Abrir menu principal

Beñat Intxausti

ciclista espanhol

Beñat Intxausti Elorriaga (Múgica, Biscaia, 20 de março de 1986) é um ciclista profissional espanhol. Actualmente reside em Amorebieta-Echano[1] e é corredor da equipa espanhola Movistar.

BiografiaEditar

Inícios no ciclismoEditar

Natural de Múgica, em sua infância combinava o ciclismo (no verão) com o futebol (o resto do ano, nas fileiras do Gernika Sporting da vizinha e mais povoada localidade de Guernica e Luno).[2]

A torcida de Intxausti ao ciclismo tinha sua origem no seu tio Jon Elorriaga, ciclista amador na equipa Iberdrola, filial da ONZE de Manolo Saiz e onde coincidiu com Alberto Contador.[3] Assim, foi seu tio Jon quem lhe presenteou a sua primeira bicicleta, uma Mendiz que previamente tinha pertencido a Lander Euba, também de Múgica e que chegou a ser profissional com a Euskaltel-Euskadi.[2]

Categorias inferioresEditar

De alevín a junior no S. C. AmorebietaEditar

Em categorias inferiores correu nas fileiras do S. C. Amorebieta de Amorebieta-Echano.[3] Os jovens ciclistas como ele treinavam com suas bicicletas fazendo voltas à pista de atletismo da localidade. Intxausti tomou parte pela primeira vez numa corrida (que se disputavam aos sábados e domingos) em Gallarta, com onze anos (na categoria alevín), animado por seus familiares.[2]

Quando teve que decidir entre o futebol e o ciclismo, ao chegar a cadetes, optou pelo ciclismo. As equipas de cadetes e juniors da entidade de Amorebieta nos que correria estavam patrocinados por Iberdrola e Umpro-Bizkargi respectivamente.[4]

Em 2001, em seu primeiro ano como cadete, roçou o pódio em duas ocasiões ao ser quarto em ditas provas. Em 2002 conseguiu subir ao pódio em Carranza ao fazer-se com o terceiro posto.[4]

No inverno 2002-2003, já em categoria junior, disputou várias corridas de ciclocross, ganhando em Idiazabal e subindo ao pódio em mais cinco ocasiões, incluindo um subcampeonato de Euskadi (primeiro entre os de primeiro ano). Já em estrada, a temporada 2003 incluiu quatro postos de pódio (sendo segundo na Bizkaiko Itzulia, a volta por etapas vizcaina), um quarto lugar no campeonato de Euskadi contrarrelógi e um quinto posto na sua carreira de casa em Múgica.[4]

No inverno 2003-2004, já como junior de segundo ano, subiu ao pódio em quatro ocasiões e foi quinto no campeonato de Euskadi e nono no de Espanha. Na estrada, 2004 seria o ano de seu consagração ao conseguir quatro vitórias (Portugalete, Sopelana, Galdácano e Zalla) e subir ao pódio em mais oito ocasiões: quatro vezes segundo, subcampeonato de Vizcaya em estrada inclusive, e terceiro em outras duas corridas; além desses foi terceiro em sendas etapas das voltas junior a Vizcaya e Valladolid (nas que concluiu sexto e sétimo respectivamente).[4]

Por outra parte, também assistia a cada ano a presenciar desde as arribas do alto de Montecalvo (situado em Múgica) a Klasika Primavera, uma corrida de profissionais organizada pelo S. C. Amorebieta a que ele pertencia. Por aquela época seu ídolo era o vizcaino Mikel Zarrabeitia, quem chegou a ganhar a prova em 1997.[2]

Ciclismo amadorEditar

Deu o salto ao campo aficionado na equipa Seguros Bilbao dirigido por Xabier Artetxe.[4] Anos depois, sendo já Intxausti profissional, Artetxe recordar-lhe-ia como um ciclista calculador e com uma "classe" que dizia lhe fazia recordar a David Etxebarria.[5]

2005: ganhador do Torneio LehendakariEditar

Em 2005 ganhou o Torneio Lehendakari que distingue ao melhor ciclista de 19-20 anos do ciclismo amador bascão-navarro e foi segundo no Torneio Sub'23. Para isso, ganhou a corrida de Elorrio e uma etapa da Volta a Salamanca, além de subir ao pódio em mais nove ocasiões (quatro vezes como segundo e cinco vezes como terceiro).[4]

No posterior inverno (2005-2006) voltou a disputar várias corridas de ciclocross, sendo seu melhor posto o terceiro lugar conseguido precisamente em Mújica, sua carreira de casa, na que foi ademais o melhor sub'23.[4][6]

2006: oito vitórias e estreia ContinentalEditar

Em 2006 foi o corredor com mais vitórias da equipa, com oito: Hospitalet, Subida a Gorla, uma etapa na Volta ao Bidasoa, Beasain, Campeonato de Euskadi contrarrelógi sub'23, Campeonato de Vizcaya contrarreloj sub'23, Mañaria e Llanera.[7] No entanto, a temporada deixou um sabor agridoce devido a uma queda na Volta ao Bidasoa, que lhe impediu lutar pela geral na prestigiosa prova amadora guipuzcoana.[8][9][10]

Intxausti também participou pela primeira vez em algumas corridas profissionais de categoria Continental da mão da selecção espanhola sub'23, se produzindo dito estreia na Clássica de Alcobendas que ganhou Jan Hruska (3 Molinos Resort), e na que finalizou 102º.[4][11] Também correu a Clássica Txuma, onde foi quinto, sendo o melhor dos não profissionais numa corrida ganha por Mijaíl Ignátiev (Tinkoff Restaurants) com mais de oito minutos com respeito ao grupo depois de uma fuga de 90 quilómetros.[9] Assim mesmo, em setembro disputou o Tríptico de Barragues, uma corrida belga de categoria Continental na que participavam tanto equipas profissionais de categoria Continental como selecções nacionais com jovens valores neoprofessionais ou (como no caso de Intxausti) aficionados a ponto de dar o salto ao profissionalismo.[12] Nessa selecção estava entre outros o já profissional Diego Milão (Grupo Nicolás Mateos), com quem já sabia que coincidiria a seguinte temporada em seu salto ao campo profissional.[13]

Poucos dias depois o seleccionador espanhol Paco Antequera confirmou que Intxausti seria um dos corredores espanhóis que participaria no Campeonato do Mundo sub'23 que celebrar-se-ia em Salzburgo, onde teria liberdade para se mover em estrada.[14][15][16] No seu debut em dita prova mundialista foi 62º, dentro do grupo principal que chegou a 5" dos fugidos entre os que se encontrava o vencedor Gerald Ciolek, sendo assim um dos três únicos ciclistas espanhóis que conseguiram terminar a prova.[17][18]

Ciclismo profissionalEditar

Com Gianetti e MatxínEditar

Depois de seu grande ano como amador, Intxausti se converteu num corredor desejado por várias equipas profissionais. Finalmente fixou pela estrutura de Mauro Gianetti e Joxean Fernández "Matxín", que contava com uma equipa ProTour (Saunier Duval) e outro Continental (Nicolás Mateos), depois de negociar dita incorporação com Sabino Angoitia, um dos directores auxiliares de Matxín.

