanto obtinham novos recursos da controladora. Isso foi muito importante quando a holding do banco estava se expandindo, principalmente para mercados rurais e extremamente.

Em 1971, o First Banc adquiriu o Security Central National em Portsmouth, Ohio.

Inicialmente, a lei de Ohio não permitia fusões bancárias entre linhas do condado, mas permitia que as holdings bancárias possuíssem vários bancos em todo o estado com algumas restrições geográficas. Os bancos recém-adquiridos tiveram que manter suas cartas bancárias existentes, e cada banco teve que operar separadamente. Já que as holdings também tinham permissão para ter a palavra "banco" em seus nomes; portanto, a palavra "banc" foi usada em seu lugar, para diferenciar.

Expansões do Banc OneEditar

Expansão no centro de Ohio pelo Banc One Corp.Editar

Embora a lei de Ohio estivesse restringido fusões bancárias fora de uma determinada área geográfica, a administração da holding decidiu unificar os esforços de marketing de seus bancos membros, fazendo com que todos adotassem nomes semelhantes. Em outubro de 1979, o First Banc Group, Inc. tornou-se o Banc One Corporation, e cada banco membro tornou-se o Bank One, seguido pelo nome cidade ou área geográfica em que atendia.[3] Por exemplo, o City National Bank foi renomeado Bank One Columbus, o Security Central National Bank tornou-se Bank One Portsmouth e a Farmers Saving & Trust Company tornou-se Bank One Mansfield .

Em 1980, o Banc One adquiriu bancos em Painesville, Ohio (Banco Nacional do Condado de Lake; Banco One Painesville), Akron, Ohio (Firestone Bank; Banco One Akron), e Youngstown, Ohio (Union National Bank; Banco Um Youngstown).

A One Corporation adquiriu o Winters National Bank em Dayton, Ohio em 1982 e este foi renomeado para Bank One Dayton[4]. A fusão com a Winters National Corporation trouxe para a organização Bank One 42 filiais da Winters National Bank & Trust Co. na área de Dayton, uma filial em Cincinnati e três escritórios em Circleville. Também foram adicionadas 21 filiais do Euclid National Bank na área de Cleveland, que foram renomeadas como Bank One Cleveland.

Expansão antecipada fora de OhioEditar

Com a mudança nas leis bancárias federais e estaduais em 1985, o Banc One começou a se expandir muito rápido fora de Ohio. Sua primeira aquisição fora do estado foi no Purdue National Bank em Lafayette, Indiana, que ocorreu logo após a entrada em vigor das novas leis. Esse banco foi renomeado para Bank One Lafayette. Essa fusão foi rapidamente seguida pela compra de outros pequenos bancos em Indiana e Kentucky, pois esses estados foram os únicos que inicialmente permitiram compras bancárias por bancos sediados em Ohio.

O banco entrou no Kentucky adquirindo o Citizens Union National Bank & Trust Co. de Lexington, Kentucky em 1986[5]. Esse banco foi renomeado para Bank One Lexington.

O Banc One adquiriu o Bank of Indiana, com sede em Merrillville, e o renomeou como Bank One Merrillville, no início de 1986.[6] Despois disso, o banco adquiriu propriedades em Marion, Indiana (Primeiro Banco Nacional de Marion; Bank One Marion), Crawfordsville, Indiana (Primeiro Banco Nacional e Trust Co. de Crawfordsville; Bank One Crawfordsville),[5] Rensselaer, Indiana (Banco Nacional do Noroeste de Rensselaer; Banco Um Rensselaer) e Richmond, Indiana (Primeiro Banco Nacional de Richmond; Banco Um Richmond) [7].

A primeira grande fusão que afetou a administração da holding ocorreu em 1986 com a aquisição da American Fletcher Corporation, sediada em Indianápolis, uma holding multibancária, com seu banco líder, o American Fletcher National Bank & Trust Company, que resultou em doar 20% do capital votante da nova empresa aos ex-gerentes da American Fletcher e também teve Frank E. McKinney, Jr., chefe da americana Fletcher, substituído John B. McCoy como presidente do Banc One Corp. mudou McCoy para o cargo de presidente da organização combinada[8][9].Outra mudança feita na organização corporativa foi a formação de um sistema de gestão em duas camadas, com a formação de holdings em todo o estado que foram colocadas entre os bancos membros regionais e a holding controladora final do Banc One. Assim, em Indiana, a American Fletcher Corporation tornou-se o Banc One Indiana, com sede em Indianápolis, e todos os bancos membros em Indiana, como o Bank One Lafayette, que anteriormente se reportava diretamente à matriz principal em Columbus, em vez disso, reportou à gerência em Indianápolis[10] . A fusão resultou em uma troca de ações de US $ 597,3 milhões.

A fusão com a American Fletcher Corp. também trouxe quatro pequenos bancos que a American Fletcher havia adquirido recentemente ou estava em processo de aquisição. Esses bancos incluíam o Citizens Northern Bank de Elkhart (Bank One Elkhart), Carmel Bank & Trust Co. (Bank One Carmel), Primeiro Banco Nacional Americano de Plainfield (Bank One Plainfield) e Union Bank & Trust Co. de Franklin (Bank One) Franklin).[10] Segundo a lei de Indiana na época, o American Fletcher não tinha permissão para fundir esses bancos em seu principal banco nacional americano do Fletcher.

O Primeiro Banco Nacional de Bloomington em Bloomington, Indiana foi adquirido em 1987[11]. Esse banco se tornou o Bank One Bloomington. Com a aquisição do banco de Bloomington, o Banc One cessou temporariamente outras aquisições no estado de Indiana, uma vez que haviam atingido o limite de porcentagem de propriedade naquele estado naquele estado.

Expansão antecipada em MichiganEditar

O Banc One expandiu-se para o estado de Michigan no final de 1986, adquirindo o Citizens State Bank em Sturgis, Michigan, e convertendo-o em Bank One Sturgis.[12] Alguns meses após a aquisição da Sturgis, aquisições adicionais foram rapidamente feitas em East Lansing, Michigan (Banco Estatal de East Lansing; Bank One East Lansing),[13] Fenton, Michigan (Primeiro Banco Nacional de Fenton; Bank One Fenton) e Ypsilanti, Michigan (Banco Nacional de Ypsilanti; Banco Um Ypsilanti) [14] alguns meses depois.

Sete anos depois, o Citizens Banking Corp. anunciou em setembro de 1994 que estava adquirindo todos os quatro bancos de Michigan em East Lansing, Fenton, Sturgis e Ypsilanti do Banc One por US $ 115 milhões.[15] A alienação foi concluída em fevereiro de 1995.[16]

A marca Bank One não retornou a Michigan até a fusão de 1998 com a First Chicago NBD, que resultou na renomeação dos antigos escritórios da NBD.

