bell hooks

autora e activista estadunidense

Gloria Jean Watkins (Hopkinsville, 25 de setembro de 1952Berea, 15 de dezembro de 2021),[1][2] mais conhecida pelo pseudônimo bell hooks (escrito em minúsculas),[3][4] foi uma autora, professora, teórica feminista, artista e ativista antirracista estadunidense.

bell hooks
bell hooks em 2014
Nascimento Gloria Jean Watkins
25 de setembro de 1952
Hopkinsville, Kentucky
Morte 15 de dezembro de 2021 (69 anos)
Berea, Kentucky
Nacionalidade norte-americana
Educação
Ocupação
  • Autora
  • acadêmica
  • ativista
Período de atividade 1978–2018
Página oficial
www.bellhooksinstitute.com

hooks publicou mais de trinta livros e numerosos artigos acadêmicos, apareceu em vários filmes e documentários, e participou de várias palestras públicas. Sua obra incide principalmente sobre a interseccionalidade de raça, capitalismo e gênero, e aquilo que hooks descreve como a capacidade destes para produzir e perpetuar sistemas de opressão e dominação de classe. Hooks teve uma perspectiva pós-moderna e foi influenciada pela pedagogia crítica de Paulo Freire.[5] Em 2014, fundou o bell hooks Institute com sede no Berea College,[6] em Berea, Kentucky.

Ela começou sua carreira acadêmica em 1976 ensinando inglês e estudos étnicos na University of Southern California. Mais tarde, ela ensinou em várias instituições, incluindo Stanford University, Yale University e The City College of New York, antes de ingressar no Berea College em Berea, Kentucky, em 2004, [7] onde fundou o bell hooks Institute em 2014. [8] Seu pseudônimo foi emprestado de sua bisavó materna, Bell Blair Hooks. [9] A autora morreu de insuficiência renal em sua casa em Berea, Kentucky, aos 69 anos [10]

BiografiaEditar

Primeiros anosEditar

Gloria Jean Watkins nasceu em 25 de de setembro de 1952, em Hopkinsville,[11] uma pequena cidade segregada do estado de Kentucky [12], no sul dos Estados Unidos. Ela cresceu em uma família de classe trabalhadora: seu pai, Veodis Watkins, era zelador e sua mãe, Rosa Bell Watkins, empregada doméstica em casas de famílias brancas.[13] Além dos pais, ela foi criada com cinco irmãs e um irmão.[13] Em seu livro de memórias, Bone Black: Memories of Girlhood (1996), Watkins escreveu sobre sua "luta para criar auto e identidade" enquanto crescia em "um rico mundo mágico da cultura negra do sul que às vezes era paradisíaco e outras vezes aterrorizante".[14]

O nome "bell hooks" é uma reivindicação do legado de sua bisavó, Bell Blair Hooks.[15][16] A letra minúscula foi escolhida para dar enfoque ao conteúdo da sua escrita e não à sua pessoa. O seu objetivo, porém, não é ficar presa a uma identidade em particular mas estar em permanente movimento.[17]

Ela inicialmente foi educada em escolas públicas segregadas racialmente, devido às Leis de Jim Crow em vigor nos Estados Unidos, nas quais, segundo ela, foi possível experimentar a educação como a prática de sua liberdade.[18] Aos 10 anos começa a escrever os seus primeiros poemas.[19] Ao fazer a transição para uma escola integrada, ela continuou a ter professores e colegas predominantemente brancos, enfrentando grandes adversidades.[18]

Uma leitora ávida (com os poetas William Wordsworth, Langston Hughes, Elizabeth Barrett Browning e Gwendolyn Brooks entre seus favoritos), [20] Watkins foi educada em escolas públicas segregadas racialmente, mudando-se mais tarde para uma escola integrada no final dos anos 1960. [21]