Desse modo ficou descartado seu contrato pela estrutura da Fundação Euskadi dirigida por Miguel Madariaga, que contava também com uma equipa ProTour (Euskaltel-Euskadi) e um Continental (Orbea), e que mostrou sua "desilusão" porque quando tratou de fixar ao prometedor vizcaino o representante deste, Xabier Artetxe, não respondeu e o corredor já tinha assinado com outra equipa.[19]

2007: aprendizagem no filial Nicolás MateosEditar

Debuta como profissional no ano 2007 com a equipa Grupo Nicolás Mateos de categoria Continental, filial do Saunier Duval-Prodir de categoria ProTour. Ao longo da temporada participou em diversas corridas espanholas de categoria Continental enquadradas no UCI Europe Tour, incluída a Klasika Primavera organizada pelo S.[20] C. Amorebieta.[21]

Esse ano foi quinto na general do Tour do Porvenir, a 1'32" do vencedor Bauke Mollema.[22][23] Seu melhor momento produziu-se na sétima jornada com final no alto de Super-Besse que ganhou Dario Cataldo, e na que foi terceiro depois de ter realizado um ataque.[24] Meses antes tinha sido também quinto na Côte Picarde, na que finalizou a 11" do vencedor Simon Špilak.[25] Ambas corridas faziam parte do calendário da Copa das Nações UCI sub'23.

Pouco depois teve protagonismo no Mundial sub'23, graças a uma escapada junto a outros cinco corredores que foi neutralizada a 4 quilómetros de meta.[26]

2008: estreia no ProTour sem Grandes VoltasEditar
 
Intxausti, na Euskal Bizikleta 2008.

Em 2008 estreou-se com a equipa Saunier Duval-Scott, de categoria ProTour, no Tour de San Luis celebrado em Argentina, sendo segundo na etapa reina que ganhou o venezuelano Carlos Ochoa por seis segundos.[27] Seu ataque não foi bem recebido por Frank Schleck, quem lhe increpou em meta, se resolvendo finalmente a discrepância no hotel depois de lhe oferecer Intxausti sua visão do sucedido.[5] Pouco depois produzir-se-ia seu debut numa corrida do máximo nível, ao participar na Paris-Nice.[28]

O corredor basco correu ademais várias carreiras disputadas essa primavera em estradas bascas. Assim, em abril disputou a Volta ao País Basco, na que finalizou sendo um discreto 83º.[29] Um dia após o final da rodada basca de categoria ProTour conseguiria ser nono em sua carreira de casa, a Klasika Primavera, ao chegar no grupo principal que terminou a 12" do quarteto cabecero.[30] O corredor destacou assim mesmo o bom ambiente existente na equipa, como suas bromas com o veterano Leonardo Piepoli.[31]

Em junho correu a Euskal Bizikleta (a outra volta por etapas basca, ainda que de menor entidade), que segundo seu director Joxean Fernández "Matxín" devia ser um de seus grandes objectivos para esse ano.[32] Nessa carreira impôs-se seu colega de equipa Eros Capecchi graças a uma vitória na etapa final com meta em Arrate, etapa que Intxausti não chegou a acabar.[33]

Ao longo da temporada seguiu estreando-se em corridas ProTour como a Seta Valona, a Volta a Suíça (na que chegou fora de tempo na quarta etapa) e o Tour de Polónia, ainda que sem chegar a debutar em nenhuma das três Grandes Voltas.[34][35]

A temporada da equipa esteve marcada pelos dois positivos por CERA registados no Tour de France por parte de seus dois principais estrelas, os italianos e colegas de habitação Riccardo Riccò e Leonardo Piepoli. Esse duplo caso de dopagem, qualificado por Intxausti como "um pau grande" que lhe afectou, motivou que a empresa Saunier Duval abandonasse o patrocínio da formação, que nos meses restantes passou a se chamar Scott-American Beef.[36][37]

A esquadra foi excluída da Volta a Espanha pelos acontecimentos protagonizados por suas estrelas na Grande Boucle.[38]

Ademais, as dificuldades para encontrar patrocinadores para a seguinte temporada depois desse dobro positivo deixaram o futuro da formação em entrelinhas.[39][40] A ausência de um patrocinador para 2009 fez que os gestores dessem liberdade a seus corredores baixo contrato para que pudessem assinar por outra esquadra, possibilitando assim a marcha de José Ángel Gómez Marchante.[41]

2009: problemas da equipa e pinchazo na VoltaEditar

Finalmente os responsáveis pela equipa conseguiram os patrocinadores necessários para seguir no peloton em 2009, rebaptizando a formação baixo o nome Fuji-Servetto. Pese a que mantinha a licença ProTour, a esquadra tinha um orçamento reduzido e um modelo sem grandes nomes, que se viu alastrada ademais por diversos problemas físicos em forma de lesões ou doença.[42] O próprio Intxausti fracturou-se a clavícula direita na Volta a Castilha e Leão, recuperando-se satisfatoriamente e sem necessidade de passar pelo quirófano de uma lesão que não obstante lhe impediu participar na Volta ao País Basco, um de seus grandes objectivos do ano.[43][44]

A equipa teve assim mesmo dificuldades para ir às principais carreiras do calendário depois dos escândalos de dopagem protagonizados pelos positivos de suas principais estrelas nas últimas edições do Tour: Maio em 2007 por EPO, Riccò e Piepoli em 2008 por CERA.[45][46] ASO, empresa organizadora da Grande Boucle, excluiu por esse motivo à formação de corridas como a Paris-Nice (decisão recorrida ante o TAS, que deu a razão a ASO) e o Tour de France.[47][48] A equipa sim pôde participar não obstante no Giro de Itália, após que a organizadora RCS decidisse finalmente admitir à esquadra (depois de ter desestimado o TAS as exclusões realizadas para suas corridas prévias Tirreno-Adriático e Milão-San Remo), ainda que o convaslecente Intxausti não foi um dos nove eleitos por seus directores para tomar parte na rodada italiana.[49][50][51]

Em sua volta à competição depois de quase dois meses de parada correu a Volta a Catalunha e a Dauphiné Libéré sem resultados destacados, para concluir junho com um quinto posto no Campeonato de Espanha com final no porto do Soplao. Pouco depois, enquanto corria-se o Tour, outro colega viu-se de novo envolvido num caso de dopagem: Ricardo Serrano tinha dado positivo, também por CERA. Depois da paragem obrigatória em julho pelo veto do Tour, em agosto foi quinto na Subida a Urkiola depois de lançar vários ataques, numa corridas que ganhou Igor Antón.[52] Poucos dias depois foi sétimo na Volta a Burgos.[53]

Na Volta a Espanha. Na 10ª etapa atacou na Crista do Galo, último porto do dia, numa cavalgada que lhe serviu para ultrapassar a Alexander Vinokourov e atingir ao fugitivo Linus Gerdemann, sendo ambos cabeça de corrida com 30" sobre o peloton ao passo pelo cartaz da cume. No entanto, na perigosa descida roçou a queda e sofreu um furo na sua roda traseira pela gravilha presente à estrada, vendo-se obrigado a jogar pé a terra e perdendo assim suas opções de vitória. Intxausti, que considerava que sua renda podia ter sido suficiente para ganhar na meta de Múrcia, deixou patente sua frustração lançando a roda fincada uns metros quando esperava ao carro de sua equipa enquanto via impotente como era ultrapassado pelo peloton.[54] Gerdemann sofreu uma queda nessa mesma descida, e a vitória foi finalmente para Simon Gerrans.[55] Posteriormente tentou estar para perto de os favoritos da geral em etapas de montanha como a da Pandera.[56] Sua primeira participação numa grande volta concluiu com um 60º lugar na classificação geral.

