Biblioteca de Nague Hamadi

(Redirecionado de Biblioteca de Nag Hammadi)
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre sobre a Biblioteca de Nague Hamadi. Para Para o lugarejo egípcio, veja Nague Hamadi.

Biblioteca de Nague Hamadi[1][a] é uma coleção de textos gnósticos do cristianismo primitivo (período que vai da fundação até o Primeiro Concílio de Niceia em 325) descoberta na região do Alto Egito, perto da cidade de Nague Hamadi em 1945, por um camponês local chamado Mohammed Ali Samman, que encontrou uma jarra selada enterrada que continha treze códices de papiro embrulhados em couro.[2][3]

Os códices contêm cinquenta e dois textos, em sua maioria gnósticos, além de incluírem três trabalhos pertencentes ao Corpus Hermeticum e uma tradução/alteração parcial da A República de Platão.

James M. Robinson, na introdução de sua obra The Nag Hammadi Library in English, sugere que estes códices podem ter pertencido ao monastério de São Pacômio localizado nas redondezas e teriam sido enterrados após o bispo Atanásio de Alexandria ter condenado, em 367, o uso não crítico de versões não canônicas dos testamentos, em sua Carta Festiva[4], após o Primeiro Concílio de Niceia (325). Naquele contexto, para evitar a destruição dos textos, alguns monges teriam pegado os livros proibidos e os escondido em potes de barro na base de um penhasco chamado Djebel El-Tarif,[5] onde ficariam esquecidos e protegidos por mais de 1500 anos.

Os textos nos códices estão escritos em copta, embora todos os trabalhos sejam traduções do grego.[6] O mais conhecido trabalho é provavelmente o Evangelho de Tomé, cujo único texto completo está na Biblioteca de Nague Hamadi.

Atualmente, todos os códices estão preservados no Museu Copta no Cairo, Egito.

Descoberta em Nague HamadiEditar

 
O local da descoberta, Nague Hamadi no mapa do Egito

A história da descoberta da Biblioteca de Nague Hamadi em 1945 já foi descrita como sendo "tão fascinante quanto o conteúdo dos textos".[5] Em dezembro daquele ano, dois irmãos egípcios encontraram diversos papiros numa grande jarra de argila enquanto procuravam por fertilizante em cavernas de rocha calcária perto da atual Hanra Dom no Alto Egito. A descoberta não foi inicialmente reportada por nenhum dos irmãos, que tentaram ganhar dinheiro pelos manuscritos vendendo-os individualmente. Conta-se também que a mãe dos irmãos queimou diversos dos manuscritos, preocupada, aparentemente, de que os textos pudessem ter 'efeitos funestos'.[5] Como resultado, o que passou a ser conhecido como "Biblioteca de Nague Hamadi" foi uma acumulação gradual de achados e sua importância passou despercebida por algum tempo após os achados iniciais.

Em 1946, os irmãos se envolveram numa rixa e deixaram os manuscritos com um sacerdote Copta, cujo cunhado, em outubro daquele ano, vendeu um dos códices ao Museu Copta no Cairo (Codex III na coleção atual). O especialista em copta e história das religiões residente Jean Dorese, percebendo a importância do achado, publicou a primeira referência a ele em 1948. Com o passar dos anos, a maioria dos códices foram passados pelo sacerdote para um antiquário cipriota no Cairo e em seguida retidos pelo Departamento de Antiguidades, que temia que eles fossem vendidos fora do país. Após a revolução de 1956, os textos foram entregues ao Museu Copta e declarados tesouro nacional egípcio.

Códice JungEditar

Enquanto isso, um único códice foi vendido no Cairo para um antiquário belga. Após tentativas de vendê-lo tanto em Nova Iorque e Paris, ele foi adquirido pelo Instituto Carl Gustav Jung, Zurique, em 1951, através da mediação de Gilles Quispel. A intenção era que o códice fosse um presente de aniversário ao famoso psiquiatra e, por isso, este códice é conhecido como Codex Jung (Codex I na coleção).

