Benito di Paula

Benito di Paula
Benito, em 2016
Informação geral
Nome completo Uday Vellozzo
Nascimento 28 de novembro de 1941 (78 anos)
Origem Nova Friburgo, RJ  Brasil
Gênero(s) Samba[nota 1]
Samba-joia[nota 2]
Instrumento(s) Voz
Piano
Período em atividade 1968presente
Página oficial Página oficial

Uday Vellozzo (Nova Friburgo, 28 de novembro de 1941), mais conhecido por seu nome artístico Benito di Paula, é um cantor, compositor, pianista e escritor brasileiro.[1]

BiografiaEditar

InfânciaEditar

Nascido em Nova Friburgo em 1941, Uday Vellozzo era filho de José Vellozzo e Maria que também tiveram outros 13 filhos. Era uma família humilde. Seu pai descendia de Ciganos e sabia tocar de maneira amadora diversos instrumentos de corda, tinha um Bloco, com o nome de "Quem é bom não se mistura", e um Regional. Vendo ele tocar Uday aprendeu a tocar também alguns instrumentos[2].

Carreira como músicoEditar

Uday Vellozzo obteve fama nacional como Benito di Paula, tendo tornado-se um dos grandes nomes da canção brasileiro dos anos 70.[3][4][1] Foi crooner de boates do Rio de Janeiro, e depois continuou tocando na noite paulistana, ela era muito jovem ainda.[3] Iniciou carreira pela gravadora Copacabana no início dos anos 70.[3] O seu estilo musical é conhecido como "samba-jóia", ao combinar o samba tradicional com piano e arranjos românticos e jazzisticos[3][4]. Porém este Samba-jóia não agradou Benito, que nunca deixou de citar isto como um termo pejorativo, já que o mesmo se identifica como sendo do gênero Samba. Em 1977 lançou uma música no seu disco "Benito di Paula" intitulada de "Osso duro de Roer" onde dizia que não iria mudar o seu estilo único de fazer Samba. O seu primeiro disco "Benito Di Paula" de 1971 foi censurado por trazer a música "Apesar de Você" de Chico Buarque.[3][4][1]

O seu segundo LP "Ela" também não trouxe grande êxito. Mas estourou nas paradas de sucesso com o terceiro "Um Novo Samba", em cuja capa já aparecia com sua longa barba e cabelos além de correntes, brincos, pulseiras etc.. O grande sucesso desse disco foi a música "Retalhos de Cetim".[3][4][1]

Teve inúmeros sucessos ao longo de sua carreira como "Retalhos de Cetim", "Charlie Brown", "Vai Ficar Na Saudade", "Se Não For Amor", "Amigo do Sol, Amigo da Lua", "Mulher Brasileira" e "Ah! Como Eu Amei". Benito era um amigo de Luiz Gonzaga, desde que se encontraram pela primeira vez no banheiro em uma Caravana de artistas em Brasília planejada por Silvio Santos, chegaram a trocar músicas sobre cada, Benito com sua canção "Sanfona Branca" do disco "Benito di Paula" 1975 e Luiz Gonzaga com "Chapéu de Couro e Gratidão" do seu disco "Chá Cutuba". Luiz Gonzaga até o chamava de "meu filho postiço"[5]. Chegou nos anos 70 a disputar a venda de LPs juntamente com Roberto Carlos, tendo composto muitas músicas para este.[3][4]

Possui mais de 35 discos gravados, tendo parte importante de sua obra relançada em CD devido ao seu tão grande êxito. Chegou a fazer sucesso em nível internacional como no México, Japão, Estados Unidos e sobretudo na América Latina.[3][4][1]

Após 10 anos sem gravar, Benito lançou em 2009 pela EMI Music seu segundo CD e primeiro DVD ao vivo gravado no Vivo Rio e que traz seus maiores sucessos, como "Retalhos de Cetim", "Sanfona Branca" e "Charlie Brown".[3][4][1]

Em outras mídiasEditar

Benito comandou o programa "Benito di Paula e seus convidados - Brasil Som 75" na TV Tupi em 1975. No programa passaram artistas como Wando, Bebeto e Elizeth Cardoso. Também foi apresentador de um programa no SBT com o nome de "O Som do Brasil" nos anos 80.

 
O Som do Brasil, Trecho de Imagem

No meio literárioEditar

Teve parte de sua trajetória contada no livro "Eu Não Sou Cachorro Não" do historiador, jornalista e escritor Paulo Cesar de Araújo.[3][4]

No segundo semestre de 1997, iniciou-se[6] como um escritor ao publicar o livro de contos "Cantos e Contos do Benito di Paula".

DiscografiaEditar

  • 1971Benito di Paula (Copacabana)
  • 1972Ela (Copacabana)
  • 1973Um Novo Samba (Copacabana)
  • 1974Gravado ao Vivo (Copacabana)
  • 1975Benito di Paula e Seus Convidados - Brasil Som 75 (Copacabana)
  • 1975 – Benito di Paula (Copacabana)
  • 1976Benito di Paula (Copacabana)
  • 1977Benito di Paula / Assobiar ou Chupar Cana (Copacabana)
  • 1978Benito di Paula (Copacabana)
  • 1978 – Caprichos de La Vida Copacabana)
  • 1979Benito di Paula (Copacabana)
  • 1980Benito di Paula (Copacabana)
  • 1981Benito di Paula (WEA)
  • 1982Benito di Paula (WEA)
  • 1983Bom Mesmo É o Brasil (WEA)
  • 1984Que Brote Enfim o Rouxinol que Existe em Mim (RGE)
  • 1985Nação (RGE)
  • 1986Benito di Paula / Instrumental
  • 1987Quando a Festa Acabar (Copacabana)
  • 1990Fazendo Paixão (BMG Ariola)
  • 1992A Vida Me Faz Viver (Copacabana)
  • 1994Pode Acreditar (RGE)
  • 1996Baileiro (Paradoxx Music)
  • 1999Raízes do Samba
  • 2009Ao Vivo (CD e DVD, EMI Music)
  • 2016 - Essa Felicidade É Nossa (RYB8 Music)

ColetâneasEditar

Ligações externasEditar

Referências

Notas

  1. Gênero o qual Benito se identifica.
  2. Termo que Benito considera pejorativo.