Batalhão de Azov

regimento da Guarda Nacional Ucraniana

O Destacamento de Operações Especiais "Azov" (em ucraniano: Окремий загін спеціального призначення «Азов», transl. Okremyi zahin spetsialnoho pryznachennia "Azov"), conhecido como o Regimento Azov (em ucraniano: Полк «Азов», transl. Polk "Azov") ou mais comumente pelo seu nome antigo de até Setembro de 2014, Batalhão de Azov (em ucraniano: батальйон «Азов», transl. Bataliyon "Azov"), é uma unidade da Guarda Nacional da Ucrânia, sediada em Mariupol, na região costeira do Mar de Azov, de onde deriva seu nome.[2] O grupo é controverso por suas origens como uma milícia paramilitar fundado por neonazistas[3][4] e ultranacionalistas ucranianos. Foi fundada pelo ativista de extrema-direita Andriy Biletsky e luta à favor da Ucrânia contra as forças separatistas pró-Rússia na Guerra em Donbas e mais recentemente contra as Forças Armadas Russas durante a Invasão Russa da Ucrânia.

Destacamento de Operações Especiais "Azov"
Підрозділ спеціального призначення «Азов»
Okremyi zahin spetsialnoho pryznachennia "Azov"
AZOV logo.svg
Emblema do Batalhão Azov
País  Ucrânia
Corporação Great emblem of the National Guard of Ukraine.svg Guarda Nacional da Ucrânia
Subordinação Геральдичний знак - емблема МВС України.svg Ministério do Interior da Ucrânia
Tipo de unidade Infantaria mecanizada
Criação 2014
Aniversários 5 de Maio
Cores           Azul e Dourado
História
Guerras/batalhas Guerra em Donbas
  • Primeira Batalha de Mariupol
  • Batalha no Shakhtarsk Raion
  • Batalha de Ilovaisk
  • Batalha de Novoazovsk
  • Segunda Batalha de Mariupol
  • Segunda Batalha do Aeroporto de Donetsk
  • Batalha de shyrokyne
  • Batalha de Marinka

Invasão da Ucrânia pela Rússia em 2022

Logística
Efetivo 900–2.500 soldados[1]
Insígnias
Estandarte Banner of the Azov Regiment.svg
Comando
Comandante Nikita Nadtochiy (Maio 2022 - presente)
Comandantes
notáveis
Andriy Biletsky (Maio - Outubro 2014)
Denys Prokopenko (Setembro 2017 – 29 de Maio 2022)
Sede
Guarnição Mariupol, Oblast de Donetsk, Ucrânia
Página oficial https://azov.org.ua/

O grupo foi fundado em 2014 como um "Batalhão de Defesa Territorial" durante a Guerra em Donbas, foi formado por voluntários vindo de diversos grupos nacionalistas, criado para “preencher a lacuna” nas defesas militares ucranianas.[5] Azov teve seu batismo de fogo ao recapturar a cidade de Mariupol em Junho de 2014.[6] Em Novembro, o Batalhão de Azov foi integrado como parte formal da Guarda Nacional da Ucrânia.[5] Em 2022, o grupo ganhou destaque novamente durante a Invasão Russa da Ucrânia por lutar contra as forças russas em e Mariupol,[5] principalmente pela sua defesa no sangrento Cerco de Mariupol.[7] Onde após dois meses de combate intenso, a maioria do Regimento, incluindo seu líder Denys Propkoenko, se rendeu.[8]

O Batalhão de Azov é muito mais que uma unidade militar, mas se tranformou em um movimento político conhecido como o "Movimento Azov", que tem seu próprio partido político - o Partido do Corpo Nacional - duas editoras, acampamentos de verão para crianças, e tinha uma força de vigilância conhecida como a Milícia Nacional (Natsionalni Druzhyny), que patrulhava as ruas das cidades ucranianas ao lado da polícia. Sua ala militar tem pelo menos duas bases de treinamento e um vasto arsenal de armas, de drones e veículos blindados a peças de artilharia.[9] É notável também por seu recrutamento de combatentes estrangeiros de extrema direita dos EUA e da Europa, bem como seus extensos laços transnacionais com outras organizações de extrema direita.[10][11]

O Batalhão Azov é extremamente controverso, com o grupo sendo classificado como neonazista por diversos analistas,[12][13][14] com suas tropas usando símbolos controversos, como a Wolfsangel em seu emblema.[12] Além de alegações vários casos de abusos de direitos humanos e crimes de guerra na Guerra civil no leste da Ucrânia, principalmente em casos de torturas, estupros, saques, limpeza étnica e perseguição de minorias.[15] O governo ucraniano foi duramente criticado por analistas e políticos estrangeiros por legitimar o Batalhão Azov. Em 2018, o Congresso dos Estados Unidos aprovou um projeto de lei que proíbe a venda de armas ao Batalhão Azov.[16] O Escritório ONU para os Direitos Humanos denunciou o grupo.[15] Enquanto a Rússia usou a legalização do grupo pelo governo ucraniano como casus belli para a invasão de 2022, inflando sua presença e influência dentro da Ucrânia para pintar a imagem de todo o governo e militares ucranianos como sob controle nazista.[17] Por outro lado, o Regimento Azov e o governo ucraniano negam e denunciam a ideologia neonazista[18] e várias especialistas e analistas políticos afirmaram que desde a sua integração à Guarda Nacional, o batalhão se tornou relativamente despolitizado e desradicalizado, com a ideologia radical de direita associada ao batalhão tornando-se mais marginal, ou que não faz sentido descrevê-lo como uma "unidade neonazista".[19][20][21][22][23][24]

HistóriaEditar

 
Andriy Biletsky (esquerda) e voluntários do batalhão em Mariupol, Junho de 2014. Nessa época o Batalhão Azov ainda era comumente chamado de "Corpo Negro" ou os "Homens de Preto" devido à seus uniformes e máscaras todo pretos.[25][26]

FundaçãoEditar

Durante as primeiras fases da Guerra em Donbas, as Forças Armadas da Ucrânia estavam mal preparadas, mal equipadas, com falta de profissionalismo, moral, espírito de luta e incompetência no alto comando, resultando em derrotas contra as forças separatistas.[27] Como reação houve a formação dos "Batalhões de Defesa Territorial", milícias e grupos paramilitares formadas por civis voluntários, para “preencher a lacuna” nas defesas militares ucranianas.[5] Muito desses grupos eram geralmente ligados por movimentos e partidos políticos, principalmente grupos nacionalistas que haviam se tornado espaço após o Euromaidan e a Revolução da Dignidade. Os batalhões foram regulamentadas pelo Ministério de Assuntos Internos como unidades de "Polícia de Patrulha de Tarefas Especiais."[28]

O Batalhão Azov tem suas raízes em um grupo de torcida organizada de futebol (ultras) do FC Metalist Kharkiv chamado "Sect 82" (1982 é o ano de fundação do grupo).[29] "Sect 82" era (pelo menos até setembro de 2013) aliado com os ultras FC Spartak Moscow.[29] No final de fevereiro de 2014, durante a crise ucraniana de 2014, quando um movimento separatista estava ativo em Kharkiv, o "Sect 82" ocupou o prédio da administração regional da Oblast de Carcóvia em Kharkiv e serviu como uma força de "autodefesa" local.[29] Logo, com base no "Sect 82", formou-se uma polícia de patrulha de tarefas especiais chamada "Eastern Corps".[29]

 
Insígnia do "Corpo Negro", usado pelo Batalhão Azov no começo[30]

Andriy Biletsky, ativista político de extrema-direita, fundador e líder dos grupos radicais "Patriotas da Ucrânia" e "Assembleia Social-Nacional da Ucrânia" foi liberado da cadeia em Fevereiro após ser considerado um prisioneiro político do antigo governo.[31] Biletsky usou de sua posição para formar uma milícia a partir de de ativistas de seu partido para patrulhar as ruas de Kharkiv. Ajudando a polícia local e o Serviço de Segurança da Ucrânia a combater a agitação pró-russia.[32][25] A milícia de Biletsky ficou conhecida como o "Corpo Negro" (em ucraniano: Чорний Корпус, transl. Chorny Korpus) e apelidado pela mídia ucraniana como os "Homens de Preto" ou "Homenzinhos pretos", uma alusão Homenzinhos verdes russos, devido ao seu sigilo e mistério, bem como o uso de uniformes e máscaras totalmente pretos em Kharkiv e depois em Mariupol.[25][26] Em 14 de março, membros da organização militante pró-Rússia "Oplot" (que mais tarde se tornaria um batalhão militar separatista, e o chefe do ramo de Donetsk, Alexander Zakharchenko, se tornaria chefe da República Popular de Donetsk) e do movimento Anti-Maidan, armados com armas brancas e de fogo tentaram invadir a sede local do Patriotas da Ucrânia.[33][34] O Corpo Negro retaliou com armas automáticas, e a situação se transformou em um tiroteio entre os dois grupos. Deixando dois mortos do lado russo.[33][34] Naquela época, o "Corpo Negro" tinha cerca de 60 a 70 membros e eles estavam levemente armados.[35]

 
Soldados do Batalhão Azov em 2014, patrulhando com um caminhão com blindagem improvisada

Em 13 de abril de 2014, o Ministro de Assuntos Internos, Arsen Avakov, emitiu um decreto autorizando a criação de novas forças paramilitares de até 12.000 pessoas.[36] O ex-Corpo Negro foi inicialmente baseado em Kharkiv, onde foi encarregado de defender a cidade contra uma possível revolta pró-Rússia, mas como a situação na cidade diminuiu e se acalmou, eles foram enviados para o leste da Ucrânia para ajudar no esforço de guerra.[37] O Batalhão de Azov, usando "Eastern Corps" e o Corpo Negro como sua espinha dorsal,[29] foi formado em 5 de maio de 2014 em Berdiansk[38], atribuindo o status de Polícia de Patrulha de Tarefas Especiais pelo Ministério do Interior da Ucrânia.[39][40]

 
Soldados do Azov em combate acompanham um BMP-2 da Guarda Nacional da Ucrânia durante a Guerra em Donbas, 2014.

Muitos membros do Patriotas da Ucrânia se alistaram no batalhão.[29] Entre os primeiros patronos do batalhão estavam um membro do Verkhovna Rada, Oleh Lyashko, um ultranacionalista Dmytro Korchynsky, o empresário Serhiy Taruta e Avakov.[41][29] O batalhão então recebeu treinamento perto de Kyiv por instrutores com experiência da Forças Armadas da Geórgia.[29]

Unidade de polícia voluntáriaEditar

O Batalhão teve seu batismo de fogo em Mariupol em maio de 2014, onde esteve envolvido em combate durante a Primeira Batalha de Mariupol como parte da contra-ofensiva para recapturar a cidade dos separatistas da autoproclamada República Popular de Donetsk (RPD).[42] Em 13 de junho, juntamente com o batalhão voluntário Dnipro-1, eles retomaram os principais edifícios e redutos ocupados por separatistas, matando pelo menos 5 separatistas e destruindo um veículo blindado inimigo BRDM-2 e um caminhão blindado durante a batalha.[43][44] Após a Batalha, Azov permaneceu como guarnição em Mariupol por um tempo, onde foram encarregados de patrulhar a região ao redor do Mar de Azov para impedir o tráfico de armas da Rússia para mãos separatistas.[45]

Em 10 de junho, o batalhão demitiu o vice-comandante Yaroslav Honchar e se distanciou dele depois que Honchar fez declarações críticas sobre os saques e a devassidão do batalhão de Azov.[46] Igor Mosiychuk tornou-se vice-comandante.[47]

 
Funeral para membros do Batalhão de Azov mortos em combate, Agosto de 2014

Em junho de 2014, Anton Herashchenko (assessor do Ministro de Assuntos Internos) disse que estava planejado que o batalhão Azov teria uma força de 400 pessoas e o salário dos voluntários seria de 4.300 hryvnia ($360)[48] por mês.[47] Os soldados contratados recebiam 1.505 hryvnias por mês.[47]

De 10 a 11 de agosto de 2014, o Batalhão Azov, juntamente com o Batalhão Shakhtarsk, o Batalhão Dnipro-1 e o Exército Ucraniano, apoiaram um ataque à cidade de Ilovaisk liderado pelo Batalhão de Donbas.[49][50] O desempenho de Azov foi criticado por colegas membros do Batalhão Donbas e por um relatório posterior da comissão do Conselho Supremo da Ucrânia sobre os fracassos da Batalha de Ilovaisk, que criticou Azov por chegar com falta de pessoal e atrasado para a batalha, e não cobrir os flancos de outras forças.[51][52] Durante o ataque inicial, Azov sofreu pesadas perdas.[53] O Batalhão Azov ajudou a limpar a cidade dos separatistas e reforçar as posições ucranianas. No entanto, no final de agosto, eles foram redistribuídos para a guarnição de Mariupol, pois um destacamento de tropas das Forças armadas russas foi visto se movendo para Novoazovsk, localizado a 45 km de Mariupol. Mais tarde, as forças separatistas em Ilovaisk foram reforçadas por tropas das Forças Armadas Russas, que cercaram as forças ucranianas na cidade e as derrotaram.[54] O comandante do Batalhão de Donbas, Semen Semenchenko, mais tarde acusou os militares e o governo ucraniano de abandoná-los deliberadamente por razões políticas, citando a retirada dos batalhões de Azov e Shakhtarsk como uma tentativa de iniciar lutas internas entre os batalhões voluntários.[55][56]

Na Batalha de Novoazovsk, de 25 a 28 de agosto de 2014, o Batalhão Azov e as forças ucranianas não se saíram muito melhor, pois foram repelidos pelo poder de fogo superior dos tanques e veículos blindados dos separatistas e russos.[57]

Em 11 de agosto, o batalhão Azov, apoiado por paraquedistas das Forças de Assalto Aéreo ucranianos, capturou Marinka de rebeldes pró-Rússia e entrou nos subúrbios de Donetsk em confronto com combatentes.[58]

Com Novoazovsk capturado, os separatistas começaram a preparar uma segunda ofensiva contra Mariupol. No início de setembro de 2014, o Batalhão Azov estava envolvido na Segunda Batalha de Mariupol.[59] À medida que as forças separatistas se aproximavam da cidade, o Batalhão de Azov estava na vanguarda da defesa, fornecendo reconhecimento em torno das aldeias de Shyrokyne e Bezimenne, localizadas a poucos quilômetros a leste de Mariupol.[60] Ao mesmo tempo, Azov começou a treinar cidadãos de Mariupol em autodefesa e organizar milícias populares para defender a cidade.[61] Os separatistas conseguiram avançar para Mariupol, alcançando os subúrbios e chegando a cinco quilômetros da cidade. Mas uma contraofensiva noturna em 4 de setembro lançada por Azov e as Forças Armadas empurrou as forças da RPD para longe da cidade.[59]

Em relação ao cessar-fogo acordado em 5 de setembro, o comandante do Azov, Andriy Biletsky, declarou: "Se for um movimento tático, não há nada de errado com isso […] se é uma tentativa de chegar a um acordo sobre o solo ucraniano com separatistas, obviamente é uma traição".[62] Nessa época, Azov tinha cerca de 500 membros.[63]

 
Militares do Azov em um desfile militar em Mariupol, 2021.

Reorganização e incorporação à Guarda Nacional da UcrâniaEditar

Em setembro de 2014, o Batalhão Azov passou por uma reorganização, e foi atualizado de um batalhão para um regimento,[64][65] e em 11 de novembro, o regimento foi oficialmente inscrito na Guarda Nacional da Ucrânia.[64] Isso foi parte de mudanças políticas maiores pelo governo ucraniano de integrar os batalhões voluntários independentes sob as Forças Terrestres Ucranianas ou a Guarda Nacional na cadeia de comando formal da Operação Antiterrorista (ATO).[66] O agora Regimento Azov foi designado como "Unidade Militar 3057" e oficialmente chamado de Destacamento de Operações Especiais "Azov".[67]

Após sua inscrição oficial na Guarda Nacional, Azov recebeu financiamento oficial do Ministério do Interior ucraniano e de outras fontes (que se acredita serem oligarcas ucranianos). Por volta dessa época, Azov começou a receber suprimentos cada vez maiores de armas pesadas.[68] O fundador do Azov, Andriy Biletsky deixou o batalhão em outubro de 2014 e sua influência se dissipou depois.[69]

Nesse mesmo tempo, o governo ucraniano começou um processo de despolitização e desradicalização de suas unidade voluntárias, especialmente o Batalhão Azov. De acordo com a revista Foreign Affairs, "Depois da união [com a Guarda Nacional], o primeiro ato do governo foi erradicar dois grupos dentro de Azov, combatentes estrangeiros e neonazistas, examinando os membros do grupo com verificações de antecedentes, observações durante treinamento e uma lei exigindo que todos os combatentes aceitem a cidadania ucraniana. Os combatentes que não passaram nessa triagem tiveram a chance de se juntar ao corpo de voluntários civis para ajudar no esforço de guerra; esses corpos ajudaram a polícia, limparam a neve (uma tarefa crucial na Ucrânia) e até trabalharam em uma rádio pública."[22] Segundo a Reuters, neste momento, a unidade trabalhou para se despolitizar: sua liderança de extrema direita saiu e fundou o partido político Corpo Nacional, que trabalha com sua organização ativista associada, o Corpo Civil Azov.[70]

Batalha de ShyrokyneEditar

 
Forças Azov em movimento durante a Batalha de Shyrokyne em 2015.

Em 24 de janeiro de 2015, Mariupol foi alvo de um bombardeio indiscriminado com foguetes por separatistas, que deixou 31 mortos e 108 feridos. [71] Em 28 de janeiro, dois membros do Azov foram mortos em um bombardeio de um posto de controle na parte leste de Mariupol.[72] Ambos os ataques foram realizados a partir de uma área perto da aldeia de Shyrokyne, 11 km a leste de Mariupol, onde houve movimento significativo de tropas separatistas na região, alimentando temores de uma terceira ofensiva contra Mariupol.

Em fevereiro de 2015, o Batalhão Azov respondeu liderando uma ofensiva surpresa contra os separatistas em Shyrokyne. O objetivo era criar uma zona tampão para evitar mais bombardeios de Mariupol e empurrar as forças separatistas de volta para Novoazovsk.[73][74] O ataque do Regimento Azov foi reforçado pelo Exército Ucraniano,[75] e Forças de Assalto Aéreo,[76] bem como o Batalhão de Donbas da Guarda Nacional e os batalhões voluntários independentes Corpo Voluntário Ucraniano[77] e o checheno-muçulmano Batalhão Sheikh Mansour.[78]

Em fevereiro de 2015, depois de romper as linhas da República Popular de Donetsk, o Batalhão Azov conseguiu capturar rapidamente as cidades de Shyrokyne, Pavlopil e Kominternove e começou a avançar em direção a Novoazovsk.[79] As forças ucranianas foram detidas na cidade de Sakhanka, onde os separatistas mantiveram a linha usando artilharia pesada e veículos blindados.[80] Em 12 de fevereiro de 2015, os separatistas lançaram uma contra-ofensiva total que resultou em pesadas perdas para Azov.[81] Azov e o resto das forças ucranianas recuaram de Sakhanka para Shyrokyne.[82] Em 12 de fevereiro de 2015, o cessar-fogo de Minsk II foi assinado por ambas as partes do conflito, e o território ao redor de Shyrokyne foi declarado parte de uma zona tampão desmilitarizada proposta. No entanto, os rebeldes da RPD não consideraram o combate na própria aldeia como parte do cessar-fogo, [83] enquanto Biletsky viu o cessar-fogo como "apaziguar o agressor".[84] Nas semanas seguintes, os combates continuaram entre Azov e os separatistas, preocupando alguns analistas de que poderia comprometer o acordo de Minsk II.[83] A situação em Shyrokyne tornou-se um impasse: ambos os lados reforçaram suas posições e construíram trincheiras. Nas semanas seguintes, Azov e as forças do RPD trocaram tiros e bombardeios de artilharia com um vai-e-vem no controle das linhas de frente e aldeias. A vila de Shyrokyne foi quase completamente destruída como resultado.[85][86]

Em 29 de julho de 2015, o Regimento Azov e os combatentes do Batalhão de Donbas em Shyrokyne foram retirados da frente e substituídos por uma unidade da Infantaria Naval Ucraniana. A decisão de tirá-los da vila foi recebida com protestos de moradores da vizinha Mariupol, que temiam que a retirada levasse os separatistas russos a retomar rapidamente a vila e bombardear a cidade novamente.[87][88]

Invasão Russa da Ucrânia em 2022Editar

O Regimento Azov recuperou a atenção durante a invasão russa da Ucrânia em 2022 . Antes do conflito, Azov foi alvo de uma guerra de propaganda : a Rússia usou a incorporação oficial do regimento à Guarda Nacional da Ucrânia como uma das provas de seu retrato do governo e dos militares ucranianos sob controle nazista, com a "desnazificação" como um casus belli chave.[89][90] O regimento, por outro lado, era conhecido por sua capacidade de autopromoção, produzindo vídeos de alta qualidade de seus ataques de drones e outras atividades militares; O Daily Telegraph chamou de "máquina de publicidade bem lubrificada". Outros notaram como sua participação na guerra e defesa de Mariupol aumentou a notoriedade nacional e internacional e a popularidade do grupo.[91]  A destruição do regimento está entre os objetivos de guerra de Moscou.[92]

Defesa de MariupolEditar

 
Soldado do Batalhão de Azov em combate durante o Cerco de Mariupol

A maior parte do Regimento Azov estava estacionada em Mariupol no início da invasão. Em março de 2022, a Deutsche Welle informou que o regimento era a principal unidade de defesa de Mariupol no cerco de Mariupol.[93] À medida que a batalha se desenrolava, Azov tornou-se notável por sua feroz defesa da cidade. Por exemplo, a PBS chamou de "uma força voluntária experiente que é amplamente considerada uma das unidades mais capazes do país".[94] Em 19 de março de 2022, o presidente Volodymyr Zelenskyy concedeu o título de Herói da Ucrânia ao comandante de Azov em Mariupol, o tenente-coronel Denys Prokopenko.[95]

Em 9 de março, a Rússia realizou um ataque aéreo a uma maternidade, matando vários civis, e justificou o bombardeio pela suposta presença de tropas Azov no prédio;[96] da mesma forma, em 16 de março, o teatro de Mariupol, que mantinha civis, foi bombardeado, a Rússia acusou Azov de tê-lo perpetrado, tentando incriminar a Rússia por isso.[97] Enquanto os civis fugiam da cidade, postos de controle russos paravam os homens e os despiam, procurando tatuagens que os identificassem como Azov.[98][99] Refugiados em "centros de filtragem" foram interrogados se tinham alguma afiliação com Azov ou conheciam alguém no regimento.[100] Em 22 de março, o quartel-general militar de Azov no distrito de Kalmiuskyi, ao norte, foi capturado por soldados russos e da RPD, embora já estivesse abandonado.[99]

 
Prisioneiros de guerra do Regimento Azov e outras unidades militares ucranianas após a rendição da Siderúrgica Azovstal durante o Cerco de Mariupol

No início de abril, o Regimento Azov, juntamente com outras forças ucranianas locais, começou a recuar para a Siderúrgica Azovstal, uma enorme siderúrgica da era soviética construída para resistir a ataques militares e bombardeios. A unidade tornou-se proeminentemente associada à Azovstal; seu fundador Andriy Biletskiy chamou o complexo industrial de "a fortaleza do Azov".[101] Em 11 de abril de 2022, o regimento acusou as forças russas de usar “uma substância venenosa de origem desconhecida” em Mariupol. [102] As alegações, no entanto, não foram confirmadas por verificadores de fatos e organizações independentes.[103][104][105][106] Embora o porta-voz da República Popular de Donetsk Eduard Basurin foi preso pelo FSB por ter pedido anteriormente ao ataque para que a Rússia que traga "forças químicas" para "extinguir as toupeiras", referindo-se às forças ucranianas no Azovstal.[107] Mais tarde, em abril, os bolsões restantes de resistência ucraniana dentro da cidade, consistindo da 36ª Brigada de Infantaria Naval Ucraniana, unidades não-Azov da Guarda Nacional e dos destacamentos portuários da Polícia Nacional e Guardas de Fronteira, conduziram operações para escapar para Azovstal, enquanto membros da Azov conduziam operações de apoio e resgate para ajudá-los.[108][109][101]

Em 21 de abril, a maioria das forças ucranianas em Mariupol estavam baseadas em Azovstal. Em 21 de abril, Vladimir Putin declarou oficialmente que Mariupol foi "libertada" e ordenou que suas forças não atacassem o complexo, mas o bloqueassem.[110] No entanto, os dias seguintes viram bombardeios e bombardeios de Azovstal.[111] Havia também civis abrigados no complexo.[112] Em 3 de maio, as forças russas em Mariupol reiniciaram seus ataques a Azovstal, com bombardeios de artilharia e tentativas de invadir o complexo.[113]

Em 17 de maio de 2022, as negociações, que incluíram mediadores das Nações Unidas e do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV), conseguiram encerrar o cerco de Azovstal e estabelecer um corredor humanitário.[114] Em 16 de maio, o Estado-Maior ucraniano anunciou que a guarnição de Mariupol, incluindo remanescentes do regimento Azov estacionado em Mariupol, havia "cumprido sua missão de combate" e que as evacuações da fábrica de aço Azovstal haviam começado. Seguindo as ordens do alto comando, nos próximos dias, membros do Azov em Azovstal, incluindo o comandante do regimento Denys Prokopenko, se renderam às forças russas entre cerca de 2,5 mil soldados ucranianos da fábrica e foram levados para o território controlado pelos russos na República Popular de Donetsk. O CICV registrou as tropas rendidas como prisioneiras de guerra a pedido de ambos os lados, coletando informações para contatar suas famílias. [115]

Em 29 de Julho de 2022, o campo de prisioneiros de guerra de Olenivka, que abrigava prisioneiros de Azovstal, incluindo membros do Regimento Azov, foi destruído e seus prisioneiros massacrados.[116] O Ministério da Defesa da Rússia,[117] e o comando militar da República Popular de Donetsk[118] acusaram do ataque ter sido realizado pela Ucrânia, mas Anton Gerashchenko, conselheiro do Ministério do Interior da Ucrânia negou e acusou Moscou, enquanto o Estado Maior das Forças Armadas da Ucrânia disse que os russos bombardearam a prisão para encobrir a tortura e o assassinato de prisioneiros de guerra ucranianos que estavam ocorrendo lá, e as autoridades ucranianas forneceram o que disseram serem comunicações interceptadas e evidências de testemunhas oculares indicando culpa russa.[119] Tanto a Ucrânia quanto Rússia convidaram a ONU e Cruz Vermelha para investigar bombardeio do centro de detenção de Olenivka.[117]

Em 21 de Setembro de 2022, como parte de uma troca de prisioneiros, a Ucrânia entregou à Rússia Viktor Medvedchuk, oligarca ucraniano, ex-político pró-rússia e amigo pessoal de Vladimir Putin, em troca de mais de 215 prisioneiros de guerra ucranianos, incluindo 188 membros do Regimento Azov. Os prisioneiros de guerra trocados incluíam o comandante Azov Denys Prokopenko e o vice-comandante Svyatoslav Palamar.[120]

Outras atividadesEditar

Enquanto a maior parte do Regimento Azov estava baseado em Mariupol, com a invasão Azov também começou a organizar unidades fora da cidade, em particular em Kiev e Kharkiv. Essas unidades eram inicialmente parte das Forças de Defesa Territoriais da Ucrânia (TDF). As unidades Azov TDF provaram ser particularmente eficazes em combate e, assim, foram transformadas em regimentos e realocadas como parte das Forças de Operações Especiais da Ucrânia (SSO), onde receberam treinamento e equipamentos especiais. Essas unidades são conhecidas como "Azov SSO", com unidades em Kiev, Kharkiv e uma nova em Sumy.[121] Em maio de 2022, o The Times informou que uma nova unidade do Regimento Azov havia sido inaugurada em Kharkiv e a publicação notou que a unidade Azov SSO-Kharkiv estava usando uma nova insígnia, no qual o símbolo "Ideia Nacional" (que se assemelha Wolfsangel nazista) havia sido substituído por um Tryzub estilizado formado por três espadas de ouro.[122]

Em Dnipro, Azov organizou o 98º Batalhão de Defesa Territorial 'Azov-Dnipro' das Forças de Defesa Territoriais, liderado pelo Primeiro Vice-Chefe do Corpo Nacional e veterano de Azov, Rodion Kudryashov.[123] Outras unidades Azov TDF incluem os 225º e 226º batalhões de reconhecimento de Kharkiv, a Companhia de Tanques "Azov" – parte da 127ª Brigada de Defesa do Kharkiv TDF – a unidade Azov-Prykarpattia formada em Ivano-Frankivsk e a unidade Azov-Poltava com base em Poltava.[124] Além disso, os veteranos Azov e membros do Corpo Nacional Konstantin Nemichev e Serhiy Velychko formaram o Regimento Kraken, uma unidade voluntária ativa em Kharkiv que trabalha de forma independente, mas em estreita colaboração com as Forças Armadas Ucranianas e o Regimento Azov.[125][123] Enquanto em Volyn, veteranos de Azov formaram a "Unidade de Propósito Especial Separada 'Lubart'" sob a TDF, uma sessão de fotos da unidade incluiu a bandeira do Grupo Centúria, uma organização de extrema-direita ligada a Azov.[123][126]

No início de abril, as unidades Azov estiveram presentes na ofensiva de Kiev na Batalha de Brovary, onde o regimento e a 72ª Brigada Mecanizada do Exército Ucraniano emboscaram e destruíram um regimento de tanques russo que avançava para a cidade de Brovary.[127]

Movimento AzovEditar

 
Marcha de veteranos do Azov e apoiadores em Kiev, 2019

O Batalhão Azov criou seu próprio movimento político civil, conhecido coletivamente como "Movimento Azov", um grupo guarda-chuva de organizações formadas por ex-veteranos Azov ou grupos ligados a Azov, e com raízes na organização ultranacionalista Patriota da Ucrânia e no partido Assembleia Social-Nacional, ambos liderados por Andriy Biletsky.[128][129]

Acampamento de verão para crianças e adolescentesEditar

O Batalhão Azov também administra acampamentos militares de verão no país onde ensina crianças de 9 a 18 anos, as habilidades militares de atirar com rifles, praticar poses de combate e patrulhar.[130] O acampamento de verão Azovets aceita crianças dos membros do Batalhão Azov, bem como crianças do distrito de Obolon, nas proximidades de Kiev, e mais distantes. Inaugurado em 22 de junho, realiza programas de atividades de uma semana para grupos de 30 a 40 crianças. Oficialmente, é para crianças de nove a 18 anos, mas há crianças de até sete anos lá. Algumas das crianças já tinham frequentado por várias semanas seguidas.[131]

Milícia Nacional (2017-2020)Editar

Em 2017, foi formado um grupo paramilitar chamado Milícia Nacional (Natsionalni Druzhyny), intimamente ligado ao movimento Azov. Seu objetivo declarado era ajudar as agências policiais, o que é permitido pela lei ucraniana, e conduzir patrulhas nas ruas.[132] Em 29 de janeiro de 2018, membros da Milícia Nacional invadiram uma reunião do conselho municipal em Cherkasy e se recusaram a deixar as autoridades saírem do prédio até que tivessem aprovado o orçamento da cidade, há muito atrasado.[133] Em 2018, a Milícia Nacional também foi acusada de uma série de ataques a assentamentos ciganos.[134] Desde 2020, o grupo se encontra inativo e suas atividades encerradas.[135]

Casa CossacaEditar

 
Exposição de rua do Batalhão Azov na Carcóvia

A Casa Cossaca é um centro comunitário fundado em abril de 2016 por jovens ativistas nacionalistas, é amplamente conhecida por ser um bastião civil do movimento radical de Azov, dedicado a promover visões de direita e trazer um renascimento do nacionalismo ucraniano.[136]

Sediada na Rua Taras Shevchenko, no centro histórico de Kiev, dentro de um edifício que já abrigou o Hotel Cossack, o edifício foi tomado pelos “homenzinhos pretos”, os jovens patriotas ucranianos durante a Revolução da Dignidade. Embora legalmente ainda pertença ao seu proprietário original, desde o Euro Maidan tornou-se um espaço de ocupação de várias organizações de mentalidade patriótica e do movimento voluntário de jovens. Também foi usado como a principal base educacional para o que mais tarde se tornou o batlhão Azov. Hoje, de acordo com AzovPress (voz oficial de relações públicas do regimento Azov), a casa é um bastião civil do movimento Azov mais amplo.[136]

Antes da revolução, a casa oferecia alojamento para militares, mas quando os combates na praça começaram, Azov assumiu o controle, transformando o prédio em um centro de recrutamento, hospital de campanha e necrotério; eles agora alugam o prédio do Ministério da Defesa. Atrás de portas duplas de aço, a casa abriga uma academia gratuita para potenciais recrutas, bem como escritórios, salas de aula e um cineclube. Os corredores exibem santuários aos mortos mártires do grupo, bem como folhetos promovendo seus acampamentos de verão, financiados pelo Ministério da Cultura, nos quais as crianças recebem educação patriótica e treinamento de armas.[137]

 
Fundador do Azov, Andriy Biletsky, em Mariupol, 2014.

Participação políticaEditar

Na primavera de 2015, veteranos do batalhão de voluntários Azov criaram o núcleo de uma organização não militar não governamental "Corpo Civil Azov" (Tsyvilnyi Korpus "Azov"), com o objetivo de "luta política e social".[138][139]

Em 2017, o grupo criou o seu braço político, o Corpo Nacional, um partido ultranacionalista que se opõe tanto à Rússia quanto a entrada da Ucrânia na OTAN e na União Europeia.[140] Em 2016, Andriy Bilietsky, foi eleito como parlamentar no Conselho Supremo da Ucrânia, representando Kharkiv.[141]

Durante as Eleições parlamentares na Ucrânia em 2019, o Corpo Nacional fez parte de uma coligação política de partidos de extrema-direita, que incluíam o Setor Direito, Svoboda e a "Iniciativa Governamental de Yarosh".[2] Essa coaligação ganhou 2,15% dos votos da lista eleitoral em todo o país, mas acabou não conseguindo nenhum assento no Conselho Supremo da Ucrânia.[3]

Banimento das redes sociaisEditar

Em abril de 2016, o Facebook proibiu páginas e publicações apoiando o batalhão de Azov, no entanto, o primeiro banimento ocorreu em 2015 devido a discursos de ódio e imagens de violência. O Facebook designou o Batalhão Azov como uma “organização perigosa” porém as páginas vinculadas ao grupo continuaram a espalhar propaganda e anunciar mercadorias na plataforma em 2020, de acordo com pesquisa do Center for Countering Digital Hate publicada em novembro de 2021. Mesmo em dezembro, a ala política do movimento Azov, o Corpo Nacional e sua ala jovem mantinham pelo menos uma dúzia de páginas no Facebook. Alguns começaram a desaparecer depois que a TIME fez perguntas sobre o Azov ao Facebook.[9]

Apesar da proibição, no entanto, que entrou silenciosamente em vigor, seus membros permanecem ativos na rede social sob pseudônimos e variações de nomes, ressaltando a dificuldade que o Facebook enfrenta para combater o extremismo na plataforma.[142]

Durante a Guerra Russo-Ucraniana de 2022, a plataforma decidiu permitir temporariamente que seus bilhões de usuários elogiem o Batalhão de Azov, desde que lutem contra a Rússia. Segundo documentos de política interna, o Facebook “permitirá elogios ao Batalhão de Azov, quando o elogio for explícita e exclusivamente sobre seu papel na defesa da Ucrânia ou sobre seu papel como parte da Guarda Nacional da Ucrânia”.[143]

Pessoas-chave e organizaçãoEditar

 
Andriy Biletsky durante primeiro congresso do Partido Nacional
 
Igor Mosiychuk deixou o Batalhão Azov em 2014 para concorrer ao Parlamento pelo Partido Radical e venceu

Andriy Biletsky (de março de 2014 a outubro de 2014): Biletsky era o líder original do grupo. Ele era anteriormente o líder do grupo de extrema-direita "Patriotas da Ucrânia" e da Organização Nacionalista da Assembleia Social.[39] Em 2011, ele foi preso como parte de uma grande busca de membros do Patriotas da Ucrânia por uma tentativa de assassinato. Em fevereiro de 2014, ele foi libertado da prisão após uma lei do governo que exonera todos os presos políticos.[31] Ele deixou o grupo em outubro de 2014 para se tornar membro do Parlamento da Ucrânia onde ocupou o cargo até 2019.[144]

Ihor Mosiychuk (de 2014 a 2014): Mosiychuk foi um membro fundador e vice-comandante do grupo.[145] Ele foi acusado de tentar bombardear uma estátua de Vladimir Lenin em 2011, o que levou à sua prisão como parte do “Vasylkiv 3” junto com Serhiy Bevza e Volodymyr Shpara. Em fevereiro de 2014, ele foi libertado da prisão após uma lei do governo que exonera todos os presos políticos e então ajudou a criar o Batalhão de Azov.[146] No outono de 2014, ele deixou o Batalhão Azov para concorrer ao Parlamento com o Partido Radical e venceu.[147] Ele serviu no Parlamento de novembro de 2014 a outubro de 2019 até que seu partido perdeu todos os seus assentos.

