Abrir menu principal

Basílica Menor Nossa Senhora do Rosário (Caieiras)

Basílica Menor Nossa Senhora do Rosário (Caieiras)
Vista da Basílica
Estilo dominante Neogótico
Início da construção 2006 (13 anos)
Fim da construção 2008
Religião Catolicismo
Diocese Diocese de Bragança Paulista
Geografia
País  Brasil
Região São PauloSão Paulo
Website
Website [1]

A Basílica Menor Nossa Senhora do Rosário pertence ao conjunto de edifícios no qual se encontra o Seminário da Sociedade Clerical Virgo Flos Carmeli e a Casa de Formação dos Arautos do Evangelho, localizada no alto da Serra da Cantareira, no município de Caieiras, São Paulo.

A Basílica, construída em arquitetura neogótica e com 60 metros de altura, tem paredes, vitrais e teto ricamente decorados com figuras religiosas e desenhos nas cores azul, vermelho e dourado.[1] Sua edificação e ornamentação foram acompanhadas continuamente pelo fundador dos Arautos do Evangelho, Mons. João Scognamiglio Clá Dias, EP. A construção foi financiada por doações, em um terreno de 107 km² de uma hípica desativada, doado por seu antigo proprietário.[2]

Junto à basílica, há um auditório e acomodações para receber seminaristas e membros do grupo vindos de vários países do mundo. As missas são realizadas diariamente, em vários horários. Aos domingos, as cerimônias são acompanhadas de canto gregoriano.[3]

Seminaristas de diversas partes do mundo residem na Basílica, onde estudam filosofia, teologia e ciências da religião, além de diversos idiomas como italiano, inglês, espanhol, hebraico e grego. O seminário dura sete anos. Para tais estudos, os seminaristas contam com uma biblioteca com mais de 65 mil obras, a qual terá sua capacidade ampliada para 150 mil livros.[2][4]

Índice

Breve HistóricoEditar

A Basílica de Nossa Senhora do Rosário, começou a ser construída em outubro de 2006, inspirada no estilo gótico das catedrais medievais como Notre-Dame e Saint Chapelle, ambas em Paris.

A solene dedicação foi celebrada em 24 de fevereiro de 2008, presidida pelo Cardeal Franc Rodé, CM, então Prefeito da Congregação para institutos de Vida Consagrada e Sociedades de Vida Apostólica.

Em 18 de outubro de 2009, foi elevada à categoria de Igreja matriz paroquial, atendendo aos fiéis da região. E em 21 de Abril de 2012, o Papa Bento XVI a elevou à categoria de Basílica Menor.

BasílicaEditar

 Ver artigo principal: Basílica

O termo Basílica é proveniente do grego e originalmente significa casa real. Essa palavra designava um majestoso edifício público, que nas civilizações grega e romana se destinava comummente à sede de um tribunal de justiça. A palavra Basílica começou a fazer parte do vocabulário católico quando várias dessas construções se converteram em templos cristãos.

Há dois tipos de basílicas: as maiores e as menores.

As maiores são poucas, particularmente as quatro basílicas papais romanas (São João de Latrão, São Pedro, Santa Maria Maggiore e São Paulo Extramuros), ainda que também sejam consideradas basílicas papais as de São Lorenço Extramuros e a Igreja de São Francisco, em Assis, pois tem altar Papal e trono. Uma interessante característica das basílicas maiores é que seu altar-mor é de uso exclusivo do Papa, podendo ser utilizado por outro celebrante somente com uma autorização própria. Além disso possui uma Porta Santa que, sendo transposta durante os anos jubilares, concede indulgências. Formando uma “coroa” ao redor das Basílicas Maiores se encontram as Basílicas Menores, mais de 1.500 em todo o orbe.

Para que um templo possa alcançar o título de basílica, o que ocorre por meio de um Breve Apostólico, devem-se cumprir três requisitos:

1º) Ser um templo de régio esplendor, com arquitetura destacada;

2º) O templo deve ser foco espiritual de uma comunidade que é santuário para a multidão de devotos que acodem a ele;

3º) Abaixo de suas abóbadas deve existir um tesouro espiritual e sagrado.[5]

Referências

Ligações externasEditar