Abrir menu principal

Jorge Wilson Wanghon Coelho (Belterra, na época ainda distrito do município de Santarém, 28 de outubro de 1961), mais conhecido como Belterra, é um ex-futebolista brasileiro que atuava como zagueiro, sendo considerado um dos maiores de sua posição na história do futebol do Pará, sendo um dos seis jogadores campeões paraenses pelos três grandes do Estado. Belterra venceu, na ordem, por Tuna Luso, Remo e Paysandu, destacando-se sobretudo nos dois primeiros. Foram ao todo oito títulos acumulados pelo trio, sendo seis deles seguidos. Também defendeu as principais equipes santarenas.[1]

Belterra
Informações pessoais
Nome completo Jorge Wilson Wanghon Coelho
Data de nasc. 28 de outubro de 1961 (57 anos)
Local de nasc. Santarém (na atual Belterra), Brasil
Nacionalidade Brasileira
Altura 1,70 m
Informações profissionais
Posição zagueiro
Clubes de juventude
Náutico de Santarém
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos e gol(o)s
1979-1980
1981-1984
1985
1986-1990
1989
1990
1991-1997
1998-1999
1999
2000
2001
Flamengo de Santarém
São Francisco
Fluminense de Santarém
Tuna Luso
(emp.) Ceará
(emp.) Paysandu
Remo
Paysandu
Tuna Luso
Tiradentes
São Raimundo

Chegando a ser rotulado de "Figueroa do Tapajós",[2] Belterra era um zagueiro que conseguia impor segurança com lealdade nas jogadas,[1] dotado de velocidade alta para a posição.[2] Esteve no último título estadual da Tuna, em 1988; bem como em todo o pentacampeonato estadual do Remo, entre 1993 e 1997[1] permeado por uma invencibilidade de 33 partidas no mesmo período dos azulinos no clássico Re-Pa. O zagueiro só não esteve em uma dessas partidas, em 1993, e na última delas participou como jogador-treinador.[3][4][5][6][7] Era um zagueiro fixo na defesa; a única vez que marcou no clássico foi justamente um gol contra.[8]

Além dos títulos locais, Belterra, como remista, também sobressaiu-se como um dos protagonistas das melhores campanhas de um clube da Região Norte na Copa do Brasil e no Campeonato Brasileiro de Futebol, ambas encerradas na fase semifinal (respectivamente, em 1991 e em 1993), frente às equipes que terminariam campeãs.

Índice

OrigemEditar

Seu sobrenome Wanghon é localmente influente, sendo o ex-jogador parente de políticos de Santarém e região, incluindo o prefeito santareno do mandato 2012-2016, Alexandre "Von" Wanghon. São descendentes de uma das famílias de confederados que, após a derrota na Guerra de Secessão, emigraram dos Estados Unidos para a área.[9][10] Wanghon seria uma corruptela do sobrenome Vaughan,[11] grafia usada pelo narrador da emissora ESPN Rogério Vaughan, também santareno.[12] Posteriormente, o então distrito de Belterra e região receberiam mais imigração estadunidense, ainda estando preservadas moradias em arquitetura característica dos EUA, simbolizada na construção da Fordlândia, em investimentos do próprio Henry Ford.[13]

Início e Tuna LusoEditar

O primeiro clube de Belterra foi o Náutico de Santarém, ainda como juvenil.[2] Como adulto, foi o Flamengo de Santarém, onde esteve de 1979 a 1980. Em 1980, profissionalizou-se no São Francisco, uma das principais equipes da região. Pelo "Leão Azul de Santarém", foi tetracampeão municipal entre 1981 e 1984.[1] Eram tempos em que os clubes santarenos não disputavam o campeonato estadual.[14] [15][16][17]

Em 1985, Belterra foi novamente campeão santareno, dessa vez pelo Fluminense local,[2] o que fez sua fama de excelente zagueiro chegar à capital Belém. Foi contratado em 1986 pela Tuna Luso,[1] que no ano anterior havia se tornado o primeiro clube paraense campeão nacional, vencedora da segunda divisão brasileira de 1985.[18]