Expansão para WisconsinEditar

A primeira aquisição do Banc One em um estado que não compartilhava uma fronteira comum com o estado de Ohio ocorreu em 1987 com a aquisição da Marine Corporation, a terceira maior holding bancária de Wisconsin, depois da First Wisconsin Corporation e da Marshall & Ilsley Corporation .[17][18][19] O resultado dessa fusão trouxe para a organização 21 bancos e 76 escritórios em Wisconsin, com a Marine Corp. sendo renomeada para Banc One Wisconsin Corp. e cada uma das subsidiárias Marine Banks foi renomeada como Bank One, juntamente com o respectivo nome geográfico afiliado. O banco principal, Marine Bank, NA, tornou-se o Bank One Milwaukee. A fusão ocorreu com a Marine tentando resistir a uma tentativa indesejada de aquisição da Marshall & Ilsley, iniciada em junho de 1987, que resultaria em demissões em massa.[20]

Antes das aberturas indesejadas da Marshall & Ilsley, a Marine entrou em uma onda de compras assim que Wisconsin e os estados vizinhos começaram a afrouxar suas leis restritivas de filial e propriedade bancária, e a Marine havia comprado bancos recentemente em Wisconsin e, mais recentemente, um banco com três agências escritórios no estado de Minnesota[21][22][23] e outro banco no estado de Illinois apenas alguns meses antes. No final de dezembro de 1986, a Marine entrou no mercado de Chicago iniciando a compra da filial americana do banco italiano Banco di Roma,[24] que foi renomeado para Marine Bank Chicago. Como Minnesota e Illinois proíbem a propriedade do banco por empresas com sede em Ohio, a Marine teve que vender esses bancos antes que a fusão fosse autorizada.[25][26] Os bancos de Minnesota foram vendidos para o First Bank System enquanto o banco de Chicago foi vendido a um advogado com o entendimento de que o Banc One queria o banco de Chicago assim que as leis bancárias de Illinois permitissem a propriedade de empresas baseadas em Ohio,[27] que acabou se tornando em dezembro de 1990. O advogado conseguiu vender o banco de volta ao Banc One em dois anos, com lucro substancial.[28]

Expansão para o TexasEditar

O Banc One entrou no estado do Texas em 1989 através da aquisição de vários bancos falidos que foram confiscados pela Federal Deposit Insurance Corp (FDIC) como resultado das crises bancárias no final dos anos 80 no Texas, causadas pela falta de uma grande número de empréstimos no setor imobiliário e de energia quando os preços da energia caíram e um grande número de pessoas perdeu o emprego como resultado.[29] Embora o Banc One pudesse obter bancos falidos com um desconto subsidiado pelo governo federal, eles também poderiam ficar com empréstimos nos quais os mutuários poderiam mais tarde adiar se as crises econômicas piorassem.

Os primeiros bancos a serem adquiridos foram 20 bancos que anteriormente eram de propriedade da MCorp, que o FDIC havia consolidado em um único banco que eles chamaram de Deposit Insurance Bridge Bank.[30][31][32] O FDIC havia confiscado os bancos em março de 1989.[33] O fracasso de 20 dos 24 bancos da MCorp custou ao FDIC US $ 2,8 bilhões[34].O MCorp era a segunda maior holding bancária do Texas no momento de seu fracasso. O MCorp foi formado em 1984 através da fusão do Mercantile National Bank of Dallas com o Bank of Southwest of Houston, com o Mercantile se tornando MBank Dallas e o Southwest se tornando MBank Houston.[35][36][37][38]

Após a aquisição, o Deposit Insurance Bridge Bank se tornou o Bank One Texas com o Banc One Texas formado como holding estatal. O Banc One contratou gerentes de outras partes da organização do Banc One para corrigir erros que levaram à insolvência, embora mantivessem alguns funcionários-chave da MCorp cuja liderança e conexões foram consideradas cruciais para a transformação. As leis foram alteradas no Texas, permitindo que o Banc One e outros compradores de bancos falidos operassem um único banco em todo o estado, em vez de serem restringidos por regiões geográficas estreitas.

A próxima aquisição que ocorreu no Texas foi a compra da Bright Banc Savings, falida alguns meses depois, da Resolution Trust Corporation em 1990.[39][40][41] Essa associação falhada de poupança e empréstimo custou ao governo federal US $ 1,4 bilhão. As 48 antigas filiais foram integradas ao Bank One Texas, que tinha 63 filiais na época. No ano seguinte, o Banc One adquiriu da RTC 13 escritórios da área de Houston da falida Benjamin Franklin Savings por US $ 36 milhões.[42][43]

Em 1992, o Banc One adquiriu o Team Bancshares de Dallas, uma empresa formada por um grupo de investidores privados em 1988 para adquirir bancos fracos e fracos do Texas, por US $ 782 milhões em ações do Banc One.[44][45] A aquisição do Team Bank trouxe 56 agências para o Banc One Texas, que possuía 146, embora algumas agências precisassem ser fechadas devido a sobreposições de agências. Após essa aquisição, o Bank One Texas permaneceu como o segundo maior banco do estado após o NationsBank . A aquisição do Team Bancshares foi incomum no Texas durante esse período, pois o time estava lucrando no momento da venda.

Expansão para IllinoisEditar

Em comparação com outros estados, Illinois foi muito lenta para permitir empresas de filiais e holdings multibancárias em todo o estado. Quando Illinois finalmente removeu sua última proibição de bancos interestaduais em dezembro de 1990, a primeira coisa que o Banc One fez foi concluir sua aquisição planejada do Marine Bank Chicago, no centro de Chicago.[28] Em 1992, o Banc One adquiriu a Marine Corp. de Springfield, no centro de Illinois, com seus 15 locais bancários em Springfield, Bloomington, Champaign e Monticello por US $ 193 milhões em ações.[46][47] O Marine Corp. de Springfield foi renomeado para Banc One Illinois e o banco principal da Marine, Marine Bank of Springfield, tornou-se Bank One Springfield. Alguns meses depois, o Banc One adquiriu a First Illinois com seus 15 escritórios no subúrbio de Chicago por 349 milhões de dólares em ações.[48][49][50] Como a legislatura de Illinois demorou a remover obstáculos aos bancos interestaduais, o Banc One teve que competir com a Northwest e a NBD, juntamente com alguns bancos de Chicago, para obter bancos disponíveis nos principais mercados de Illinois.