A morte de Jung em 1961 provocou uma disputa sobre a posse do Codex Jung, atrasando a entrega das páginas ao Museu Copta somente em 1975, após a primeira edição do texto já ter sido publicada. E assim, todos os papiros foram finalmente reunidos no Cairo.

TraduçãoEditar

A primeira edição de um dos textos encontrados em Nague Hamadi foi do Codex Jung, do qual uma tradução parcial apareceu no Cairo em 1956. Dadas as condições políticas no Egito na época, tratados individuais se seguiram vagarosamente tanto do Cairo quanto de Zurique.

Esta situação mudou apenas em 1966, com a realização do Congresso de Messina na Itália. Nesta conferência, cujo objetivo era fomentar o consenso dos especialistas na definição do que é Gnosticismo, James M. Robinson, um especialista em Religião, reuniu um grupo de editores e tradutores na tarefa de publicar uma edição bílingue dos códices de Nague Hamadi em inglês, em colaboração com o Instituto de Antiguidades e Cristianismo na Universidade de Claremont em Claremont, California.[7] Robinson foi eleito secretário do Comitê Internacional pelos Códices de Nague Hamadi, formado em 1970 pela UNESCO e o Ministério Egípcio de Cultura.

A tradução de James M. Robinson foi publicada inicialmente em 1977, com o nome The Nag Hammadi Library in English, em colaboração entre E.J.Brill e Harper & Row. A edição em um único volume, de acordo com Robinson, "marcou o fim do estágio um do estudo de Nague Hamadi e o início de outro" (do prefácio da terceira edição revisada americana). Edições em paperback seguiram em 1981 e 1984. Uma edição revisada completa foi publicada em 1988 marcando o estágio final na divulgação de textos gnósticos para o público em geral - o conjunto completo de códices foi finalmente disponibilizado, de maneira não adulterada, para pessoas do mundo todo, em diversas línguas.

O trabalho acadêmico mais conhecido de George W. MacRae, reitor em exercício da Harvard Divinity School, foi sua tradução e interpretação dos manuscritos coptas descobertos em Nague Hamadi, no Egito, em 1946, suas traduções trouxeram um melhor conhecimento sobre o gnosticismo e as primeiras origens do cristianismo.[8]

Códices de Nague HamadiEditar

 
Papiro contendo o Apócrifo de João, século II. Museu Copta do Cairo

Códice I (Códice Jung)Editar

Códice IIEditar

Códice IIIEditar

  • NHC III, 1 — Apócrifo de João a versão curta - Trata-se de um texto, escrito antes de 180, que era utilizado pela seita gnóstica setiana[15];
  • NHC III, 2 — Livro Sagrado do Grande Espírito Invisível, também conhecido por Evangelho dos Egípcios - Trata, principalmente do entendimento Gnóstico Setiano sobre a criação do mundo e de como Sete, teria encarnou como Jesus para livrar as almas das pessoas da prisão maligna que é a criação[23] [24];
  • NHC III, 3 — Eugnostos, o abençoado (também conhecido como Primeira Epístola de Eugnosto[25] ou Carta de Eugnosto, o Bem-aventurado[26]) - Por meio de uma linguagem que mescla o teor filosófico e conteúdo típico de hinos, a obra mostra o Deus transcendente que reina sobre o universo espiritual. Há uma grande coerência na organização do tratado, que inicia no que está escondido e progride até o que é manifesto, e cujo princípio, recorrente entre os Gnósticos, é a necessidade de descobrir o invisível no que é visível, o que seria possível apenas através de uma revelação[27];
  • NHC III, 4 — Sofia de Jesus Cristo - Tem um conteúdo similar ao da Epístola de Eugnostos, talvez uma versão expandida, voltada para o público cristão[28]; e
  • NHC III, 5 — Diálogo do Salvador - Trata-se de texto muito danificado, cujas as partes recuperadas indicam que o conteúdo geral é um diálogo com Jesus, que inclui diversos temas, tais como: conhecimento esotérico e a sua busca, a criação do mundo, entre outros[29].