Oleh Odnorozhenko (2014): Odnorozhenko foi vice-comandante do grupo em sua fase inicial.[148]

Ihor Mykhailenko (de outubro de 2014 a novembro de 2016): Mykhailenko era membro dos Patriotas da Ucrânia antes de 2014. Ele se juntou ao grupo desde o início e assumiu o cargo de comandante principal após a saída de Biletsky para o Parlamento.[149] Mais tarde, ele se tornou o chefe da ala da Milícia Nacional em 2018.[39]

Maksym Zhorin (agosto de 2016 a setembro de 2017): Zhorin serviu brevemente como comandante do grupo antes de fazer a transição para um papel de porta-voz.[149]

 
Denys Prokopenko, líder do Regimento Azov, em 2016

Olena Semenyaka (2016 até o presente): Semenyaka é o chefe da ala política do Corpo Nacional e chefe de alcance internacional do Batalhão Azov.[150] Ela se reuniu com membros de outras organizações de extrema-direita, incluindo French Identitarians, CasaPound (Itália), Partido Nacional Democrático da Alemanha e Rise Above Movement (dos EUA). Antes de ingressar, ela foi a secretária de imprensa do Setor Direito de 2014 a 2016. Ela se tornou a chefe de fato do Corpo Nacional em 2016.[151] Olena é uma proeminente “diplomata” do Batalhão Azov. Ela viajou extensivamente pela Europa para se conectar com outros movimentos nacionalistas e identitários de extrema direita na Europa. Olena deu uma palestra em uma Conferência Identitária em 2019 onde Jared Taylor (supremacista branco estadunidense) e Kevin MacDonald (um acadêmico neonazista[152]) estiveram presentes. Ela também participou de uma celebração patrocinada pelo Eesti Konservatiivne Rahvaerakond (EKRE) em 2019 e uma conferência identitária portuguesa do Escudo Identitario[153] em 2019.[145] Ela também se envolveu com a cena do hate rock e se encontrou com membros do Wotan Jugend, bem como com o grupo alemão Absurd, o francês Peste Noire e o finlandês Goatmoon.[146]

Denis Prokopenko (2017 até 2022): Prokopenko se juntou ao grupo em 2014 e foi um de seus primeiros membros, sendo conhecido pelo nom-de-guerre "Redis", apelido dado quando era membro de ultras (torcida organizadas) do Dynamo de Kiev. Começou como um simples lançador de granadas, depois assumindo o comando de um pelotão, companhia, tornando-se o comandante do Batalhão Azov em julho de 2017, tornando-se o comandante mais jovem da história das forças militares da Ucrânia.[154] Sob a sua liderança, o Batalhão de Azov modernizou de uma milícia para uma unidade militar bem-treinada e fortemente armada.[155] Em fevereiro de 2022, supervisionava o Regimento Azov em Mariupol[148] onde liderou a unidade durante o Cerco de Mariupol até ter sido feito prisioneiro de guerra após se render junto as forças ucranianas sitiadas na Siderúrgica Azovstal.[8] Pelo seu trabalho no Cerco de Mariupol recebeu a medalha de Herói da Ucrânia e uma promoção para Tenente-coronel.[156]

StatusEditar

O Batalhão de Azov foi fundado oficialmente em Maio de 2014, embora já existisse anteriormente como uma milícia não-oficial. Sua primeira forma foi uma unidade policial voluntária, sendo subordinada ao Ministério do Interior da Ucrânia.[40] Em 2015, o governo ucraniano decidiu transformar todos os batalhões voluntários – tanto os "Batalhões de Defesa Territorial" associados às forças armadas quanto a "Polícia de Patrulha de Tarefas Especiais" do Ministério do Interior – em unidades regulares das Forças Armadas Ucranianas e da Guarda Nacional, respectivamente. Azov é um dos últimos.[157]

Desde de 2015 sua inclusão dentro da Guarda Nacional da Ucrânia, a unidade se profissionalizaou, passando a receber amplo treinamento tático e estratégico, além de se armar com veículos blindados, artilharia e veículo aéreo não tripulado (VANTs).[9] Entretanto, diferente de outras unidades da Guarda Nacional, o Regimento Azov goza de significante autonomia.[158]

Recrutamento de estrangeirosEditar

 
Voluntários Suecos do Batalhão Azov em 2014.

O Batalhão de Azov confirma que possui vários voluntários estrangeiros em suas fileiras, principalmente georgianos, romenos, alemães, ingleses, franceses, libaneses e até mesmo alguns russos.

Em 2016, a Polícia Federal do Brasil desmantelou uma célula do Batalhão de Azov no Rio Grande do Sul que recrutava neonazistas brasileiros para serem enviados para a Ucrânia.[159]

Uma pesquisa de 2019, realizada por Adriana Dias, doutora em Antropologia Social pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) conseguiu rastrear e contabilizar 334 células neonazistas ativas atualmente no Brasil sendo a célula neonazista Azov a maior de todas as localizadas em Goiás e está ativa na capital de estado. A Azov em Goiás, tem traços neonazistas de limpeza étnica e perseguição a homossexuais; conforme Adriana, o movimento chegou ao estado vindo da Ucrânia e Inglaterra. Na capital, onde a célula é majoritária, a ideologia do Batalhão de Azov está presente em academias de luta, onde alguns dos membros, ligados à essa vertente de extrema-direita, organizam lutas e competições entre si.[160]

De acordo com o Projeto de Combate ao Extremismo, o Batalhão Azov deixou claro em 2019, que não estava mais aceitando estrangeiros, isso era parte de um projeto maior do governo ucraniano de fazer estrangeiros servirem no Exército ucraniano como contratados ao invés de grupos como Azov.[161] Em fevereiro de 2022, o Batalhão voltou a recrutar estrangeiros,[158] principalmente por canais de propaganda, incluindo em língua portuguesa, na rede social Telegram.[162][163]

Violações dos direitos humanos e crimes de guerraEditar

 
Soldados do Batalhão de Azov interrogam habitantes de um vilarejo próximo a Mariupol, 2014

Diferentes órgãos de direitos humanos acusaram os combatentes do Azov, juntamente com os de outros batalhões de voluntários, de violações de direitos humanos, sequestros de tortura e execuções extrajudiciais. Foram documentados saques em massa de casas de civis, bem como alvos de áreas civis entre setembro de 2014 e fevereiro de 2015."[164]

Em maio de 2014, membros do batalhão “Azov”, que alegavam estar agindo sob as ordens da Serviço de Segurança da Ucrânia (SBU), sequestrou uma mulher perto de sua casa na região de Zaporizhzhia, eles a submeteram a ameaças e torturas que duraram quatro a cinco horas.[165]

Em 2016, a Anistia Internacional e a Human Rights Watch receberam várias alegações críveis de abuso e tortura por parte do regimento.[166] Relatórios publicados pelo Escritório do Alto-comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) conectaram o Batalhão Azov a crimes de guerra, como saques em massa, detenção ilegal[167] e tortura.[164][168] Um relatório do ACNUDH de março de 2016 afirmou que a organização havia "coletado informações detalhadas sobre a condução das hostilidades das forças armadas ucranianas e do regimento Azov em e ao redor de Shyrokyne (31 km a leste de Mariupol), desde o verão de 2014 até hoje.[169][170][171]

Outro relatório do ACNUDH documentou um caso de estupro e tortura, escrevendo: "Um homem com deficiência mental foi submetido a tratamento cruel, estupro e outras formas de violência sexual por 8 a 10 membros do 'Azov' e 'Donbas' (outro ucraniano batalhão) batalhões em agosto-setembro de 2014. A saúde da vítima se deteriorou posteriormente e ele foi hospitalizado em um hospital psiquiátrico."[169] Um relatório de janeiro de 2015 afirmou que um partidário da República de Donetsk foi detido e torturado com eletricidade e afogamento e golpeado repetidamente em seus genitais, o que resultou em sua confissão de espionagem para militantes pró-Rússia.[169]:20

Em maio de 2017, uma mulher em Mariupol foi atraída para uma posição do batalhão, vendada e transportada para um destino desconhecido. Os homens bateram nela e ameaçaram enterrá-la viva se ela não cooperasse. Ela foi despida para um exame físico e assinou um documento se incriminando como membro do grupo armado.[172] Em 2016, o FaceBook designou o batalhão Azov como uma “organização perigosa”. Em 2019, colocou o Azov na mesma categoria que o Estado Islâmico (EI) e o baniu por violações de direitos humanos.[173]

IdeologiasEditar

NeonazismoEditar

O Batalhão Azov foi descrito como uma milícia de extrema-direita[174] com conexões com o neo-nazismo, com membros usando símbolos e insígnias neonazistas e SS e expressando pontos de vista neonazistas."[175][176] A insígnia do grupo apresenta o Wolfsangel[177][178] e o sol negro,[179][180][181] dois símbolos neonazistas. O Batalhão de Azov e seus membros negam que seja um grupo neonazista ou conexões com a ideologia. Um porta-voz da unidade disse que "apenas 10 a 20%" de seus recrutas são nazistas, com um comandante atribuindo a ideologia neonazista a jovens mal orientados.[182]

Soldados Azov foram observados usando símbolos associados aos nazistas em seus uniformes.[183] Em 2014, a rede de televisão alemã ZDF mostrou imagens de combatentes Azov usando capacetes com símbolos da suástica e "as runas SS do infame corpo de elite uniformizado de preto de Hitler".[184] Em 2015, Marcin Ogdowski, um correspondente de guerra polonês, obteve acesso a uma das bases de Azov localizadas na antiga estância de férias Majak; Os combatentes Azov mostraram a ele tatuagens nazistas, bem como emblemas nazistas em seus uniformes.[185]

Oficialmente, o símbolo usado nos emblemas oficiais da unidade não se tratam de um wolfsangel, mas supostamente representa as palavras ucranianas para "Nação Unida" ou ou "Ideia Nacional" (em ucraniano: Ідея Нації, Ideya Natsii).[182] O símbolo foi usado inicialmente pelo partido ultranacionalista e neonazista[186] "Partido Social-Nacional da Ucrânia" (SNPU) de 1991 até 2004, quando partido quando o partido expurgou seus membros neonazistas e outros elementos extremistas se renomearam para "Svoboda", abandonando o símbolo. Posteriormente foi adotado pelo grupo radical "Patriotas da Ucrânia" em 2005 e a relacionada "Assembleia Social-Nacional da Ucrânia" fundada em 2008, ambos os quais surgiram como dissidências da reformulação do SNPU em Svoboda. Andriy Biletsky foi fundador de ambas organizações e muitos membros dos grupos se juntaram ao Azov em 2014 e formaram a sua base durante seus primórdios.[29] É usado também pelo partido menor União Nacional Ucraniana desde 2009.[6]

Shaun Walker escreveu no The Guardian que "muitos dos membros [de Azov] têm ligações com grupos neonazistas, e mesmo aqueles que riram da ideia de serem neonazistas não deram as negações mais convincentes", citando tatuagens de suástica entre os combatentes e um que se dizia "nacional-socialista". De acordo com o The Daily Beast, alguns dos membros do grupo são "neo-nazistas, supremacistas brancos e antissemitas declarados" e "as inúmeras tatuagens de suásticas de diferentes membros e sua tendência de entrar em batalha com suásticas ou insígnias da SS desenhadas em seus capacetes tornam muito difícil para outros membros do grupo negar plausivelmente qualquer afiliação neonazista"."[187]

Lev Golinkin escreveu em The Nation que "A Ucrânia pós-Maidan é a única nação do mundo a ter uma formação neonazista em suas forças armadas".[188] Michael Colborne, especialista no Batalhão de Azov, do Foreign Policy chamou de "um perigoso movimento extremista amigável ao neonazismo" com "ambições globais", citando semelhanças entre a ideologia e o simbolismo do grupo e a do atirador da mesquita de Christchurch, juntamente com os esforços do grupo para recrutar extremistas de direita americanos.[189]

O Batalhão de Azov também é conectado com a Divisão Misantrópica, uma organização que se declara abertamente e publicamente neonazista e neopagã, cujo os símbolos são duas AK-47s e Totenkopfs. A Divisão não é uma unidade militar organizada, mas uma organização nos quais os membros são frouxamente conectadas, seus membros servem ou serviam em milícias voluntárias de extrema-direita como o Batalhão de Azov e o Corpo Voluntário Ucraniano do Setor Direito (embora tenha-se distanciado e denunciado essa última pelo "colaboracionismo judaico" e pelos membros Chechenos que servem na unidade).[190]

Desde 2017, a posição oficial do governo ucraniano é de que a unidade se despolitizou. O então Ministro de Assuntos Internos Arsen Avakov afirmou que "A vergonhosa campanha de informação sobre a suposta disseminação da ideologia nazista (entre membros do Azov) é uma tentativa deliberada de desacreditar a unidade 'Azov' e a Guarda Nacional da Ucrânia".[191] Em março de 2022, em uma carta aberta à Rússia publicada pelo jornalista russo Alexander Nevzorov, o Regimento Azov denunciou fortemente as alegações de sua orientação neonazista, definindo o nazismo como uma "necessidade incansável de exterminar aqueles que ousaram ser livres" e observando que o regimento incorporou pessoas de muitas etnias e religiões, incluindo ucranianos, russos, judeus, gregos, georgianos, tártaros da Crimeia e bielorrussos. Segundo a carta, o nazismo, assim como o stalinismo, foram “desprezados” pelo regimento, já que a Ucrânia sofreu muito com ambos.[18]

 
Dois soldados do Batalhão de Azov em frente a um prédio com uma suástica e a bandeira vermelha e preta da UPA na base do Batalhão no vilarejo de Urzuf, próximo a Mariupol, julho de 2014

Em entrevista ao Kyiv Independent, Ilya Samoilenko, um oficial da Azov, afirmou que, embora reconhecesse o "passado obscuro" do regimento, ele e outros membros optaram por deixar o passado para trás quando se integraram ao exército ucraniano convencional.[192] Da mesma forma, em entrevista ao jornal israelense Haaretz, o vice-comandante do Azov, Svyatoslav Palamar, negou que o regimento seja uma formação neonazista e disse: "O que é o nazismo? Quando alguém pensa que uma nação é superior a outra nação, quando alguém pensa que tem o direito de invadir outro país e destruir seus habitantes... Acreditamos na integridade territorial do nosso país. Nunca atacamos ninguém e não queríamos fazer isso."[193]

