Abrir menu principal


(Grafschaft) Herzogtum Berg (de)
(Graafschap) Hertogdom Berg (nl)

(Condado) Ducado de Berg

Estado do Sacro Império (até 1806)
Estado da Confederação do Reno (1806-13)
sob administração Prussiana (1813-15)

Lothair II of Lotharingia.jpg
1101 – 1815 Flag of the Kingdom of Prussia (1803-1892).svg

Brasão de Berg

Brasão

Localização de Berg
Mapa do Círculo do Reno Inferior-Vestfália, por volta de 1560, com o Ducado de Berg em destaque (a vermelho)
Continente Europa
País Alemanha
Capital Castelo de Burg (1101-1280)
Düsseldorf (1280-1815)
Língua oficial alemão
Governo Monarquia absoluta
Período histórico Idade Média
 • 1101 Surgimento da Lotaríngia
 • 1160 Divisão com o Condado de Mark
 • 1368 Unido com o Condado de Cleves
 • 1521 Unido com Jülich e Cleves
 • 1609 e 1690 Unido com o Palatinado-Neuburgo e Eleitorado do Palatinato
 • 9 de junho de 1815 Dissolução

O Ducado de Berg (em alemão: Herzogtum Berg) foi um estado histórico – originalmente um condado, posteriormente um ducado, na região alemã da Renânia. Sua capital era Dusseldórfia (Düsseldorf). Ele existiu do início do século XII até ao século XIX.

Índice

HistóriaEditar

OrigensEditar

Os Condes de Berg emergiram em 1101 como um ramo cadete da dinastia de Ezzonen, que consegue traçar as suas origens até ao século IX, durante o Reino da Lotaríngia, tornando-se no século XI, na mais poderosa dinastia na região do Baixo Reno.

Em 1160, o território subdivide-se em duas partes, uma das quais veio-se a tornar o Condado de Mark, que, no Século XVI, regressaria à posse desta linhagem. Em 1280 os condes mudaram a sua corte do Castelo de Burg (Schloss Burg), nas margens do rio Wupper, para a cidade de Düsseldorf. O mais poderoso dos governantes inciais de Berg, Engelberto II de Berg, morreu assassinado em 7 de novembro de 1225.[1][2] O conde Adolfo VIII de Berg lutou pelo lado vitorioso na Batalha de Worringen contra o Ducado de Gueldres, em 1288.

O poder de Berg cresceu no século XIV. O Condado de Jülich unido ao Condado de Berg em 1348,[3] e, em 1380, o imperador Venceslau elevou os condes de Berg à dignidade de duques, o que originou o Ducado de Jülich-Berg.

Problemas sucessóriosEditar

Em 1509, João III, Duque de Cleves,fez um casamento estratégico com Maria de Jülich-Berg, filha de Guilherme IV de Jülich-Berg, que se tornou herdeira do património do pai: os Ducados de Jülich e de Berg e o Condado de Ravensberg.

De acordo com a Lei Sálica vigente no Sacro Império Romano-Germânico implicavam que o património passasse para o marido da herdeira masculina.[4]

Com a morte do pai em 1521, os duques de Jülich-Berg extinguiram-se, e os seus bens passaram para o governo do Duque de Cleves, João III, juntando-se ao património que este já detinha, isto é, o Condado de Mark e o Ducado de Cleves. Como resultado, surgiu uma nova entidade, os Ducados Unidos de Jülich-Cleves-Berg, que controlava um território que correspondia, grosso-modo ao atual estado da Renânia do Norte-Vestfália, se excetuarmos os estados eclesiásticos do Eleitorado de Colónia e do Bispado de Münster.

Contudo, a nova dinastia ducal também se extingui em 1609, ano em que o último duque morreu louco. Esta situação originou uma longa disputa sob a sucessão até que, em 1614, foi decidida a partilha dos territórios: o Duque Palatino de Neuburgo, que se convertera ao Catolicismo, recebeu Jülich e Berg; João Segismundo, Eleitor de Brandemburgo, que também se veio a tornar Duque da Prússia, recebeu Ckeves e Mark. Com a extinção da linha dinástica dos Eleitores Palatinos em 1685, a linha do Palatinado-Neuburgo acabou por herdar a dignidade de Príncipe Eleitor fazendo de Düsseldorf a sua capital até que os eleitores palatinos herdaram o Eleitorado da Baviera, em 1777.