Códice IVEditar

Códice VEditar

  • NHC V, 1 — Eugnostos, o abençoado - (também conhecido como Primeira Epístola de Eugnosto[25] ou Carta de Eugnosto, o Bem-aventurado[26]) - Por meio de uma linguagem que mescla o teor filosófico e conteúdo típico de hinos, a obra mostra o Deus transcendente que reina sobre o universo espiritual. Há uma grande coerência na organização do tratado, que inicia no que está escondido e progride até o que é manifesto, e cujo princípio, recorrente entre os Gnósticos, é a necessidade de descobrir o invisível no que é visível, o que seria possível apenas através de uma revelação[27];
  • NHC V, 2 — Apocalipse Copta de Paulo - O texto Gnóstico descreve a ascensão de Paulo através de vários estágios do Ceú, com Yaldabaoth (descrito como um velho num trono) tentando evitar. Uma alma que não tem conhecimento (Gnosis) requerido para derrotar Yaldabaoth é enviada de volta para ser reencarnada[30];
  • NHC V, 3 — Primeiro Apocalipse de Tiago ou Primeira Revelação de Tiago - O texto é primordialmente um Diálogo ou Discurso entre Tiago, o Justo (o irmão de Jesus) - e Jesus, com um relato fragmentado sobre o martírio de São Tiago anexado ao final do manuscrito e conectado ao resto por uma referência oblíqua à crucificação. A primeira parte do texto descreve a compreensível preocupação de Tiago em ser crucificado enquanto que a parte final descreve as senhas secretas dadas a Tiago para que ele possa ascender ao mais alto dos céus (dentre setenta e dois) após morrer, sem ser impedido pelos poderes malignos do Demiurgo (Yaldabaoth)[31];
  • NHC V, 4 — Segundo Apocalipse de Tiago ou Segunda Revelação de Tiago - O texto que descreve o julgamento e o martírio de Tiago, o Justo[32]; e
  • NHC V, 5 — Apocalipse de Adão ou Revelação de Adão - No texto, Adão conta para o seu filho Seth como ele adquiriu conhecimento sobre o Deus eterno de Eva, mas este conhecimento se perdeu na Queda. Trata-se de um texto, provavelmente, produzido pela seita gnóstica setiana[33].