A difícil situação da equipa fez que Intxausti procurasse sua saída do mesmo para fichar pelo Euskaltel-Euskadi, que já tinha manifestado seu interesse por fichar ao corredor depois da tentativa frustrada de três anos atrás, se comprometendo a lhe guardar uma praça na formação se conseguia se desvincular da esquadra de Matxín, com a que lhe ficava um ano de contrato.[57][58][59] Finalmente o ciclista chegou a um acordo com os dirigentes da formação cantabra, e imediatamente depois anunciou-se oficialmente seu contrato pela equipa laranja.[60] Outros corredores destacados, como Juan José Cobo e David da Fonte, deixaram também a equipa para passar a outras esquadras ProTour, se for o caso o Caisse d'Epargne e Astana respectivamente.[61][62]

Breve passo pela Euskaltel-EuskadiEditar

A apresentação oficial de Intxausti como novo corredor do Euskaltel-Euskadi se produziu o 29 de outubro na Sala Pedagógica da Fundação Euskadi em Derio.[63] Ainda que a ideia de Intxausti e de Miguel Madariaga (máximo responsável pela equipa) era assinar um contrato por duas temporadas, o agente do corredor impôs que o contrato fora por uma única temporada.[64]

2010: segundo em País Basco e marcha em verãoEditar
 
Intxausti, no G. P. de Llodio dias após a Volta ao País Basco.

Já integrado em sua nova formação, durante o inverno se anunciou que iria à Volta a Espanha junto a Igor Antón (chefe de fila para dita corrida), e foi ao velódromo de Anoeta para afinar sua posição aerodinâmica para as contrarrelógios.[65]

Sua estreia produziu-se na Challenge de Mallorca e Paris-Nice. Posteriormente foi décimo no Critérium Internacional disputado em Córcega, onde destacou sua ascensão a L'Ospédale atirando de seu chefe de filas Samuel Sánchez, bem como seu quinto posto na crono final, melhor que Samu (quem não obstante concluiu quarto na general).[66][67][68]

Na Volta ao País Basco, a corridas de casa da equipa, foi segundo no geral final, só superado por Chris Horner. Na primeira etapa atacou na ascençãio a Putxeta-As Calizas, formando-se um grupo de favoritos com o que chegaria à meta de Ciérvana, ao invés que o teórico chefe de filas da conjunto laranja Samuel Sánchez, passando assim a ser a baza principal da equipa face à classificação geral.[69] Depois de ceder poucos segundos nas duas etapas de montanha (das quatro seguintes) com finais em Arrate e em Orio (depois de subir Aia), no contrarrelógio final de Orio pôde arrematar sua actuação superando a Joaquim Rodríguez e Jean-Christophe Péraud (terceiro e quarto respectivamente) para auparse ao terceiro posto na geral, subindo ao terceiro degrau do pódio.[70][71][72] Depois da desclassificação de Alejandro Valverde por parte da UCI seguindo uma sentença condenatória do TAS por seu envolvimento na rede de dopagem descoberta na Operação Porto, Intxausti subiu uma posição mais, figurando segundo na classificação final oficial.[73][74][75]

Intxausti concluiu essa primeira parte da temporada com sua participação na Volta a Astúrias, onde ganhou a contrarrelógio disputada como sector vespertino na terceira jornada em Pedras Brancas, triunfo que lhe serviu para se colocar como líder provisório da geral.[76][77] No entanto, na seguinte etapa cedeu a liderança ante Fabio Duarte, para terminar finalmente sendo terceiro na geral, por trás de Tino Zaballa (vencedor da rodada depois de impor-se na quinta e última etapa) e Duarte, ambos de equipas de categoria Continental.[78][79][80]

Durante a disputa do Tour de France, que ele não correu, Miguel Madariaga fez público que a equipa se encontrava inmerso num período de negociações para reunir o orçamento necessário para continuar no peloton em 2011, e explicou que conquanto a equipa seguiria adiante cabia a possibilidade de que alguns corredores estrela (que terminavam contrato) não renovassem ou deixasse de ser ProTour. Madariaga apontou directamente a Intxausti como um dos homens com menos opções de seguir na equipa ao considerar excessivas as pretensões económicas mostradas pelo corredor durante as conversas para sua possível renovação, culpando de sua não renovação (que, pese a não estar ainda confirmada, dava por feita) ao representante do ciclista.[81][82] Nos dias sucessivos renovaram com a equipa pontais como Samuel Sánchez, Igor Antón, Romain Sicard, Egoi Martínez ou Amets Txurruka, enquanto Intxausti confirmou (através de um telefonema telefónico à equipa de seu representante Antonio Vaquerizas) que não renovaria com a equipa laranja.[83] O vizcaino mostrou-se satisfeito de seu passo pelo conjunto basco e não descartou a possibilidade de regressar num futuro à equipa de sua terra [sic], ao mesmo tempo em que negou o rumor de que sua não renovação tivesse que ver com não ter sido seleccionado para o Tour (já que era algo que tinha lembrado com Galdeano previamente) e destacou que seu objectivo para a Volta a Espanha era ajudar ao chefe de bichas Igor Antón e ganhar uma etapa com final em alto.[84][85] Inxausti assegurou ademais que se se ia não era por dinheiro e que a formação tinha feito todo o possível por lhe reter, mas que sua decisão de mudar de ares era "muito pessoal" e baseada sobretudo em sua juventude e seu desejo de "provar outras coisas".[86]

Já iniciada a Volta a Espanha, no dia que se disputava a 3ª etapa da Volta o diário O Correio publicou que Intxausti tinha chegado a um acordo com o Team Movistar de Eusebio Unzué (continuadora de Reynolds, Banesto e Caisse d'Epargne) para as três seguintes temporadas, notícia que foi confirmada essa manhã tanto pela equipa como pelo corredor, quem se referiu à escuadra navarra como "a melhor equipa para crescer".[87][88] Na etapa desse dia (com final na ascensión ao Castillo de Gibralfaro de Málaga) cedeu dezanove minutos, circunstância que achacó ao calor.[89][90] Seu colega Igor Antón ganhou duas etapas e foi líder durante nove jornadas, até que uma queda na 14ª etapa caminho da ascensión final a Peña Cabarga lhe obrigou a abandonar.[91] Intxausti, 151º na general a 2h 23' 21" do líder e o pior classificado da conjunto laranja, fechou sua decepcionante actuação retirando-se na seguinte etapa (com final nos Lagos de Covadonga) à altura do quilómetro 50.[92][93] Sua pobre actuação contrastou assim com as três vitórias de etapa cosechadas pela equipa (duas de Antón, e uma de Mikel Neve depois da retirada do primeiro) e as boas sensações que tinha oferecido o próprio Intxausti no G. P. de Plouay pouco antes da Volta.[94]

Movistar, a estrutura de UnzueEditar

Intxausti assinou um contrato com três anos com a equipa Movistar. Seu contrato pela estrutura dirigida por Eusebio Unzué (continuadora de Banesto, ibanesto.com, Illes Ballears e Caisse d'Epargne, e por onde tinham passado corredores como Miguel Indurain, Pedro Delgado ou Abraham Olano), que estreava dita denominação, coincidiu com um momento no que dita formação se encontrava sem um líder claro ao estar sancionado seu chefe de bichas dos últimos anos Alejandro Valverde (suspendido dois anos pela Operação Porto) e não ter fructificado as negociações para a incorporação de Alberto Contador (quem finalmente passou ao Saxo Bank dirigido por Bjarne Riis). Intxausti coincidiria assim com ciclistas como Xavier Tondo, Marzio Bruseghin e David Arroio.