Belterra conseguiu desde logo a vaga de titularidade no campeão elenco tunante. Em março de 1986, os cruzmaltinos, vencendo por 3-2 o clássico com o Remo, por 1-0 o clássico com o Paysandu e segurando o 0-0 em final reencontrando o "Leão", faturaram o primeiro turno do estadual daquele ano. O zagueiro esteve nessas duas partidas contra o Remo, que desde 1979 não vencia o torneio. Adiante, o adversário venceria o segundo turno ao vencer por 1-0 o duelo. Houve em seguida um quadrangular final a envolver também Paysandu e Sport Belém. A despeito de haver nessa fase novo triunfo da Tuna sobre o "Papão", por 2-1, Belterra e colegas terminaram com o vice-campeonato após derrota de 3-1 no derradeiro compromisso, contra o campeão Remo, já em agosto.[19]

Adiante, a Tuna de agosto a outubro participou da primeira divisão brasileira de 1986, na última vez em que esteve na elite nacional. Belterra foi titular na modesta campanha, a 43ª de 48 clubes, com duas vitórias nas dez partidas realizadas na primeira fase, em que a "Águia do Souza" terminou eliminada no Grupo C - agrupada com Náutico, Bahia, Cruzeiro, Vasco da Gama e o finalista Guarani, dentre outros.[20]

Em 1987, o campeão estadual daquele ano foi o Paysandu, de forma invicta - mas em confrontos parelhos contra Belterra. Os clássicos com os alviazuis encerraram-se em vitórias do adversário por 2-1 no primeiro turno e 3-2 no segundo, além de empate em 0-0 no terceiro, em agosto.[21] Em outubro, os dois clubes se reencontraram no módulo branco do Brasileirão daquele ano, com vitória por 1-0 do clube de Belterra. As duas equipes continuaram a avançar e fizeram confronto eliminatório pela terceira fase, favorável ao adversário após um 2-2 no estádio do Remo e uma derrota de 1-0 no do Paysandu, que adiante seria vice-campeão.[22]

A revanche diante dos alviazuis viria em 1988, com os dois clubes disputando o título estadual daquele ano até 1992: em um torneio que em campo durou de março a novembro, os cruzmaltinos foram declarados campeões após vitória por W.O. no compromisso final contra o Paysandu, que contestou nas justiças desportiva e comum a decisão da federação paraense. Somente em 1992 o título tunante seria definitivamente homologado, em campanha de uma única derrota em 25 partidas.[23] Trata-se da última conquista estadual da Tuna,[24] que terminou por não participar do campeonato brasileiro de 1988.[25]

Em 1989, Belterra esteve no Ceará, obtendo o campeonato cearense daquele ano.[1] Sem ele, a Tuna não teve um bom ano, sem concorrer a sério pelo título estadual naquele ano,[26] e terminando na última colocação do Grupo C da segunda divisão brasileira. [27] [28]

Em 1990, a Tuna conseguiu vencer o clássico com o Remo por 1-0 no terceiro turno do estadual daquele ano, mas viu o certame ser decidido em finais entre a dupla Re-Pa, já em agosto.[29] Os cruzmaltinos voltaram a não participar do Brasileirão e emprestaram alguns atletas ao Paysandu no segundo semestre.[30] Dentre eles, Belterra e Ageu Sabiá, que chegou a fazer gol importante na classificação alviazul aos mata-matas da terceira divisão brasileira daquele ano.[31]

O "Papão" terminaria adiante promovido à segunda,[32] e como jogador do clube Belterra estreou no clássico Re-Pa. Em dezembro daquele ano, ocorreram dois clássicos amistosos pela "Taça Cândido Neiva". O zagueiro esteve em ambos, com cada um vencendo por 1-0.[33] Três meses depois, Belterra voltava a disputar o duelo, mas já como jogador do rival Remo, pela segunda divisão brasileira de 1991. [34]

RemoEditar

InícioEditar

A segunda divisão brasileira de 1991 foi realizada no primeiro semestre e terminou vencida pelo próprio rival Paysandu.[35] Na mesma época, o Remo, por sua vez, também se sobressaía nacionalmente: Belterra e colegas terminaram na quarta colocação geral da Copa do Brasil daquele ano, em campanha na qual chegaram a eliminar o Vasco da Gama em pleno estádio de São Januário em 21 de março, em 1-1 que classificou os visitantes.[36]