Expansão posterior em KentuckyEditar

Após uma pausa de aquisição de cinco anos no estado de Kentucky, o Banc One aumentou sua presença no nordeste do Kentucky com a aquisição da First Security Corporation de Kentucky, com sede em Lexington, com seus 28 escritórios por US $ 204 milhões em ações em 1992.[51] A maioria dos escritórios da First Security foi dobrada no Bank One Lexington, com alguns escritórios fechados porque estavam muito próximos de uma filial existente.

Embora o Banc One estivesse presente no Kentucky desde 1986, ele tinha pouca ou nenhuma presença além de Lexington e do subúrbio de Cincinnati. Para solucionar esse problema, o Banc One adquiriu o Liberty National Bancorp, com sede em Louisville, com seus 104 escritórios bancários localizados em todo o Kentucky e no sul de Indiana em 1994 por US $ 842 milhões em ações.[52][53][54][55] No momento da aquisição, o Liberty National Bancorp era a maior holding bancária do Kentucky que ainda estava sediada naquele estado. O Liberty National Bancorp foi renomeado para Banc One Kentucky e seu banco principal, Liberty National Bank e Trust Company de Kentucky, tornou-se Bank One Kentucky. Como resultado da fusão, o Bank One Lexington foi colocado sob a supervisão da nova holding Banc One Kentucky.

Expansão para os estados ocidentaisEditar

Em 1992, o Banc One anuncia as aquisições pendentes de duas holdings de bancos ocidentais, o Affiliated Bankshares do Colorado[56][57] e a Denver National Corporation, sediada em Phoenix[58] que dariam acesso à empresa para novos mercados no Colorado, Arizona, Utah e Califórnia.

O Banc One pagou US $ 378 milhões em ações aos acionistas do Affiliated Bankshares por 27 bancos afiliados com 38 escritórios no Colorado e US $ 1,2 bilhão em ações aos acionistas da Valley National por 206 escritórios no Arizona operando sob o nome Valley National Bank of Arizona (renomeado Bank One Arizona), 35 escritórios em Utah operando sob o nome Valley Bank and Trust of Utah (renomeado Bank One Utah) e 7 escritórios na Califórnia operando sob o nome California Valley Bank (renomeado Bank One Fresno). O Bankshares afiliado foi renomeado para Banc One Colorado e o Valley National Corp. foi renomeado para Banc One Arizona.

Como todos os novos escritórios na Califórnia estavam localizados em Fresno e longe das grandes áreas metropolitanas de Los Angeles e San Francisco, o Banc One teve poucas oportunidades de se mudar significativamente para a Califórnia e não foi capaz de competir com eficiência contra a Califórnia. bancos baseados, como Bank of America e Wells Fargo. Após dois anos de propriedade, o Banc One decidiu se retirar completamente do mercado da Califórnia vendendo o Bank One Fresno para a ValliCorp Holdings, holding do Valliwide Bank, anteriormente Bank of Fresno.[59]

Em maio de 1994, o Banc One aumentou sua participação no Arizona, adquirindo 58 dos 60 escritórios no Arizona do Great American Bank, com sede em San Diego, na Resolution Trust Corporation, por US $ 49,36 milhões.[60][61][62] Os escritórios recém-adquiridos foram integrados ao Bank One Arizona.

Expansão para a Virgínia OcidentalEditar

Em 1993, o Banc One entrou no estado da Virgínia Ocidental adquirindo a Key Centurion Bancshares, a maior holding bancária da Virgínia Ocidental, com 54 escritórios em toda a Virgínia Ocidental e partes do leste do Kentucky, por US $ 536 milhões em ações.[63][64]

Expansão para OklahomaEditar

O Banc One entrou em Oklahoma adquirindo o Central Banking Group em Oklahoma City, com seus 8 escritórios localizados em Oklahoma City, por US $ 96 milhões em ações em 1994.[65] Trinta meses depois, o Banc One ingressou em Tulsa pela aquisição da Liberty Bancorporation de Oklahoma City por US $ 546 milhões em ações em 1997.[66][67][68] A Liberty tinha 29 escritórios em Oklahoma City e Tulsa no momento da aquisição.

Expansão para LouisianaEditar

O Banc One entrou na Louisiana adquirindo os ativos do Premier Bancorp de Baton Rouge, a terceira maior companhia bancária do estado, com 150 escritórios, por US $ 700 milhões em ações em 1996.[69][70] Embora a fusão tenha sido consumada em janeiro de 1996, o relacionamento entre as duas organizações remonta muito mais longe. O recém-aposentado e ex-chefe do Premier, e seu antecessor Louisiana National Bank, foram Charles "Chuck" McCoy, irmão mais novo de John G. McCoy e tio de John B. McCoy.[71] Em 1991, a Premier recebeu US $ 65 milhões do Banc One para ajudar a cobrir suas dívidas em troca do direito de o Banc One adquirir a Premier nos próximos cinco anos.[72][73] A Premier adquiriu a maior parte de suas dívidas durante a crise econômica que atingiu a Louisiana no final dos anos 80. O Premier Bancorp se tornou o Banc One Louisiana e o Premier Bank se tornou o Bank One Louisiana.

No ano seguinte, o Banc One adquiriu a First Commerce Corporation de Nova Orleans por US $ 3,5 bilhões em ações.[74] Na época da aquisição, em 1998, a First Commerce era a maior instituição financeira da Louisiana no estado. A aquisição incluiu o banco líder First National Bank of Commerce e outros cinco bancos regionais, com um total combinado de 144 escritórios bancários.[75][76][77] Todos os bancos adquiridos foram consolidados no Bank One Louisiana.

Aquisição da First USAEditar

Em 1997, o Banc One decidiu expandir seu negócio nacional de cartões de crédito adquirindo a First USA, com sede em Dallas, por US $ 7,9 bilhões em ações.[78][79][80] Antes dessa aquisição, a maioria das contas de cartão de crédito do Bank One era emitida e atendida pelos vários bancos locais do Bank One. Por exemplo, a maioria dos clientes do Bank One Indianapolis possuía cartões de crédito emitidos e atendidos pelo Bank One Indianapolis por meio do antigo centro de cartão de crédito American Fletcher antes da aquisição.