Códice VIEditar

  • NHC VI, 1 — Os Atos de Pedro e dos Doze Apóstolos - O texto contém duas partes, uma alegoria inicial e uma exposição gnóstica sobre o seu significado - A alegoria uma versão estendida da Parábola da Pérola do Evangelho segundo Mateus (13:45-46), na qual um comerciante de pérolas está vendendo uma pérola por um ótimo preço, mas os ricos não se interessam, os pobres que se interessam, descobrem que a pérola está na cidade natal do comerciante e, portanto, devem fazer uma árdua jornada. No final, o próprio comerciante se revela como sendo Jesus[34].
  • NHC VI, 2 — O Trovão: a Mente Perfeita - trata-se de um extenso e enigmático monólogo no qual o Salvador imanente discorre sobre uma série de afirmações paradoxais sobre a natureza feminina da divindade. O trabalho como um todo tem a forma de um poema com estrofes paralelas, nas quais divindades femininas (Isis e Sophia) expõem suas virtudes para uma plateia atenta e a admoesta a procurar alcançá-las. Os enigmas do poema pressupõem um mito Gnóstico clássico, como o que é encontrado na "Hipóstase dos Arcontes" ou no "Apócrifo de João"[35].
  • NHC VI, 3 — Discurso Autorizado - Alguns estudiosos entendem que não se trata de um texto gnóstico, mas sim um tratado sobre o ascetismo da tradição romana[36] e nem um texto claramente cristão ou judaico por não conter menções a Cristo ou às escrituras[37].
É uma exposição da origem, condição e definitiva felicidade da alma, ao descrever a vida da alma, o texto torna-se bastante metafórico. Embora não inclua o mito gnóstico que descreve a origem do mundo, o texto pressupõe certas ideias gnósticas como de que a alma possui origem celestial e, portanto, conflita com o mundo material[38]. Em contato como o mundo material, a alma se distrai e cria apegos terrenos, no entanto, Deus, o pai cuida da alma e a avisa sobre esses apegos que são: a luxúria, soberba, avareza, fraude, ignorância, inveja e vaidade[39].
É parte da especulação ascética da tradição religiosa romana, embora descoberto como parte de uma coleção de textos produzidos em um monastério cristão, o tratado não seria um texto cristão nem gnóstico mas um dos poucos tratados que inclui uma tradução de uma seleção de Homero e uma seleção da Sentenças de Sexto, por ser parte da chamada biblioteca gnóstica, o Discurso Autorizado tem sido escassamente estudado e nunca fora estudado como parte da tradição asceta romana[36];
  • NHC VI, 4 — O Conceito do Nosso Grande Poder - Trata-se apocalipse gnóstico cristão[38], que proclama momentos importantes na história da salvação, providenciando uma visão gnóstica da criação, do dilúvio, da origem do mal, o Salvador descendo até o inferno e humilhando os arcontes, o anticristo e a consumação final. Nos moldes das histórias apocalípticas, a história é dividida em vários períodos principais: o Éon carnal que é terminado pelo dilúvio, o eon psíquico ou natural quando o Salvador aparece e o éon indestrutível do futuro[38][40] [41];
  • NHC VI, 5 — A República de Platão
  • NHC VI, 6 — O Discurso sobre o Oitavo e o Nono ou Discurso sobre a Ogdóade e a Enéade[42] - Trata-se um dos três textos herméticos existentes na Biblioteca de Nague Hamadi. O texto é basicamente sobre a ascensão a reinos exaltados de iluminação espiritual[43]. Na morte, a alma deveria viajar por sete esferas e depois de chegar com sucesso alcançaria o oitavo e nono nível, onde a alma poderia experimentar a felicidade ou êxtase verdadeiro. O tratado possivelmente assume outra esfera mais alta, a décima esfera, onde deus habita, mas isso não é esclarecido[38].
Hermes Trimegisto instrui um iniciado sobre o conhecimento secreto e o guia para uma experiência extático para o oitavo e o nono níveis, o iniciado com o mistagogo apresente uma prece e um hino silencioso de elogio ao divino: ele recebeu a luz divina, a vida e o amor. O tratado encerra com um conjunto de instruções para a preservação do livro, incluindo juramentos para o uso cautelar das palavras de Hermes[38];
Estes fragmentos de Nague Hamadi consistem nos capítulos 21 a 29 do "Discurso Perfeito" em copta:
  1. O sexo, mistério divino (21)
  2. Os deuses terrenos, o caráter divino do homem, o homem criador de deuses (22-24)
  3. A profecia: morte e regeneração do cosmos (24-27)
  4. Sobre a morte e a imortalidade: julgamento das almas (27-29)
O texto foi escrito num formato de diálogo entre Hermes Trismegisto e seu discípulo Asclépio, que começa com uma comparação assombrosamente explícita entre as relações sexuais e a iniciação nos mistérios sagrados (65, 35). Esta associação também está presente no Discurso sobre a Ogdóade e a Enéade (NH VI, 7). Prossegue uma discussão sobre a origem e a natureza da humanidade[44].