O "Leão" terminaria eliminado na semifinal pelo futuro campeão Criciúma. O confronto em Belém contra a equipe treinada por Luiz Felipe Scolari rendeu um público recorde na competição em jogos travados na Região Norte. A campanha semifinalista segue sendo a melhor de uma equipe dessa região no torneio.[37] E a Tuna Luso, sem Belterra, não avançou de fase na segunda divisão,[38] precisando disputar no ano seguinte a a terceira (onde seria campeã).[18]

O estadual de 1991 desenrolou-se no segundo semestre. O Remo jogou com alto nível em todo o certame, conquistando-o sem maiores dissabores e de forma invicta, no que representou um tricampeonato seguido dos azulinos no torneio.[39] Em seguida, o clube festejou em 1992 o acesso à primeira divisão, favorecido pela promoção de doze clubes em regulamento visto como que beneficente ao Grêmio.[40]

No segundo semestre de 1992, o time de Belterra deu mostras de que também faturaria um tetracampeonato estadual, vencendo o primeiro turno com direito a duas vitórias de 1-0 no Re-Pa. Porém, o rival Paysandu devolveu no segundo turno as duas vitórias de 1-0, faturando a fase, e obteria mais duas vitórias pelo mesmo placar nas duas finalíssimas, terminando como campeão paraense de 1992.[41] Naquele ano de 1992, o clássico foi realizado pela 600ª vez, contabilizando 207 vitórias remistas contra 194 do rival. A última vitória de 1-0 do Paysandu no estadual representou o 198º triunfo alviazul no duelo, perfazendo assim uma diferença de nove vitórias a menos.[42] Porém, a discrepância logo se elevaria enormemente; foi a vitória final de 1-0 do adversário foi sua última antes do célebre tabu de 33 jogos que permearia a rivalidade ao longo da década de 1990.[43]

Penta e tabuEditar

A invencibilidade remista começou, curiosamente, no que foi o 200º empate do Re-Pa, em 0-0 válido pelo "Torneio Pará-Ceará" em 31 de janeiro de 1993.[3] Na partida seguinte, pela mesma competição, o rival vencia por 1-0 até discordar da marcação de um pênalti ao Remo. As reclamações viraram agressões físicas ao juiz, que expulsou dois alviazuis. Em protesto, o restante do time deixou o campo e nos tribunais o time de Belterra foi declarado vencedor por 1-0. Os confrontos seguintes foram válidos já pelo estadual daquele ano. Dali até o fim do tabu, Belterra ausentou-se somente do primeiro clássico do segundo turno, vencido por 1-0.[3][4][5][6][7]

Em paralelo, o "Leão" terminou campeão paraense invicto em 1993.[44] Em sua volta à elite do Campeonato Brasileiro de Futebol, o clube reforçou-se com alguns jogadores emprestados pela Tuna Luso, dentre eles Ageu Sabiá e a revelação Giovanni, além de veteranos renomados nacionalmente, como o ex-vascaíno Mauricinho e o lateral reserva da seleção brasileira na Copa do Mundo FIFA de 1986, Edson Boaro, em um elenco que já contava com um veterano astro similar no ex-corintianos Biro-Biro.[40]

Em meio aos medalhões, Belterra foi um dos destaques de prestígio local na melhor campanha de um clube da Região Norte do Brasil na elite brasileira. O "Leão" conseguiu avançar da fase de grupos obtendo na última rodada a segunda vaga, disputada justamente com o rival Paysandu. Adiante, superou no mata-mata a Portuguesa de Dener em dois árduos confrontos (vitória de 5-2 após estar vencendo por 3-0 e derrota de 2-0) e assim classificou-se ao quadrangular-semifinal, liderado pelo futuro campeão Palmeiras. A boa campanha terminou manchada na época após derrota de 8-2 para o Guarani do jovem Djalminha, mas com o tempo o dissabor foi substituído pelo orgulho do oitavo lugar geral.[40]

No primeiro semestre de 1994, o tabu diante do rival ampliou-se primeiramente em nova edição do "Torneio Pará-Ceará", em vitórias por 1-0 e 4-3 com Ageu e Giovanni defendendo o Paysandu.[4][40] Adiante, o Remo perdeu apenas uma partida das 28 que realizou pelo estadual daquele ano, nenhuma para o maior rival - que venceu o segundo turno com um empate em 2-2 no Re-Pa. Na finalíssima, ocorreu primeiramente um empate em 1-1 seguido de triunfo remista por 2-0.[45] O título também serviu para o "Leão" se reigular ao arquirrival em número de títulos paraenses, com ambos acumulando 34 cada um.[46]