Infelizmente para o Banc One e especialmente para John B. McCoy, o First USA mais tarde causaria problemas para seu novo pai, gerando perdas inesperadas causadas por má administração e por decisões questionáveis que foram tomadas na tentativa de aumentar a lucratividade.[81]

História dos primeiros EUA antes do Banc OneEditar

O primeiro original dos EUA foi originalmente formado em Dallas como uma subsidiária da MCorp, chamada MNet . Foi formada em 1985 para lidar com o trabalho de back-end para fornecer cartões de crédito, serviços bancários eletrônicos e outros serviços ao consumidor por meio de bancos membros da holding bancária do Texas.[82] Para emitir cartões de crédito, o MCorp (via MNet) estabeleceu um banco emissor de cartão de crédito em Wilmington, Delaware, chamado MBank USA .[83] Embora a divisão MNet estivesse gerando lucro, o restante da MCorp começou a sofrer enormes perdas quando os clientes começaram a deixar de pagar seus empréstimos hipotecários, resultado da desaceleração econômica iniciada no Texas. Na tentativa de se salvar, o MCorp vendeu a MNet à Lomas & Nettleton Financial Corporation no ano seguinte por US $ 300 milhões em dinheiro e valores mobiliários.[84][85]

Após a aquisição pela Lomas, a MNet foi renomeada para Lomas Bankers Corp. e o MBank USA foi renomeada para Lomas Bank USA[86]. Sob Lomas, a empresa de cartão de crédito adquiriu novos clientes comprando contas de cartão de crédito de outros emissores de cartão de crédito. Em 1987, o Lomas Bank USA adquiriu 230.000 contas de dois bancos na Louisiana, 23.000 contas de um banco em Amarillo, 260.000 contas de dois bancos em Oklahoma[87] e 90.000 contas de um banco em Santo António.[88] Em 1988, Lomas adquiriu 80.000 contas de um banco em Nova York. Em 1989, a Lomas & Nettleton Financial estava com problemas financeiros e foi forçada a vender sua divisão de cartões de crédito. A Lomas vendeu a Lomas Bankers Corp. e o Lomas Bank USA a um grupo de investidores liderado pela Merrill Lynch Capital Partners por US $ 500 milhões em dinheiro e ações preferenciais.[89][90][91]

Após a venda ao consórcio liderado pela Merrill Lynch, a Lomas Bankers Corp. foi renomeada para First USA, Inc. e o Lomas Bank USA foi renomeado para First USA Bank.[91] Na época da aquisição da Merrill Lynch em 1989, a Lomas Bankers / First USA era o 11º maior emissor de cartões de crédito no país.

Em 1992, a First USA reduziu parte de sua dívida ao abrir seu capital. A primeira tentativa de vender ações ocorreu no final de janeiro,[92] mas a oferta foi rapidamente retirada porque o mercado de ações havia caído muito baixo. Uma tentativa mais bem-sucedida foi feita quatro meses depois, na qual foram arrecadados US $ 43 milhões na venda de ações.[93] Na época do IPO em 1992, a First USA era o 14º maior emissor de cartões de crédito no país.

A maior parte do crescimento da empresa nos anos 80 e início dos anos 90 foi resultado da aquisição de contas de cartões de crédito de bancos que precisavam vender alguns ativos por dinheiro rápido para evitar a insolvência ou de bancos que deixaram de emitir e atender seu próprio crédito. contas de cartão porque eles não podiam competir com os emissores de cartão de crédito maiores, como a First USA. À medida que mais contas bancárias de cartão de crédito se concentravam em alguns grandes emissores durante os anos 90, menos bancos tinham contas de cartão de crédito para vender, então grandes emissores passaram a usar o marketing direto para obter mais portadores de cartão. Esses emissores começaram a oferecer cartões de taxa anual com taxas de juros introdutórias que aumentaram rapidamente após um determinado período. Isso levou a uma concorrência acirrada entre os demais emissores de cartões de crédito, especialmente na luta para atrair clientes lucrativos: aqueles que mantêm grandes saldos rotativos mensais. Esses são os mesmos clientes que podem causar problemas para o banco se a economia local azedar.

Nesse momento, a First USA estava gerando lucros tão altos quanto quase 25% no investimento de seus proprietários, o que foi fenomenal, pois um retorno de 1% em seus ativos é geralmente considerado ótimo para a maioria dos outros setores bancários.[92] A alta taxa de retorno foi um dos fatores que atraíram o Banc One para a aquisição da First USA.

História da First USA após a aquisição pelo Banc OneEditar

O Banc One anunciou pela primeira vez a aquisição proposta da First USA em janeiro de 1997.[94] A reação de Wall Street às notícias fez com que as ações do Banc One caíssem 8%. A First USA era a quarta maior emissora de cartões de crédito do país no momento do anúncio. A aquisição foi finalizada seis meses depois.[78] Primeiro presidente e co-fundador dos EUA (em 1985) John Tolleson foi nomeado diretor do Banc One, enquanto o presidente e co-fundador do primeiro EUA, Richard Vague, foi nomeado presidente e CEO da First USA.

Após a aquisição, a First USA começou a integrar as contas de cartão de crédito do Banc One no First Card e iniciou políticas que irritavam muitos clientes antigos do Bank One, como reduzir ou eliminar períodos de carência, aumentar taxas e juros e criar atrasos no lançamento de pagamentos para contas de tal maneira que possam gerar taxas atrasadas. Um método usado para causar atrasos no lançamento de pagamentos era fazer com que os clientes enviassem pagamentos por correio para um centro de pagamentos mais distante (como fazer com que os clientes de Ohio enviassem seus pagamentos para um endereço do Arizona em vez de um endereço em Ohio ou mesmo Illinois) ou com uma equipe intencionalmente selecione centros de pagamento para que não seja possível processar pagamentos muito rapidamente.

Essas táticas geraram reclamações dos consumidores, o que resultou em várias ações judiciais e pode ter incentivado alguns clientes a mudar seus negócios bancários para outro banco.

História do Bank One CorporationEditar

Em 1998, o Banc One Corporation fundiu-se com o First Chicago NBD, com sede em Chicago - resultado da fusão da First Chicago Corp. em 1995 e do NBD Bancorp, duas grandes empresas bancárias criadas por meio da fusão de muitos bancos[95][96] ) - para formar a Bank One Corporation, e mudou sua sede de Columbus para Chicago.[97] Resultados financeiros adversos levaram à saída do CEO John B. McCoy, cujo pai e avô chefiaram o Banc One e os antecessores. Jamie Dimon, ex-executivo-chave do Citigroup, foi contratado para chefiar a empresa.

Em 1988, o Bank One pagou US$ 66 milhões pelos direitos de nomenclatura por 30 anos, para um estádio recém-construído em Phoenix, para a equipe de expansão da Major League Baseball Arizona Diamondbacks.[98] O estádio possui teto retrátil e foi chamado de Bank One Ball Park e depois renomeado para "Chase Field", em 2005.

