Batalha de Almançora

A Batalha de Almançora foi travada de 8 a 11 de fevereiro de 1250, entre cruzados liderados por Luís IX, rei da França, e forças aiúbidas lideradas pela sultana Xajar Aldur e os vizires Facradim ibne Xaique, Fariçadim Actai e Baibars. Foi travada na atual Almançora, no Egito.

Batalha de Almançora
Sétima Cruzada
Mansura.jpg
Batalha de Almançora
Data 8–11 de fevereiro de 1250
Local Almançora, Império Aiúbida (Baixo Egito)
Desfecho Vitória francesa (veja Consequências)[1][2][3]
Beligerantes
Sultanato Aiúbida
Comandantes
Forças
6 mil+ infantaria
4 600 na cavalaria (incluindo mamelucos)[4]
várias centenas de cavaleiros
vários milhares na infantaria
Possivelmente até 15 mil [4]
Baixas
Maiores[5][6] 300 cavaleiros, 280 templários e um número maior de infantaria [4][6]

ContextoEditar

Em meados do século XIII, os cruzados estavam convencidos de que o Egito, o coração das forças e do arsenal do Islã,[7] era um obstáculo à sua ambição de capturar Jerusalém, que haviam perdido pela segunda vez em 1244. No ano seguinte, durante o Primeiro Concílio de Lyon, o Papa Inocêncio IV deu seu total apoio à Sétima Cruzada que estava sendo preparada por Luís IX, Rei da França.

Os objetivos da Sétima Cruzada eram destruir a dinastia Aiúbida no Egito e na Síria e recapturar a Terra Santa. Os cruzados propuseram aos mongóis que se tornassem seus aliados contra os muçulmanos,[8] os cristãos atacando o mundo islâmico do oeste e seus aliados atacando do leste. Guiuque, o grão-cã dos mongóis, disse ao emissário do Papa que este e os reis da Europa deveriam se submeter aos mongóis.[9]

Os navios da Sétima Cruzada, liderados pelos irmãos do rei Luís, Carlos de Anjou e Roberto de Artésia, navegaram de Aigues-Mortes e Marselha para o Chipre durante o outono de 1248 e depois para o Egito. Os navios entraram em águas egípcias e as tropas da Sétima Cruzada desembarcaram em Damieta em junho de 1249. Luís IX enviou uma carta a Sale Aiube.[10] O emir Facradim Iúçufe, comandante da guarnição aiúbida em Damieta, retirou-se para o acampamento do sultão em Asmum-Taná,[11] causando um grande pânico entre os habitantes de Damieta, que fugiram da cidade, deixando intacta a ponte que ligava a margem oeste do Nilo com Damieta. Os cruzados atravessaram a ponte e ocuparam Damieta, que estava deserta.[12] A queda da cidade fez com que fosse declarada uma emergência geral (chamada al-Nafir al-Am النفير العام), e moradores do Cairo e de todo o Egito se mudaram para a zona de batalha.[13][14] Por muitas semanas, os muçulmanos usaram táticas de guerrilha contra os campos cruzados; muitos dos cruzados foram capturados e enviados para o Cairo.[15] Como o exército cruzado foi fortalecido pela chegada de Afonso de Poitiers, o terceiro irmão do rei Luís IX, em Damieta, os cruzados foram encorajados pela notícia da morte de Sale Aiube, o sultão aiúbida. Os cruzados começaram sua marcha em direção ao Cairo. Xajar Aldur, a viúva do sultão morto, escondeu a notícia por algum tempo e enviou Fariçadim Actai a Hasankeyf para chamar Turã Xá, o filho e herdeiro, para subir ao trono e liderar o exército egípcio.

BatalhaEditar

Os cruzados se aproximaram da batalha pelo canal de Asmum (conhecido hoje pelo nome Albar Alçaguir), que os separava do campo muçulmano. Um egípcio mostrou aos cruzados o caminho para o banco de areia do canal. Liderados por Roberto de Artésia, atravessaram o canal com os Cavaleiros Templários e um contingente inglês liderado por Guilherme de Salisbury, lançando um ataque surpresa ao acampamento egípcio em Gideila, a 3 quilômetros de Almançora,[16] e avançando em direção ao palácio real em Almançora. A liderança das forças egípcias passou para os mamelucos Fariçadim Actai e Baibars Bunduquedari que contiveram o ataque e reorganizaram as forças muçulmanas. Esta foi a primeira aparição dos mamelucos como comandantes supremos dentro do Egito.[17] Xajar Aldur, que tinha controle total do Egito, concordou com o plano de Baibars de defender Almançora.[18] Baibars ordenou que o portão fosse aberto para permitir que os cruzados entrassem na cidade. Os cruzados entraram correndo, pensando que a cidade estava deserta, apenas para se verem presos lá dentro. Os cruzados foram sitiados de todas as direções pelas forças egípcias e pela população local, e sofreram pesadas perdas. Roberto I de Artésia, que se refugiou em uma casa,[19][20] e Guilherme de Salisbury foram mortos junto com a maioria dos Cavaleiros Templários. Apenas cinco Cavaleiros Templários escaparam vivos.[21] Os cruzados recuaram para seu acampamento em desordem e o cercaram com uma vala e um muro. Em 9 de fevereiro, os aiúbidas atacaram os francos, que resistiram. No início da manhã de 11 de fevereiro, as forças muçulmanas lançaram uma ofensiva contra o exército franco, com fogo grego, mas foram repelidas com pesadas perdas, terminando com uma vitória franca.[22]