A boa campanha nacional anterior e os títulos e vitórias seguidas locais fizeram Belterra declarar confiança à Placar antes do Brasileirão de 1994: "dentro de casa, vamos jogar para ganhar. Fora, lutaremos por um empate (...). Somos respeitados no Campeonato Brasileiro. E devemos manter essa tradição. Não queremos disputar a repescagem e, quem sabe, chegaremos novamente entre os oito melhores do país".[47] Porém, a despeito de uma goleada de 5-1 fora de casa sobre o Cruzeiro, o "Leão" não passou do penúltimo lugar em seu grupo e na colocação geral, terminando rebaixado,[48] não voltando mais a disputar a elite desde então.[40]

Apesar do rebaixamento ao passo que o arquirrival manteve-se na elite,[48] o Remo recobrou domínio estadual em 1995, ganhando o campeonato paraense daquele ano com doze vitórias em quatorze jogos - incluindo os dois Re-Pas, ambos por 1-0 com gols do artilheiro Luís Müller.[49] Assim, o "Leão" também isolou-se como maior campeão do Pará.[46] Naquele ano, o tabu se manteve por mais dois jogos, pela "Taça Yamada", em empate em 0-0 e vitória de 1-0.[5]

O domínio no clássico foi reforçado no primeiro realizado em 1996, vencido por 4-0 já pelo estadual daquele ano,[6] novamente vencido por Belterra e o Remo.[50] Em uma das partidas, o Re-Pa teve apenas 39 minutos de duração: estava em 1-1 quando a inversão de uma falta revoltou os adversários. Belterra tentou segurar o treinador de goleiros do rival e foi levado ao chão, causando uma briga generalizada que terminou com abandono de campo por parte dos alviazuis. Nos tribunais, o resultado foi alterado para vitória remista por 1-0.[6] Foi a segunda vitória azulina por W.O. naquele tabu.[43]

Além dos triunfos locais, o Remo também fez boas campanhas nacionais. Na Copa do Brasil de 1996, esteve bastante próximo de eliminar o Corinthians, classificado no Mangueirão somente após um inesperado gol-contra nos instantes finais.[51] Na segunda divisão de 1996, o time foi eliminado nas quartas-de-final, após disputa de pênaltis com o Londrina.[31] A campanha prolongou o tabu no Re-Pa em dois jogos, com vitória por 3-2 e empate em 1-1,[6] nas quais em ambas o rival começara vencendo.[43]

Em 1997, o tabu ampliou-se primeiramente em triangular seletivo à Copa Norte daquele ano. O "Leão" venceu por 4-2 [7] e adiante chegou à final da competição, cujo título também fornecia vaga à Copa Conmebol de 1997. Porém, foi surpreendentemente derrotado em casa pelos acrianos do Rio Branco por 2-1,[52] resultado que rendeu a demissão do treinador azulino Fernando Oliveira. Seu cargo foi ocupado de forma improvisada em dupla por Belterra e o volante Agnaldo. Três dias depois, ocorreu o Re-Pa que decidiu o primeiro turno do estadual daquele ano. O rival vencia por 1-0 até os 35 minutos do segundo tempo. A dupla de jogadores-treinadores então promoveu a entrada de três atacantes reservas - Marcelo Papi, Zé Raimundo e Luís Carlos Apeú em complemento aos titulares Ageu Sabiá e Edil. A aposta em um quinteto ofensivo funcionou e o clube conseguiu virar a partida para 3-1, em clássico dos mais lembrados da rivalidade - também por ser o último do tabu de 33 jogos.[43]

Ainda pelo estadual de 1997, o Paysandu derrubou o tabu, vencendo o clássico regular do segundo turno.[7] Porém, não conseguiu impedir nova derrota posterior (de 1-0) no clássico pela última rodada do pentagonal decisivo daquele turno, que valeu o pentacampeonato ao Remo, sequência então inédita no profissionalismo paraense.[53] Na segunda divisão brasileira de 1997, porém, o clube lutou contra o rebaixamento, salvando-se por dois pontos em seu grupo enquanto os rivais Paysandu e Tuna Luso puderam avançar aos mata-matas.[54]

