Abrir menu principal

Wikipédia β

Belmiro de Azevedo

foi um empresário e industrial português.
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção se refere ou tem relação com alguém que morreu recentemente.
A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (Editado pela última vez em 13 de dezembro de 2017.)
Twemoji 1f464.svg

Belmiro Mendes de Azevedo GCIH (Marco de Canaveses, Tuias, 17 de fevereiro de 1938Porto, 29 de novembro de 2017[2]) foi um empresário e industrial português.

Belmiro de Azevedo
Nome completo Belmiro Mendes de Azevedo
Nascimento 17 de fevereiro de 1938
Marco de Canaveses, Tuias
Morte 29 de novembro de 2017 (79 anos)
Porto
Nacionalidade português
Fortuna Aumento EUR 1,39 mil milhões (2017)[1]
Ocupação Grupo Sonae

Segundo a revista Forbes, surgia na 1121.ª posição na lista das personalidades mais ricas do mundo de 2016, com uma fortuna avaliada em 2,5 mil milhões de dólares.[3]

Ocupava o terceiro lugar na lista das pessoas mais ricas de Portugal.

Índice

BiografiaEditar

Era o mais velho dos oito filhos de Manuel de Azevedo, carpinteiro e agricultor, e de Adelina Ferreira Mendes, costureira.

Na instrução primária em Tuias, reprovou na primeira classe, segundo o próprio, por culpa de um professor incompetente. No entanto, graças ao professor ali colocado no ano seguinte, Carlos da Silva, recuperou o tempo perdido, chegando a fazer os quatro anos letivos em apenas três. Uma vez que não existia no concelho do Marco nenhuma escola de ensino secundário, mudou-se para o Porto por volta dos 11 anos, para poder prosseguir os estudos no Liceu Alexandre Herculano, no Porto. Nesta cidade, foi viver com o seu tio e padrinho, Belmiro Pinto da Mota, fiscal de obras, que, além do nome de batismo, lhe deu alojamento nos estaleiros de obras onde trabalhava[4].

Depois dos estudos secundários, seguiu para a Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Em 1959, porém, teve de interromper os estudos, ao ser chamado a cumprir o serviço militar obrigatório. Em 1964, completou a licenciatura em engenharia química. Durante a juventude, praticou andebol, no Centro Desportivo Universitário do Porto e no Futebol Clube do Porto.

Ainda estudante, entrou para a Efanor (Empresa Fabril do Norte), localizada na Senhora da Hora. Pouco depois, ingressa na Sonae (Sociedade Nacional de Estratificados), cujo controlo viria a assumir em 1974[5]. Durante anos, foi polémico o conflito judicial entre Belmiro de Azevedo e a família de Afonso Pinto de Magalhães, fundador da empresa.

Sob o seu comando, a Sonae estendeu a sua actividade a novas áreas como a dos hipermercados (Continente e Modelo), a das comunicações (jornal Público) e a das telecomunicações (Optimus). Posteriormente, o grupo procurou expandir-se internacionalmente e apostou no retalho especializado (Bonjour, Vobis, Worten, Sport Zone, etc.). A partir de 1985, a Sonae passou a ser cotada na Bolsa de Valores e Belmiro torna-se accionista maioritário do grupo.

Em 1975, nos Estados Unidos, obteve um diploma de especialização em Gestão de Empresas, na Universidade Harvard, e, uma década depois, em 1985, diplomou-se no Financial Management Program da Universidade Stanford.

Em paralelo com a actividade empresarial, criou, em 1991, a Fundação Belmiro de Azevedo[6], que desenvolve a política de mecenato da empresa, nas áreas da Educação, das Artes, da Cultura e da Solidariedade, em acções de parceria com indivíduos e entidades e contando com os colaboradores da empresa em acções de voluntariado. Em 2008, esta fundação abriu em Matosinhos o Colégio Efanor, no lugar das velhas instalações fabris onde Belmiro deu início à sua carreira profissional.

Era conhecido também pelo seu carácter empreendedor, pela sua ousadia e pela frugalidade que cultiva pessoalmente e que estendia à gestão e à cultura do Grupo.

Com a morte de António Champalimaud, Belmiro de Azevedo tornou-se, em 2006, no único português a figurar na famosa lista da revista Forbes, com um fortuna avaliada em 1,6 mil milhões de euros.[7]

Considerado durante alguns anos o cidadão mais rico de Portugal[7], foi Presidente do Conselho de Administração do grupo Sonae. Sua fortuna, que em 2007 era estimada em 3 mil milhões de euros, o que ainda lhe dava a liderança entre as fortunas do país, caiu mais de 50% em dois anos, passando para 1,4 mil milhões de euros em 2009.[8]

Foi adepto do Futebol Clube do Porto e sócio honorário do Futebol Clube Marco de Canaveses.

Foi agraciado com o grau de Comendador da Ordem do Mérito Civil de Espanha a 22 de março de 1999, com o grau de Comendador da Ordem Nacional do Cruzeiro do Sul do Brasil a 4 de maio/21 de setembro de 2000 e com a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique a 5 de janeiro de 2006.[9][10]

  • Engenharia Química FEUP;
  • Presidente da Sonae, SGPS, S.A.;
  • Membro do European Union Hong-Kong Business Cooperation Committee;
  • Membro do World Business Council for Sustainable Development;
  • Membro do European Advisory Board da London Business School;
  • Membro do Clube México-Europa 2000;
  • Membro do Senado da Universidade do Porto.

Vida pessoalEditar

Foi casado com Maria Margarida Carvalhais Teixeira, farmacêutica, de quem teve dois filhos e uma filha: Nuno Miguel Teixeira de Azevedo, Duarte Paulo Teixeira de Azevedo e Maria Cláudia Teixeira de Azevedo, encontrando-se os seus dois filhos mais novos em cargos de chefia do grupo Sonae.

Faleceu no dia 29 de novembro de 2017, no Hospital da CUF, no Porto, após breve internamento.[11]

Referências

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar