Bartira (também conhecida como M'bicy ou Isabel Dias) foi uma indígena tupiniquim cuja trajetória foi importante para o estabelecimento da sociedade colonial no planalto paulista do século XVI.[1][2]

Bartira
Morte 1580

Ela foi uma das filhas do famoso cacique Tibiriçá, um importante líder tupiniquim, e casou-se com João Ramalho nos costumes indígenas. Na época, estas relações entre as mulheres indígenas e os homens europeus eram a forma como as alianças políticas e diplomáticas eram construídas em várias partes dos impérios coloniais europeus.[3]

Monumento Fundadores de São Paulo de Luis Morrone. Note-se a figura de Bartira ao centro.

Presumivelmente em 1515, ela casou-se com o aventureiro-explorador João Ramalho, português natural de Vouzela, com quem viveu por mais de quarenta anos. Recebeu o nome de Isabel Dias ao ser batizada na religião católica pelos Jesuítas, no planalto de Piratininga. O casal teve nove filhos juntos, dos quais descenderam os principais membros das famílias da elite paulista colonial.[4]

Entre os descendentes de Bartira, encontram-se o general Antônio de Sousa Neto, articulador da República Rio-Grandense[5] e a rainha-consorte Silvia Sommerlath da Suécia, descendente de quatrocentões paulistas.[6][7]

BibliografiaEditar

Ver tambémEditar

Referências

  1. «São Paulo 450 anos - OS FUNDADORES». www.al.sp.gov.br. Consultado em 26 de junho de 2020 
  2. «Nº20 – Perfil > João Ramalho». Revista Apartes (edições anteriores). Consultado em 26 de junho de 2020 
  3. Garcia, Elisa (2020). "As Mulheres Indígenas na Formação do Brasil: Historiografia, agências nativas e símbolos nacionais". In: Elisa Frühauf Garcia & Georgina dos Santos (Orgs.), Mulheres do mundo Atlântico: Gênero e condição feminina da época moderna à contemporaneidade. Belo Horizonte: Fino Traço. p. 27. 46 páginas. ISBN 9786589011170 
  4. GODOY, Silvana Alves de. Mestiçagem, guerras de conquista e governo dos índios: a vila de São Paulo na construção da monarquia portuguesa na América (séculos XVI e XVII). Tese apresentada ao PPGHIS do Departamento de História da UFRJ, Rio de Janeiro, 2016.
  5. Bicentenário do general Antônio de Sousa Neto
  6. EPTV. «Nossa Gente: Programa especial de 40 anos relembra as raízes da população». Institucional EPTV. Consultado em 26 de junho de 2020 
  7. Abroliveira (13 de outubro de 2016). «O Pai Dos Paulistas: A História de João Ramalho». SP In Foco. Consultado em 26 de junho de 2020 

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.