Capital PrivadoEditar

Em 2001, Dimon selecionou o ex-colega Dick Cashin, do Citicorp Venture Capital para executar um novo esforço de capital privado no Bank One, One Equity Partners. Dick Cashin é o irmão de Steven Cashin, fundador e CEO do Pan African Capital Group, com sede em Washington, DC

Em 2005, a afiliada de capital privado do Bank One, One Equity Partners, foi selecionada para ser a afiliada exclusiva de private equity da empresa combinada, o que provocou o surgimento da afiliada de private equity do JPMorgan, que hoje é a CCMP Capital .[99]

Veja tambémEditar

  • Wingspan Bank

Referências

  1. "Contact Information." Bank One Corporation. April 10, 2001. Retrieved on March 31, 2010.
  2. a b «Small-Town Sophisticate: How Little Farmers Bank Went to the City And Discovered How to Swing at a Profit». The Wall Street Journal. Consultado em 1 de abril de 2020. The bank, like an increasing number of small-town banks, went to the big city and joined a registered bank holding company, an arrangement with advantages to both sides. Such multibank holding companies usually involve a large metropolitan bank - in this case the City National Bank in Columbus - and a number of smaller banks in markets. The plan helps the big banks tap markets normally closed to them by restrictive state branch banking laws and gives the smaller banks needed expertise, management talent, and back-up lending ability. 
  3. Balmer, John M. T. & Greyser, Stephen A. (2003). «Section Six - Case Study: Bank One - "The Uncommon Partnership"». Revealing the Corporation: Perspectives on Identity, Image, Reputation, Corporate Branding, and Corporate-level Marketing : an Anthology. Psychology Press. [S.l.: s.n.] pp. 317–344. ISBN 9780415284219 – via Google Books 
  4. «Banc One Sets Ohio Takeover». The New York Times. The Banc One Corporation, a bank holding company in Columbus, Ohio, yesterday announced an agreement to acquire the Dayton-based Winters National Corporation for $122.1 million in stock. The merger would raise Banc One's assets to $6.2 billion, from $4.6 billion, and make it Ohio's largest banking organization. 
  5. a b «Banc One to Acquire Holding Companies In Lexington, Ky. - Crawfordsville, Ind.». Columbus Dispatch. Consultado em 1 de abril de 2020. Banc One Corp., moving to consolidate its presence in Indiana and expand into Kentucky, is acquiring two bank holding companies in those states with assets of almost $400 million. KYNB Bancshares Inc., Lexington, Ky., and the First Crawfordsville Financial Corp., Crawfordsville, Ind., have agreed to become part of the Columbus-based Banc One Corp. KYNB Bancshares is the parent of Citizens Union National Bank & Trust Co., Lexington, which has $260 million in assets and 11 offices. It is the third largest financial institution in Lexington and the 10th largest in Kentucky. Financial terms were not revealed... First Crawfordsville Financial Corp. is the parent of the $125 million First National Bank and Trust Co. of Crawfordsville. The bank has four offices. Banc One will exchange 12 shares of its stock for each share of First Crawfordsville stock. At a current Banc One market price of $23.50, the transaction is valued at $21.9 million. 
  6. «Banc One To Buy Parent Of Bank Of Indiana». Chicago Tribune. Banc One on Tuesday announced an agreement to buy Money Management Corp., a holding company based in Merrillville, Ind., which owns Bank of Indiana, the second-largest bank in Lake County, with 14 branches in addition to its headquarters office in Gary. The agreement, which involves a tax-free stock transaction valued at $27.3 million, calls for Banc One to exchange 0.75 common share for each of the 1,508,651 shares of Money Management common stock outstanding and 176,808 shares to be issued upon conversion of a preferred stock issue. Money Management has total assets of about $346 million. 
  7. «Banc One Goes Shopping». Chicago Tribune. Banc One Corp., Columbus, Ohio, is buying two Indiana banks--Charter 17 in Richmond, a bank holding company with $194 million in assets, for stock worth $38.5 million, and Northwest National Bank in Rensselaer, with $95 million in assets, for stock worth $11.8 million. 
  8. «Banc One to Buy American Fletcher». The New York Times 
  9. «Banc One to Affiliate With American Fletcher». Associated Press 
  10. a b «Banc One Corp. Swallows Indiana's Largest Bank». Post-Tribune. Consultado em 1 de abril de 2020. Indiana's largest bank and Ohio's second-largest bank holding company merged Monday, and chairmen of the two companies promised to expand as much as the law would allow. American Fletcher Corp. became a wholly owned subsidiary of Banc One Corp. of Columbus, Ohio, in a stock transaction valued at $552 million, American Fletcher chairman Frank E. McKinney Jr. said. Banc One Corp. is the owner of Bank One Merrillville, formerly Bank of Indiana... American Fletcher Corp., which owns American Fletcher National Bank of Indianapolis and four other banks in Indiana, was renamed Banc One Indiana Corp., McKinney said Monday at a news conference. American Fletcher National Bank will be known as Bank One Indianapolis, he said. Signs reflecting the change will be erected at the bank's branches starting Feb. 16, he said. The other banks owned by American Fletcher will also change their names to Bank One and the name of their home cities. They are Carmel Bank and Trust Co., Citizens Northern Bank of Elkhart, Union Bank and Trust Co. of Franklin and First American National Bank of Plainfield. Four other Indiana banks already owned by Banc One, in Crawfordsville, Lafayette, Marion, and Merrillville, will become affiliates of Banc One Indiana Corp. later this year, McKinney said. Banc One also has acquisitions pending in Rensselaer, Bloomington, and Richmond. Once those deals are completed, Banc One Indiana will control 10.8 percent of the total deposits in Indiana banks, McKinney said. 
  11. «Banc One to Buy Bank in Indiana». The New York Times. The Banc One Corporation, the fast-growing bank holding company based in Columbus, Ohio, said it had agreed to acquire the First National Corporation, which owns the First National Bank of Bloomington, Ind. Shareholders of First National, which has $241 million in assets and nine offices, will get about $52 million in Banc One stock. 
  12. «Business Briefs». United Press International. The Citizens State Bank in Sturgis, Mich., has become the sixth interstate bank affiliate of Banc One Corp. of Ohio. Citizens State, which has assets of $112.8 million and operates four offices in St. Joseph County, now will be known as Bank One, Sturgis. Banc One's 28 affiliate banks operate 378 offices in Ohio, Indiana, Kentucky and Michigan. 