Muitos comentaristas, analistas e especialistas concordam que a unidade se despolitizou. Um relatório da Reuters de 2015 observou que, após a inclusão da unidade na Guarda Nacional e o recebimento de equipamentos mais pesados, Andriy Biletsky atenuou sua retórica habitual, enquanto a maioria da liderança extremista havia deixado para se concentrar em carreiras políticas no partido Corpo Nacional ou no Corpo Civil Azov. [194] Um artigo publicado pela Foreign Affairs em 2017 argumentou que o grupo foi relativamente despolitizado e desradicalizado depois que foi trazido para a Guarda Nacional da Ucrânia. O governo iniciou um processo com o objetivo de desvendar neonazistas e combatentes estrangeiros, com verificação de antecedentes, observações durante o treinamento e uma lei exigindo que todos os combatentes aceitassem a cidadania ucraniana.[195] Um ex-funcionário da USAID comentou que o perigo real não era o grupo paramilitar original, mas o movimento civil que Azov havia gerado.[196] Michael Colborne, autor de um livro sobre Azov, escreveu para o Washington Post, que "não chamaria [Azov] explicitamente de movimento neonazista", embora existam "claramente neonazistas dentro de suas fileiras".[24] Na mesma linha, Andreas Umland, especialista em movimentos de extrema-direita na Europa, disse em 2022, que "em 2014 este batalhão tinha de fato um fundo de extrema direita, eram racistas de extrema direita que fundaram o batalhão", mas desde então se tornou "desideologizado" e uma unidade regular. Seus recrutas agora se juntam não por causa de ideologia, mas porque "tem a reputação de ser uma unidade de combate particularmente dura", disse Umland.[197]

Em uma reportagem de 2022, o Washington Post pintou uma imagem de um grupo ciente de suas origens, e ainda com um comandante aderente de extrema-direita e alguns membros extremistas, mas muito mudou desde suas origens. Muitos recrutas que se juntam ao batalhão estão bem cientes de seu passado nazista, mas se juntam apesar de sua história por várias razões, incluindo a reputação positiva de Azov de treinar novos recrutas. Enquanto os elementos extremistas permanecem, é menos impulsionado pela ideologia do que era em sua formação, e a principal motivação agora é o patriotismo e a raiva pelas provocações russas e o ataque à Ucrânia. As pessoas vêm de todo o mundo movidas pela indignação contra Putin, e não por causa de uma ideologia em particular. O relatório também apontou que, embora a Ucrânia tenha um movimento de extrema direita, é muito menor do que em alguns outros países europeus.[24]

Outros especialistas, no entanto, discordam dessas avaliações e apontam casos específicos em que houve interações entre o regimento e o movimento mais amplo. Oleksiy Kuzmenko, do Bellingcat, em um artigo de 2020, observou que soldados do regimento apareceram junto com líderes do partido político "Corpo Nacional" em um anúncio em vídeo de 2020 para um comício, e que um vídeo do YouTube de 2017 parecia mostrar o imigrante russo neo-nazista Alexey Levkin dando uma palestra para o batalhão. Ambas as entidades admitiram fazer parte do "Movimento Azov" mais amplo liderado por Biletsky, que trabalhou diretamente com Arsen Avakov (ministro do Interior até julho de 2021) em assuntos relacionados ao regimento.[198]

Da mesma forma, Michael Colborne escreveu que "seria um erro afirmar ... que o regimento Azov de alguma forma não faz parte do movimento Azov mais amplo" e aponta para a descrição repetida do regimento como a "ala militar" do movimento Azov por Olena Semenyaka, principal representante internacional do movimento.[199] Colborne também afirmou que "o movimento Azov tenta ser um balcão único para todas as coisas da extrema direita. Há também um bando de subgrupos vagamente afiliados, mas mais extremos sob seu guarda-chuva, incluindo neonazistas abertos que elogiam e promovem a violência". [200] No final de 2021, antes da invasão russa da Ucrânia, ele disse que o movimento se tornou menos forte desde 2019, como resultado de brigas internas e o grupo precisando moderar a maior parte de sua atividade de divulgação internacional devido à atenção de alto nível.[201]

Acusações de antissemitismoEditar

O fundador do batalhão, Andriy Biletsky, disse em 2010 que a missão da nação ucraniana é "liderar as raças brancas do mundo em uma cruzada final... contra o Untermenschen liderado pelos semitas".[133] Segundo várias fontes, desde se tornar uma figura pública em 2014, Biletsky começou a atenuar sua retórica radical e manteve-se de fazer comentários antissemitas. Embora ainda assim ele tenha admitido que o antisemitismo seja uma "visão comum em nível local" em seu partido político.[194]

Mais de 40 ativistas de direitos humanos israelenses assinaram uma petição para interromper a venda de armas para a Ucrânia argumentando que Israel está vendendo armas automáticas IMI Tavor TAR-21 e IWI Negev ao governo ucraniano sabendo que algumas dessas armas acabar nas mãos da milícia de direita Azov.[202]

Apesar das acusações de que o grupo é antissemita, alguns membros da comunidade judaica na Ucrânia apoiam e servem no Batalhão Azov. Um de seus membros mais proeminentes é Nathan Khazin, líder das "centenas judaicas" durante os protestos de 2013 Euromaidan em Kiev. Khazin e seus seguidores no Batalhão costumam exibir a bandeira vermelha-e-preta do Exército Insurreto Ucraniano (símbolo comumente usados por nacionalista e grupos de extrema-direita na Ucrânia) com uma Estrela de Davi adicionada a ela.[203] Antes de ser incorporado a Guarda Nacional da Ucrânia, o Azov foi financiado pelo bilionário judeu-ucraniano Igor Kolomoyskyi.[204] Quando o vice comandante do Azov, Ihor Mosiychuk, fez comentários antissemíticos sobre Kolomoisky, ele foi afastado.[205]

Em 2022, em um comentário publicado pelo Centro de Liberdades Civis, o pesquisador antissemitismo Vyacheslav Likhachev disse que, apesar da comunidade judaica bastante grande de Mariupol, não houve incidentes entre membros do Regimento Azov e a comunidade judaica desde 2014.[206]

