Basônimo

No nome científico de organismos, ou basiônimo basiónimo[1][2] significa o nome original em que um novo nome é baseado; a citação do autor do novo nome deve incluir os autores do basiônimo entre parênteses. O termo combinação original ou protônimo é usado da mesma forma em zoologiaBacteriologia usa um termo similar, basônimo, escrito sem i .[3]

Uso em botânicaEditar

O termo "basiônimo" é usado em botânica apenas para as circunstâncias em que existe um nome anterior com uma descrição útil, e o Código Internacional de Nomenclatura para algas, fungos e plantas não exige uma descrição completa com o novo nome.[4] Um basiônimo deve, portanto, ser legítimo . Os basiônimos são regulamentados pelos artigos 6.10, 7.3, 41 e outros do código.[5]

Quando um nome atual tem um basiônimo, o autor ou autores do basiônimo são incluídos entre parênteses no início da citação do autor. Se um basiônimo for posteriormente considerado ilegítimo, ele se torna um sinônimo substituído e a citação do autor do nome atual deve ser alterada para que os autores do basiônimo não apareçam.

Combinação novaEditar

O basiônimo do nome Picea abies (o abeto da Noruega) é Pinus abies. A espécie foi originalmente denominada Pinus abies por Carl Linnaeus e, portanto, a citação do autor do basiônimo é simplesmente "L". Mais tarde, o botânico Gustav Karl Wilhelm Hermann Karsten decidiu que esta espécie não deveria ser agrupada no mesmo gênero ( Pinus ) que os pinheiros, então ele a transferiu para o gênero Picea (os abetos). O novo nome Picea abies é combinatio nova, uma nova combinação (abreviado comb. nov. ). Com citação do autor, o nome atual é " Picea abies (L.) Karst".

Status novusEditar

Em 1964, o nome da subfamília Pomoideae, que estava em uso para o grupo da família Rosaceae que tem pomóideas parecidas a maçãs, não era mais aceitável sob o código de nomenclatura porque não é baseado em um nome de género. Claude Weber não considerou o nome da família Malaceae Small taxonomicamente apropriado, então ele criou o nome Maloideae na categoria de subfamília, referindo-se à descrição original da família, e usando o mesmo tipo.[6] Esta mudança de classificação de família para subfamília é um exemplo de status novus (abreviado stat. nov. ), também chamado de "nome em nova classificação".

ReferênciasEditar

  1. WoRMS Notadusta punctata (Linnaeus, 1771)
  2. Heiden, G. (2013), «Two new combinations in Baccharis (Asteraceae: Astereae)» (PDF), Phytoneuron, 2013-78: 1–2 
  3. Tindall, B. J. (1999), «Misunderstanding the Bacteriological Code», International Journal of Systematic Bacteriology, 49 (3): 1313–1316, PMID 10425796, doi:10.1099/00207713-49-3-1313 
  4. Turland, N. (2013), The Code Decoded: A user's guide to the International Code of Nomenclature for algae, fungi, and plants, ISBN 978-3-87429-433-1, Regnum Vegetabile Volume 155, Koeltz Scientific Books 
  5. McNeill, J.; Barrie, F.R.; Buck, W.R.; Demoulin, V.; Greuter, W.; Hawksworth, D.L. (2012). «Glossary». International Code of Nomenclature for algae, fungi, and plants (Melbourne Code) adopted by the Eighteenth International Botanical Congress Melbourne, Australia, July 2011. Regnum Vegetabile 154. [S.l.]: A.R.G. Gantner Verlag KG. ISBN 978-3-87429-425-6 
  6. Weber, C. (1964), «The genus Chaenomeles (Rosaceae)», Journal of the Arnold Arboretum, 45: 161–205, 302–345  Page 164, footnote 1