  13. «Columbus Bank Expanding». Chicago Tribune. Banc One Corp. of Columbus, Ohio, acquired East Lansing State Bank of Michigan, which will be known as Bank One, East Lansing. 
  14. «Banc One To Buy Universal». Chicago Tribune. Banc One Corp. of Columbus, Ohio, plans to buy Universal Corp. of Ypsilanti, Mich., in a stock deal valued at about $13 million. Universal owns National Bank of Ypsilanti, which has eight offices and assets of $106 million. 
  15. «Flint-based Citizens to purchase 4 banks». Detroit Free Press. Consultado em 1 de abril de 2020 – via Newspapers.com. Citizens Banking Corp., based in Flint, has bought four Michigan banks from Banc One Corp. for $115 million. The four banks, in East Lansing, Fenton, Sturgis and Ypsilanti, will add 21 branches with $680 million in assets to Citizens. The transaction, expected to close before the end of the year, increases Citizens' assets by 25 percent, to $3.5 billion from $2.7 billion... A Banc One spokesperson said it decided the money realized from the sale, which had been in the works for about five months, could be better utilized in other areas. But he emphasized that Banc One did not rule out returning to branch banking in Michigan. 
  16. (Nota de imprensa) https://www.thefreelibrary.com/Citizens+Banking+Corporation+reports+first-quarter+earnings.-a016808456 – via The Free Library  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  17. «Banc One, Marine Agree to Merge in $543-Million Deal». Los Angeles Times 
  18. «Milwaukee's Marine Takes Banc One Bid». The New York Times 
  19. «Marine OKs Acquisition By Banc One». Chicago Tribune 
  20. «Milwaukee Banks May Combine». Chicago Tribune 
  21. «Milwaukee firm to buy bank in suburb» . Minneapolis Star-Tribune. In the first announcement of a planned bank acquisition under Minnesota's new interstate banking law, Community State Bank of Bloomington is to be acquired by Marine Corp. of Milwaukee. Marine Corp. is the third-largest bank holding company in Wisconsin, with assets of $3.9 billion as of March 31. The acquisition also would make Marine the third-largest bank holding company with banks in Minnesota after First Bank System, Inc., and Norwest Corp. Marine owns the $1.6 billion Marine Bank in Milwaukee and 21 other Wisconsin banks, with a total of 74 locations. It would take over Community State Bank in exchange for stock. The terms were not revealed. The acquisition must be approved by regulators and cannot be completed until January when Wisconsin's interstate banking law takes effect. Community State is the largest state-chartered bank in Minnesota, with assets of $191 million as of March 31. Its main office is located at 9633 Lyndale Av. S., and it operates branches in Apple Valley and western Bloomington. Limited interstate banking was approved by both the Minnesota and Wisconsin Legislatures earlier this year. Each law allows the acquisition of banks across state lines with other Midwestern states that pass similar laws. The Minnesota law is limited to the four bordering states, and Wisconsin is the only one of those states that has passed such legislation. 
  22. «Minnesota Bank Deal Announced». Milwaukee Sentinel – via Google News. Last April, Marine Corp. became the first bank holding company in Wisconsin to announce an interstate bank acquisition in the Midwest after passage of Wisconsin's interstate banking law. Marine said it agreed to acquire the Community State Bank of Bloomington, a bank with $200 million in assets. 
  23. «Marine Corp. Posts Record Net For Quarter». Milwaukee Sentinel – via Google News. Marine completed its acquisition of the Community State Bank of Bloomington, Minn., during the quarter. 
  24. «Marine Corp. To Buy Illinois' Banco Di Roma Charter». Chicago Tribune 
  25. «Marine Corp., Ohio firm agree to sell Bloomington bank if merger occurs» . Minneapolis Star-Tribune. Marine Corp. of Milwaukee, Wis., has agreed to relinquish the first bank acquired under Minnesota's 1986 interstate banking law if Marine is bought by an Ohio firm. Marine and Banc One Corp. of Columbus signed an agreement Friday to sell the former Community State Bank of Bloomington within two years after their merger if the Minnesota law is not amended. The law's so-called "antileapfrogging" provision bans acquisitions by banking companies whose headquarters lie outside the five-state region outlined in the law... The 1986 law forbids a company to buy a bank in a state eligible under the law and then use that bank to "leapfrog" into Minnesota. The 1986 law allowed interstate acquisitions of banks with any of Minnesota's four neighboring states that passed similar legislation. Wisconsin is the only state to do so. Marine acquired Community State Bank for $24 million last February, months before it announced a merger agreement with Banc One. The law is silent on whether later mergers of out-of-state companies would constitute leapfrogging. 
  26. «Marine Allowed Time For Sale Of Illinois Unit». Milwaukee Sentinel – via Google News 
  27. «Banc One To Sell Marine Bank Here». Chicago Tribune 
  28. a b «2 Buyers On The Prowl For Illinois Banks». Chicago Tribune 
  29. Crum, Lawrence L. «Banks and Banking». Texas State Historical Association 
  30. «Banc One Gets Units In Texas». The New York Times 
  31. «Rescue Deal Set for 20 Failed Banks in Texas». Los Angeles Times 
  32. «MCorp Deal Will Cost $2 Billion». The New York Times 
  33. «Regulators Seize 20 Subsidiary Banks of MCorp». Los Angeles Times 
  34. MCorp (PDF). Federal Deposit Insurance Corp. [S.l.: s.n.] Agosto de 1997 
  35. «Mercantile Merger». The New York Times 
  36. «Texas Bank Merger A Challenge for MCorp». The New York Times 
  37. «JPMorganChase merger means another name change for Bank One». Houston Business Journal 
  38. «Shareholders Vote to Create Mcorp». Dallas Morning News. Consultado em 1 de abril de 2020. After more than 15 months, shareholders of Mercantile Texas Corp. and Southwest Bancshares Inc. voted to merge their companies -- creating MCorp. The new firm, with 65 subsidiary banks and $20.4 billion in assets, now ranks among the largest Texas bank-holding companies. The use of "M' in the company's name is to be followed in designating its banks as MBanks and other subsidiaries with similar names -- such as its electronic banking unit, MTech. The "M' comes from the familiar Mercantile advertising slogan, "Momentum. 
  39. «Regulators Sell Texas S&L in Bailout's Biggest Deal». Los Angeles Times 
  40. «Ohio Bank Buys Unit In Texas». The New York Times 
  41. «Bank One likely to buy Bright Banc». Dallas Morning News. Consultado em 1 de abril de 2020. The sale would nearly double the Texas branches of Bank One, a unit of Banc One Corp. of Columbus, Ohio. Banc One entered the Texas market in June when it agreed to buy 20 failed banks formerly owned by MCorp. Bright Banc's franchise particularly would enhance Bank One's presence in Dallas, where the thrift owns about 40 branches. Bright Banc operates in 51 locations around the state and Banc One in 63. 