Em uma entrevista, Andriy Biletsky explicou que considera Israel e Japão como modelos para o desenvolvimento da Ucrânia.[207]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Sprinter, Dinah (4 de março de 2022). «Jewish Ukrainians gear up for fierce Russia fight, alongside the 'neo-Nazis' they say Putin is lying about». Jewish Telegraphic Agency 
  2. a b «The separatists fired on a bus with fighters of the "AZOV" special police battalion». National Police of Ukraine. 7 de maio de 2014. Consultado em 12 de abril de 2018. Arquivado do original em 12 de abril de 2018 
  3. a b Fontes sobre o Batalhão Azov sendo neonazista incluem:
    • McKenzie, Nick; Tozer, Joel (22 de agosto de 2021). «Fears of neo-Nazis in military ranks after ex-soldier's passport cancelled». The Age (em inglês). Consultado em 8 de abril de 2022. Sretenovic foi interceptado pela ASIO e pela Força de Fronteira Australiana no Aeroporto de Melbourne em janeiro de 2020 com uma passagem para Belgrado, na Sérvia. Mais tarde, ele disse aos apoiadores que estava viajando para encontrar uma namorada e parentes sérvios. Mas as autoridades estaduais e federais, que passaram meses investigando-o, acreditavam que ele planejava viajar para a Ucrânia para lutar com o Batalhão Azov, uma milícia neonazista que combate as forças russas. 
    • Bacigalupo, James; Valeri, Robin Maria; Borgeson, Kevin (14 de janeiro de 2022). Cyberhate: The Far Right in the Digital Age. [S.l.]: Rowman & Littlefield. 113 páginas. ISBN 978-1-7936-0698-3 – via Google Books. A ascensão de uma rede terrorista fascista global transnacional atraiu aceleracionistas que buscam treinamento militar com organizações abertamente neonazistas, supremacistas brancas e antissemitas como o batalhão Azov... 
    • Koehler, Daniel (7 de outubro de 2019). «A Threat from Within? Exploring the Link between the Extreme Right and the Military». Seu próprio envolvimento no movimento militante de extrema direita antecedeu seu alistamento e Smith também estava tentando se juntar ao batalhão paramilitar neonazista Azov e lutar ao lado deles no conflito ucraniano. 
    • Giuliano, Elise (20 de outubro de 2015). «The Social Bases of Support for Self-determination in East Ukraine». Ethnopolitics. 14 (5): 513–522. ISSN 1744-9057. doi:10.1080/17449057.2015.1051813. Mais perigosamente, à medida que a violência aumentava, Kiev permitiu que grupos paramilitares semiprivados - como a extrema direita, o batalhão neonazista Azov - lutassem no leste da Ucrânia (Walker, 2014; Luhn, 2014). 
    • Allchorn, William (21 de dezembro de 2021). Moving beyond Islamist Extremism. [S.l.]: BoD – Books on Demand. 35 páginas. ISBN 978-3-8382-1490-0 – via Google Books. ...teorias da conspiração antissemitas e supremacistas brancas circuladas por grupos abertamente neofascistas e neonazistas, como o Batalhão Azov na Ucrânia... 
    • Mudde, Cas (25 de outubro de 2019). The Far Right Today. [S.l.]: John Wiley & Sons. ISBN 978-1-5095-3685-6 – via Google Books. ...marcha pelas ruas de Kiev, às vezes em procissões à luz de tochas, para homenagear antigos e novos heróis de extrema-direita, incluindo os do batalhão neonazista Azov, que luta contra a ocupação da Crimeia apoiada pelos russos. 
    • Edelman, Marc (9 de novembro de 2020). «From 'populist moment' to authoritarian era: challenges, dangers, possibilities». The Journal of Peasant Studies. 47 (7): 1418–1444. ISSN 0306-6150. doi:10.1080/03066150.2020.1802250. Assim como centenas de supremacistas brancos dos EUA e da Europa se juntaram aos paramilitares croatas que lutavam pela “limpeza étnica” nas guerras dos Balcãs dos anos 1990, o atual treinamento de nacionalistas brancos estrangeiros em unidades militares ucranianas, como o neonazista Azov Batalhão... 
    • Frankel Pratt, Simon; LaRoche, Christopher David (29 de março de 2022). «Ukraine's Refugees Are Close Enough for European Solidarity». Foreign Policy (em inglês). Consultado em 8 de abril de 2022. As narrativas da mídia minoritária com foco nas atividades do batalhão neonazista Azov que participa da defesa da Ucrânia não geraram temores mais amplos de que os fluxos de refugiados ucranianos abrigam potenciais elementos terroristas 
    • Ali, Taz (19 de março de 2022). «Ukraine could follow Afghanistan into years of turmoil as West follows 'mujahideen model'». i (newspaper) (em inglês). Consultado em 8 de abril de 2022 
  4. Parfitt, Tom (11 de agosto de 2014). «Ukraine crisis: the neo-Nazi brigade fighting pro-Russian separatists». The Daily Telegraph. Consultado em 8 de abril de 2022. Arquivado do original em 5 de julho de 2018 
  5. a b c d «Azov Battalion». Center for International Security and Cooperation (CISAC) (em inglês). Standford University. 2022. Consultado em 18 de março de 2022 
  6. a b Pancevski, Bojan. «Kiev lets loose Men in Black» (em inglês). ISSN 0140-0460. Consultado em 1 de abril de 2022 
  7. Hopkins, Valerie (9 de março de 2022). «After a Week of Siege, Bloodied Mariupol Plans Mass Graves». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 1 de abril de 2022 
  8. a b «'Defenders of Mariupol are the heroes of our time': the battle that gripped the world». The Guardian. 17 de maio de 2022 
  9. a b c Simon Shuster/Kyiv e Billy Perrigo/Londres (7 de janeiro de 2022). «Like, Share, Recruit: How a White-Supremacist Militia Uses Facebook to Radicalize and Train New Members». TIME. Consultado em 5 de março de 2022 
  10. «Report on the human rights situation in Ukraine 16 November 2015 to 15 February 2016» (PDF). Office of the United Nations High Commissioner for Human Rights. Fevereiro de 2016. Consultado em 16 de novembro de 2016 
  11. «Report on the human rights situation in Ukraine 16 February to 15 May 2016» (PDF). Office of the United Nations High Commissioner for Human Rights. Maio de 2016. Consultado em 16 de novembro de 2016 
  12. a b Luhn, Alec. «Preparing for War With Ukraine's Fascist Defenders of Freedom». Foreign Policy (em inglês). Consultado em 1 de abril de 2022 
  13. Carden, James (14 de janeiro de 2016). «Congress Has Removed a Ban on Funding Neo-Nazis From Its Year-End Spending Bill» (em inglês). ISSN 0027-8378. Consultado em 1 de abril de 2022 
  14. «The Rise of Far-Right Extremism in the United States». www.csis.org (em inglês). Consultado em 1 de abril de 2022 
  15. a b «Report on the human rights situation in Ukraine 16 November 2015 to 15 February 2016» (PDF). Office of the United Nations High Commissioner for Human Rights. Fevereiro de 2016. Consultado em 16 de novembro de 2016. Cópia arquivada (PDF) em 6 de março de 2016 
  16. «115th Congress (2017-2018) - H.R.1625 - Consolidated Appropriations Act, 2018». 21 de março de 2018. Consultado em 18 de março de 2022. (Sec. 8129) Prohibits funds provided by this division from being used to provide arms, training, or other assistance to the Azov Battalion. 
  17. «The Azov Battalion: How Putin built a false premise for a war against "Nazis" in Ukraine». www.cbsnews.com (em inglês). Consultado em 1 de abril de 2022 
  18. a b «Невзоров познакомился с полком "Азов" и опубликовал обращение "азовцев" к России: "Держи вора!" обычно громче всех кричит сам вор». KP (em russo). 28 March 2022. Consultado em 23 April 2022. Arquivado do original em 28 March 2022  Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata=, |data= (ajuda)
  19. «Azov Battalion Is Not Neo-Nazi, But Some People In Battalion Are - Umland». en.hromadske.ua. 19 January 2015. Consultado em 18 de maio de 2022  Verifique data em: |data= (ajuda)
  20. Allen, Christopher (13 Aug 2015). «European volunteers fighting in Eastern Ukraine». www.aljazeera.com (em inglês). Consultado em 18 de maio de 2022  Verifique data em: |data= (ajuda)
  21. «US lifts ban on funding 'neo-Nazi' Ukrainian militia». The Jerusalem Post | JPost.com (em inglês). 18 January 2016. Consultado em 18 de maio de 2022  Verifique data em: |data= (ajuda)
  22. a b Mironova, Vera; Sergatskova, Ekaterina (1 de agosto de 2017). «How Ukraine Reined In Its Militias». Foreign Affairs (em inglês). ISSN 0015-7120. Consultado em 18 de maio de 2022 
  23. Aliyev, Huseyn (16 de julho de 2020). «Pro-government Anti-government Armed Groups? Toward Theorizing Pro-government "Government Challengers"». Terrorism and Political Violence: 1–17. ISSN 0954-6553. doi:10.1080/09546553.2020.1785877 
  24. a b c Raghavan, Sudarsan; Morris, Loveday; Parker, Claire; Stern, David L. (5 de abril de 2022). «Right-wing Azov Battalion emerges as a controversial defender of Ukraine». Washington Post. Consultado em 7 de abril de 2022. The Azov forces today, said Biletskiy, now include writers and other liberals, even members of the extreme left and antifascists. 'We are at war for the very existence of Ukraine at the moment,' he said. 'In the past month, I have never asked a person that came to join us about his political views. Today, Ukrainians have only one option of political orientation: for or against Ukraine.' 
  25. a b c (em ucraniano) "We are trying to come to power through elections, but we have all sorts of possibilities" – as "Azov" becomes party Arquivado 19 fevereiro 2018 no Wayback Machine, Hromadske.TV (13 October 2016)
  26. a b Pancevski, Bojan (11 May 2014). «Kiev lets loose Men in Black». The Sunday Times. London. Consultado em 12 April 2018. Cópia arquivada em 14 February 2022  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique o valor de |url-access=registration (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata=, |data= (ajuda)
  27. Kinstler, Linda (9 de maio de 2014). «Why is Ukraine's Army So Appallingly Bad?». The New Republic. ISSN 0028-6583. Consultado em 1 de abril de 2022 
  28. «Volunteer battalions in eastern Ukraine: who are they? | UACRISIS.ORG». Ukraine crisis media center (em inglês). 16 de março de 2015. Consultado em 22 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 18 de dezembro de 2019 
  29. a b c d e f g h i (em ucraniano) "We are trying to come to power through elections, but we have all sorts of possibilities" – as "Azov" becomes party, Hromadske.TV (13/10/2016)
  30. ««Чорний корпус» відправився в зону АТО (ФОТО) - Версія для друку !. Преса України - новини, свіжі новини, останні новини. uapress.info». uapress.info. Consultado em 2 de setembro de 2022 
  31. a b Chazan, Guy (1 de agosto de 2014). «Ukrainian volunteer fighters with a luxurious seaside residence». Financial Times. Consultado em 17 de março de 2022 
  32. «Андрей Билецкий. Как война превратила политузника в командира батальона Азов | Новое Время». 19 de janeiro de 2015. Consultado em 13 de maio de 2022. Cópia arquivada em 19 January 2015  Verifique data em: |arquivodata= (ajuda)
  33. a b «Ukraine crisis: Key players in eastern unrest». BBC News (em inglês). 28 de agosto de 2014. Consultado em 29 de maio de 2022 
  34. a b «14 марта 2014 года - добровольцы Харькова отразили атаку российского террориста Арсена Павлова на улице Рымарской (14.03.17 19:15) « Общество | Цензор.НЕТ». web.archive.org. 22 de janeiro de 2020. Consultado em 11 de agosto de 2022 
  35. «Командир "Азова" Білецький згадав, як зароджувався полк - Політика - TCH.ua». 14 de março de 2020. Consultado em 23 de maio de 2022. Cópia arquivada em 14 March 2020  Verifique data em: |arquivodata= (ajuda)
  36. (em russo) Для урегулирования ситуация на Юго-Востоке МВД создает спецподразделения по охране общественного порядка Arquivado 2016-03-04 no Wayback Machine, Arena.in.ua, 15 de Abril de 2014.
  37. «Azov regiment announces creation of own party». Ukrainian Independent Information Agency. 16 September 2016. Consultado em 16 November 2016. Cópia arquivada em 17 September 2016  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata=, |data= (ajuda)
  38. «Azov regiment announces creation of own party». UNIAN. 16 de setembro de 2016. Consultado em 16 de novembro de 2016. Cópia arquivada em 17 de setembro de 2016 
  39. a b c Newman, Dina. «White power' warrior from Sweden.». BBC. Consultado em 17 de março de 2022 
  40. a b Umland, Andreas (2019). Irregular Militias and Radical Nationalism in Post-Euromaydan Ukraine: The Prehistory and Emergence of the “Azov” Battalion in 2014. [S.l.: s.n.] doi:10.1080/09546553.2018.1555974 
  41. Nemtsova, Anna (27 de maio de 2014). «War and Murder in Eastern Ukraine». The Daily Beast. Consultado em 16 de novembro de 2016 
  42. Pancevski, Bojan (11 May 2014). «Kiev lets loose Men in Black». The Sunday Times. London. Consultado em 12 April 2018. Cópia arquivada em 14 February 2022  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique o valor de |url-access=registration (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata=, |data= (ajuda)
  43. Цензор.НЕТ. «Battalion "Azov" and "Dnepr-1" killed five terrorists, took a couple of buildings and knocked BRDM». Цензор.НЕТ. Consultado em 23 October 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  44. «Ukrainian troops drive rebels out of Mariupol». AP NEWS (em inglês). Consultado em 23 April 2022  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  45. Chazan, Guy (1 August 2014). «Ukrainian volunteer fighters with a luxurious seaside residence». Financial Times. London. Since then, its main role has been to keep an eye on Mariupol and patrol the Azov coastline, preventing arms smuggling from Russia.  Verifique data em: |data= (ajuda)
  46. «"Азов" відхрестився від критика АТО Ярослава Гончара». Channel 5 (Ucrânia). 10 de junho de 2014. Consultado em 1 de novembro de 2015 
  47. a b c «Reinforcements for the Azov Battalion». euromaidanpress.com. 24 de junho de 2014 
  48. UAH to USD Chart, 23 Jul 2013 00:00 UTC – 22 Jul 2018 11:20 UTC  Isso dá uma taxa de câmbio de $0,08409 por hryvnia (11.892 hryvnia = $1) em 25 de junho de 2014.
  49. «Turning Point». Kyiv Post. 20 August 2015. Consultado em 7 December 2016  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  50. «Government forces clearing Ilovaisk of snipers». National News Agency of Ukraine. 19 August 2014. Consultado em 3 September 2014. Cópia arquivada em 26 November 2015  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata=, |data= (ajuda)
  51. «Проміжний звіт ТСК з розслідування трагічних подій під Іловайськом. Повний текст» (em ucraniano). Українська правда. 20 October 2014  Verifique data em: |data= (ajuda)
  52. Виктория Герасимчук (5 September 2014). «Двое в поле воины» (em russo). LB.ua  Verifique data em: |data= (ajuda)
  53. Батальоны "Донбасс" и "Азов" понесли потери в бою за Иловайск [Battalions "Donbass" and "Azov" suffered losses in the battle for Ilovajsk]. TSN (em russo). 11 August 2014. Cópia arquivada em 19 August 2014  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |arquivodata=, |data= (ajuda)
  54. «Turning Point». Kyiv Post. 20 August 2015. Consultado em 7 December 2016  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  55. «Abandoned Donbas Battalion fights on - Aug. 24, 2014». KyivPost. 24 August 2014. Consultado em 27 April 2022  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  56. Mackey, Robert (27 August 2014). «Video of Combat in Eastern Ukraine Adds to Worries in Kiev». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 27 April 2022  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  57. Kramer, Andrew. «Ukraine Says Russian Forces Lead Major New Offensive in East». CNBC. Consultado em 8 September 2017. Cópia arquivada em 28 August 2014. Tanks, artillery and infantry have crossed from Russia into an unbreached part of eastern Ukraine in recent days, attacking Ukrainian forces and causing panic and wholesale retreat not only in this small border town but a wide swath of territory, in what Ukrainian and Western military officials are calling a stealth invasion.  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda)
  58. Parfitt, Tom (11 de agosto de 2014). «Ukraine crisis: the neo-Nazi brigade fighting pro-Russian separatists». The Daily Telegraph. Consultado em 14 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 11 de agosto de 2014 
  59. a b Keane, Fergal (5 September 2014). «Ukraine crisis: Heavy shelling in hours before ceasefire». BBC News Online. Cópia arquivada em 29 January 2015  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |arquivodata=, |data= (ajuda)
  60. «Militia starts reconnaissance in force near Mariupol - media». Russia Beyond (em inglês). Interfax. 4 September 2014. Consultado em 27 April 2022  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  61. «Azov Battalion trains Mariupol residents in self-defense tactics». KyivPost. 5 September 2014. Consultado em 30 October 2014  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  62. «Ukraine crisis: Ceasefire is 'largely holding'». BBC. 6 September 2014. Consultado em 7 September 2014. Cópia arquivada em 6 September 2014  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata=, |data= (ajuda)
  63. Hoyle, Ben (5 September 2014). «Neo-Nazis give Kiev a last line of defence in the east». The Times. Mariupol. Consultado em 27 December 2016. Cópia arquivada em 14 April 2022  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique o valor de |url-access=subscription (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata=, |data= (ajuda)
  64. a b «Azov regiment announces creation of own party». Ukrainian Independent Information Agency. 16 September 2016. Consultado em 16 November 2016. Arquivado do original em 17 September 2016  Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata=, |data= (ajuda)
  65. Baczynska, Gabriela (25 March 2015). «Ukrainian battalion gears up for more fighting». Reuters. Consultado em 15 June 2015. Arquivado do original em 24 January 2016  Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata=, |data= (ajuda)
  66. «Heroes or Villains? Volunteer Battalions in Post-Maidan Ukraine» (PDF). Consultado em 22 January 2017. Arquivado do original (PDF) em 23 January 2022  Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda)
  67. «До уваги представників ЗМІ: Підрозділ Нацгвардії "АЗОВ" участі у марші та мітингу під ВР не брав | НГУ». 23 de maio de 2016. Consultado em 4 de maio de 2022. Cópia arquivada em 23 May 2016  Verifique data em: |arquivodata= (ajuda)
  68. Baczynska, Gabriela (25 March 2015). «Ukrainian battalion gears up for more fighting». Reuters. Consultado em 15 June 2015. Arquivado do original em 24 January 2016  Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata=, |data= (ajuda)
  69. «The Defenders of Mariupol». Tablet Magazine. 18 May 2022  Verifique data em: |data= (ajuda)
  70. Baczynska, Gabriela (25 March 2015). «Ukrainian battalion gears up for more fighting». Reuters. Consultado em 15 June 2015. Arquivado do original em 24 January 2016  Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata=, |data= (ajuda)
  71. «Ukraine: Rising Civilian Death Toll» (em inglês). Human Rights Watch. 3 February 2015. Consultado em 24 April 2022  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  72. «Azov Battalion trains for defense of Mariupol». 29 January 2015. Consultado em 24 April 2022. Cópia arquivada em 29 January 2015  Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata=, |data= (ajuda)
  73. «Kyiv reports army counter-offensive near Mariupol – Feb. 10, 2015». Kyiv Post. 10 February 2015. Consultado em 24 April 2022  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  74. «Ukraine's Azov regiment claims to have launched offensive on Novoazovsk – Feb. 10, 2015». Kyiv Post. 10 February 2015. Consultado em 24 April 2022  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  75. Цензор.НЕТ. «Шестичасовой бой в Широкино завершен. Все атаки оккупантов отбиты, – боец 37-го батальона». Цензор.НЕТ (em russo). Consultado em 24 April 2022  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  76. «Украинские военные заняли стратегическую высоту в Широкино». ТСН.ua (em russo). 17 February 2015. Consultado em 24 April 2022  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  77. «Just a moment...». zik.ua. Consultado em 9 May 2022  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  78. «В Сети опубликован новый сюжет о геройском батальоне имени Шейха Мансура. Видео hronika.info» (em russo). Consultado em 24 April 2022  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  79. «Ukraine conflict: Battles rage ahead of Minsk talks». BBC News (em inglês). 10 February 2015. Consultado em 24 April 2022  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  80. «Azov Battalion spearheads Ukrainian counter-offensive – Feb. 10, 2015». Kyiv Post. 10 February 2015. Consultado em 24 April 2022  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  81. Censor.NET. «Heavy fighting underway near Shyrokyne and Sakhanka: enemy's infantry liquidated, attack died out – Azov regiment». Censor.NET (em inglês). Consultado em 24 April 2022  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  82. «Militants attack village of Shyrokyne near Mariupol». unian.info (em inglês). Consultado em 24 April 2022  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  83. a b «Fears for Ukraine's ceasefire as clashes with Russia-backed rebels intensify». The Guardian (em inglês). 15 February 2015. Consultado em 25 April 2022  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  84. Baczynska, Gabriela (25 March 2015). «Ukrainian battalion gears up for more fighting». Reuters. Consultado em 15 June 2015. Arquivado do original em 24 January 2016  Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata=, |data= (ajuda)
  85. «Deaths shake Ukraine truce; Poroshenko wary of Russian threat». Reuters (em inglês). 27 February 2015. Consultado em 24 April 2022  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  86. «Mariupol, next in the sights of pro-Russia rebels in eastern Ukraine». The Guardian (em inglês). 25 February 2015. Consultado em 24 April 2022  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  87. Quinn, Allison; Zhuk, Alyona (28 July 2015). «Pullout from Shyrokyne angers soldiers, stokes fear in Mariupol». Kiev Post. Consultado em 29 July 2015. Cópia arquivada em 29 July 2015  Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata=, |data= (ajuda)