ConsequênciasEditar

Os egípcios recuaram para Almançora, enquanto os cruzados ocuparam o acampamento abandonado deles. Embora os cruzados tivessem derrotado seus oponentes imediatos, eles agora estavam presos diante de Almançora, sem forças para continuar, e esperando em vão por dissensão no acampamento egípcio.[23] Os franceses, portanto, não foram capazes de explorar essa vitória e logo foram atingidos por uma epidemia de peste.[24]

O rei Luís IX tentou negociar com os egípcios, oferecendo a rendição do porto egípcio de Damieta em troca de Jerusalém e algumas cidades na costa síria. Os egípcios rejeitaram a oferta e os cruzados, atingidos pela doença, recuaram para Damieta em 5 de abril, seguidos de perto pelas forças muçulmanas. Na subsequente Batalha de Fariscur, a última grande batalha da Sétima Cruzada, as forças cruzadas foram aniquiladas e Luís IX foi capturado em 6 de abril. Enquanto isso, os cruzados estavam circulando informações falsas na Europa, alegando que o rei francês derrotou o sultão do Egito em uma grande batalha, e o Cairo foi entregue nas mãos de Luís.[25][26] Mais tarde, quando as notícias da captura de Luís IX e da derrota francesa chegaram à França, o movimento da Cruzada dos Pastores ocorreu eclodiu.[27]

Referências

  1. Ducluzeau Robert, Alphonse de Poitiers - Frère préféré de Saint-Louis p. 85-86
  2. Périni,Hardy, Batailles françaises 1ère série p. 29 [1]
  3. Rickard, J. (30 de setembro de 2001), Battle of Mansura, 8 February 1250, http://www.historyofwar.org/articles/battles_mansura.html
  4. a b c Marshall,Christopher, Warfare in the Latin East 1192-1291 p. 149
  5. Christopher Marshall, Warfare in the Latin East, 1192–1291, p. 167
  6. a b Périni,Hardy, Batailles françaises 1ère série p. 20-25[2]
  7. Toynbee, p. 447.
  8. Runciman, pp. 260-263. D. Wilkinson, Parágrafo: THE MONGOLS AND THE WEST. Veja também aliança franco-mongol.
  9. A mensagem foi entregue ao emissário franciscano do papa, Giovanni da Pian del Carpine. O documento é preservado no Arquivo Secreto do Vaticano. Arquivado 2007-02-02 no Wayback Machine. Você deve dizer com um coração sincero: "Seremos seus súditos; nós lhe daremos nossa força". Deve vir pessoalmente com seus reis, todos juntos, sem exceção, para nos prestar serviço e nos homenagear. Só então reconheceremos sua submissão. E se você não seguir a ordem de Deus e for contra nossas ordens, nós o conheceremos como nosso inimigo." —Carta de Güyük ao Papa Inocêncio IV, 1246. Lord of Joinville, pp. 249-259.
  10. "Como você sabe que eu sou o governante da nação cristã, eu sei que você é o governante da nação muçulmana. O povo da Andaluzia me dá dinheiro e presentes enquanto os conduzimos como gado. Matamos seus homens e tornamos suas mulheres viúvas. Tomamos os meninos e as meninas como prisioneiros e esvaziamos as casas. Já lhe disse o suficiente e o aconselhei até o fim, então agora se você fizer o juramento mais forte para mim e se for aos padres e monges cristãos e se levar acendedores diante dos meus olhos como um sinal de obediência à cruz, tudo isso não me convencerá de chegar até você e matá-lo em seu lugar mais querido na terra. Se a terra for minha, então é um presente para mim. Se a terra for sua e você me derrotar, então você terá a vantagem. Eu lhe disse e avisei sobre meus soldados que me obedecem. Eles podem preencher campos abertos e montanhas, seu número como seixos. Eles serão enviados a você com espadas de destruição." Carta de Luís IX para Sale Aiube - (Almacrizi, p. 436/vol.1).
  11. Ashmum-Tanah, atual cidade de Dacalia - Almacrizi, nota p. 434/vol. 1.
  12. Almacrizi, p. 438/vol.1.
  13. Almacrizi, p. 446/vol. 1, p. 456/vol. 1.
  14. Ibn Taghri, pp. 102-273/ vol. 6.
  15. Almacrizi, p. 447/vol. 1.
  16. Gideila e v no mapa.
  17. Baibars liderou o exército egípcio na Batalha de La Forbie a leste de Gaza em 1244. Veja também Batalha de La Forbie.
  18. Qasim, p.18
  19. Lord of Joinville, 110, part II.
  20. Asly, p. 49.
    Skip Knox, Egyptian Counter-attack, The Seventh Crusade.
  21. De acordo com Mateus de Paris, apenas 2 Templários, 1 Hospitalário e uma "pessoa desprezível" escaparam. Mateus de Paris, LOUIS IX`S CRUSADE, p. 14/ Vol. 5.
  22. Ducluzeau, Robert (2006). Alphonse de Poitiers - Frère préféré de Saint-Louis. [S.l.]: La crèche : geste éditions. p. 85-86. ISBN 2-84561-281-8 
  23. «Battle of Mansura, 8 February 1250 (Egypt)». www.historyofwar.org. Consultado em 1 de março de 2022 
  24. de Périni, Hardy (1920). Batailles françaises [1ère série]. [S.l.]: Hachette Livre. p. 29 
  25. Lord of Joinville, 170, part II.
  26. Rumores falsos do Egito: cartas do bispo de Marselha e de certos Templários espalham o boato de que Cairo e Babilônia foram capturados e os sarracenos em fuga deixaram Alexandria indefesa. - Mateus de Paris, nota. p. 118 / Vol. 5. LOUIS IX`S CRUSADE 1250
  27. Mateus de Paris, pp. 246-53.