Vida acadêmicaEditar

Depois de ter frequentado a Escola Secundária de Hopkinsville, em Hopkinsville, Kentucky, bell hooks conseguiu uma bolsa de estudo para concretizar a sua licenciatura em Letras na Universidade de Stanford em 1973. Começou a escrever E eu não sou uma mulher? aos 19 anos, ao mesmo tempo em que trabalhava como operadora de telefone.[19]

Ela se formou na Hopkinsville High School antes de obter seu bacharelado em inglês pela Stanford University em 1973, [22] e seu mestrado em inglês pela University of Wisconsin–Madison em 1976.[23] Durante esse tempo, Watkins estava escrevendo seu livro E eu não sou uma mulher?, que depois foi publicado em 1981.[24]

Em 1983, após vários anos lecionando e escrevendo, ela concluiu seu doutorado em inglês na Universidade da Califórnia, Santa Cruz, com uma dissertação sobre a autora Toni Morrison intitulada "Keeping a Hold on Life: Reading Toni Morrison's Fiction".[25][26][27][28]

PercursoEditar

 
bell hooks em 2009

A sua carreira de professora começou em 1976 como professora de Inglês e professora sênior de Estudos Étnicos na Universidade do Sul da Califórnia,[19] depois de terminado o doutoramento em literatura inglesa. Durante os anos que lecionou nesta Universidade, Golemics, uma editora de Los Angeles, publicou a sua primeira obra, um livro de poemas intitulado "And There We Wept" (1978), escrito sob o pseudónimo de "bell hooks".[29]

Ensinou em várias instituições no início dos anos 80 e 90, incluindo a Universidade da Califórnia, Santa Cruz, Universidade do Estado de São Francisco, Yale, Oberlin College e City College of New York. Em 1981, a South End Press publicou o seu primeiro trabalho principal, "E Eu Não Sou Uma Mulher? Mulheres Negras e Feminismo", escrito anos antes quando era uma estudante universitária.[29] A seguir à publicação de "E Eu Não Sou Uma Mulher?" ganhou um reconhecimento generalizado pela contribuição para o pensamento feminista[30].

Depois de ter ocupado vários cargos na Universidade da Califórnia em Santa Cruz, Califórnia, no início da década de 1980, aceitou o cargo para lecionar Estudos Afro-Americanos na Universidade de Yale em New Haven, Connecticut.[30] Em 1988 entrou para o corpo docente de Oberlin College, em Ohio, para em Estudos sobre as Mulheres. Quando começou a trabalhar no City College de Nova Iorque em 1995, hooks mudou-se para a editora Henry Holt e saiu da Killing Rage.[19]

Produção intelectualEditar

A autora atribui à relação com sua mãe, Rosa Bell, a inspiração para escrever o livro "E Eu Não Sou Uma Mulher? Mulheres Negras e Feminismo", por ter sido uma mulher que incentivou as seis filhas a serem capazes de cuidar de si sem jamais dependerem de um homem.[28] Onze anos depois, o site Publishers Weekly, especialista no ramo de publicação literária, avaliou E eu não sou uma mulher? como um dos vinte livros mais influentes escritos por mulheres nos vinte anos anteriores.[28][31]

Ao mesmo tempo, hooks tornou-se significativo como pensadora política e crítica cultural esquerdista e pós-moderna.[32] Ela publicou mais de 30 livros,[33] variando em tópicos de homens negros, patriarcado e masculinidade para autoajuda; pedagogia engajada para memórias pessoais; e sexualidade (no que diz respeito ao feminismo e políticas de estética e cultura visual). Reel to Real: raça, sexo e classe no cinema (1996) reúne ensaios de filmes, críticas e entrevistas com diretores de cinema. [34] No The New Yorker, Hua Hsu disse que essas entrevistas mostravam a faceta do trabalho de hooks que era "curioso, empático, em busca de camaradas". [35]

Em Feminist Theory: From Margin to Center (1984), hooks desenvolveu uma crítica ao racismo feminista branco na segunda onda do feminismo, que ela argumentou minar a possibilidade de solidariedade feminista através das linhas raciais. [36]

hooks argumentou que a comunicação e a alfabetização (a capacidade de ler, escrever e pensar criticamente) são necessárias para o movimento feminista, porque sem elas, as pessoas podem não crescer para reconhecer as desigualdades de gênero na sociedade.[37]

