Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Para a freguesia de Ponte de Lima, veja Beiral do Lima.
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde maio de 2015). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Exemplo de um beiral.

O beiral é a última fileira de telhas que forma a aba do telhado, constituindo a parte avançada deste sobre o corpo do edifício. Tem a finalidade de provocar a queda das águas pluviais (águas da chuva) de modo que estas não escorram pela fachada do edifício ou residência.

Uso do beiral na arquitetura brasileiraEditar

O uso do beiral foi uma das alternativas usadas para amenizar a precariedade das técnicas construtivas típicas do período colonial. O uso da taipa de pilão ou do pau a pique deixava as construções vulneráveis às chuvas. Um modo de protegê-las era fazer fiadas superpostas às telhas, ou usar cimalhas para evitar que a água das chuvas escorresse diretamente sobre as fachadas das casas.[1]

O beiral representou não só um elemento construtivo típico desse período mas também representou uma linguagem estética que marcava as diferenças sociais presentes na arquitetura brasileiraː o uso de beirais mais ornamentados associados a cachorros elaborados designava pessoas ricas e de posses, e é a partir daí que surge a expressão "sem eira nem beira".[2]

Referências

  1. VASCONCELLOS, S.de. Arquitetura no Brasil, sistemas construtivos. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 1979
  2. PECLY, H. da S. M. A casa brasileira do período colonial à arquitetura moderna. Rio de Janeiro, 2014
  Este artigo sobre engenharia (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  Este artigo sobre arquitetura é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.