  88. «Locals install tents in Mariupol protesting demilitarization of Shyrokine». Zik. 28 July 2015. Cópia arquivada em 20 August 2015  Verifique data em: |arquivodata=, |data= (ajuda)
  89. «The Azov Battalion: How Putin built a false premise for a war against "Nazis" in Ukraine» (em inglês). CBS News. Consultado em 28 March 2022  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  90. «Ukraine war: Ros Atkins on... Putin's false 'Nazi' claims». BBC News. 26 March 2022. Consultado em 29 March 2022  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  91. «Azov Battalion: the far-right Mariupol regiment explained – and are they neo-Nazis?». nationalworld.com (em inglês). Consultado em 21 April 2022  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  92. «The last remaining Ukrainian soldiers in Mariupol are holding out in the Azovstal steelworks. Here's what we know». ABC (Australian Broadcasting Corporation). 19 de abril de 2022. Consultado em 10 de maio de 2022 
  93. Goncharenko, Roman (16 March 2022). «The Azov Battalion: Extremists defending Mariupol». Deutsche Welle. Consultado em 19 March 2022  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  94. Schreck, Adam (15 de abril de 2022). «Mariupol holds out against Russia's siege, a symbol of Ukrainian resistance [Associated Press]». PBS NewsHour. Consultado em 10 de maio de 2022 
  95. Zelenskyy, Volodymyr (19 March 2022). «Meaningful talks on peace and security for Ukraine are the only chance for Russia to reduce the damage from its own mistakes». President of Ukraine. Consultado em 2 April 2022  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  96. «Lavrov confirms Russia deliberately bombed maternity hospital in Mariupol». Ukrayinska Pravda (em inglês). Consultado em 21 April 2022  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  97. «Russia accuses Ukraine of trying to frame it over Mariupol theatre attack». Reuters (em inglês). 17 March 2022. Consultado em 21 April 2022  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  98. «Inside the Russian Siege of Mariupol». WSJ. Consultado em 25 April 2022  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  99. a b «Elfoglalták az oroszok a rettegett Azov-zászlóalj egyik bázisát». Portfolio.hu (em húngaro). Consultado em 21 April 2022  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  100. Welle (www.dw.com), Deutsche. «Russia's humiliating 'filtration' of civilians fleeing occupied Ukraine | DW | 28 April 2022». DW.COM (em inglês). Consultado em 28 April 2022  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  101. a b «The last remaining Ukrainian soldiers in Mariupol are holding out in the Azovstal steelworks. Here's what we know». ABC (Australian Broadcasting Corporation). 19 de abril de 2022. Consultado em 10 de maio de 2022 
  102. Colarossi, Natalie (11 de abril de 2022). «Ukrainian battalion accuses Russia of using chemical weapons on civilians». Newsweek (em inglês). Consultado em 13 de maio de 2022 
  103. «Did Russia really use chemical weapons in Ukraine? Experts are sceptical». the Guardian (em inglês). 12 de abril de 2022. Consultado em 13 de maio de 2022 
  104. Wilkie, Christina (11 de abril de 2022). «Pentagon monitoring reports of possible Russian chemical weapons attack in Mariupol». CNBC (em inglês). Consultado em 13 de maio de 2022 
  105. «Russia Faces Hard-to-Verify Claims of Chemical Weapons Use in Mariupol». Bloomberg.com (em inglês). 12 de abril de 2022. Consultado em 13 de maio de 2022 
  106. «Fighting in Ukraine impedes investigation of poison-gas claims». Washington Post (em inglês). ISSN 0190-8286. Consultado em 13 de maio de 2022 
  107. «Ukraine War: US 'deeply concerned' at report of Mariupol chemical attack». BBC News (em inglês). 12 de abril de 2022. Consultado em 2 de setembro de 2022 
  108. «Marines and "Azov" rescue 500 fighters from the port of Mariupol – media». Ukrayinska Pravda (em inglês). Consultado em 21 April 2022  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  109. Schreck, Adam (15 de abril de 2022). «Mariupol holds out against Russia's siege, a symbol of Ukrainian resistance [Associated Press]». PBS NewsHour. Consultado em 10 de maio de 2022 
  110. «Putin calls off plan to storm Mariupol plant, opts for blockade instead». Reuters (em inglês). 21 April 2022. Consultado em 21 April 2022  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  111. «Ukraine war: A dozen crack Russian military units redeployed from Mariupol as Kyiv claims to have rearmed blockaded district with daring night-time helicopter drop» (em inglês). Sky News. Consultado em 23 April 2022  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  112. «The last remaining Ukrainian soldiers in Mariupol are holding out in the Azovstal steelworks. Here's what we know». ABC (Australian Broadcasting Corporation). 19 April 2022. Consultado em 10 May 2022  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  113. «Russian troops begin to storm Azovstal plant». www.ukrinform.net (em inglês). Consultado em 5 May 2022  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  114. Lister, Tim; Zadorozhnyy, Taras; Butenko, Victoria; Guy, Jack (17 May 2022). «The battle for Mariupol nears end as Ukraine declares 'combat mission' over». CNN  Verifique data em: |data= (ajuda)
  115. «Ukraine: ICRC registers hundreds of prisoners of war from Azovstal plant». International Committee of the Red Cross. 19 May 2022. Consultado em 21 May 2022  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  116. CNN, Tim Lister, Julia Kesaieva and Josh Pennington. «Ukrainian President Volodymyr Zelensky says prison attack 'deliberate war crime by the Russians,' as Russia blames Ukraine». CNN. Consultado em 2 de setembro de 2022 
  117. a b ANI (30 de julho de 2022). «Russia invites UN, Red Cross to probe shelling of Olenivka pre-trial detention centre». ThePrint (em inglês). Consultado em 3 de agosto de 2022 
  118. «Ukraine's bombing of prison in Donetsk kills 53 inmates - Prensa Latina» (em inglês). 29 de julho de 2022. Consultado em 3 de agosto de 2022 
  119. «Russians struck Olenivka to cover up the torture and execution of prisoners General Staff of the Armed Forces of Ukraine». news.yahoo.com (em inglês). Consultado em 2 de setembro de 2022 
  120. Ljunggren, David; Ljunggren, David (21 de setembro de 2022). «Russia frees 215 Ukrainians held after Mariupol battle, Ukraine says». Reuters (em inglês). Consultado em 22 de setembro de 2022 
  121. University, © Stanford; Stanford; California 94305. «MMP: Azov Battalion». cisac.fsi.stanford.edu (em inglês). Consultado em 13 de setembro de 2022 
  122. Ball, Tom (30 May 2022). «Azov Battalion drops neo-Nazi symbol exploited by Russian propagandists». The Times (em inglês). ISSN 0140-0460  Verifique data em: |data= (ajuda)
  123. a b c University, © Stanford; Stanford; California 94305. «MMP: Azov Battalion». cisac.fsi.stanford.edu (em inglês). Consultado em 13 de setembro de 2022 
  124. Jerome (13 de março de 2022). «The units of Azov [Updated #2]». MilitaryLand.net (em inglês). Consultado em 18 de setembro de 2022 
  125. Kunkle, Fredrick (3 June 2022). «Ukraine's volunteer 'Kraken' unit takes the fight to the Russians». The Washington Post  Verifique data em: |data= (ajuda)
  126. «Волиняни організували новий спецпідрозділ «Любарт»». lutsk.rayon.in.ua (em ucraniano). 2 de março de 2022. Consultado em 13 de setembro de 2022 
  127. «Ukrainian military defeat tank regiment of Russian troops, eliminate commander Zakharov in Brovarsky district – Defense Intelligence». Interfax-Ukraine (em inglês). Consultado em 21 April 2022  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  128. (em ucraniano) Andriy Biletsky: Avakov – man system, but the system I think is negative Arquivado 21 setembro 2020 no Wayback Machine, Ukrayinska Pravda (18 October 2016)
  129. Baczynska, Gabriela (25 March 2015). «Ukrainian battalion gears up for more fighting». Reuters. Consultado em 15 June 2015. Cópia arquivada em 24 January 2016  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata=, |data= (ajuda). This gives an exchange rate of 19.0000 hryvnia = $1.
  130. «Azov Battalion – Guardian Angels or Notorious Extremists?». Rise to Peace. Consultado em 24 de março de 2022 
  131. «Azov fighters give military training to children, foster patriotism at Kyiv summer camp». Ukraine Post. 29 de agosto de 2015. Consultado em 24 de março de 2022 
  132. Deputized As Election Monitors, Ukrainian Ultranationalists 'Ready To Punch' Violators Arquivado 11 março 2019 no Wayback Machine, Radio Free Europe/Radio Liberty (7 March 2019)
  133. a b «Ukraine's National Militia: 'We're not neo-Nazis, we just want to make our country better'». The Guardian (em inglês). 13 March 2018. Consultado em 27 April 2022  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  134. Miller, Christopher. «Far-Right Vigilantes Destroy Another Romany Camp In Kyiv». RadioFreeEurope/RadioLiberty (em inglês). Consultado em 31 de maio de 2022 
  135. Likhachev, Vyacheslav (7 April 2022). «What is Azov Regiment? Honest answers to the most common questions». Euromaidan Press. The Natsionalni Druzhyny is a public organization, which has not been active for almost two years.  Verifique data em: |data= (ajuda)
  136. a b Boichenko, Nina. «Inside Ukraine's ideological renewal». New Eastern Europe 
  137. Roussinos, Aris. «The Armies of the Right». Harper's Magazine. Consultado em 12 de abril de 2022 
  138. (em ucraniano) "Azov" become party Arquivado 12 novembro 2017 no Wayback Machine, gazeta.ua (28 May 2016)
  139. «Volunteer battalion Azov members and former members create National Corps political party». Interfax-Ukraine. 14 October 2016. Cópia arquivada em 8 February 2022  Verifique data em: |arquivodata=, |data= (ajuda)
  140. «Volunteer battalion Azov members and former members create National Corps political party». Interfax-Ukraine - Ukraine News Agency. 14 de outubro de 2016. Consultado em 17 de março de 2022 
  141. «Мін'юст зареєстрував партію Коломойського». Consultado em 17 de março de 2022 
  142. «Facebook 'Bans' Ukrainian Far-Right Group Over 'Hate Speech' -- But Getting Rid Of It Isn't Easy». RadioFreeEurope. 16 de abril de 2019. Consultado em 5 de março de 2022 
  143. Biddle, Sam. «Facebook permitirá elogios a paramilitares neonazistas da Ucrânia – desde que eles lutem contra a Rússia». The Intercept. Consultado em 25 de fevereiro de 2022 
  144. Walker, Shaun. «Azov fighters are Ukraine's greatest weapon and may be its greatest threat». The Guardian. Consultado em 10 de setembro de 2014 
  145. a b Baczynska, Gabriela (25 de março de 2015). «Ultra-nationalist Ukrainian battalion gears up for more fighting». Reuters. Consultado em 17 de março de 2022 
  146. a b Olszański, Tadeusz A. (5 de julho de 2011). «Svoboda party – the new phenomenon on the Ukrainian right-wing scene». Center for Eastern Studies. Consultado em 17 de março de 2022 
  147. Brayman,, Lolita. «Ukrainian Nationalists Strive to Shake Off Allegations of anti-Semitism». Haaretz. Consultado em 10 de abril de 2018 
  148. a b Umland, Andreas. “Irregular Militias and Radical Nationalism in Post-Euromaydan Ukraine: The Prehistory and Emergence of the “Azov” Battalion in 2014.” Terrorism and Political Violence. [S.l.: s.n.] doi:10.1080/09546553.2018.1555974 
  149. a b Krushelnycky, Askold (2014). «The Battle for Mariupol». Consultado em 17 de março de 2022 
  150. «Ukrainian Troops Regain Mariupol». All Jazeera. 13 de junho de 2014. Consultado em 17 de março de 2022 
  151. Colborne, Michael (7 de abril de 2019). «There's One Far-Right Movement That Hates the Kremlin». Foreign Policy. Foreign Policy Magazine. Consultado em 17 de março de 2022 
  152. «Kevin MacDonald». Southern Poverty Law Center. Consultado em 18 de março de 2022 
  153. «Portugal é um objetivo militar dos neonazis europeus». Contacto. 25 de julho de 2019. Consultado em 18 de março de 2022 
  154. «Экскурсия в "Азов". Один день с украинским полком спецназначения». Радио Свобода (em russo). Consultado em 12 de junho de 2022 
  155. «Інтерв'ю Редіса» [Entrevista com Redis] (em ucraniano). 20 de julho de 2016. Consultado em 9 April 2022. Cópia arquivada em 4 April 2022  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda)
  156. «Указ Президента України №148/2022 — «Про присвоєння звання Герой України»» [Decree of the President of Ukraine №148 / 2022 - "On conferring the title of Hero of Ukraine"] (em ucraniano). 19 de março de 2022. Consultado em 9 April 2022. Cópia arquivada em 6 April 2022  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda)
  157. «Ukrainian Military Personnel: Volunteers». Global Security Org. 4 August 2015. Consultado em 16 November 2016. Cópia arquivada em 27 December 2021  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata=, |data= (ajuda)
  158. a b HarpJune 30 2022, Seth HarpSeth; A.m, 11:00. «Foreign Fighters in Ukraine Could Be a Time Bomb for Their Home Countries». The Intercept (em inglês). Consultado em 7 de setembro de 2022 
  159. G1 RS (8 de dezembro de 2016). «Operação combate recrutamento de neonazistas do RS para a Ucrânia». g1.globo.com. Consultado em 25 de fevereiro de 2022 
  160. Paulo, Ton (24 de novembro de 2019). «Grupos neonazistas são identificados em municípios de Goiás». Jornal Opção. Consultado em 17 de março de 2022 
  161. «CEP Policy Brief: Foreign Fighters In The 2022 Russia-Ukraine War». Counter Extremism Project (em inglês). Consultado em 27 April 2022  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  162. AbrilAbril. «Os neonazis portugueses que vão combater, os que fogem e os amigos deles». AbrilAbril. Consultado em 2 de agosto de 2022 
  163. Fernandes, Ricardo Cabral. «Ucrânia, o campo de treino militar para a extrema-direita mundial». PÚBLICO. Consultado em 2 de agosto de 2022 
  164. a b «Report on the human rights situation in Ukraine 16 November 2015 to 15 February 2016» (PDF). Office of the United Nations High Commissioner for Human Rights. Fevereiro de 2016. Consultado em 16 de novembro de 2016 
  165. «Conflict-Related Sexual Violence in Ukraine 14 March 2014 to 31 January 2017» (PDF). Office of the United Nations High Commissioner for Human Rights. Consultado em 4 de março de 2022 
  166. «"You Don't Exist" Arbitrary Detentions, Enforced Disappearances, and Torture in Eastern Ukraine». Human Rights Documents Online. Consultado em 19 de junho de 2022 
  167. «Unlawful detentions and torture committed by Ukrainian side in the armed conflict in Eastern Ukraine» (PDF). United States Agency for International Development. Consultado em 4 de março de 2022 
  168. «Report on the human rights situation in Ukraine 16 February to 15 May 2016» (PDF). Office of the United Nations High Commissioner for Human Rights. Maio de 2016. Consultado em 16 de novembro de 2016 
  169. a b c «Report on the human rights situation in Ukraine - 16 November 2015 to 15 February 2016» (PDF). Office of the United Nations - High Commissioner for Human Rights 
  170. «human-rights-situation-report-year-10-no4-february-2003-27-pp». Human Rights Documents online. Consultado em 19 de junho de 2022 
  171. «Profile: Who are Ukraine's far-right Azov regiment?». www.aljazeera.com (em inglês). Consultado em 19 de junho de 2022 
  172. «UKRAINE 2017 HUMAN RIGHTS REPORT» (PDF). The U.S. Department of State 
  173. Sampath, G. (20 de março de 2022). «The Azov Battalion: The neo-Nazis of Ukraine». The Hindu (em inglês). ISSN 0971-751X. Consultado em 19 de junho de 2022 
  174. Fergal Keane (5 de setembro de 2014). «Ukraine crisis: Heavy shelling in hours before ceasefire». BBC. Consultado em 7 de setembro de 2014 
  175. Walker, Shaun (10 de setembro de 2014). «Azov fighters are Ukraine's greatest weapon and may be its greatest threat». The Guardian. Cópia arquivada em 10 de setembro de 2014 
  176. Parfitt, Tom (11 de agosto de 2014). «Ukraine crisis: the neo-Nazi brigade fighting pro-Russian separatists» . Telegraph.co.uk. Consultado em 23 de junho de 2016. Cópia arquivada em 12 de janeiro de 2022 
  177. Golinkin, Lev (9 de novembro de 2017). «The reality of neo-Nazis in Ukraine is far from Kremlin propaganda». The Hill 
  178. Miller, Christopher (14 de novembro de 2018). «Azov, Ukraine's Most Prominent Ultranationalist Group, Sets Its Sights On U.S., Europe». RadioFreeEurope/RadioLiberty. Prague 
  179. Luhn, Alec (30 de agosto de 2014). «Preparing for War With Ukraine's Fascist Defenders of Freedom». Foreign Policy 
  180. lądowe, Wojska (13 de junho de 2015). «USA nie będą szkolić batalionu Azow». Altair.com.pl (em polaco). Consultado em 27 de junho de 2015. Cópia arquivada em 15 de junho de 2015 
  181. Hinz, Linda (14 de agosto de 2014). «Schmutziger Kampf in der Ukraine: Neonazis im Dienst der Regierung» [Dirty war in Ukraine: neo-Nazis in service of the government]. Focus Online (em alemão). Consultado em 23 de junho de 2016 
  182. a b «Azov fighters are Ukraine's greatest weapon and may be its greatest threat». the Guardian (em inglês). 10 de setembro de 2014. Consultado em 1 de abril de 2022 
  183. «Ukrainian soldiers seen wearing helmets with Nazi swastika and SS symbols». Haaretz. 9 de setembro de 2014. Consultado em 21 de junho de 2015 
  184. «German TV Shows Nazi Symbols on Helmets of Ukraine Soldiers». NBC News. 9 de setembro de 2014. Consultado em 23 de junho de 2016 
  185. «Chłopcy z 'Azowa' bronią Mariupola. Ukrainy, Europy i… białej rasy» [The boys from 'Azov' defend Mariupol. Ukraine, Europe and… the white race]. Interia (em polaco). 8 de julho de 2015 
  186. Olszański, Tadeusz A. (4 July 2011). «Svoboda Party – The New Phenomenon on the Ukrainian Right-Wing Scene». Centre for Eastern Studies. OSW Commentary (56): 6. Consultado em 27 September 2013  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  187. Cathcart, Will; Epstein, Joseph (14 de abril de 2017). «How Many Neo-Nazis Is the U.S. Backing in Ukraine?». The Daily Beast 
  188. Golinkin, Lev (22 de fevereiro de 2019). «Neo-Nazis and the Far Right Are On the March in Ukraine». The Nation. Consultado em 2 de abril de 2021. A Ucrânia pós-Maidan é a única nação do mundo a ter uma formação neonazista em suas forças armadas. O Batalhão Azov foi inicialmente formado pela gangue neonazista Patriota da Ucrânia. Andriy Biletsky, o líder da gangue que se tornou comandante de Azov, escreveu uma vez que a missão da Ucrânia é “liderar as raças brancas do mundo em uma cruzada final… contra os Untermenschen liderados pelos semitas”. 
  189. Colborne, Michael (11 de novembro de 2019). «U.S. Congress Accidentally Boosted Ukraine's Far-Right». Foreign Policy 
  190. Hrytsenko, Anya (30 de Setembro de 2016). «Misanthropic Division: A Neo-Nazi Movement from Ukraine and Russia». Euromaidan Press. Consultado em 7 de Setembro de 2022 
  191. «A far-right battalion has a key role in Ukraine's resistance. Its neo-Nazi history has been exploited by Putin (Analysis by Tara John and Tim Lister)». CNN. Consultado em 27 April 2022  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  192. Query, Alexander (8 de maio de 2022). «Azovstal defenders: 'Surrender is not an option'». The Kyiv Independent. Consultado em 6 de setembro de 2022 
  193. «Azov Battalion's Second-in-command: 'Like in Israel, There Is Also Terror Against Us. We Are Not Nazis'». Haaretz (em inglês). Consultado em 6 de setembro de 2022 
  194. a b Baczynska, Gabriela (25 March 2015). «Ukrainian battalion gears up for more fighting». Reuters. Consultado em 15 June 2015. Arquivado do original em 24 January 2016  Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata=, |data= (ajuda)
  195. Mironova, Vera. «How Ukraine Reined In Its Militias». Foreign Affairs 
  196. «Commentary: Ukraine's neo-Nazi problem». Reuters (em inglês). 19 March 2018. Consultado em 27 April 2022  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  197. «Azov Regiment takes centre stage in Ukraine propaganda war». France 24. 25 de março de 2022. Consultado em 9 de maio de 2022 
  198. Kuzmenko, Oleksyi (19 March 2020). «The Azov Regiment has not depoliticized». Atlantic Council  Verifique data em: |data= (ajuda)
  199. Colborne, Michael (12 January 2022). From the Fires of War: Ukraine's Azov Movement and the Global Far Right (em inglês). [S.l.]: ibidem. ISBN 978-3-8382-1508-2  Verifique data em: |data= (ajuda)
  200. «Silence won't make the Ukrainian far right go away». New Statesman (em inglês). 22 de fevereiro de 2022. Consultado em 16 de maio de 2022 
  201. «"Azov needs a war." An interview with Michael Colborne - Marker EN» (em inglês). 29 de dezembro de 2021. Consultado em 17 de junho de 2022 
  202. «Rights Groups Demand Israel Stop Arming neo-Nazis in Ukraine». Haaretz (em inglês). Consultado em 13 de dezembro de 2021 
  203. Червоненко, Виталий (14 de maio de 2018). «Антисемитизм или манипуляция: усиливается ли притеснение евреев в Украине?» [Anti-Semitism or Manipulation: Is Jewish Oppression Intensified in Ukraine?]. BBC News (em ucraniano) 
  204. «Ukraine: Batallion Backed by Jewish Billionaire Sent to Fight Pro-Russian Militias | Jewish & Israel News Algemeiner.com». web.archive.org. 24 de fevereiro de 2020. Consultado em 1 de abril de 2022 
  205. Cathy Young (25 de maio de 2022). «Heroes of Mariupol or Neo-Nazi Menace?». The Bulwark (em inglês). Consultado em 27 de maio de 2022 
  206. Likhachev, Vyacheslav (3 April 2022). «Euromaidan SOS: Honest Answers to the Most Common Questions about AZOV in the West». Center of Civil Liberties  Verifique data em: |data= (ajuda)
  207. Билецкий: Половина людей, которые воевали за Украину, разговаривает на русском языке (em russo). gordonua.com. 20 de novembro de 2018. Consultado em 19 de outubro de 2019 