Em 2002, hooks fez um discurso de formatura na Southwestern University. Evitando o modo de parabéns dos discursos tradicionais de formatura, ela falou contra o que considerava violência e opressão sancionadas pelo governo e advertiu os alunos que ela acreditava que concordavam com tais práticas. [38] [39] O Austin Chronicle relatou que muitos na plateia vaiaram o discurso, embora "vários graduados tenham ignorado o reitor para apertar sua mão ou dar-lhe um abraço". [38]

Em 2004, ingressou no Berea College como Distinguished Professor in Residence. [40] Seu livro de 2008, pertencente: a cultura do lugar, inclui uma entrevista com o autor Wendell Berry, bem como uma discussão sobre sua mudança de volta para Kentucky . [41] Ela foi bolsista residente na The New School em três ocasiões, a última vez em 2014. [42] Também em 2014, o bell hooks Institute foi fundado no Berea College, [43] onde ela doou seus papéis em 2017. [44]

Ela foi incluída no Hall da Fama dos Escritores de Kentucky em 2018.[45][46]

Vida pessoalEditar

Em relação à sua identidade sexual, Hooks se descreveu como "queer-pas-gay".[47][48][49] Ela usou o termo "pas" da língua francesa, traduzindo para "não" na língua inglesa. hooks descreveu ser queer em suas próprias palavras como "não com quem você está fazendo sexo, mas sobre estar em desacordo com tudo ao seu redor" [50]. Ela afirmou: "Como a essência do queer, penso no trabalho de Tim Dean sobre ser queer e não queer como sendo sobre com quem você está fazendo sexo - isso pode ser uma dimensão disso - mas queer como sendo sobre si mesmo que está em desacordo com tudo ao seu redor e tem que inventar e criar e encontrar um lugar para falar e prosperar e viver." [51]

Durante uma entrevista com Abigail Bereola em 2017, ganchos revelaram a Bereola que ela era solteira enquanto discutiam sua vida amorosa. Durante a entrevista, hooks disse a Bereola: "Não tenho parceiro. Sou celibatária há 17 anos. Eu adoraria ter um parceiro, mas não acho que minha vida seja menos significativa por não ter." [52]

MorteEditar

No dia 15 de dezembro de 2021, hooks morreu aos 69 anos em sua residência em Berea, cidade do interior de Kentucky.[53][54] De acordo com o jornal estadunidense The Washington Post, hooks sofreu uma insuficiência renal relacionada com uma doença não revelada.[55][56]

FilmografiaEditar

  • Preto é.. . Preto não é (1994) [57]
  • Dê a mínima novamente (1995) [58]
  • Crítica Cultural e Transformação (1997) [59]
  • Meu Feminismo (1997) [60]
  • Vozes do Poder (1999) [61]
  • BaadAsssss Cinema (2002) [62]
  • Eu sou um homem: masculinidade negra na América (2004) [63]
  • Feliz por ser Fralda e Outras Histórias de Mim (2004) [64]
  • O feminismo está morto? (2004) [65]
  • Luz feroz: quando o espírito encontra a ação (2008) [66]
  • Ocupe o amor (2012) [67]
  • Hillbilly (2018) [68]

ObrasEditar

TraduzidasEditar

Prêmios e indicaçõesEditar

  • Anseio: Raça, Gênero e Política Cultural: The American Book Awards / Before Columbus Foundation Award (1991) [69]
  • bell hooks: The Writer's Award do Lila Wallace–Reader's Digest Fund (1994) [70]
  • Happy to Be Nappy: indicado ao NAACP Image Award (2001) [71]
  • Homemade Love: O livro infantil do ano da Bank Street College (2002) [72]
  • Salvation: Black People and Love: indicado ao Hurston/Wright Legacy Award (2002) [73]
  • bell hooks: Utne Reader s "100 visionários que poderiam mudar sua vida" [74] [75]
  • bell hooks: The Atlantic Monthly s "Um dos principais intelectuais públicos da nossa nação" [74]
  • bell hooks: TIME 100 Women of the Year, 2020 [76]