2011Editar
 
Intxausti, disputando o prólogo do Tour de Romandia, onde concluiria quinto na classificação geral.
 
Panorâmica de Pradollano, onde foi testemunha do falecimento de seu colega Xavier Tondo.

Em 2011 seu início de temporada viu-se afectado ao ver-se afetado de uma gripe, circunstância que lhe impediu participar em março na Paris-Nice e o Critérium Internacional.[95]

Devido a isso chegou mais curto de preparação do previsto à Volta ao País Basco, onde seria um dos pontais da equipa junta a Xavier Tondo e David López ante a ausência de um chefe de bichas claro.[96] Intxausti concluiu quarto a rodada basca: depois de ceder 9" na final inaugural da Antiga e chegar com os favoritos em Arrate, tentou-o sem fortuna desde longe em Urkiola caminho a Zalla, onde na crono final decidir-se-ia a classificação geral.[97][98][99][100] O melhor classificado do vencedro por equipas Movistar teve que se conformar com a quarta posição, a 16" do pódio, após que Chris Horner e Robert Gesink ficassem empatados a tempos como segundo e terceiro respectivamente, com Andreas Klöden como vencedor.[101] Um dia depois disputou sua carreira de casa, a Klasika Primavera, deixando-se ver junto a seu excompanheiro Igor Antón nos finalmente infructuosos movimentos vividos em Montecalvo para terminar fechando o grupo de quinze corredores que se jogou a vitória ao sprint.[102][103]

Posteriormente participou nas clássicas das Ardenas, completando uma actuação discreta, com o vigésimo posto na Seta Valona como melhor resultado.[104] O corredor basco fechou sua primeira parte da temporada correndo o Tour de Romandia, animado pelas similitudes que lhe encontrava com a rodada basca.[105] Intxausti finalizou a carreira romanda no quinto lugar, a 22" do pódio cujo terceiro lugar foi para Alexander Vinokourov, e tendo sido sexto nas duas etapas de montanha dos primeiros dias.[106][107][108]

Em maio transladou-se a Serra Nevada para afinar em altitude sua posta a ponto face a seu debut no Tour. Dita concentração ficaria marcada quando foi testemunha directa do falecimento de seu colega Tondo, entalado pela porta da garagem da moradia que ambos compartilhavam em Pradollano, momentos antes do treinamento que tinham previsto realizar nesse dia.[109] Intxausti lamentou não ter podido evitar o "terrível" acontecimento, que supôs um precipitado final a sua estadia na serra granadina.[110]

Já regressado a casa, não saiu a treinar as duas semanas seguintes ao se achar abatido, perdendo assim seu estado de forma.[111] Seu director Eusebio Unzué chamou-lhe por telefone para que tal e como estava previsto antes da morte de Tondo fosse ao Critérium do Dauphiné, ao entender que podia lhe ser beneficioso tanto para evadir-se num novo meio como para se preparar face ao Tour.[111] Ainda que seus resultados foram discretos (terminou retirando-se na última etapa), admitiu que lhe tinha resultado beneficioso para recuperar a motivação.[111][112] Posteriormente participou no Campeonato de Espanha de estrada: depois de tentar unir-se a Alberto Contador e seu colega José Joaquín Vermelhas na última ascensão ao Deserto das Palmas, terminou sendo atingido pelo grupo que chegou à meta de Castelão da Plana a 28" do ganhador Vermelhas, finalizando assim decimosegundo.[113][114][115]

Intxausti foi a seu primeiro Tour de France como um dos pontuais da Movistar, e com a motivação de que o falecido Tondo lhe tinha encomendado a missão de ganhar o maillot branco ao melhor jovem, conquanto o corredor preferiu ser cauto em suas declarações remarcando que devido a sua condição de novato na Grande Boucle devia ir dia e a dia.[111][116][117] Sofreu uma queda na primeira etapa, sem que na radiografia posterior lhe fosse detectada fractura alguma.[118][119] Seis dias depois, depois da acidentada sétima etapa na que sofreram caídas homens como Bradley Wiggins, Chris Horner ou Levi Leipheimer, lhe foram realizadas novas provas; ainda que a RMN revelou que sofria uma fractura na cabeça do rádio, decidiu continuar em carreira.[120][121] No entanto, no dia seguinte retirou-se durante o transcurso da etapa que terminaria em Superbesse, ao considerar que era absurdo seguir.[122] Balanço.[123]

O vizcaino regressou à competição semanas depois no Circuito de Guecho e a Volta a Burgos, com a vista posta em sua participação na iminente Volta a Espanha.[124] No entanto, na prova burgalesa sofreu uma nova queda que lhe mandou à vala e lhe obrigou a se retirar, descobrindo a conseguinte TAC que se tinha reaberto uma fissura interna; este novo contratempo voltou a apartar da bicicleta e sua rotina de treinamento durante uns dias, pelo que voltava a ir a uma grande volta sem se encontrar nas melhores condições, As sucessivas adversidades às que tinha tido que se enfrentar desde maio lhe tinham deixado ademais "harto, cansado, desmoralizado", e ainda que se autodescartava para a luta pela classificação geral mostrou seu desejo de se encontrar bem na Volta para desistir.[125][126] Já na rodada espanhola, na quarta etapa se enfrentou a seu regresso a Pradollano, a urbanização de Serra Nevada onde tinha sido testemunha do falecimento de seu colega Tondo e que acolhia a meta nesse dia, revivendo assim novamente o ocorrido; nessa ascensão final ficou ademais descolado dos favoritos e confirmou-se sua predição de que não poderia aspirar aos postos de honra na geral.[127][128][129] Já mediada a Volta foi segundo no dia de Manzaneda, fazendo parte da escapada que se jogou uma vitória de etapa que foi para o veterano escalador David Moncoutie.[130] A causa de sua melhoria foi a correcção de sua postura sobre a bicicleta por parte do biomecánico Jon Iriberri ao detectar que desde sua queda no Tour não pedalava correctamente com sua perna direita, e o corredor destacou a importância que tinha para seu moral esse bom posto na estação de esqui orensana.[131][132] Ainda que num princípio pareceu que era junto a Bruseghin e Lastras um dos três únicos ciclistas do Movistar que não se viu afectado por uma gastroenteritis de causa virica na etapa de Oyón a Peña Cabarga, finalmente sim se viu mermado por essa circunstância, e no regresso às estradas bascas da Volta depois de 33 anos de ausência não pôde ser protagonista nas etapas de Bilbao e Vitoria.[133][134][135]

