Abrir menu principal
Batalha de Camperdown
Guerras revolucionárias francesas
Thomas-Whitcombe-Battle-of-Camperdown.jpg
Batalha de Camperdown, 11 de Outubro de 1797, Thomas Whitcombe, 1798, National Maritime Museum. A pintura mostra o navio-almirante britânico Venerable em combate com o navio-almirante holandês Vrijheid.
Data 11 de Outubro de 1797
Local Mar do Norte, Camperduin, Holanda
Desfecho Vitória britânica
Beligerantes
Flag of Great Britain (1707–1800).svg Reino da Grã-Bretanha Flag of the navy of the Batavian Republic.svg República Batava
Comandantes
Almirante Adam Duncan Vice-almirante Jan Willem de Winter
Forças
14 navios de linha
2 navios de 5.ª categoria
2 fragatas
6 navios de guerra de pequena dimensão
11 navios de linha
4 navios de 4.ª categoria
4 fragatas
7 navios de guerra de pequena dimensão
Baixas
203 mortos, 622 feridos 540 mortos, 620 feridos, 7 navios de linha, 2 navios de 5.ª categoria e duas fragatas capturadas

A Batalha de Camperdown (conhecida na Holanda como Zeeslag bij Kamperduin) foi uma batalha naval ocorrida no dia 11 de Outubro de 1797 entre uma frota da Marinha Real Britânica, liderada pelo almirante Adam Duncan e uma frota holandesa, sob o comando do vice-almirante Jan de Winter. A batalha representou a acção mais significativa entre britânicos e holandeses durante as Guerras revolucionárias francesas, e o resultado foi uma vitória britânica que capturaram onze navios holandeses, sem qualquer perda. Em 1795, a República dos Países Baixos foi subjugada pelo exército da República Francesa, e reorganizada na República Batava, um estado francês. No início de 1797, depois de a frota atlântica ter sofrido pesadas baixas numa campanha fracassada, a frota holandesa recebeu ordens para reforçar a francesa em Brest. As frotas nunca se chegaram a juntar; os aliados continentais não conseguiram tirar proveito dos motins que paralisaram as forças britânicas do Canal da Mancha e as frotas do Mar do Norte, durante a Primavera de 1797.

Em Setembro, a frota holandesa, sob o comando de De Winter, foi sujeita a um bloquieo no seu próprio porto, em Texel, pela frota britânica do Mar do Norte, liderada por Duncan. No início do mês seguinte, Duncan foi forçado a regressar a Yarmouth para se abastecer e De Winter aproveitou a oportunidade para realizar um pequeno ataque no Mar do Norte. Quando a frota holandesa regressou à costa holandesa, a 11 de Outubro, Duncan estava à espera, e interceptou De Winter ao largo da vila costeira de Camperduin. Atacando a linha de batalha holandesa em dois grupos, os navios de Duncan surgiram pela retaguarda e pela frente dos holandeses. As forças em combate dividiram-se em dois grupos, um a sul, onde os britânicos estavam em vantagem numérica, e outro a norte, onde se localizavam ambos os navios-almirantes. À medida que a frota holandesa tentava chegar a águas menos profundas, num esforço para escapar ao ataque britânico, a divisão de sotavento britânica juntou-se à de barlavento forçando, assim, a rendição do navio-almirante holandês Vrijheid e de dez outros navios.

A perda do seu navio-almirante levou à debandada dos restantes navios holandeses, e a Duncan a reagrupar os navios britânicos, e os navios capturados, para o regresso a Yarmouth. No caminho, a frota foi apanhada por várias tempestades perdendo dois dos navios capturados. As baixas em ambas as frotas foram altas dado o facto de os navios holandeses terem seguido o método britânico de disparar contra o casco dos navios inimigos, em vez de para os mastros e velas, o que causava grandes perdas humanas entre as tripulações. A frota holandesa entrou em colapso como uma força de combate, perdendo dez navios e mais de 1100 homens. Quando as forças britânicas ficaram frente-a-frente à Marinha holandesa dois anos mais tarde, no Incidente de Vlieter, os marinheiros holandeses recusaram-se a lutar e os seus navios renderam-se.

Referências

  • «On naval history, with strictures on Captain Brenton's work». The United Service Journal and Naval and Military Magazine. Part II: 145–161. 1837 
  • Brenton, Edward Pelham (1823). The Naval History of Great Britain, Vol. I. London: Henry Colburn 
  • Chandler, David (1999) [1993]. Dictionary of the Napoleonic Wars. [S.l.]: Wordsworth Military Library. ISBN 1-84022-203-4 
  • Clowes, William Laird (1997) [1900]. The Royal Navy, A History from the Earliest Times to 1900, Volume IV. [S.l.]: Chatham Publishing. ISBN 1-86176-013-2 
  • Gardiner, Robert (editor) (2001) [1996]. Fleet Battle and Blockade. [S.l.]: Caxton Editions. ISBN 1-84067-363-X 
  • Grocott, Terence (2002) [1997]. Shipwrecks of the Revolutionary & Napoleonic Era. [S.l.]: Caxton Editions. ISBN 1-84067-164-5 
  • James, William (1827). The Naval History of Great Britain, Volume 2, 1797–1799. [S.l.: s.n.] 
  • Lloyd, Christopher (1963). St Vincent & Camperdown. London: B. T. Batsford Ltd 
  • Manwaring, G. E.; Dobree, Bonamy (2004) [1934]. The Floating Republic: An account of the Mutinies at Spithead and the Nore in 1797. Barnsley: Pen & Sword. ISBN 1-84415-095-X 
  • Mostert, Noel (2007). The Line upon a Wind: The Greatest War Fought at Sea Under Sail 1793 – 1815. [S.l.]: Vintage Books. ISBN 978-0-7126-0927-2 
  • Padfield, Peter (2000) [1976]. Nelson's War. [S.l.]: Wordsworth Military Library. ISBN 1-84022-225-5 
  • Pakenham, Thomas (2000) [1997]. The Year of Liberty: The Story of the Great Irish Rebellion of 1798. London: Abacus. ISBN 978-0-349-11252-7 
  • Rodger, N.A.M. (2004). The Command of the Ocean. [S.l.]: Allan Lane. ISBN 0-7139-9411-8 
  • Tracy, Nicholas (editor) (1998). «Biographical Memoirs of Adam Duncan, Lord Viscount Duncan». The Naval Chronicle, Volume 1, 1793-1798. [S.l.]: Chatham Publishing. ISBN 1-86176-091-4 
  Este artigo sobre batalhas (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Batalha de Camperdown