Referências

  1. Blackford, Linda (15 de dezembro de 2021). «'The world is a lesser place today without her.' Acclaimed author bell hooks dies at 69.» [O mundo é um lugar menor hoje sem ela.” O aclamado autor bell hooks morre aos 69 anos]. Lexington Herald-Leader (em inglês). Consultado em 7 de janeiro de 2022. Cópia arquivada em 16 de dezembro de 2021 
  2. Geraldo, Nathália (15 de dezembro de 2021). «Escritora, bell hooks morre aos 69 e deixa legado sobre raça e amor». UOL Universa. Consultado em 22 de novembro de 2022 
  3. «Chicago Manual of Style Online - Report» [Manual de estilo online de Chicago - Relatório] . The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 7 fevereiro de 2022 
  4. hooks, bell (1989). Talking back : thinking feminist, thinking black [Erguer a voz: Pensar Como Feminista, Pensar Como Negra] (em inglês). Boston: South End Press. ISBN 978-09-07-17940-5. OCLC 18135510 
  5. hooks, bell (1994). Teaching to transgress : education as the practice of freedom (em inglês). Nova Iorque: Routledge. ISBN 978-04-15-90808-5. OCLC 30668295 
  6. «About the bell hooks Institute» [Sobre o bell hooks Institute]. bellhooksinstitute.com (em inglês). Consultado em 7 de fevereiro de 2022. Arquivado do original em 10 de novembro de 2016 
  7. «Get to Know bell hooks». The bell hooks center (em inglês). Consultado em 15 de Dezembro de 2021. Arquivado do original em 15 de Dezembro de 2021 
  8. «About the bell hooks institute». bell hooks institute. Consultado em 17 de Dezembro de 2021. Cópia arquivada em 8 de Janeiro de 2021 , via archive.org
  9. hooks, bell, "Inspired Eccentricity: Sarah and Gus Oldham" in Sharon Sloan Fiffer and Steve Fiffer (eds), Family: American Writers Remember Their Own, New York: Vintage Books, 1996, p. 152.
  10. Knight, Lucy (15 de Dezembro de 2021). «bell hooks, author and activist, dies aged 69». The Guardian. Consultado em 15 de Dezembro de 2021. Arquivado do original em 15 de Dezembro de 2021 
  11. Risen, Clay (15 de Dezembro de 2021). «bell hooks, Pathbreaking Black Feminist, Dies at 69». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 15 de Dezembro de 2021. Arquivado do original em 15 de Dezembro de 2021 
  12. Medea, Andra (1997). «hooks, bell (1952–)». In: Hine. Facts on File Encyclopedia of Black Women in America. [S.l.]: Facts on File. ISBN 0-8160-3425-7. OCLC 35209436 
  13. a b Hsu, Hua. «The Revolutionary Writing of bell hooks». The New Yorker (em inglês). Arquivado do original em 16 de Dezembro de 2021 
  14. «Bone Black». 15 de Agosto de 1996. Consultado em 22 de Dezembro de 2021 
  15. hooks, bell, "Inspired Eccentricity: Sarah and Gus Oldham" in Family: American Writers Remember Their Own (ed. Sharon Sloan Fiffer and Steve Fiffer), New York: Vintage Books, 1996 (p. 152).
  16. de Almeida, Mariléa (2021). «bell hooks (1952 – 2021)». Mulheres na Filosofia (UNICAMP). Consultado em 22 de novembro de 2022 
  17. Tworkov, Helen (1992). «Agent of Change: An Interview with Bell Hooks» [Agente de Mudança: Uma Entrevista com Bell Hooks]. Tricycle: The Buddhist Review (em inglês) 
  18. a b Scanlon, Jennifer (1999). Significant Contemporary American Feminists: A Biographical Sourcebook (em inglês). Westport: Greenwood Press. pp. 125–132. ISBN 978-0313301254 