2012Editar

[136][137][138][139][140]

[141][142][143][144][145][146][147]

Crítica aos novos dirigentes da sua ex-equipeEditar

Beñat, o 21 de setembro, foi um dos assinantes do comunicado na contramão da nova gestão desportiva do Euskaltel-Euskadi face à temporada 2013 na que, não renovaram a ciclistas bascos apreciados pela torcida e colegas do peloton para fichar a corredores estrangeiros (até dita data a equipa se compunha só de ciclistas basco-navarros ou formados em equipas do ciclismo amador bascão-navarro). Estes corredores temeram que os estrangeiros pudessem tirar postos no modelo a corredores bascos e assim se limitasse a opção de ser profissional para muitos deles.[148][149]

2013Editar

Depois dos bons resultados em Giro e Volta a passada temporada, o Movistar Team segue confiando em Beñat como um dos líderes da equipa para a temporada 2013. A preparação de Beñat Intxausti para o Giro foi muito regular, conseguindo dois postos de mérito em Volta ao País Basco e Tour de Romandía (4º e 5º respectivamente). Também brilhou nas clássicas de casa: Circuito de Getxo (9º) e Klasika Primavera (organizada pelo clube com o que começou no ciclismo) onde conseguiu um meritório 4º posto.

Estes resultados fizeram-lhe chegar com uma boa forma ao Giro de Itália, onde iria como chefe de filas da equipa telefónica. Depois de um começo regular, o ciclista vizcaino conseguiu conseguir uma boa posição o a general graças ao bom trabalho da equipa na contrarrelógio por equipas da 2ª etapa. No dia 10 de maio de 2013 vestiu-se pela primeira vez com a maglia rosa do Giro de Itália depois de arrebatar-lha a Luca Paolini na 7ª etapa com final o Pescasse. Foi um etapa acidentada onde um dos melhores da corrida o britânico Bradley Wiggins perdeu para perto de minuto e meio com o grupo de favoritos por causa de uma queda. Depois perderia a liderança num contrarrelógio muito difícil para ele. Ao final pôde conseguir um triunfo na etapa 16 deste Giro, dedicando-lha a Xavi Tondo

PalmarésEditar

2010
  • 1 etapa da Volta a Asturias
2012
  • Voltada a Asturias
2013
2015

Resultados em Grandes Voltas e campeonatos do mundoEditar

Durante sua carreira desportiva tem conseguido os seguintes postos nas Grandes Voltas e nos Campeonatos do Mundo em estrada:

Carreira 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014
Giro d'Italia - - - - - 38º -
Tour de France - - - - Ab. - - 114º
Vuelta a España - - 60º Ab. 86º 10º 87º -
Mundial em Estrada  - - - - - - - -

-: não participou F.c.: desqualificado por "fora de controle" Ab.: abandonou

EquipasEditar

  • Grupo Nicolás Mateos (2007)
  • Saunier Duval/Scott/Fuji (2008-2009)
    • Saunier Duval-Scott (2008) (até julho)
    • Scott-American Beef (2008)
    • Fuji-Servetto (2009)
  • Euskaltel-Euskadi (2010)
  • Movistar Team (2011-2015)