BibliografiaEditar

  • Abulfeda, Tarikh Abu al-Fida, A Breve História da Humanidade
  • Almacrizi, Al Selouk Leme'refatt Dewall al-Melouk, Dar al-kotob, 1997. In English: Bohn, Henry G., The Road to Knowledge of the Return of Kings, Chronicles of the Crusades, AMS Press, 1969.
  • Almacrizi, al-Mawaiz wa al-'i'tibar bi dhikr al-khitat wa al-'athar, Matabat aladab, Cairo 1996, ISBN 977-241-175-X. In French: Bouriant, Urbain, Description topographique et historique de l'Egypte, Paris 1895
  • Asly, B., al-Muzafar Qutuz, Dar An-Nafaes Publishing, Beirute 2002, ISBN 9953-18-051-2
  • Bournoutian, George A., A Concise History of the Armenian People: From Ancient Times to the Present, Mazda Publishers, 2002
  • David Wilkinson, Studying the History of Intercivilizational Dialogues, presented to United Nation University, Tóquio/Quioto 2001
  • Dawson, Christopher, The Mongol Mission, Londres: Sheed and Ward, 1955
  • Hassan. O, Al-Zahir Baibars, Dar al-Amal 1997
  • Ibn Taghri, al-Nujum al-Zahirah Fi Milook Misr wa al-Qahirah, al-Hay'ah al-Misreyah 1968
  • Michaud, Yahia (Oxford Centre for Islamic Studies) Ibn Taymiyya, Textes Spirituels I-XVI 2002
  • Qasim, Abdu Qasim Dr., Asr Salatin Al-Mamlik (Era of the Mamluk Sultans), Eye for human and social studies, Cairo, 2007
  • Rachewitz, I, Papal envoys to the Great khans, Londres: Faber and Faber, 1971
  • Runciman, Steven A history of the Crusades 3. Penguin Books, 1987
  • Sadawi. H, Al-Mamalik, Maroof Ikhwan, Alexandria.
  • Setton, Kenneth; Wolff, Robert Lee; Hazard, Harry W., eds. (1969) [1962]. A History of the Crusades, Volume II: The Later Crusades, 1189–1311 2 ed. Madison, Milwaukee e Londres: University of Wisconsin Press. ISBN 0-299-04844-6 
  • Skip Knox, Dr. E.L., The Crusades, Seventh Crusade, A college course on the Crusades, 1999
  • Shayal, Jamal, Prof. of Islamic history, Tarikh Misr al-isalamiyah (History of Islamic Egypt), dar al-Maref, Cairo 1266, ISBN 977-02-5975-6
  • The chronicles of Matthew Paris (Mateus de Paris: Chronica Majora) traduzido para o inglês por Helen Nicholson, 1989
  • Matthæi Parisiensis, monachi Sancti Albani, Chronica majora por Mateus de Paris, Roger, Henry Richards, Longman & co. 1880.
  • The New Encyclopædia Britannica, Macropædia, H. H. Berton Publisher, 1973–74
  • The Memoirs of the Lord of Joinville, translated by Ethel Wedgwood, 1906
  • Toynbee, Arnold J., Mankind and mother earth, Oxford University Press, 1976

Ligações externasEditar