  42. «Ben Franklin Savings sold to Bank One». Houston Chronicle. Consultado em 1 de abril de 2020. Banking regulators sold Benjamin Franklin Federal Savings Association on Friday to Bank One Texas, ending the federal government's 2 1/2-year ownership of one of Houston's largest savings and loans. The RTC will advance Bank One $1.39 billion for the deal and will retain $1.2 billion in Ben Franklin's assets. After selling those assets, the RTC expects it will have spent $976 million on the deal. 
  43. «Bank One Texas buys 13 branches of failed Benjamin Franklin thrift». Dallas Morning News. Consultado em 1 de abril de 2020. Bank One Texas expanded its Houston franchise Friday with the purchase of 13 branches of the failed Benjamin Franklin Federal Savings Association. In the process, the Dallas-based bank also picked up $1.47 billion in deposit accounts from the thrift. The Resolution Trust Corp., which pays out cash to cover depositors at failed thrifts, said the institution's collapse will cost taxpayers $976 million. 
  44. «Banc One Corp. Plans Purchase of Team Bank : Merger: Texas' second-largest bank plans to buy state's fifth-largest bank in a $782-million stock swap.». Los Angeles Times 
  45. «Another Texas Bank for Banc One». The New York Times 
  46. «2 Banking Firms Move On Illinois». Chicago Tribune 
  47. «Banc One Makes Move On Chicago». Chicago Tribune 
  48. «Banc One to acquire First Illinois». United Press International 
  49. «Banc One in Stock Deal To Buy First Illinois». The New York Times 
  50. «Banc One To Acquire First Illinois: $367 Million Deal Brings In Ohio Group». Chicago Tribune 
  51. «First Security To Banc One». The New York Times 
  52. «Banc One, Liberty National To Merge Bank Operations». Orlando Sentinel 
  53. «Banc One to Take $40 Million Charge In Third Quarter». The New York Times 
  54. «Liberty National Bancorp, Inc. Form 8-K». United States Securities And Exchange Commission – via EDGAR Online 
  55. (Nota de imprensa) https://www.thefreelibrary.com/LIBERTY+NATIONAL+BANCORP+TO+JOIN+BANC+ONE-a014266023 – via The Free Library  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  56. «Banc One to Acquire Colorado Bank». Los Angeles Times. Columbus, Ohio-based Banc One Corp. said it will acquire Affiliated Bankshares of Colorado in a $378-million transaction. Affiliated Bankshares has $2.8 billion in assets and operates 27 affiliate banks with 38 offices in Colorado. 
  57. «Affiliated Bankshares and Banc One announce merger». United Press International 
  58. «Banc One Set to Acquire Valley National for Stock». The New York Times 
  59. (Nota de imprensa) http://www.thefreelibrary.com/VALLICORP+HOLDINGS+ANNOUNCES+PLANS+TO+ACQUIRE+BANK+ONE+FRESNO-a015478588 – via The Free Library  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  60. «Banking». Los Angeles Times. Banc One Buys 58 Great American Branches: Banc One Corp. purchased the Arizona branches of San Diego-based Great American Bank, which was seized by federal regulators in 1991. 
  61. «Banking giants seek Arizona expansion». Tucson Citizen. But with Banc One Corp.’s May 13 purchase of Great American’s 58-branch franchise, the options for acquiring a share of the Arizona market have become fewer and more costly. Banc One paid $49.36 million for Great American’s branches and $1.4 billion in deposits. 
  62. «Bank One buys most of Great American; deal with RTC will cost $49.3 million». Arizona Daily Star. Consultado em 1 de abril de 2020. Bank One Arizona, attracted by a network of bank branches in grocery stores, yesterday bought 58 of Great American Bank's 60 Arizona offices from the Resolution Trust Corp. 
  63. «Banc One Announces Plan To Acquire Key Centurion». The New York Times 
  64. «Banking». Los Angeles Times 
  65. «Banc One to Acquire Holding Company In Oklahoma City». The New York Times 
  66. «Banc One in Deal to Acquire Oklahoma Bank». The New York Times 
  67. «Banc One Completes Purchase of Liberty». Tulsa World 
  68. «$546 Million Deal Sends Liberty Bank to Banc One». The Oklahoman 
  69. «Banc One to Acquire Premier Bancorp». The New York Times 
  70. «Banc One to buy Premier Bancorp». Tucson Citizen 
  71. «Who will buy Louisiana's banks?». American Banker. Consultado em 1 de abril de 2020 
  72. «Premier to get cash, merge with Banc One». Baton Rouge Advocate. pp. 1–A;S. Consultado em 1 de abril de 2020. Baton Rouge-based Premier Bancorp Inc. expects to receive $65 million from Banc One Corp. and merge within five years into the Columbus, Ohio, bank holding company -- one of the nation's largest -- under terms announced by Premier on Wednesday. 
  73. «Banc One to Buy State's 3rd-largest Bank». New Orleans Times Picayune. Consultado em 1 de abril de 2020. Premier Bancorp Inc. of Baton Rouge announced that it has agreed to be acquired in the mid-1990s by the $32-billion asset Banc One Corp., based in Columbus, Ohio. Premier is Louisiana's third-largest banking company, after Hibernia Corp. and First Commerce Corp., both of New Orleans. First Commerce is the owner of First National Bank of Commerce. 
  74. (Nota de imprensa) http://www.prnewswire.com/news-releases/banc-one-completes-acquisition-of-first-commerce-in-louisiana-78040387.html  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  75. (Nota de imprensa) http://www.prnewswire.com/news-releases/first-commerce-in-louisiana-to-join-banc-one-corporation-77654697.html  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  76. «Banc One to Pay $3 Billion In Stock for First Commerce». The New York Times 
  77. «Banc One to Buy First Commerce». Los Angeles Times 
  78. a b (Nota de imprensa) http://www.prnewswire.com/news-releases/banc-one-completes-acquisition-of-first-usa-76113907.html  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  79. «Banc One buys First USA». CNN 
  80. «Banc One Is Said to Plan Bid Of $7 Billion for First USA». The New York Times 
  81. «McCoy quits as chairman, ends dynasty at Bank One: Third-generation leader saw bank's value tumble after credit-card venture». Baltimore Sun 
  82. «MCorp Establishes MNet Subsidiary to Sell Consumer Financial Services». American Banker. Consultado em 1 de abril de 2020 – via Highbeam Research. MNet will include at least 12 other units, with operations ranging from credit cards and electronic banking to mortgages and insurance 
  83. «Banking on Delaware's work force». The Morning News. ...But that changed when MCorp, a Dallas-based bank holding company, began setting up MBank USA. While other banks started slowly, MBank hit the ground running. 