Referências

  1. Laiseka, Alain (12 de agosto de 2010). «El talento se va de casa». Deia. Consultado em 17 de setembro de 2010 
  2. a b c d «Intxausti estrena uniforme». El Correo. 10 de fevereiro de 2010. Consultado em 17 de setembro de 2010 
  3. a b Gómez Peña, Jesús (29 de setembro de 2007). «Beñat Intxausti, el futuro más cercano». El Correo. Consultado em 17 de setembro de 2010 
  4. a b c d e f g h «Ficha de Beñat Intxausti Elorriaga» (PDF). ciclismobizkaia.es. Consultado em 18 de setembro de 2010 
  5. a b Artetxe, Xabier (15 de março de 2008). «Herederos». Deia. Consultado em 22 de setembro de 2010 
  6. Rodríguez Biado, Germán. «El mejor Ciclocross 2007: David Seco volvió a estar a la altura tras Ribadumia». Editora Visión Libros. p. 174. Consultado em 18 de setembro de 2010 
  7. «Los 'pichichis' del año» (PDF). Noticias de Gipuzkoa. Consultado em 18 de setembro de 2010 
  8. Ríos, Eneko (6 de junho de 2006). «Intxausti remata la buena actuación del Seguros Bilbao». El Correo. Consultado em 17 de setembro de 2010 
  9. a b «El ruso Ignatiev se impuso en el Txuma tras 90 kilómetros de fuga». El Diario Vasco. 22 de maio de 2006. Consultado em 17 de setembro de 2010 
  10. Goñi, Iñigo (6 de junho de 2006). «No hay quien pare a los chavales de Seguros Bilbao». El Diario Vasco. Consultado em 17 de setembro de 2010 
  11. «El checo Hruska se adjudica la Clásica de Alcobendas». Marca. EFE. 7 de maio de 2006. Consultado em 18 de setembro de 2010 
  12. cyclingnews.com, ed. (6 de setembro de 2006). «7th Triptyque des Barrages - 2.2 U23 - Belgium, September 9-10, 2006». Consultado em 18 de setembro de 2010 
  13. «Diego Milán, baza española para un 'sprint' reducido en la prueba sub'23». La Tribuna de Albacete. 23 de setembro de 2006. Consultado em 18 de setembro de 2010 
  14. «Antequera deja a Pereiro fuera de la lista para el Mundial de Salzburgo». El Mundo. EFE. 15 de setembro de 2006. Consultado em 18 de setembro de 2010 
  15. «Beñat Intxausti, convocado para el Mundial de Salzburgo». Diputación Foral de Vizcaya. 9 de setembro de 2006. Consultado em 18 de setembro de 2010 
  16. «Campeonatos del Mundo de Salzburgo». Real Federación Española de Ciclismo. 22 de setembro de 2006. Consultado em 18 de setembro de 2010 
  17. «2006 World Championships U23 (Salzburg) R.R. (177.2 km)». cqranking.com. 23 de setembro de 2006. Consultado em 18 de setembro de 2010 
  18. «El alemán Ciolek, nuevo campeón del mundo sub'23». El Mundo. EFE. 23 de setembro de 2006. Consultado em 18 de setembro de 2010 
  19. «14/09/2006 Euskaltel Euskadi y Beñat Intxausti». fundacioneuskadi.com. 14 de setembro de 2006. Consultado em 17 de setembro de 2010 
  20. «Intxausti Elorriaga, Beñat: 2007 Grupo Nicolás Mateos». cqranking.com. Consultado em 30 de setembro de 2010 
  21. «Klasika Primavera Amorebieta 2007. Clasificación. Joaquín Rodríguez». lostxirrindularis.com. Consultado em 30 de setembro de 2010 
  22. «Beñat Intxausti conservó la quinta plaza en una carrera que concluyó sin sorpresas». Gara. 16 de setembro de 2007. Consultado em 17 de setembro de 2010 
  23. «Triunfo final de Mollema con Intxausti, quinto». El Diario Vasco. 16 de setembro de 2007. Consultado em 17 de setembro de 2010 
  24. Jean-François Quénet (12 de setembro de 2007). «Cataldo scores second stage win, Bauke is back in yellow». cyclingnews.com. Consultado em 25 de setembro de 2010 
  25. «Beñat Intxausti en quinta posición». Real Federación Española de Ciclismo. 18 de abril de 2007. Consultado em 17 de setembro de 2010 
  26. Gómez Peña, Jesús (30 de setembro de 2007). «El Mundial asiste al fogonazo de Intxausti, atrapado a cuatro kilómetros de la meta». El Correo. Consultado em 18 de setembro de 2010 
  27. Laiseka, Alain (28 de janeiro de 2008). «Intxausti tira al monte». Noticias de Álava. Consultado em 17 de setembro de 2010 
  28. «París-Niza 2008. Lista de ciclistas inscritos». lostxirrindularis.com. Consultado em 30 de setembro de 2010 
  29. «Vuelta al País Vasco 2008: Clasificación general tras la etapa 6: Orio- Orio (20 km)». vueltapaisvasco.diariovasco.com/2008. Consultado em 18 de setembro de 2010 
  30. «Cunego se impuso a Valverde en Amorebieta». Marca. 13 de abril de 2008. Consultado em 18 de setembro de 2010 
  31. Gómez Peña, Jesús (29 de maio de 2008). «Intxausti, con el viento a favor». El Correo. Consultado em 23 de setembro de 2010 
  32. «El futuro. La actualidad y el futuro del ciclismo vasco en corto. Beñat Intxausti, Igor Antón.». Deia. 15 de março de 2008. Consultado em 18 de setembro de 2010 
  33. «Victoria de etapa y final para Eros Capecchi en la Euskal». bikezona.com. 9 de junho de 2008. Consultado em 17 de setembro de 2010 
  34. cqranking.com (ed.). «Intxausti Elorriaga, Beñat - 2008». Consultado em 18 de setembro de 2010 
  35. «Vuelta a Suiza 2008. Clasificación 4ª etapa, Robbie McEwen». lostxirrindularis.com. Consultado em 17 de setembro de 2010 
  36. Frodo (23 de setembro de 2010). «'El ciclismo es así a veces...'». elpedaldefrodo.com. Consultado em 25 de setembro de 2010 
  37. «El Saunier Duval pasa a ser Scott-American Beef y quiere correr en ocho días». 20 minutos. 25 de julho de 2009. Consultado em 24 de setembro de 2010 
  38. 20minutos.es (6 de agosto de 2008). «La Vuelta no invitará al Scott-American Beef». 20 minutos. Consultado em 23 de setembro de 2010 
  39. Garai, Josu (3 de novembro de 2008). «La contrarreloj más difícil de Matxin». Marca. Consultado em 23 de setembro de 2010 
  40. «Matxin inscribe al GM Bikes como equipo Pro Tour UCI». bikezona.com. 21 de novembro de 2008. Consultado em 23 de setembro de 2010 
  41. «Gómez Marchante ficha por el Cervélo Test Team». arueda.com. 22 de novembro de 2009. Consultado em 24 de setembro de 2010 
  42. Gómez Peña, Jesús (10 de abril de 2009). «El puzzle del Fuji Servetto». El Correo. Consultado em 24 de setembro de 2010 
  43. «Beñat Intxausti se fractura la clavícula derecha». lostxirrindularis.com. 27 de março de 2009. Consultado em 17 de setembro de 2010 
  44. «Beñat Intxausti se recupera satisfactoriamente y vuelve a los entrenamientos». EsCiclismo. 8 de abril de 2009. Consultado em 17 de setembro de 2010 
  45. «Iban Mayo, positivo en el Tour por EPO». El País. Europa Press. 30 de julho de 2007. Consultado em 30 de setembro de 2010 
  46. Redacción Deportes (8 de outubro de 2008). «El COI volverá a analizar todas las muestras de Pekín en busca de CERA». El Economista. EFE. Consultado em 30 de setembro de 2010 
  47. «El TAS rechazó autorizar la participación del equipo Fuji-Servetto en la París-Niza». El Tiempo. AFP. 6 de março de 2009. Consultado em 17 de setembro de 2010 
  48. «El Tour anuncia los 20 equipos participantes en el Tour de Francia 2009». lostxirrindularis.com. 17 de março de 2009. Consultado em 17 de setembro de 2010 
  49. Jordán, Víctor (23 de abril de 2009). Marca, ed. «El Fuji-Servetto correrá el Giro». Consultado em 18 de setembro de 2010 