Códice VIIEditar

  • NHC VII, 1 — Paráfrase de Sem - É um escrito apocalíptico sobre a ascensão de Sem e sua posterior volta à Terra. O texto começa descrevendo três poderes: Luz, Espírito e Trevas. A Luz é um poder dominante da razão que se opões às Trevas, que é um poder malévolo do caos. O manso poder do Espírito está entre eles[45].
  • NHC VII, 2 — Segundo tratado do grande Sete - - Trata-se de um texto gnóstico, cuja a composição é datada na segunda metade do século II.[46]. Sete é citado na Bíblia como sendo filho de Adão e Eva (Gênesis 4:25 e seguintes). Segundo alguns gnósticos, Sete foi o primeiro a receber a revelação da gnose e, portanto, Jesus seria uma reencarnação de Sete.
Assim como no Apocalipse Gnóstico de Pedro (NHC VII, 3), segundo o texto, Jesus não teria morrido na cruz e sim outra pessoa: Simão Cireneu[47], enquanto Jesus ficou vivo, entretido com a ignorância e tolice dos governantes[47] [48];

Códice VIIIEditar

  • NHC VIII, 1 — Zostrianos - é um texto que era utilizado pela seita Gnóstica Setiana. A cópia disponível está muito danificada, com muitas palavras ilegíveis. Assim como Marsanes (no Códice X) e Alógenes (Códice XI), o texto trata de uma visão recebida por um tal Zostrianos, explicando e enumerando em grande detalhe as emanações que os Gnósticos acreditam serem produzidas por Deus na cosmogonia Gnóstica. Indicações no texto fazem crer que os Setianos já tinham desenvolvido ideias Monistas, um tema do Platonismo que acredita-se ter se tornado parte do Setianismo por volta do final do século III[54]; e
  • NHC VIII, 2 — A Epístola de Pedro a Filipe - Esse texto gnóstico, conta uma ocasião na qual, após orarem no Monte das Oliveiras, os apóstolos foram visitados por uma grande luz do céu que se identificou como “Jesus Cristo que está convosco para sempre”, que começou a ensinar os apóstolos sobre os éons e seu pleroma, seguido por uma série de perguntas dos apóstolos sobre suas lutas contra os arcontese e quanto eles devem sofrer por causa de sua [55] [56].

Códice IXEditar

Códice XEditar

  • NHC X, 1 — Marsanes ou Marsano - o texto era utilizado pela seita Gnóstica Setiana e descreve uma complexa cosmogonia esotérica de sucessivas emanações de um Deus original. No texto é possível encontrar indicações que os Setianos desenvolveram idéias Monistas, comparáveis às noções de Heráclito sobre a perfeição e permanência universais expressas através da manutenção constante da massa das "coisas" que nele existem (ou seja, toda matéria no universo pode apenas mudar de forma, não podendo ser criada ou destruída). O pensamento gnóstico se expressa por meio da discussão do texto sobre o poder do conhecimento sagrado, que pode permitir que os leitores ascendam pelos níveis do universo até chegarem ao céu mais elevado, onde Deus reside[59].

Códice XIEditar

Trata-se de um texto não cristão, totalmente gnóstico; que foi utilizado pela seita Setiana. Nesse texto, Allogenes é uma alegoria para representar Sete[61].
O texto começa com um Allogenes contando a seu filho Mesos um diálogo com um anjo, Youel, revelando a ele aspectos do Triplo-Poderoso, um ser mais poderoso do que Deus.
Depois, Allogenes ascende a um encontro com "o Deus inefável e Incognoscível.", no qual foi guiado ao Aeon de Barbelo pelos Luminares, que se engajam na Teologia Negativa ou Apofática.
Depois, uma autoridade não identificada ordena que Allogenes escreva o que aprendeu e o coloque em uma montanha, sob guarda, com um oráculo[62]; e
  • NHC XI, 4 — Hipsifrone - Texto utilizado pela seita gnóstica setiana - é um típico livro de revelações, semelhante aos diálogos de revelação dos Gnósticos[63].

Códice XIIEditar

Códice XIIIEditar

O chamado "Códice XIII" não é na verdade um códice, mas de fato o texto de Protenóia Trimórfica escrita em "…oito folhas removidas de um décimo-terceiro livro ainda na Antiguidade e enfiado dentro da capa do sexto." (Robinson, NHLE, p. 10). Apenas umas poucas linhas do início de Sobre a origem do mundo são distinguíveis no final da oitava página.