A revolução francesa e o Grão-Ducado de BergEditar

 Ver artigo principal: Grão-Ducado de Berg
 
O palácio ducal de Düsseldorf, 1798 cobre gravado por Laurenz Janscha. O palácio foi destruído por um incêndio em 1872.

As guerras napoleónicas, originaram a ocupação francesa (1794–1801) e a anexação, em 1801, de Jülich (em francês: Juliers), separando os dois ducados de Jülich e de Berg. Em 1803 Berg separou-se dos outros territórios bávaras, ficando na posse de um ramo cadete dos Wittelsbach.

Em 1806, com a reorganização das terras alemãs, na sequência da extinção do Sacro Império Romano-Germânico, Berg tornou-se no Grão-Ducado de Berg, sob o governo do cunhado de Napoleão, Joaquim Murat.[5]

Em 1809, um ano após a promoção de Murat de Grão-Duque de Berg a Rei de Nápoles, o sobrinho mais novo de Napoleão, o Príncipe Napoleão Luís Bonaparte (1804–1831, filho mais velho do irmão de Napoleão, Luís Bonaparte, Rei da Holanda) tornou-se Grão-Duque de Berg; o territorio foi administrado por burocratas franceses em nome da criança. A curta existência do Grão-Ducado chegou ao seu fim com a derrota de Napoleão em 1813 e os acordos de paz que se seguiram.

Província de Jülich-Cleves-BergEditar

Em 1815, após o Congresso de Viena, Berg foi integrado numa província do Reino da Prússia: a Província de Jülich-Cleves-Berg. Em 1822 esta província uniu-se ao Grão-Ducado do Baixo Reno para formar a Província do Reno.

Armorial de BergEditar

O Brasão de armas de Berg representa um leão vermelho de cauda dupla com coroa, lingua e garras azuis. Este leão teve origem nas armas do Limburgo uma vez que o título de Berg acabou pr seu herdado pelos duques de Limburgo no século XIII.

Descrição heráldica: de Argento, um leão rampante de gules, com cauda bifurcada e cruzada em sautor, coroado, armado e lampassado de azure.

O Brasão de Armas de Murat combinava o leão vermelho de Berg com as armas do ducado de Cleves. A Ancôra e o bastão representam os cargos de Grande Almirante e de Marechal do Império respetivamente, detidos por Murat. Como marido de Carolina Bonaparte, irmã do imperador, ele tinha ainda o direito a usar a águia imperial.

Em 1809, quando o Grão-Ducado passou para o príncipe Napoleão Luís, o brasão foi simplificado pela exclusão da âncora (de Almirante) e dos bastões (de Marechal).

ReferênciasEditar

  1. Pixton, Paul B. (1995). The German episcopacy and the implementation of the decrees of the Fourth Lateran Council : 1216–1245 : watchmen on the tower. Leiden u.a.: Brill. 210 páginas. ISBN 978-9004102620 
  2. Butler, Alban; Burns, Paul (2000). Butler's Lives of the Saints. New full ed. Collegeville (Minn.): Liturgical Press. 56 páginas. ISBN 978-0814623879 
  3. Knight, Charles (2012). The English Cyclopaedia: Geography. [S.l.]: Lightning Source UK Ltd. 1030 páginas. ISBN 978-1277123517 
  4. as mulheres não podiam deter propriedades exceto através do marido ou dum guardião
  5. Encyclopædia Britannica: or, A dictionary of arts, sciences, and miscellaneous literature, enlarged and improved, Volume 3. [S.l.]: Google e-books. 570 páginas 
  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em inglês, cujo título é «Duchy of Berg».

BibliografiaEditar


  Este artigo sobre história da Alemanha é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Ducado de Berg