Manuel Francisco de Paula Cavalcanti

(Redirecionado de Barão de Muribeca)
Manuel Francisco de Paula Cavalcanti
Nascimento 1804
Morte 1894 (90 anos)
Cidadania Brasil
Alma mater Universidade de Göttingen
Ocupação político
Prêmios Comendador da Ordem Militar de Cristo
COA Viscount of Suaçuna.svg
Armas do barão de Muribeca, as mesmas das famílias Albuquerque e Cavalcanti.

Manuel Francisco de Paula Cavalcanti, primeiro e único barão de Muribeca, (Província de Pernambuco, 12 de outubro de 1804Recife, 28 de janeiro de 1894) foi advogado, político e senhor de diversos engenhos-de-açúcar brasileiro.

BiografiaEditar

Filho de Maria Rita de Albuquerque Melo e do capitão-mor Francisco de Paula Cavalcanti de Albuquerque; era irmão de Francisco de Paula Cavalcanti de Albuquerque, visconde de Suaçuna, de Antônio Francisco de Paula Holanda Cavalcanti de Albuquerque, visconde de Albuquerque, e de Pedro Francisco de Paula Cavalcanti de Albuquerque, visconde de Camarajibe.

Formou-se em ciências jurídicas e sociais pela Universidade de Gotinga, na Alemanha, tendo antes estudado matemática na Universidade de Coimbra.

Durante o regime monárquico, militou no Partido Conservador, no qual gozava de grande influência. Por diversas vezes, exerceu o cargo de deputado à Assembleia Provincial, tendo ocupado o lugar de presidente da mesma, assim como da Câmara Municipal de Recife. Também teve assento na Assembleia Geral, em uma legislatura, na qualidade de suplente.

Recebeu a comenda da Ordem Militar de Cristo. Elevado a barão por decreto de 14 de julho de 1860, em referência à vila pernambucana homônima.

Casou-se com sua prima Maria da Conceição do Rego Barros, filha de sua tia paterna Mariana Francisca de Paula Cavalcanti de Albuquerque e de Francisco do Rego Barros, coronel do regimento de milícias da vila do Cabo de Santo Agostinho. Eram irmãos dela o Barão de Ipojuca e o Conde da Boa Vista.[1]

Era senhor dos engenhos Muribeca, Pantorra (onde residia), Muciapé, Camorim, Curado, Brum e São João. Neste último, localizado na freguesia da Várzea, em Recife, veio a falecer na avançada idade de 89 anos, já viúvo de Conceição, que falecera em 27 de setembro de 1887, aos 90 anos.[2] Ambos foram sepultados no Cemitério de Santo Amaro. Como não teve filhos, deixou todos os seus bens a seu sobrinho Francisco do Rego Barros de Lacerda.[3]

Referências

  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.