  19. a b c d «Bell Hooks Biography». www.notablebiographies.com (em inglês). Consultado em 7 de fevereiro de 2022 
  20. Busby, Margaret (17 de Dezembro de 2021). «bell hooks obituary | Trailblazing writer, activist and cultural theorist who made a pivotal contribution to Black feminist thought». The Guardian 
  21. Le Blanc, Ondine E. (1997). «bell hooks 1952–». In: Bigelow. Contemporary Black Biography. 5. [S.l.]: Gale. pp. 125–129. ISBN 978-1-4144-3543-5. ISSN 1058-1316. OCLC 527366247 
  22. Kumar, ed. (2007). «hooks, bell 1952–». Something about the Author. 170. [S.l.]: Gale. pp. 112–116. ISBN 978-1-4144-1071-5. ISSN 0276-816X. OCLC 507358041 
  23. Scanlon, Jennifer (1999). Significant Contemporary American Feminists: A Biographical Sourcebook. Westport, CT: Greenwood Press. pp. 125–132. ISBN 978-0313301254 
  24. Tikkanen, Amy. «bell hooks | American scholar». www.britannica.com (em inglês). Encyclopaedia Britannica. Consultado em 31 de Março de 2022 
  25. hooks, bell. Keeping a hold on life: reading Toni Morrison's fiction (Tese) (em English) 
  26. hooks, bell (1983). Keeping a Hold on Life: Reading Toni Morrison's Fiction. [S.l.]: University of California, Santa Cruz 
  27. Faria, Ângela Beatriz de Carvalho (1 de julho de 2011). «A sedução da escrita em A Cidade de Ulisses, de Teolinda Gersão, ou "um corpo" (de uma mulher, de uma cidade e de um livro) "com que se faz amor"». Revista Diadorim. ISSN 1980-2552. doi:10.35520/diadorim.2011.v9n0a3927. Consultado em 1 de outubro de 2021 
  28. a b c Moreira, Marília (14 de dezembro de 2019). «Clássico do feminismo negro, obra de estreia de bell hooks é relançada no Brasil». Jornal Correio. Consultado em 1 de outubro de 2021 
  29. a b 3023511. «The Sandspur Vol 112 Issue 17». Issuu (em inglês). Consultado em 18 de março de 2021 
  30. a b Le Blanc, Ondine E. (1997). «bell hooks 1952–». In: Bigelow. Contemporary Black Biography. 5. [S.l.]: Gale. pp. 125–129. ISBN 978-1-4144-3543-5. ISSN 1058-1316. OCLC 527366247 
  31. Peres, Tadeu Breda, Bianca Oliveira, Leonardo Garzaro, João (5 de fevereiro de 2019). «Quem é bell hooks?». Editora Elefante. Consultado em 1 de outubro de 2021 
  32. «bell hooks». Utne (em inglês). 31 de Janeiro de 1995. Consultado em 16 de dezembro de 2021. Arquivado do original em 16 de Dezembro de 2021 
  33. Knight, Lucy (15 de Dezembro de 2021). «bell hooks, author and activist, dies aged 69». The Guardian. Consultado em 15 de Dezembro de 2021. Arquivado do original em 15 de Dezembro de 2021 
  34. Winchester, James (1999). «Reel to Real: Race, Sex, and Class at the Movies». The Journal of Aesthetics and Art Criticism. 57 (3). 388 páginas. JSTOR 432214. doi:10.2307/432214 
  35. Hsu, Hua. «The Revolutionary Writing of bell hooks». The New Yorker (em inglês). Arquivado do original em 16 de Dezembro de 2021 
  36. Isoke, Zenzele (Dezembro de 2019). «bell hooks: 35 Years from Margin to Center – Feminist Theory: From Margin to Center. By bell hooks. New York: Routledge, [1984] 2015. 180 pp. 23.96 (paperback).». Politics & Gender (em inglês). 15 (4). ISSN 1743-923X. doi:10.1017/S1743923X19000643. Consultado em 15 de Dezembro de 2021. Cópia arquivada em 16 de Abril de 2021 
  37. Olson, Gary A. (1994). «bell hooks and the Politics of Literacy: A Conversation». Journal of Advanced Composition. 14 (1): 1–19. ISSN 0731-6755. JSTOR 20865945 