  50. «El TAS permite al Fuji-Servetto competir en Milán-San Remo y Tirreno Adriático, pero le niega la París-Niza». EsCiclismo. Europa Press. 6 de março de 2009. Consultado em 18 de setembro de 2010 
  51. «Giro de Italia 2009. Lista de ciclistas». lostxirrindularis.com. Consultado em 30 de setembro de 2010 
  52. Hernando, Ainara (2 de agosto de 2009). «Beñat Intxausti: 'Me ha faltado chispa'». Ciclismo a fondo. Consultado em 17 de setembro de 2010 
  53. «Results - Cycling - Road 2009 - Men - Elite - Vuelta a Burgos (ESP/2.HC)». UCI. Consultado em 17 de setembro de 2010 
  54. Hernando, Ainara (8 de setembro de 2009). «Intxausti: 'Me daban ganas de tirar la bicicleta por el barranco'». Ciclismo a fondo. Consultado em 17 de setembro de 2010 
  55. Rodrigálvarez, Eduardo (9 de setembro de 2009). «Una curva maldita». El País. Consultado em 17 de setembro de 2010 
  56. Gómez Peña, Jesús (16 de setembro de 2009). «Intxausti y Antón, cara y cruz». El Correo. Consultado em 17 de setembro de 2010 
  57. Iturria, Joseba (20 de outubro de 2009). Gara, ed. «Euskaltel esperará a Beñat Intxausti». Consultado em 17 de setembro de 2010 
  58. «Euskaltel ficha a Izagirre y da por 'perdido' a Intxausti». As. EFE. 19 de outubro de 2009. Consultado em 17 de setembro de 2010 
  59. «El Euskaltel ficha a Izagirre y da por 'perdida' la incorporación de Intxausti». Marca. EFE. 19 de outubro de 2009. Consultado em 17 de setembro de 2010 
  60. «Intxausti ya es corredor del Euskaltel». Marca. EFE. 28 de outubro de 2009. Consultado em 24 de setembro de 2010 
  61. «El Caisse d'Epargne ficha a Juan José Cobo». As. EFE. 22 de novembro de 2009. Consultado em 24 de setembro de 2010 
  62. Echevarría, Susana (18 de outubro de 2009). «El ciclista cántabro David de la Fuente ficha por el Astana de Alberto Contador». El Diario Montañés. Consultado em 24 de setembro de 2010 
  63. «Beñat Intxausti, feliz por «ser un naranja más»». Gara. 30 de outubro de 2009. Consultado em 24 de setembro de 2010 
  64. Gómez Peña, Jesús (28 de outubro de 2009). «Beñat Intxausti correrá en 2010 en el Euskaltel». El Correo. Consultado em 17 de setembro de 2010 
  65. Laiseka, Alain (2 de fevereiro de 2010). «Intxausti y Sicard pulen su aerodinámica en el velódromo». Deia. Consultado em 13 de fevereiro de 2010 
  66. Laiseka, Alain (3 de maio de 2010). «No son molinos, son gigantes». Deia. Consultado em 25 de setembro de 2010 
  67. Laiseka, Alain (1 de abril de 2010). «Intxausti, el estruendoso chico comedido». Deia. Consultado em 25 de setembro de 2010 
  68. «Fédrigo se adjudica el Criterium Internacional tras una crono que se llevó David Millar». RTVE. Europa Press. 28 de março de 2010. Consultado em 25 de setembro de 2010 
  69. Laiseka, Alain (29 de setembro de 2010). «Samuel se queda sin voz». Deia. Consultado em 29 de setembro de 2010 
  70. Gómez Peña, Jesús (9 de abril de 2010). «La joya del Euskaltel pasa su primera reválida». El Correo. Consultado em 29 de setembro de 2010 
  71. Gómez Peña, Jesús (10 de abril de 2010). ««Ya puedo ser lehendakari»». El Correo. Consultado em 29 de setembro de 2010 
  72. Gómez Peña, Jesús (11 de abril de 2010). «Intxausti se sube a la Vuelta de Horner». El Correo. Consultado em 29 de setembro de 2010 
  73. «Revision of the 2010 UCI World Ranking». UCI. 1 de junho de 2010. Consultado em 29 de setembro de 2010 
  74. «La UCI borra a Valverde del ránking mundial». Marca. 1 de junho de 2010. Consultado em 29 de setembro de 2010 
  75. «Men - Elite - Vuelta Ciclista al Pais Vasco (ESP)-10 Apr 2010 - Stage 6 (ITT): Orio - Orio-Result». UCI. 29 de setembro de 2010. Consultado em 29 de setembro de 2010 
  76. «Intxausti se viste de amarillo al ganar la contrarreloj de Piedras Blancas». As. EFE. 30 de abril de 2010. Consultado em 18 de setembro de 2010 
  77. Redacción (30 de abril de 2010). «Vuelta a Asturias: Beñat Intxausti gana el segundo sector». Euskal Irrati Telebista. Consultado em 18 de setembro de 2010 
  78. Cima, J. E. (2 de maio de 2010). «Fabio Duarte, rey en el Acebo». La Nueva España. Consultado em 18 de setembro de 2010 
  79. «Zaballa aprovecha que Duarte se queda sin equipo e Intxausti aguanta el podio». Gara. 3 de maio de 2010. Consultado em 18 de setembro de 2010 
  80. «Vuelta a Asturias : Zaballa campeón, Fabio Duarte, segundo». revistamundociclistico.com. 2 de maio de 2010. Consultado em 18 de setembro de 2010 
  81. «Madariaga no descarta que Euskaltel sea equipo Continental Profesional». El Diario Vasco. 18 de julho de 2010. Consultado em 17 de setembro de 2010 
  82. Gómez Peña, Jesús (18 de julho de 2010). «Euskaltel, en riesgo de perder la categoría y también a Intxausti». El Correo. Consultado em 17 de setembro de 2010 
  83. «Euskaltel Euskadi agradece a Beñat Intxausti su 'gran profesionalidad'». Europa Press. 11 de agosto de 2010. Consultado em 17 de setembro de 2010 
  84. Barcia, Igor (12 de agosto de 2010). «Intxausti dejará el Euskaltel». El Correo. Consultado em 17 de setembro de 2010 
  85. Labarga, Nacho (16 de agosto de 2010). «Beñat Intxausti: 'Puede que mi próximo equipo sea español'». Marca. Consultado em 17 de setembro de 2010 
  86. Laiseka, Alain (13 de agosto de 2010). «'Quién sabe, de aquí a unos años quizás vuelva como un líder para este equipo'». Deia. Consultado em 17 de setembro de 2010 
  87. Gómez Peña, Jesús (30 de agosto de 2010). «Intxausti cambia de teléfono». El Correo. Consultado em 17 de setembro de 2010 
  88. Laiseka, Alain (31 de agosto de 2010). «INTXAUSTI: 'El movistar es el mejor lugar para CRECER'». Deia. Consultado em 17 de setembro de 2010 
  89. «Clasificaciones de la 3ª etapa de la Vuelta a España 2010». Marca. 30 de agosto de 2010. Consultado em 17 de setembro de 2010 
  90. «Las ganas de Antón y las penas del Sky». El Correo. 31 de agosto de 2010. Consultado em 17 de setembro de 2010 
  91. «El líder Igor Antón se retira de la Vuelta por una caída». Noticias de Gipuzkoa. EFE. 11 de setembro de 2010. Consultado em 17 de setembro de 2010 
  92. «Clasificaciones de la 14ª etapa de la Vuelta a España 2010». Marca. 11 de setembro de 2010. Consultado em 17 de setembro de 2010 
  93. «Freire se retira de la Vuelta pensando en el Mundial». Marca. EFE. 12 de setembro de 2010. Consultado em 17 de setembro de 2010 
  94. Urraburu, Benito (21 de setembro de 2010). «Euskaltel llama cada vez más fuerte». El Diario Vasco. Consultado em 22 de setembro de 2010 
  95. Gómez Peña, Jesús (31 de março de 2011). ««No estoy como el año pasado, pero saldré sin miedo a nadie»». El Correo. Consultado em 1 de abril de 2011 
  96. Gómez Peña, Jesús (31 de março de 2011). «Movistar llama a Intxausti y López». El Correo. Consultado em 1 de abril de 2011 
  97. Gómez Peña, Jesús (5 de abril de 2011). «Samuel le confirma a Rodríguez su victoria». El Correo. Consultado em 15 de maio de 2011 
  98. Gómez Peña, Jesús (8 de abril de 2011). «Samuel se queda con Arrate». El Correo. Consultado em 25 de maio de 2011 
