Batalha de Kolin

Na Batalha de Kolin, travada a 18 de Junho de 1757 viu 44 mil austríacos sob o Conde von Daun derrotar Frederico, o Grande durante a Terceira Guerra da Silésia (Guerra dos Sete Anos) que tinha sob seu comando 32 mil prussianos. Os prussianos perderam 14 mil homens, enquanto os austríacos perderam 8 mil homens.

Batalha de Kolin
Guerra dos Sete Anos
Kärtchen zur Schlacht bei Kolin (18.06.1757).jpg
Data 18 de junho de 1757
Local Na Boêmia, à leste de Praga
Desfecho A vitória Austríaca obrigou Frederico a abandonar o assédio de Praga e sair da Boêmia.
Beligerantes
Flag of Prussia (1892-1918).svg Reino da Prússia
Apoio:
Flag of Great Britain (1707–1800).svg Reino da Grã-Bretanha
Flag of the Habsburg Monarchy.svg Áustria
Apoio:
 Reino da França
Comandantes
Flag of Prussia (1892-1918).svg Frederico II o Grande Flag of the Habsburg Monarchy.svg Leopold Von Daun
Forças
35 000 60 000
Baixas
8 000, mais 6 000 capturados 8 000
Batalha de Kolin.

AntecedentesEditar

Frederico vencera uma batalha sangrenta contra a Áustria e agora sitiava Praga. O marechal austríaco Daun chegou tarde demais para participar da Batalha de Praga, mas reagrupou 16 mil homens que escaparam da batalha. Com este exército, ele moveu-se lentamente para aliviar Praga, forçando as forças prussianas a se dividirem.[1]

Frederick levou 34 mil de seus homens para interceptar Daun. Daun sabia que as forças prussianas eram muito fracas para sitiar Praga e mantê-lo longe de Praga por mais tempo (ou para lutar contra o exército austríaco reforçado pela guarnição de Praga), então suas forças austríacas tomaram posições defensivas nas colinas próximas Kolín. Frederico foi forçado a atacar os austríacos, que esperavam na defensiva com uma força de 35 160 infantaria, 18 630 cavalaria e 154 canhões. O campo de batalha de Kolín consistia em encostas de colinas suaves.

O plano de Frederico era envolver a ala direita austríaca com a maior parte de seu exército. Ao longo das linhas austríacas (ala direita e centro prussiana), ele manteve apenas tropas suficientes para esconder a concentração na ala esquerda prussiana. A força principal prussiana viraria à direita na direção dos austríacos para atacar seu flanco direito. A ala esquerda prussiana superaria localmente os austríacos. Depois que a ala direita austríaca fosse derrotada, a batalha seria decidida.[1]

BatalhaEditar

A força principal de Frederico voltou-se para os austríacos muito cedo e atacou suas posições defensivas frontalmente, em vez de flanqueá-los. A infantaria ligeira croata austríaca (Grenzers) desempenhou um papel importante nisso; assediando a infantaria prussiana regular sob os generais Christopher Hermann von Manstein e Joachim Christian von Tresckow, eles provocaram um ataque prematuro.[1]

As colunas prussianas desunidas tropeçaram em uma série de ataques descoordenados, cada um contra números superiores. À tarde, após cerca de cinco horas de combate, os prussianos estavam desorientados e as tropas de Daun os expulsavam. Os couraceiros prussianos sob o comando do Oberst Friedrich Wilhelm von Seydlitz (promovido a major-general naquele dia) finalmente apareceram. Houve muitas acusações e contra-acusações na colina Křečhoř. O primeiro batalhão da Guarda sob o comando do general Friedrich Bogislav von Tauentzien salvou o exército prussiano de um destino pior, cobrindo a retirada prussiana.

Kerels, wollt ihr den euwig leben?

(Patifes, vocês querem viver para sempre?)

-  Frederico, o Grande, para os hesitantes Guardas, Batalha de Kolin[1]

ResultadosEditar

A batalha foi a primeira derrota de Frederico nesta guerra e o forçou a abandonar sua marcha pretendida sobre Viena, levantar seu cerco a Praga e recuar para Litoměřice. Os austríacos, reforçados com 48 mil soldados da guarnição de Praga, os seguiram com um exército que agora compreendia 100 mil homens e atacaram o príncipe Augusto Guilherme da Prússia, que estava recuando excentricamente em Zittau, causando-lhe pesadas baixas. O rei foi forçado a deixar a Boêmia.[1]

RecepçãoEditar

  • Após a batalha, a Imperatriz Maria Teresa fundou a Ordem Militar de Maria Teresa
  • O Kolingasse, no 9º distrito de Viena, recebeu o nome desta vitória em 1870.
  • Os memoriais da batalha foram erguidos em Křečhoř e em Bedřichov.[1]

ReferênciasEditar

  1. a b c d e f Simon Millar (2001). Kolin 1757: Primeira derrota de Frederico, o Grande. Oxford: Osprey Publishing, pp. 41.ISBN 978-1-84176-297-5.

Bibliografia relacionadaEditar

  • Broucek, Peter: Der Geburtstag der Monarchie. Die Schlacht bei Kolin 1757 . Österreichischer Bundesverlag: Wien 1982.
  • Broucek, Peter: Die Schlacht bei Kolin, 18 de junho de 1757 . In: Truppendienst 297 (3/2007). S. 199–208.
  • Duffy, Christopher: Friedrich der Große. Ein Soldatenleben . Patmos: Düsseldorf 2001.
  • Groehler, Olaf: Die Kriege Friedrichs II. , Brandenburgisches Verlagshaus, Berlin 1990, ISBN 3-327-00038-7
  • Wenzlik, Detlef: Kolin: Friedrichs erste Niederlage , VRZ-Verlag Zörb, Hamburgo 1995, ISBN 3-931482-00-6