Ligações externasEditar

Documentários
Cercada e com uma força militar mal preparada, em 2014 a Ucrânia viu-se num momento complexo. Movido pelo desespero, o governo incitou toda a gente, sem qualquer controlo, a ir para a linha da frente para combater os separatistas apoiados pela Rússia.
No dia seguinte ao controverso referendo da Crimeia, no qual 97% da população da península supostamente votou para se juntar à Federação Russa, a recém-formada Guarda Nacional da Ucrânia começou a treinar em antecipação a novas agressões russas.
O batalhão Azov é de extrema-direita e tem a reputação de ser uma força de combate feroz. O grupo usa abertamente símbolos fascistas. O grupo está recrutando cada vez mais jovens - muitos deles são mulheres. A preocupação com a democracia na Ucrânia está crescendo.
O correspondente da TIME, Simon Shuster, viaja para a Ucrânia no verão de 2019 para investigar milícias supremacistas brancas que estão recrutando pessoas para se juntarem à sua luta.
A Milícia Nacional da Ucrânia diz que "policia" as ruas. Então, por que também luta contra a própria polícia? O correspondente da BBC em Kiev, Jonah Fisher, relata a crescente visibilidade de grupos de extrema-direita na Ucrânia.
Enquanto dezenas de milhares de soldados russos se alinham na fronteira ucraniana, os cidadãos de Kiev estão resolvendo o problema com as próprias mãos.
Na Ucrânia, a milícia de extrema-direita Azov está lutando na linha de frente – e administrando um acampamento de verão para crianças. O Guardian visitou o acampamento e acompanhou Anton, de 16 anos, através de suas experiências. A Azov é realmente uma organização moderna da Juventude Hitlerista ou está tentando preparar os jovens ucranianos para a dura realidade que os espera?