Abrir menu principal

Belém do Brejo do Cruz

Município brasileiro do estado da Paraíba

Belém do Brejo do Cruz é um município brasileiro, situado no extremo norte no estado da Paraíba. Pertence à Região Geográfica Intermediária de Patos e à Região Geográfica Imediata de Catolé do Rocha-São Bento. De acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), no ano de 2009 sua população era estimada em 7.256 habitantes. Área territorial de 603 km².

Município de Belém do Brejo do Cruz
"Itaiassuí (terra do Riacho dos Porcos)"
Entrada da cidade a partir da PB-293 (sentido norte-sul).

Entrada da cidade a partir da PB-293 (sentido norte-sul).
Bandeira de Belém do Brejo do Cruz
Brasão de Belém do Brejo do Cruz
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 22 de dezembro de 1961
Gentílico belenense, belemense ou belenhense (mais usado)
Prefeito(a) Evandro Maia (AVANTE)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Belém do Brejo do Cruz
Localização de Belém do Brejo do Cruz na Paraíba
Belém do Brejo do Cruz está localizado em: Brasil
Belém do Brejo do Cruz
Localização de Belém do Brejo do Cruz no Brasil
06° 11' 20" S 37° 32' 09" O06° 11' 20" S 37° 32' 09" O
Unidade federativa Paraíba
Região intermediária

Patos IBGE/2017[1]

Região imediata

Catolé do Rocha-São Bento IBGE/2017[1]

Municípios limítrofes Norte: Rio Grande do Norte (Patu, Messias Targino e Campo Grande);
Sul: Brejo do Cruz e São José do Brejo do Cruz;
Leste: Rio Grande do Norte (Jucurutu e Jardim de Piranhas);
Oeste: Catolé do Rocha.
Distância até a capital 312 km
Características geográficas
Área 603,038 km² [2]
População 7 143 hab. IBGE/2010[3]
Densidade 11,85 hab./km²
Altitude 176 m
Clima semiárido[4] Bsh
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,57 baixo PNUD/2000[5]
PIB R$ 23 526,409 mil IBGE/2008[6]
PIB per capita R$ 3 249,95 IBGE/2008[6]

Índice

História[7]Editar

A ocupação das terras que originaram o município iniciaram a partir de 1850 com o estabelecimento do sítio Belém, de propriedade da família Viana, dedicado à cultura de subsistência. Posteriormente outras famílias se instalaram no local para explorar a agricultura e a criação de gado.

O comércio intensificou-se com o barracão do comerciante Antonio Pedro, entre 1890 e 1900. A feira livre semanal estabeleceu-se a partir de 1920 em um galpão construído para esta finalidade.

Em 1928, uma pequena indústria de beneficiamento de algodão foi instalada no local, consolidando o desenvolvimento local.

O distrito então denominado Belém pertencia ao município de Brejo do Cruz, que foi elevado à categoria de município com a denominação de Belém do Brejo do Cruz, pela lei estadual nº 2674, de 22 de dezembro de 1961.

GeografiaEditar

O município está incluído na área geográfica de abrangência do semiárido brasileiro, definida pelo Ministério da Integração Nacional em 2005.[8] Esta delimitação tem como critérios o índice pluviométrico, o índice de aridez e o risco de seca.

Belém do Brejo do Cruz localiza-se na unidade geoambiental da Depressão Sertaneja. A vegetação predominante é a caatinga sertão.[4]

O município está inserido nos domínios da bacia hidrográfica do Rio Piranhas, região do Médio Piranhas e tem como principais tributários o Rio Baião e os riachos Jaguaribano, do Mulungu, da Lata, Pedra Lisa, dos Coelhos, do Meio, do Cipó, Aldeia, da Palha, Passagem Limpa, Camuru, Cantagalo, Jatobá, dos Porcos (que deu origem ao primeiro apelido da cidade [Itaiassuí]), do Gelo, do Lagamar, do Carcará, da Tapera e Rajado, e os Córregos Pau de Leite, do Meio, Salgado, da Cachoeirinha, todos de regime intermitente. O principal recurso de acumulação hídrica é o açude Tapera, com capacidade de 26.418.660 m³.[4]

ClimaEditar

Dados do Departamento de Ciências Atmosféricas, da Universidade Federal de Campina Grande, mostram que Belém do Brejo do Cruz apresenta um clima com média pluviométrica anual de 725.2 mm e temperatura média anual de 26.6 °C.

Dados climatológicos para Belém do Brejo do Cruz (período 1911-1990)
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima média (°C) 33,9 33,0 32,2 31,8 31,4 30,9 31,2 32,5 33,6 34,5 34,7 34,6 32,9
Temperatura média (°C) 27,6 27,0 26,5 26,3 25,9 25,2 25,2 25,8 26,7 27,3 27,6 27,8 26,6
Temperatura mínima média (°C) 22,3 22,1 21,9 21,6 21,1 20,2 19,6 19,6 20,5 21,2 21,7 22,2 21,2
Chuva (mm) 59,5 127,1 209,4 176,4 77,4 29,2 20,6 3,1 2,5 6,4 7,0 18,8 725,2
Fonte: Departamento de Ciências Atmosféricas.[9][10][11][12]

Referências

  1. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). «Base de dados por municípios das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias do Brasil». Consultado em 17 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 17 de agosto de 2017 
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  4. a b c «Diagnóstico de Belém do Brejo do Cruz» (PDF). Projeto Águas Subterrâneas. Ministério das Minas e Energia. 2005. Consultado em 8 de outubro de 2009 
  5. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  6. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  7. IBGE. Documentação Territorial do Brasil
  8. Ministério da Integração Nacional, 2005. Nova delimitação do semiárido brasileiro.
  9. «TEMPERATURA COMPENSADA MENSAL E ANUAL DA PARAÍBA». Departamento de Ciências Atmosféricas. Consultado em 13 de julho de 2018. Cópia arquivada em 11 de junho de 2014 
  10. «TEMPERATURA MÍNIMA MENSAL E ANUAL DA PARAÍBA». Departamento de Ciências Atmosféricas. Consultado em 13 de julho de 2018. Cópia arquivada em 11 de junho de 2014 
  11. «PRECIPITACAO MENSAL». Departamento de Ciências Atmosféricas. 1911–1990. Consultado em 13 de julho de 2018. Cópia arquivada em 11 de junho de 2014 
  12. «TEMPERATURA MAXIMA MENSAL E ANUAL DA PARAIBA». Departamento de Ciências Atmosféricas. 1911–1980. Consultado em 13 de julho de 2018. Cópia arquivada em 11 de junho de 2014 

Ligações externasEditar