Abrir menu principal

Bermudo Soares de Ribadouro

Senhor de Fontelo, Vila Cova e Caria
Bermudo Soares de Ribadouro
Rico-homem/Senhor
Senhor de Fontelo e Vila Cova
Reinado 1189-1191
Predecessor Soeiro Viegas
Sucessor Lourenço Soares
Tenente régio
Reinado
Dinastia Ribadouro
Morte 24 de junho de 1191
  Ervas Tenras, Pinhel, Guarda, Portugal
Enterro Mosteiro de Salzedas, Tarouca, Viseu, Portugal
Pai Soeiro Viegas de Ribadouro
Mãe Sancha Bermudes de Trava
Religião Catolicismo romano

Bermudo Soares de Ribadouro (ou Vermudo Soares) (m. Ervas Tenras, 24 de junho de 1191), foi um fidalgo, rico-homem e cavaleiro medieval português, e senhor de várias honras. É conhecido sobretudo pelo governo da tenência familiar de Lamego, "herdada" do pai[1].

BiografiaEditar

Bermudo Soares era o filho primogénito do magnate Soeiro Viegas de Ribadouro, filho mais novo de Egas Moniz, o Aio, e da sua sua esposa Sancha Bermudes de Trava, sobrinha do primeiro rei de Portugal, Afonso Henriques. Estava, portanto, estreitamente aparentado à família real portuguesa.

Em 1187 surge como rico-homem e tenente de Lamego, cargo no qual parece ter já sido associado pelo pai, dado que ainda poderia viver por essa altura[2], que, provavelmente, percebendo a importância desta tenência, preferiu retê-la para os seus descendentes[3].

A herança que o seu pai recebeu de Egas Moniz fizera dele um senhor de numerosos e grandes haveres ou honras por todo o Ribadouro, especialmente desde cerca de Lamego e Tarouca até aos rios Paiva e Távora[3]. Bermudo teve acesso a toda esta fortuna após a morte de Soeiro Viegas, entre 1187 e 1189.

Bermudo participou, juntamente com o seu irmão Lourenço e outros importantes ricos-homens, na Batalha de Ervas Tenras, que ocorreu sensivelmente por volta de 1190/91, e que opunha as forças beirãs a Afonso IX de Leão, que, com as suas tropas, invadia a região do Ribacoa[4]. Bermudo não saiu vivo desta batalha[4].

Bermudo faleceu, solteiro e sem descendência, a 24 de junho de 1191, segundo o obituário do mosteiro de Salzedas, onde se sepultou[5], deixando provavelmente os seus bens ao seu irmão Lourenço.

Referências

  1. Mattoso 1981, p. 194-195.
  2. GEPB 1935-57.
  3. a b GEPB 1935-57, p. 221, vol.35.
  4. a b GEPB 1935-57, p. 335, vol.29.
  5. Reis 1934.

BibliografiaEditar

  • Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira - 50 vols. , Vários, Editorial Enciclopédia, Lisboa. vol. 16-pg. 887.
  • Mattoso, José (1994). A Nobreza Medieval Portuguesa - A Família e o Poder. Lisboa: Editorial Estampa. ISBN 972-33-0993-9 
  • Reis, Baltasar dos (1934). Livro da fundação do Mosteiro de Salzedas. Lisboa: Imprensa Nacional de Lisboa 
  • D. António Caetano de Sousa, História Genealógica da Casa Real Portuguesa, Atlântida-Livraria Editora, Lda, 2ª Edição, Coimbra, 1946, Tomo XII-P-pg. 147
  • Mattoso, José (1985). Identificação de um País. I. Lisboa: Editorial Estampa 
  • Oliveira, António Resende de (2001). O trovador galego-português e o seu mundo. I. Lisboa: Editorial Notícias. ISBN 972-46-1286-4 
  • Sottomayor-Pizarro, José Augusto (1997). Linhagens Medievais Portuguesas: Genealogias e Estratégias (1279-1325). I. Porto: Universidade do Porto 
  • Manuel José da Costa Felgueiras Gayo, Nobiliário das Famílias de Portugal, Carvalhos de Basto, 2ª Edição, Braga, 1989. vol. X-pg. 322 (Sousas).
  • Ventura, Leontina (1992). A nobreza de corte de Afonso III. II. Coimbra: Universidade de Coimbra 
Bermudo Soares de Ribadouro
Casa de Riba Douro
Herança familiar
Precedido por
Soeiro Viegas
Senhor de Caria
Senhor de Fontelo
Senhor de Vila Cova

1189-1191
Sucedido por
Lourenço Soares