Paysandu e final da carreiraEditar

Na pré-temporada remista de 1998 no município de Castanhal, Belterra, irritado com atrasos salariais, rescindiu contrato com o Remo, já ameaçando negociar com o rival Paysandu.[55] A negociação terminou concretizada, em contexto no qual os dirigentes alviazuis uniram-se para superar anos de descrédito esportivo e financeiro, em presidência marcada por cada membro da diretoria se responsabilizar pelo salário de um jogador. As novas práticas estimularam uma campanha campeã invicta em 1998, com direito a vitória de virada por 3-1 no Re-Pa na final. Belterra foi titular na campanha,[56] conseguindo ainda antes do estadual vencer também clássico válido pelo seletivo à Copa Norte daquele ano. Foi a 200ª vitória alviazul sobre o Remo.[57]

O título pelo Paysandu foi o sexto seguido do zagueiro no campeonato paraense e o oitavo no total. Além disso, Belterra ali entrou para o pequeno grupo de jogadores campeões pelos três principais clubes do Pará, junto de Abel (entre 1960 e 1970), Marinho, Mesquita (ambos entre 1970 e meados da década de 1980) e Juranir (segunda metade da década de 1980), depois acompanhados em 2000 por Dema (colega de Belterra na Tuna Luso em 1988 e no Remo ao longo da década de 1990).[1][58] Belterra também foi pela sexta vez seguida eleito o melhor zagueiro do campeonato.[2]

Em 1999, Belterra seguiu no Paysandu no primeiro semestre, jogando todos os Re-Pas do estadual daquele ano. Inicialmente, o "Papão" deu a impressão de que obteria o bicampeonato seguido, vencendo o primeiro turno após seguir invicto em quatro clássicos nessa fase: vitória de 3-1, empate em 0-0 e vitórias de 2-0 e 2-1. O clube acumulava 40 jogos de invencibilidade pela competição até ser derrotado exatamente pelo rival já no segundo turno, por 1-0. Na partida seguinte, o Remo derrotou o São Raimundo e obteve o segundo turno, forçando uma série melhor-de-três. Na primeira delas, o rival venceu de virada por 2-1 com Belterra marcando gol contra, o último ponto da partida.[59]

O gol contra foi justamente o único gol assinalado pelo zagueiro na história dos Re-Pas.[8] Ele e o Paysandu reverteram na segunda partida, em que a vitória de virada por 2-1 foi alviazul. Mas na terceira o Remo venceu por 1-0 e terminou campeão.[59]

O zagueiro seguiu carreira no segundo semestre regressando à Tuna Luso para a disputa da segunda divisão brasileira, em que os cruzmaltinos foram reforçados também com Edil Highlander e Zé Augusto, dentre outros. Apesar dos nomes afamados, os tunantes fizeram péssima campanha e ao fim terminaram rebaixados em goleada de 5-1 para o Goiás na última rodada.[60]

Em 2000, Belterra disputou o estadual daquele ano pelo Tiradentes. O pequeno "Tigre da PM" terminou tendo duelas marcantes com a dupla principal. Com Belterra em campo, conseguiu empatar em 2-2 na Curuzu contra o campeão Paysandu e venceu o Remo por 3-1, partida que tumultuaria o campeonato: o resultado rebaixaria o "Leão" em pleno estadual. Os azulinos, contudo, contestaram a regularidade da escalação do adversário Leandrinho, autor de um dos gols. Em grau de recurso, conseguiram por 5 votos a 4 recuperar os pontos perdidos. Ao fim, a Federação Paraense de Futebol optou por ampliar o triangular final para um pentagonal e cancelar os rebaixamentos.[61][62]

Em 2001, Belterra voltou a Santarém para defender o São Raimundo. A "Pantera" não fez uma boa campanha, chegando a ser goleada por 6-0 pelo campeão Paysandu em pleno Estádio Colosso do Tapajós, mesmo com Belterra em campo.[63] Os alvinegros somaram apenas oito pontos em nove jogos, terminando em penúltimo.[2] O zagueiro decidiu parar de jogar ao fim da temporada.[1]