  84. «Lomas & Nettleton In Deal for MNet». The New York Times 
  85. «MCorp sells banking unit». Dallas Morning News. Consultado em 1 de abril de 2020. For the first nine months of 1986, MCorp reported a net loss of $91 million after adding $321 million to its reserve to cover possible loan losses. Earlier this month, the company suspended payment of its common stock dividend. 
  86. «Lomas & Nettleton dropping "M' from unit's name». Dallas Morning News. Consultado em 1 de abril de 2020. Lomas & Nettleton Financial Corp., the Dallas-based financial services and mortgage banking company, has announced it is dropping the "M' designated names associated with its retail banking company and its subsidiaries. The banking unit, now called MNet, took its M name from its former parent MCorp., the Dallas bank-holding company whose advertising slogan and corporate identity is based on the word Momentum. The retail banking unit, which was acquired by Lomas in 1986, will be called Lomas Bankers Corp. effective Nov. 1. 
  87. «MBank USA to Buy Banks' Card Accounts». Dallas Morning News. Consultado em 1 de abril de 2020. MNet, a financial services subsidiary of Lomas & Nettleton Financial Corp. of Dallas, announced Wednesday that its credit-card subsidiary will purchase for $143 million the outstanding credit card accounts of two Oklahoma banks. MNet's subsidiary, MBank USA, signed a letter of intent with Liberty National Bank and Trust of Oklahoma City and First National Bank and Trust of Tulsa to buy about 260,000 Visa and MasterCard accounts. 
  88. «National Bancshares to Sell Card Operation to Mnet». Dallas Morning News. Consultado em 1 de abril de 2020. National Bancshares Corp. of San Antonio has agreed to sell its 90,000-customer credit card business for $46 million to MNet, the retail banking subsidiary of Lomas & Nettleton Financial Corp. of Dallas. 
  89. «Lomas to Sell Credit Card Bank Operation». The New York Times 
  90. «Merrill Lynch buys Lomas Bankers». Dallas Morning News. Consultado em 1 de abril de 2020. Two months after announcing the deal, Lomas Financial Corp. has completed its sale of the company's retail banking operation to an investor group set up by Merrill Lynch Capital Partners Inc. The Merrill Lynch group bought Lomas Bankers Corp. for $435 million in cash and $65 million in preferred stock. Lomas will use net proceeds from the sale to pay off a $375 million bridge loan the company received last month "for liquidity purposes" and to reduce other corporate debts, according to Lomas chairman Jess Hay. Lomas Bankers, one of the country's largest credit-card operators, has 1.7 million in MasterCard and Visa accounts totaling $1.35 billion in receivables. 
  91. a b «Lomas Bankers Corp. renamed First USA». Dallas Morning News. Consultado em 1 de abril de 2020. The new owner of Lomas Bankers Corp., formerly owned by the now-bankrupt Lomas Financial Corp., on Thursday said the bank would be renamed First USA. A group led by Merrill Lynch Capital Partners Inc., part of the investment firm based in New York, bought the bank in August from Lomas Financial. Lomas Bankers' primary subsidiary, Lomas Bank USA, ranks as the nation's 11th-largest issuer of credit cards. At June 30, the Delaware-based institution served 1.7 million credit-card accounts with outstanding receivables of $1.35 billion. The subsidiary bank will be called First USA Bank, and nine affiliated companies will get similar monikers. Lomas Financial sold the parent bank for $435 million in cash and $65 million in 10-year redeemable preferred stock. 
  92. a b «First USA out on top after LBO - Stock offer in works for credit-card bank». Dallas Morning News. Consultado em 1 de abril de 2020. Dallas-based First USA, taken private in a 1989 buyout, is planning a stock offering that will triple the investment of its current owners... First USA is in the business of issuing credit cards, the most lucrative side of U.S. banking these days. First USA ranks as the nation's 14th-largest issuer of Visa and MasterCard accounts, having distributed 2.9 million cards with outstanding balances of $2.2 billion... In a business where a bank hopes to earn a profit equal to 1 percent of its assets, First USA Bank makes at least twice that much. In the last six months of 1991, the bank generated a return of nearly 25 percent on its owners' investment... The bank's parent company has made less money, even dipping into the red in 1990. But that's because the parent company must pay interest on loans it borrowed to buy First USA in the 1989 buyout. The new stock offering should help reduce that debt load... Huge profits on credit cards have not come without controversy. Congress, angered at card rates as high as 22 percent, last November threatened to put a cap on the interest that banks can charge for Visas and MasterCards... Lomas, of course, failed in 1989, but not before selling its credit-card bank to a group led by Mr. Tolleson and other managers. 
  93. «First USA raises almost $43 million in stock offering». Dallas Morning News. Consultado em 1 de abril de 2020. On its second try, First USA on Wednesday sold a piece of itself to the public, raising nearly $43 million in its initial stock offering... First USA has said it will use most of the cash to buy back common and preferred stock now held by Lomas Financial Corp., which once owned First USA. First USA began in 1985 as the credit-card subsidiary of MCorp. The company now ranks as the nation's 14th-largest credit-card company with 3 million Visa and MasterCard accounts and total balances of $2.2 billion... On Wednesday, First USA sold 4 million shares to the public at a price of $9.50 a share. First USA officers and Merrill Lynch bought another 500,000 shares of non-voting stock as part of the sale. First USA's management includes former MBank executive John C. Tolleson, who was a principal in the First USA buyout from Lomas. Mr. Tolleson is chairman and chief executive officer of First USA. After Wednesday's sale, the public will hold about 20 percent of First USA. Merrill Lynch and affiliates will remain the dominant owners with little more than half of the company's shares, management will retain about 8 percent, with the rest spread among other shareholders. 
  94. «Banc One To Acquire First USA Of Dallas: Stocks React To Deal By Tumbling». Fort Lauderdale Sun Sentinel 
  95. «First Chicago and NBD to Merge as Banks Scurry to Grow». The New York Times 
  96. «First Chicago, NBD Merger Final: Shareholder OK Creates Nation's 7th-largest Bank». Chicago Tribune 
  97. «Bank One slashes jobs». CNNMoney.com 
  98. «PNC gets to name Pittsburgh's new ballpark». Pittsburgh Post-Gazette 
  99. JPMorgan Chase Announces Changes to Private Equity Business. Publicado em 1 de março de 2005. Consultado em 1 de abril de 2020.