  99. Uriarte, Mikel (9 de abril de 2011). «Tondo confía hoy en las posibilidades de Beñat». El Correo. Consultado em 25 de maio de 2011 
  100. Gómez Peña, Jesús (10 de abril de 2011). «El reloj da la razón sólo a Kloden». El Correo. Consultado em 25 de maio de 2011 
  101. «Clasificación general tras la etapa 6: Zalla - Zalla (24 km)». vueltapaisvasco.diariovasco.com. Consultado em 25 de maio de 2011 
  102. Uriarte, Mikel (10 de abril de 2011). ««Los rivales han sido más fuertes», reconoce Beñat Intxausti». El Correo. Consultado em 25 de maio de 2011 
  103. Gómez Peña, Jesús (11 de abril de 2011). «Hivert congela la Klasika Primavera». El Correo. Consultado em 25 de maio de 2011 
  104. «Intxausti Elorriaga, Beñat: 2011». cqranking.com. Consultado em 25 de maio de 2011 
  105. «Intxausti: "Romandía, que es muy similar a la Vuelta al País Vasco, será mi próximo objetivo"». Marca. 11 de abril de 2011. Consultado em 25 de maio de 2011 
  106. Ortiz de Guinea, Oskar (2 de maio de 2011). «Evans, profeta 'en casa'». Noticias de Gipuzkoa. Consultado em 15 de maio de 2011 
  107. «Pavel Brutt gana la primera etapa y se pone líder». Terra. EFE. 27 de abril de 2011. Consultado em 25 de maio de 2011 
  108. «Cunego (Lampre) gana la segunda etapa en el Tour de Romandia y Brutt (Katusha) sigue líder». La Voz Libre. Europa Press. 28 de abril de 2011. Consultado em 25 de maio de 2011 
  109. «Unzúe: 'Beñat Intxausti iba en el asiento derecho de su coche'». As. EFE. 23 de maio de 2011. Consultado em 25 de maio de 2011 
  110. Urraburu, Benito (24 de maio de 2011). «Muere Xavi Tondo atrapado por la puerta de un garaje». El Diario Vasco. Consultado em 25 de maio de 2011 
  111. a b c d Laiseka, Alain (4 de julho de 2011). «El puerto más duro». Noticias de Navarra. Consultado em 12 de julho de 2011 
  112. «2011 Critérium du Dauphiné, Stage 7 : Pontcharra - La Toussuire (117.5 km)». cqranking.com. Consultado em 26 de agosto de 2011 
  113. «Contador, segundo, 'una incógnita'». Deia. 27 de junho de 2011. Consultado em 10 de julho de 2011 
  114. Hernando, Ainara (26 de junho de 2011). «José Joaquín Rojas, campeón de España». Ciclismo a fondo. Consultado em 10 de julho de 2011 
  115. «2011 National Championships Spain (Castellon de la Plana) R.R. (196.7 km)». cqranking.com. Consultado em 10 de julho de 2011 
  116. «Arroyo e Intxausti lideran al equipo Movistar Team de cara al Tour 2011». Diario Siglo XXI. Europa Press. 29 de junho de 2011. Consultado em 10 de julho de 2011 
  117. Labarga, Nacho (6 de julho de 2011). «El sueño blanco de Intxausti». Marca. Consultado em 9 de julho de 2011 
  118. Gómez Peña, Jesús (3 de julho de 2011). «El público le sienta mal a Contador». El Correo. Consultado em 9 de julho de 2011 
  119. Gómez Peña, Jesús (3 de julho de 2011). «La mala suerte de Contador e Intxausti». El Correo. Consultado em 9 de julho de 2011 
  120. Gómez Peña, Jesús (9 de julho de 2011). «El odio a Greipel acelera a Cavendish». El Correo. Consultado em 9 de julho de 2011 
  121. «Intxausti (Movistar) sufre una 'fractura en la cabeza del radio' desde su caída en la primera etapa». Telecinco. Europa Press. 8 de julho de 2011. Consultado em 9 de julho de 2011 
  122. Gómez Peña, Jesús (10 de julho de 2011). ««Era absurdo seguir», lamenta Beñat Intxausti». El Correo. Consultado em 10 de julho de 2011 
  123. Laiseka, Alain (10 de julho de 2011). «'No me esperaba que el Tour fuese tan cruel'». Deia. Consultado em 26 de agosto de 2011 
  124. Hermosilla, Iraia (5 de agosto de 2011). «De la desilusión al optimismo». Deia. Consultado em 11 de outubro de 2011 
  125. Urraburu, Benito (23 de agosto de 2011). «No ha llegado en condiciones ni al Tour ni a la Vuelta». El Diario Vasco. Consultado em 26 de agosto de 2011 
  126. Laiseka, Alain (13 de agosto de 2011). «Intxausti no levanta cabeza». Deia. Consultado em 26 de agosto de 2011 
  127. Laiseka, Alain (23 de agosto de 2011). «A diez metros de Tondo». Deia. Consultado em 26 de agosto de 2011 
  128. Urraburu, Benito (23 de agosto de 2011). «Intxausti volverá a revivir su drama en Sierra Nevada». El Diario Vasco. Consultado em 26 de agosto de 2011 
  129. Gómez Peña, Jesús (24 de agosto de 2011). «Antón se derrite en Sierra Nevada». El Correo. Consultado em 26 de agosto de 2011 
  130. Laiseka, Alain (1 de setembro de 2011). «Intxausti levanta la cabeza». Deia. Consultado em 8 de setembro de 2011 
  131. Gómez Peña, Jesús (1 de setembro de 2011). «Beñat Intxausti olvida su cojera». El Correo. Consultado em 8 de setembro de 2011 
  132. Laiseka, Alain (1 de setembro de 2011). «Intxausti: 'Moralmente me hacía falta algo así'». Deia. Consultado em 8 de setembro de 2011 
  133. «El Movistar, en cuadro por una gastroenteritis». Marca. EFE. 7 de setembro de 2011. Consultado em 8 de setembro de 2011 
  134. Press Movistar Team (9 de setembro de 2011). «Bruseghin o el deber cumplido». avanzamosciclismo.com. Consultado em 11 de outubro de 2011 
  135. Urraburu, Benito (24 de junho de 2011). «Intxausti quiere volver a la normalidad». El Diario Vasco. Consultado em 2 de junho de 2012 
  136. Laiseka, Alain (24 de janeiro de 2012). «'No me obsesiona el Tour'». Deia. Consultado em 15 de março de 2012 
  137. Iturria, Joseba (24 de fevereiro de 2012). «Beñat Intxausti: «Valverde no falla, es un seguro»». Gara. Consultado em 15 de março de 2012 
  138. Laiseka, Alain (6 de fevereiro de 2012). «Unzue piensa en Intxausti para el Giro». Deia. Consultado em 31 de março de 2012 
  139. Oyarzabal, Eduardo (28 de março de 2012). «Intxausti, casi descartado». Deia. Consultado em 31 de março de 2012 
  140. «El Movistar sin Valverde ni Intxausti en la Vuelta al País Vasco». El Diario Vasco. EFE. 30 de março de 2012. Consultado em 31 de março de 2012 
  141. «Intxausti reina en Asturias». Deia. EFE. 30 de abril de 2012. Consultado em 2 de junho de 2012 
  142. Urraburu, Benito (30 de abril de 2012). «Intxausti olvida su pasado y recupera en Asturias la senda de los ganadores». El Diario Vasco. Consultado em 2 de junho de 2012 
  143. Garai, Josu (5 de maio de 2012). «El escuadrón de Intxausti». Marca. Consultado em 2 de junho de 2012 
  144. Urraburu, Benito (14 de maio de 2012). «Intxausti sube un peldaño en el Giro». Consultado em 2 de junho de 2012 
  145. «Intxausti: 'Era un día especial para nosotros'». Marca. 23 de maio de 2012. Consultado em 2 de junho de 2012 
  146. «Beñat Intxausti (Movistar): 'No he pensado en tirar la toalla estando tan cerca de Milán'». Europa Press. 25 de maio de 2012. Consultado em 2 de junho de 2012 
  147. Urraburu, Benito (26 de maio de 2012). «Kreuziger logra su primera victoria en una carrera de tres semanas y Beñat Intxausti se hunde». El Diario Vasco. Consultado em 2 de junho de 2012 
  148. Gara, ed. (22 de setembro de 2012). «Llamamiento a Euskaltel a no romper con su filosofía». Consultado em 14 de outubro de 2012 
  149. Diario Vasco, ed. (21 de setembro de 2012). «Siete excorredores de Euskaltel critican algunas decisiones del equipo». Consultado em 26 de setembro de 2012