Abrir menu principal

Batalha das Malvinas

Batalha das Malvinas
Primeira Guerra Mundial
Battle of the Falkland Islands, 1914.jpg
Confronto naval durante a Batalha das Malvinas em 1914. Obra de William Lionel Wyllie.
Data 8 de dezembro de 1914
Local Oceano Atlântico sul, próximo as Ilhas Malvinas (Falkland)
Desfecho Vitória Britânica
Beligerantes
Reino Unido Reino Unido Império Alemão Império Alemão
Comandantes
Naval Ensign of the United Kingdom.svg Doveton Sturdee
Naval Ensign of the United Kingdom.svg Archibald Stoddart
Naval Ensign of the United Kingdom.svg John Luce
War Ensign of Germany (1903–1919).svg Maximilian Spee
Forças
2 cruzadores de batalha
3 cruzadores blindados
2 cruzadores rápidos e 1 dreadnought
2 cruzadores blindados
3 cruzadores rápidos
3 transportadores
Baixas
10 mortos, 19 feridos 1 871 mortos
215 capturados
2 cruzadores blindados afundados
2 cruzadores leves afundados
2 transportadores capturados e afundados

Batalha das Malvinas ou Batalha das Ilhas Malvinas foi uma vitória da Marinha Real Britânica sobre a Marinha Imperial Alemã em 8 de dezembro de 1914, durante a Primeira Guerra Mundial, no Atlântico Sul. Os britânicos, depois de uma derrota na Batalha de Coronel para os alemães em 1 de novembro, enviaram uma grande força para rastrear e destruir o vitorioso esquadrão alemão.[1][2][3]

O Almirante Maximilian von Spee - comandante da esquadra alemã formada por dois cruzadores blindados (SMS Scharnhorst e Gneisenau), três cruzadores rápidos (SMS Nürnberg, Dresden e Leipzig) e três navios auxiliares - tentaram invadir a base de fornecimento britânica em Stanley, nas Ilhas Falkland. Um esquadrão britânico maior - formado pelos cruzadores de batalha HMS Invincible e Inflexible, os cruzadores blindados HMS Carnarvon, Cornwall e Kent, o cruzador comerciante armado HMS Macedonia e pelos cruzadores rápidos HMS Bristol e Glasgow - havia chegado no porto no dia anterior.

A visibilidade estava no seu máximo, o mar estava calmo, com uma suave brisa a noroeste e o céu estava claro e ensolarado. Os cruzadores da esquadra alemã haviam sido detectados no início do seu avanço. Por volta das nove horas da manhã, os cruzadores britânicos estavam a perseguir cinco dos navios alemães. Todos, exceto os auxiliares Dresden e Seydlitz, foram caçados e afundados pela esquadra britânica.

Histórico da BatalhaEditar

Para a Batalha da Malvinas, o plano de ataque de Spee, exigia que o Gneisenai e o Nürnberg seguissem para Port Stanley no meio da manhã para dar cobertura aos destacamentos que desembarcariam, a fim de destruir a estação de rádio sem fio e outras instalações navais, enquanto outros três cruzadores alemães forneceriam apoio de artilharia adicional a certa distância. A esquadra de Spee então se aproximou de Port Stanley, supondo que o mesmo estava vazio, ao constatar que não era o caso, cancelou os desembarques e ordenou imediatamente que a esquadra se reagrupasse no mar, mas não antes que do Scharnhorst tivesse efetuado os primeiros disparos da batalha, tendo como alvo o Canopus a uma distância de 12.800 metros. Quando ficou claro que a Força Britânica incluía dois Cruzadores de Batalha, Spee decidiu fugir em vez de lutar.[carece de fontes?]

Com esta retirada o comandante da armada inglesa Almirante Sturdee, empreendeu uma caçada aos alemães com toda a sua esquadra, exceto o Canopus que continuou protegendo Port Stanley. Navegando na direção sudeste a partir das Malvinas, os navios alemães foram gradativamente perdendo a dianteira para os cruzadores britânicos mais rápidos. Diante de um confronto inevitável, Spee alterou o curso para nordeste com o Gneisenau e o Scharnhorst, numa tentativa de atrair os dois principais cruzadores britânicos, Invencible e o Inflexible e levá-los para longe do restante da esquadra. Sturdee, perseguiu os dois cruzadores alemães com seus dois navios disparando continuamente com suas baterias de 12 polegadas (o Inflexible disparou 661 vezes e o Invencible, 513). Assim que os grandes canhões entraram no raio de alcance, e data a intenção da armada alemã continuar lutando, Spee, não teve outra alternativa a não ser encurtar o raio de ação para que seus canhões 8,2 polegadas pudesse infligir algum dano ao inimigos. Esta ação permitiu que dois de seus cruzadores blindados conseguissem um número respeitável de acertos no inimigo, 22 apenas no Invencible. No entanto, devido ao baixo calibre não conseguiram causar nenhum dano grave ao cruzador.[carece de fontes?]

Ver tambémEditar

Referências

  1. «United Empire». 14. 1923: 687 
  2. Ian J. Strange (1983). The Falkland Islands. [S.l.]: David & Charles. p. 100. ISBN 0715385313 
  3. Paul G. Halpern (1995). A Naval History of World War I. [S.l.]: Naval Institute Press. p. 99. ISBN 1557503524 

BibliografiaEditar

  • Bennett, Geoffrey (1962). Coronel and the Falklands. London: B. T. Batsford Ltd 
  • Jaques, Tony (2007). Dictionary of Battles and Sieges: A Guide to 8,500 Battles from Antiquity through the Twenty-first Century. [S.l.]: Greenwood Publishing Group. ISBN 9780313335389 
  • Massie, Robert K. (2004). Castles of Steel: Britain, Germany, and the Winning of the Great War at Sea. London: Jonathan Cape. ISBN 0-224-04092-8 
  • Irving, John (1927). Coronel and the Falklands. Londres: A. M. Philpot, ltd. 
  • Halpern, Paul (1994). A Naval History of World War I. United States: United States Naval Institute. ISBN 1-85728-295-7 
  • Michael McNally (2012). Coronel and Falklands 1914; Duel in the South Atlantic. Osprey Campaign Series #248. Osprey Publishing. ISBN 9781849086745
  • Scott, R Neil; Macneill, RT. Hon. Lord George Islay Robertson (2012). Many Were Held by the Sea: The Tragic Sinking of HMS Otranto. [S.l.]: Rowman & Littlefield. ISBN 9781442213425 
  • SONDHAUS, Lawrence. A Primeira Guerra Mundial, Editora Contexto-2014. ISBN 978-85-7244-815-4

Ligações externasEditar