Abrir menu principal

Wikipédia β

Betina Viany

NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde Outubro de 2012) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Betina Viany
Nome completo Elisabeta Veiga Fialho
Nascimento 30 de setembro de 1950 (67 anos)
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro,  Brasil
Ocupação Atriz
Cônjuge Edward Monteiro.
IMDb: (inglês)

Elisabeta Veiga Fialho (Rio de Janeiro, 30 de setembro de 1950), mais conhecida pelo nome artístico Betina Viany é uma atriz e diretora do Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversões do Estado do Rio de Janeiro (SATED-RJ)[1].

Índice

BiografiaEditar

Filha do cineasta Alex Viany (um dos precursores do Cinema Novo)[2] e irmã da atriz Bibi Viany. Casada com o cenógrafo Edward Monteiro.

Iniciou a carreira na televisão em 1973, na TV Record, de São Paulo, quando atuou na novela Venha Ver o Sol na Estrada[3].

Em 1978, participou na Rede Globo Sinal de Alerta. Em 1983, atuou em Eu Prometo. Em 1987 no Direito de Amar e em 1988 em Mandala. Em 1989, transferiu-se para a Rede Manchete e participou de Kananga do Japão no papel de Olga Benário.

Em 1990, ainda na Manchete, fez: A História de Ana Raio e Zé Trovão. Em 1991, voltou para a Globo e participou da minissérie Meu Marido. No mesmo ano participou da novela globalO Dono Do Mundo e da na novela Amazônia da Manchete. Onde também fez em 1993, Família Brasil.

Em 1994, na Globo, fez: "Quatro por Quatro". Em 1995, fez: Engraçadinha,Seus Amores e Seus Pecados e ainda a novela vespertina Malhação. Em 1996 participou do programa Caça Talentos e em 1998 de Torre de Babel.

Participou das minisséries O Quinto dos Infernos(2002), Amazônia, de Galvez a Chico Mendes (2007) e Tudo Novo de Novo (2009).

Em agosto de 2007 Betina idealizou e iniciou o Projeto Memória-Mestres que visa registrar, em DVD, a trajetória de importantes e renomados artistas e técnicos brasileiros que contribuíram para a história das artes cênicas de nosso país)[4].

Senpre ligada ao pai participou em 2008 do curta Nós Somos um Poema a história da quase desconhecida parceria de dois gênios da música popular brasileira, Pixinguinha e Vinicius de Moraes. A convite de Alex Viany, a dupla compôs a trilha sonora de seu filme - SOL SOBRE A LAMA - produzido na Bahia, em 1963[5].

Em maio de 2010 participou da Chapa 2 Resgate vencedora nas eleições para o Sindicatos dos Artistas e Tecnicos em Espetáculos de Diversão do estado do Rio de Janeiro[6].

Alguns dias antes (08/05/2010) um incidente inusitado aconteceu. Betina iria apresentar a peça Monólogos da Vagina no Teatro Calil Haddad em Maringá, mas junto com a produtora e atriz Vera Setta, e a advogada e assessora Maria Domenica foram barradas na porta do Tetro e tiverem que esperar até que uma questão entre a produção da peça e a administração do teatro fosse resolvida. [7] .

FilmografiaEditar

No TeatroEditar


Referências

  1. «SIS - Sistema de informações sindicais». Consultado em 30 de março de 2012 
  2. «Projeto Alex Viany». Consultado em 2 de abril de 2012 
  3. «Venha Ver o Sol na Estrada». Consultado em 2 de abril de 2012 
  4. Ministério da Cultura. «Centro Técnico Audiovisual: Memória-Mestres». 16 de julho de 2008. Consultado em 2 de abril de 2012 
  5. Porta Curtas. «Nós Somos um Poema». Consultado em 2 de abril de 2012 
  6. «Blog da Chapa 2 Resgate». Consultado em 2 de abril de 2012 
  7. O Diário - Maringá. «Monólogos da Vagina abre Polêmica». Consultado em 2 de abril de 2012 
  8. Cinemateca Brasileira, Edu, Coração de Ouro [em linha]
  9. Cinemateca Brasileira, A Noiva da Cidade [em linha]

Ligações ExternasEditar