  38. a b Apple, Lauri (24 de Maio de 2002). «bell hooks Digs In». The Austin Chronicle. Consultado em 11 de Dezembro de 2013. Arquivado do original em 22 de Dezembro de 2013 
  39. Kilker, Jean (24 de Maio de 2002). «Postmarks – Southwestern Graduation Debacle». The Austin Chronicle. Consultado em 11 de Dezembro de 2013. Arquivado do original em 15 de Outubro de 2014 
  40. «Faculty and Staff». Berea College. Consultado em 15 de Dezembro de 2021. Arquivado do original em 28 de Maio de 2010 
  41. hooks, bell (1 de Janeiro de 2009). Belonging: a culture of place (em inglês). [S.l.: s.n.] ISBN 9780415968157. OCLC 228676700 
  42. «bell hooks returns for Third Residency at The New School». The New School. 18 de Setembro de 2014. Consultado em 16 de Dezembro de 2021. Arquivado do original em 7 de Novembro de 2016 
  43. Tikkanen, Amy. «bell hooks | American scholar». www.britannica.com (em inglês). Encyclopaedia Britannica. Consultado em 31 de Março 2022 
  44. Burke, Minyvonne; Michelle Garcia (15 de Dezembro de 2021). «Acclaimed author and activist bell hooks dies at 69». NBC News. Consultado em 25 de Dezembro de 2021 
  45. Knight, Lucy (15 de Dezembro de 2021). «bell hooks, author and activist, dies aged 69». The Guardian. Consultado em 15 de Dezembro de 2021. Arquivado do original em 15 de dezembro de 2021 
  46. Potter, Leslie (31 de Janeiro de 2018). «Four Kentucky authors were inducted into the Kentucky Writers Hall of Fame». Kentucky Education Television 
  47. Ring, Trudy (15 de Dezembro de 2021). «Queer Black Feminist Writer bell hooks Dies at 69». The Advocate. Consultado em 15 de Dezembro de 2021. Arquivado do original em 15 de Dezembro de 2021 
  48. Goodman, Elyssa (12 de Março 2019). «How bell hooks Paved the Way for Intersectional Feminism». them. Consultado em 16 de Dezembro de 2021. Arquivado do original em 15 de Dezembro de 2021 
  49. Peake, Amber (16 de Dezembro de 2021). «'Queer-pas-gay' identity meaning explored as bell hooks dies aged 69». The Focus. Consultado em 29 de Dezembro de 2021 
  50. «bell hooks - Are You Still a Slave? Liberating the Black Female Body | Eugene Lang College». The New School. 7 de Maio de 2014. Consultado em 7 de Março de 2022 
  51. Peake, Amber (16 de Dezembro de 2021). «'Queer-pas-gay' identity meaning explored as bell hooks dies aged 69». TheFocus. Consultado em 7 de Março de 2022 
  52. Bereola, Abigail (13 de Dezembro de 2017). «Tough Love With bell hooks». Shondaland. Consultado em 7 de Março de 2022 
  53. Bernstein, Sharon (15 de dezembro de 2021). «Escritora e ativista norte-americana Bell Hooks morre aos 69 anos». Agência Brasil. Sacramento. Consultado em 7 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 18 de dezembro de 2021 
  54. «bell hooks, escritora e ativista, morre aos 69 anos». G1. 15 de dezembro de 2021. Consultado em 7 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 7 de fevereiro de 2022 
  55. «Morre bell hooks, pioneira do feminismo afro-americano». Deutsche Welle. 15 de dezembro de 2021. Consultado em 7 de fevereiro de 2022 
  56. Smith, Harrison (15 de dezembro de 2021). «Trailblazing Black feminist and social critic bell hooks dies at 69» [Feminista negra pioneira e crítica social bell hooks morre aos 69 anos]. The Washington Post (em inglês). ISSN 0190-8286. Consultado em 7 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 17 de dezembro de 2021 