Após pararEditar

Belterra optou por afastar do futebol, algo que já vinha premeditando: "foi uma decisão que eu havia tomado mesmo antes de encerrar a carreira de jogador. Nunca foi um objetivo meu ser treinador, que é um trabalho ainda mais desgastante que o de jogador. Também nunca quis ser empresário de jogadores ou dirigente de clube. Na verdade, o que eu sempre quis era poder voltar para Santarém e ter mais tempo para dedicar a minha família. E, graças a Deus, foi o que eu fiz. Hoje em dia, o mais próximo que chego do futebol é dirigir uma escolhinha".[2]

Em 2008, candidatou-se nas eleições municipais daquele ano ao cargo de vereador do município de Belterra, onde residia, através do PMDB.[64]

Em 2016, foi um dos condutores da chama olímpica das Olimpíadas do Rio de Janeiro no desfile dela por Santarém. [65]

TítulosEditar

São FranciscoEditar

  • Campeonato Santareno: 1981, 1982, 1983 e 1984

Fluminense de SantarémEditar

  • Campeonato Santareno: 1985

Tuna LusoEditar

CearáEditar

RemoEditar

PaysanduEditar

Referências

  1. a b c d e f g h DA COSTA, Ferreira (2013). Belterra - Zagueiro jogou o fino da bola. Gigantes do futebol paraense. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, pp. 53-54
  2. a b c d e f g COIMBRA, Sales (14 de março de 2010). «Um "figueroa" do Tapajós». ORM. Consultado em 10 de maio de 2018 
  3. a b c DA COSTA, Ferreira (2015). 1993. Remo x Paysandu - Uma "Guerra" Centenária. Belém: Valmik Câmara, pp. 169-171
  4. a b c DA COSTA, Ferreira (2015). 1994. Remo x Paysandu - Uma "Guerra" Centenária. Belém: Valmik Câmara, pp. 172-174
  5. a b c DA COSTA, Ferreira (2015). 1995. Remo x Paysandu - Uma "Guerra" Centenária. Belém: Valmik Câmara, pp. 174-176
  6. a b c d e DA COSTA, Ferreira (2015). 1996. Remo x Paysandu - Uma "Guerra" Centenária. Belém: Valmik Câmara, pp. 176-178
  7. a b c d DA COSTA, Ferreira (2015). 1997. Remo x Paysandu - Uma "Guerra" Centenária. Belém: Valmik Câmara, pp. 178-180
  8. a b DA COSTA, Ferreira (2015). Fatos e Personagens do Re-Pa. Remo x Paysandu - Uma "Guerra" Centenária. Belém: Valmik Câmara, pp. 216-220
  9. FONSECA, Eduardo (18 de junho de 2015). «O BECO DO FUXICO VENCEU A COHAB». O Impacto. Consultado em 10 de maio de 2018 
  10. NINOS, Jota (27 de agosto de 2015). «O confederado predador». Gazeta de Santarém. Consultado em 10 de maio de 2018 
  11. CARNEIRO, Jeso (23 de janeiro de 2014). «Museu dos Confederados na área da Buriti». Jeso Carneiro. Consultado em 10 de maio de 2018 
  12. ALVES, Augusto (28 de novembro de 2014). «Santareno é homenageado por Cristiano Ronaldo jogador do Real Madrid.». Augusto Alves. Consultado em 10 de maio de 2018 
  13. «Antigo palco do Ciclo da Borracha, Belterra completa 80 anos». G1 Santarém. 4 de maio de 2014. Consultado em 10 de maio de 2018 
  14. DA COSTA, Ferreira (2013). 1981 - Paysandu traz de novo Chico Spina e ganha o bicampeonato. Parazão Centenário. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, pp. 224-228
  15. DA COSTA, Ferreira (2013). 1982 - Paysandu tira Mesquita do Remo, que comanda a conquista do Tricampeão. Parazão Centenário. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, pp. 214-218
  16. DA COSTA, Ferreira (2013). 1983 - Tuna volta a reinar no futebol paraense, após 13 anos. Parazão Centenário. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, pp. 214-218
  17. DA COSTA, Ferreira (2013). 1984 - Paysandu importa reforços de qualidade e levanta a taça. Parazão Centenário. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, pp. 224-228
  18. a b ALMEIDA, Taion (18 de junho de 2017). «Tuna Luso: 25 anos de um dos principais títulos». Diário Online. Consultado em 10 de maio de 2018 
