Belmiro Siqueira

BiografiaEditar

Belmiro Siqueira (Ubá, 22 de outubro de 1921Porto Velho, 28 de novembro de 1986) foi um administrador e professor brasileiro. Na infância, ao ajudar seus colegas e irmãos com as tarefas escolares, Belmiro descobriu o amor por lecionar e ajudar, caindo nas graças de seus professores. Ao longo de sua vida foi aperfeiçoando suas habilidades para lecionar e administrar, conquistando cargos públicos e atingindo posições de chefia nas instituições em que atuou.

Atuou na área federal; foi funcionário de carreira, aprovado sempre em primeiro lugar em seleções a que se submeteu, inicialmente como assistente administrativo e técnico de administração, denominação primeira do que é hoje o administrador. No DASP (Departamento Administrativo do Serviço Público) ocupou vários cargos, dentre eles o de diretor-geral de março de 1967 e abril de 1969.

Na área estadual foi assessor/consultor de vários governos, com destaque para o Rio de Janeiro, onde exerceu o cargo de diretor da Escola de Serviço Público do então Estado da Guanabara (1966).

Foi colunista de vários jornais, sempre escrevendo sobre assuntos ligados à sua área de atuação. Autor de vários trabalhos sobre administração, foi professor em várias faculdades.

No Conselho Federal de Administração (CFA) foi eleito Conselheiro Federal em 1977 e, assim que assumiu, foi levado pelos seus pares a vice-presidência, permanecendo até 1987, ano de seu falecimento. Nessa ocasião, assumiu o exercício, em 24 de abril de 1986, o cargo de presidente do CFA.

Belmiro Siqueira dá nome ao concurso nacional que anualmente é promovido pelo Sistema CFA/CRAs, o "Prêmio Belmiro Siqueira de Administração", e é o patrono dos administradores, instituído pelo Plenário do CFA em 1988, título esse que lhe foi outorgado post-mortem.

Ligações externasEditar