  57. Guthmann, Edward (5 de Maio de 1995). «Riggs' Eloquent Last Plea for Tolerance». SFGATE. Hearst. Consultado em 15 de Dezembro de 2021. Arquivado do original em 7 de Março de 2016 
  58. McCluskey 2007, pp. 301–302.
  59. Kumar, ed. (2007). «hooks, bell 1952–». Something about the Author. 170. [S.l.]: Gale. pp. 112–116. ISBN 978-1-4144-1071-5. ISSN 0276-816X. OCLC 507358041 
  60. «FeMiNAtions: Despite the pleas and its promotional tone, My Feminism makes a valid point». The Globe and Mail. 23 de Maio de 1998. p. 18. ProQuest 1143520117 
  61. «Voices of Power: African-American Women. Series Title: I Am Woman». The Pennsylvania State University. Consultado em 15 de Dezembro de 2021. Arquivado do original em 16 de Dezembro de 2021 
  62. McCluskey 2007, p. 57.
  63. McCluskey 2007, p. 355.
  64. «Happy to Be Nappy and Other Stories of Me». Turner Classic Movies. Consultado em 15 de Dezembro de 2021. Arquivado do original em 10 de Abril de 2021 
  65. «Is Feminism Dead?». Films Media Group. Consultado em 15 de Dezembro de 2021. Arquivado do original em 16 de Dezembro de 2021 
  66. «Best Bets». The Daytona Beach News-Journal. 3 de Dezembro de 2010. p. E6. ProQuest 856086736 
  67. «Occupying your heart: Documentary looks at roots behind global activism movement». The Cairns Post. 10 de Abril de 2013. p. 31. ProQuest 1324698794 
  68. Crust, Kevin (3 de Outubro de 2018). «Review: Documentary 'Hillbilly' takes on media stereotypes of Appalachia». Los Angeles Times (em inglês). Consultado em 15 de Dezembro de 2021. Arquivado do original em 25 de Janeiro de 2021 
  69. «The American Book Awards / Before Columbus Foundation». American Booksellers Association. 2013. Consultado em 15 de Dezembro de 2021. Cópia arquivada em 13 de Março de 2013 – via Internet Archive 
  70. «10 Writers Win Grants». The New York Times. 22 de Dezembro de 1994. Consultado em 15 de Dezembro de 2021. Arquivado do original em 18 de Novembro de 2021 
  71. «Happy to Be Nappy». Alkebu-Lan Image. Consultado em 15 de Dezembro de 2021. Arquivado do original em 15 de Dezembro de 2021 
  72. «bell hooks». The Carnegie Center for Literacy and Learning. Consultado em 15 de dezembro de 2021. Arquivado do original em 15 de Dezembro de 2021 
  73. «Footlights». The New York Times (em inglês). 21 de Agosto de 2002. ISSN 0362-4331. Consultado em 15 de Dezembro de 2021. Arquivado do original em 5 de Março de 2020 
  74. a b Rappaport, Scott (25 de Abril de 2007). «May 10 bell hooks event postponed». UC Santa Cruz, Regents of the University of California. Consultado em 15 de Dezembro de 2021. Arquivado do original em 18 de Agosto de 2021 
  75. «Get to Know bell hooks». The bell hooks center (em inglês). Consultado em 15 de Dezembro de 2021. Arquivado do original em 15 de Dezembro de 2021 
  76. hampton, dream (5 de Março de 2020). «bell hooks: 100 Women of the Year». Time (em inglês). Consultado em 16 de Dezembro de 2021. Arquivado do original em 15 de Dezembro de 2021 

BibliografiaEditar

Ligações externasEditar

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre bell hooks:
  Categoria no Commons
  Base de dados no Wikidata