  19. DA COSTA, Ferreira (2013). 1986 - Remo põe fim a jejum de 6 anos e comemora o título de campeão. Parazão Centenário. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, pp. 233-236
  20. DA COSTA, Ferreira (2013). 1986 - Primeira Divisão - Copa do Brasil. Memorial Cruzmaltino. Belém: ArtGráfica, pp. 162-164
  21. DA COSTA, Ferreira (2013). 1987 - Paysandu traz Givanildo Oliveira e levanta o título invicto. Parazão Centenário. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, pp. 237-240
  22. DA COSTA, Ferreira (2013). 1987 - Segunda Divisão - Módulo Branco. Memorial Cruzmaltino. Belém: ArtGráfica, pp. 165-167
  23. DA COSTA, Ferreira (2013). 1988 - Após uma longa briga na Justiça, Tuna é confirmada Campeã. Parazão Centenário. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, pp. 241-245
  24. DA COSTA, Ferreira (2013). 1988 - Somente uma derrota na conquista do décimo título da Tuna Luso. Memorial Cruzmaltino. Belém: ArtGráfica, pp. 114-121
  25. DA COSTA, Ferreira (2013). 1988 - Não tomou parte. Memorial Cruzmaltino. Belém: ArtGráfica, p. 168
  26. DA COSTA, Ferreira (2013). 1989 - Remo inicia trajetória que o levaria a mais um tricampeonato. Parazão Centenário. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, pp. 241-245
  27. DA COSTA, Ferreira (2013). 1988 - Somente uma derrota na conquista do décimo título da Tuna Luso. Memorial Cruzmaltino. Belém: ArtGráfica, pp. 114-121
  28. DA COSTA, Ferreira (2013). 1989 - Segunda Divisão. Memorial Cruzmaltino. Belém: ArtGráfica, pp. 168-170
  29. DA COSTA, Ferreira (2013). 1990 - Remo coloca a faixa de bicampeão, sob a batuta de Paulinho de Almeida. Parazão Centenário. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, pp. 251-255
  30. DA COSTA, Ferreira (2013). 1990 - Não tomou parte. Memorial Cruzmaltino. Belém: ArtGráfica, p. 171
  31. a b DA COSTA, Ferreira (2013). Ageu - Com 37 gols, é recordista do Pará em certames nacionais. Gigantes do futebol paraense. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, p. 122-123
  32. ARRUDA, Marcelo Leme; DIOGO, Julio Bovi; PONTES, Ricardo (12 de outubro de 2010). «Brazil 3rd Level 1990 - Terceira Divisão». RSSSF Brasil. Consultado em 10 de maio de 2018 
  33. DA COSTA, Ferreira (2015). 1990. Remo x Paysandu - Uma "Guerra" Centenária. Belém: Valmik Câmara, pp. 160-164
  34. DA COSTA, Ferreira (2015). 1991. Remo x Paysandu - Uma "Guerra" Centenária. Belém: Valmik Câmara, pp. 164-166
  35. DA COSTA, Ferreira (2002). 1991 - Segunda Divisão - Campeão Brasileiro de Futebol. Papão - O Rei do Norte. Belém: Valmik Câmara, pp. 113-119
  36. CABRAL, Carlos (21 de março de 2018). «Jogos Marcantes! Em 21 de Março de 1991, Remo elimina o Vasco (RJ), pela Copa do Brasil!». Revista Jogos Marcantes. Consultado em 11 de maio de 2018 
  37. FELLIP, Carlos (12 de maio de 2015). «Há 24 anos, Remo quebrava recorde nortista na Copa do Brasil». ORM News. Consultado em 11 de maio de 2018 
  38. DA COSTA, Ferreira (2013). 1991 - Segunda Divisão. Memorial Cruzmaltino. Belém: ArtGráfica, pp. 171-174
  39. DA COSTA, Ferreira (2013). 1991 - Remo traz o técnico Waldemar Carabina, que comanda a conquista do Tricampeonato. Parazão Centenário. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, pp. 256-260
  40. a b c d e BRANDÃO, Caio (22 de setembro de 2017). «Como uma derrota por oito gols, indiretamente, levou Giovanni ao Santos». Trivela. Consultado em 10 de maio de 2018 
  41. DA COSTA, Ferreira (2013). 1992 - Com 4 vitórias de 1 a 0 sobre o Remo, Papão assegurou a faixa de campeão. Parazão Centenário. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, pp. 261-266