Veja tambémEditar

NotasEditar

[a] ^ Por vezes conhecido popularmente como Testamentos Gnósticos baseado no livro de Elaine Pagels de 1979 chamado "Gnostic Gospels", porém o termo tem significado mais amplo.

Referências

  1. Champlin, R. N. (2013). Enciclopédia de Bíblia, Teologia e Filosofia Vol. IV. São Paulo: Hagnos. p. 444 
  2. The Nag Hammadi Library: The Minor History Behind a Major Discovery, em inglês
  3. Robinson & Meyer, James M. e Marvin (2007). Nag Hammadi Scriptures, The: The International Edition (em inglês). [S.l.]: HarperOne. ISBN 0060523786 , páginas 2-3
  4. Festal Letters of 367 AD em inglês. Uma tradução pode ser encontrada em [1], consultado em Jul/10
  5. a b c Gnosis: An Introduction (em inglês). [S.l.]: T. & T. Clark Publishers. 2003. ISBN 0567089452  Parâmetro desconhecido |sobrenomeBN= ignorado (ajuda); |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda), página 48
  6. Robinson & Meyer, James M. e Marvin (2007). Nag Hammadi Scriptures, The: The International Edition (em inglês). [S.l.]: HarperOne. ISBN 0060523786 , páginas 2
  7. Universidade de Claremont - Site oficial
  8. «George MacRae of Harward dies» (em inglês). The New York Times. 7 de setembro de 1985. Consultado em 13 de fevereiro de 2015 
  9. The Prayer of the Apostle Paul, em inglês, acesso em 31/10/2021
  10. The Apocryphon of James, em inglês, acesso em 31/10/2021
  11. a b The Gospel of Truth, em inglês, acesso em 31/10/2021
  12. Treatise on the Resurrection, em inglês, acesso em 31/10/2021
  13. Robinson, James M.; 'The Nag Hammadi Library in English'
  14. The Tripartite Tractate, em inglês, acesso em 31/10/2021.
  15. a b c The Apocryphon of John Collection, em inglês, acesso em 31/10/2021.
  16. EVANGELHO DE TOMÉ ONLINE, acesso em 01/11/2021.
  17. Gospel of Philip, acesso em 01/11/2021.
  18. Bullard, Roger A. (1988). The Nag Hammadi Library in English, Revised Edition, Edited by James M. Robinson. Introduction to “The Hypostasis of the Archons" (em inglês). [S.l.]: Harper and Row  Parâmetro desconhecido |loca= ignorado (ajuda) 161-162
  19. The Hypostasis of the Archons, em inglês, acesso em 01/11/2021.
  20. a b On the Origin of the World, em inglês, acesso em 01/11/2021.
  21. The Exegesis on the Soul, em inglês, acesso em 01/11/2021.
  22. The Book of Thomas the Contender, em inglês, acesso em 01/11/2021.
  23. a b Urbano Zilles (2004). Evangelhos apócrifos. EDIPUCRS. p. 246. ISBN 978-85-7430-180-8.
  24. a b The Gospel of the Egyptians, em inglês, acesso em 01/11/2021.
  25. a b Hans-Josef Klauck (2007). Evangelhos apócrifos. Edições Loyola. p. 180. ISBN 978-85-15-03296-9.
  26. a b FABRIS, Rinaldo. Problemas e perspectivas das ciências bíblicas. Edicoes Loyola. p. 97. ISBN 978-85-15-00871-1.
  27. a b Eugnostos the Blessed, em inglês, acesso em 01/11/2021.
  28. The Sophia of Jesus Christ, em inglês, acesso em 01/11/2021.
  29. The Dialogue of the Savior, em inglês, acesso em 01/11/2021.
  30. The Apocalypse of Paul, em inglês, acesso em 01/11/2021.
  31. The (First) Apocalypse of James, em inglês, acesso em 01/11/2021.
  32. The (Second) Apocalypse of James, em inglês, acesso em 01/11/2021.
  33. The Apocalypse of Adam, em inglês, acesso em 01/11/2021.
  34. The Acts of Peter and the Twelve Apostles, em inglês, acesso em 01/11/2021.