  42. DA COSTA, Ferreira (2015). 1992. Remo x Paysandu - Uma "Guerra" Centenária. Belém: Valmik Câmara, pp. 166-168
  43. a b c d «Há 25 anos, nascia o famoso tabu azulino em cima do rival». Diário Online. 31 de janeiro de 2018. Consultado em 11 de maio de 2018 
  44. DA COSTA, Ferreira (2013). 1993 - Remo contrata Cacaio, artilheiro, e se torna campeão invicto. Parazão Centenário. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, pp. 261-266
  45. DA COSTA, Ferreira (2013). 1994 - Remo investe alto, forma um grande time e se sagra bicampeão. Parazão Centenário. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, pp. 271-275
  46. a b DIOGO, Julio Bovi (8 de maio de 2016). «Pará State League - List of Champions». RSSSF Brasil. Consultado em 20 de julho de 2017 
  47. "Temos moral no campeonato" (setembro de 1994). Placar n. 1096. São Paulo: Editora Abril, p. 69
  48. a b PONTES, Ricardo; ARRUDA, Marcelo Leme de (8 de dezembro de 2000). «Brazil 1994 Championship». RSSSF Brasil. Consultado em 12 de maio de 2018 
  49. DA COSTA, Ferreira (2013). 1995 - Remo traz Luis Muller que desequilibra e conquista o tricampeonato paraense. Parazão Centenário. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, pp. 276-278
  50. DA COSTA, Ferreira (2013). 1996 - Remo consegue trazer Waldemar Carabina e levanta o Tetracampeonato. Parazão Centenário. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, pp. 279 - 283
  51. BECKMAN, Diego (9 de abril de 2014). «Há 18 anos, gol contra eliminava Remo de torneio». Diário Online. Consultado em 12 de maio de 2018 
  52. PONTES, Ricardo (10 de fevereiro de 2000). «Brazil - Copa Norte 1997». RSSSF. Consultado em 10 de maio de 2018 
  53. DA COSTA, Ferreira (2013). 1997 - Remo levanta o segundo Pentacampeonato de sua história. Parazão Centenário. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, pp. 284-288
  54. ARRUDA, Marcelo Leme de; GONZALEZ, Miguel Alvim; DIOGO, Julio Bovi (26 de dezembro de 2008). «Brazil 1997 Championship - Second Level (Série B)». RSSSF. Consultado em 10 de maio de 2018 
  55. Belterra e Edil deixam o Remo (12 de janeiro de 1998). O Liberal, p. 1
  56. DA COSTA, Ferreira (2013). 1998 - Ricardo Rezende comanda a recuperação do Paysandu, campeão invicto. Parazão Centenário. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, pp. 289-292
  57. DA COSTA, Ferreira (2015). 1996. Remo x Paysandu - Uma "Guerra" Centenária. Belém: Valmik Câmara, pp. 180-181
  58. «Nove verdades e uma mentira do futebol paraense». Diário Online. 20 de abril de 2017. Consultado em 10 de maio de 2018 
  59. a b DA COSTA, Ferreira (2013). 1999 - Uma luta titânica, mas, no final, Ailton anotou o gol do título do Remo. Parazão Centenário. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, pp. 293-297
  60. DA COSTA, Ferreira (2013). 1999 - Segunda Divisão. Memorial Cruzmaltino. Belém: ArtGráfica, pp. 209-214
  61. DA COSTA, Ferreira (2013). 2000 - Paysandu torna-se o último clube campeão do século XX. Parazão Centenário. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, pp. 298-304
  62. FERREIRA, Carlos (10 de junho de 2014). «Felizmente, o futebol venceu as mazelas de bastidores». ORM. Consultado em 10 de maio de 2018 
  63. DA COSTA, Ferreira (2013). 2001 - Paysandu manteve Givanildo Oliveira e assegurou o bicampeonato. Parazão Centenário. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, pp. 305-308
  64. «Belterra». UOL. Consultado em 10 de maio de 2018 
  65. VIEIRA, Silvia (17 de junho de 2016). «Conheça a história de quem vai conduzir a tocha olímpica em Santarém». O Estado. Consultado em 10 de maio de 2018