  35. The Thunder, Perfect Mind, em inglês, acesso em 01/11/2021.
  36. a b Richard Valantasis (2008). The Making of the Self: Ancient and Modern Asceticism. Wipf and Stock Publishers. pp. 261–262. ISBN 978-1-55635-286-7.
  37. "O Discurso Autorizado não é um trabalho claramente gnóstico. (...) Nem um texto claramente cristão ou judaico." Watson E. Mills; Roger Aubrey Bullard (1990). Mercer Dictionary of the Bible. Mercer University Press. p. 76. ISBN 978-0-86554-373-7.
  38. a b c d e Marvin W. Meyer; James MacConkey Robinson (1977). The Nag Hammadi Library in English. Brill Archive. p. 278. Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "MeyerRobinson1977" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "MeyerRobinson1977" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  39. Pheme Perkins. Gnosticism and the New Testament. Fortress Press. p. 173. ISBN 978-1-4514-1597-1.
  40. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome HarveyHunter2008
  41. The Concept of Our Great Power, em inglês, acesso em 01/11/2021.
  42. Jay Kinney. Esoterismo E Magia No Mundo Ocidental. Editora Pensamento. p. 124. ISBN 978-85-315-1452-4.
  43. a b Marvin Meyer. Mistérios Gnósticos. Editora Pensamento. p. 184. ISBN 978-85-315-1508-8. Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "Meyer" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  44. Veja por exemplo   "Ante-Nicene Fathers", Volume 2, What Hermes Trismegistus Thought Concerning Idolatry, and from What Source He Knew that the Superstitions of Egypt Were to Be Abolished, em inglês.
  45. The Paraphrase Of Shem, em inglês, acesso em 03/11/2021.
  46. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Meyer2009
  47. a b Kenneth Keulman (1993). Critical Moments in Religious History. Mercer University Press. p. 49. ISBN 978-0-86554-411-6.
  48. The Second Treatise of the Great Seth, em inglês, acesso em 02/11/2021.
  49. Suárez, Gomes Jr., Masotti, Souza E Conti Jr. (2008). A Bíblia Em Perspectiva: Estudos Em Teologia Bíblica. Clube de Autores. p. 466. PKEY:90138847.
  50. The Apocalypse of Peter, em inglês, acesso em 03/11/2021.
  51. Fortress Pr, ed. (2006). Gnosticism, Judaism, and Egyptian Christianity (em inglês). [S.l.: s.n.] 177 páginas. ISBN 0800637410 
  52. The Teachings of Silvanus, em inglês, acesso em 03/11/2021.
  53. The Three Steles of Seth, em inglês, acesso em 03/11/2021.
  54. Zostrianos, em inglês, acesso em 03/11/2021.
  55. “The Letter of Peter to Philip.” Trans. Frederik Wisse. The Nag Hammadi Library, revised edition. Ed. James M Robinson. San Francisco: Harper Collins, 1990.
  56. The Letter of Peter to Philip, em inglês, acesso em 03/11/2021.
  57. The Thought of Norea, em inglês, acesso em 03/11/2021.
  58. The Thought of Norea, em inglês, acesso em 03/11/2021.
  59. Marsanes, em inglês, acesso em 04/11/2021.
  60. Texto integral de Alógenes, em inglês
  61. Birger A. Pearson, Gnosticism, Judaism and Egyptian Christianity. Fortress Press, Minneapolis, 2006
  62. Allogenes, em inglês, acesso em 04/11/2021.
  63. The Hypostasis of the Archons, em inglês, acesso em 04/11/2021.
  64. The Sentences of Sextus, em inglês, acesso em 04/11/2021.
  65. Trimorphic Protennoia, em inglês, acesso em 04/11/2021.
  66. Gospel of Mary, em inglês, acesso em 05/11/2021.

Ligações externasEditar