Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Se procura pela banda brasileira de rock, veja Bixo da Seda. Se procura pelo álbum da banda de mesmo nome, veja Bixo da Seda (álbum).
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou seção está a ser traduzido de «Zijdevlinder» na Wikipédia em neerlandês. Ajude e colabore com a tradução.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaBicho-da-seda
Larvas em quinto instar
Larvas em quinto instar
Mariposa adulta
Mariposa adulta
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Arthropoda
Classe: Insecta
Ordem: Lepidoptera
Família: Bombycidae
Género: Bombyx
Espécie: Bombyx mori
Nome binomial
Bombyx mori
Lineu, 1758
Bicho-da-seda

Chinese silkworm characters.png

"Bicho-da-seda" em caracteres de
selo (esquerda), chinês tradicional (centro)
e simplificado (direita).
Nome chinês
Chinês tradicional:
Chinês simplificado:
Em japonês
Kanji:
Kana: カイコ
Em coreano
Hangul: 누에나방

O bicho-da-seda é a larva ou lagarta da mariposa doméstica Bombyx mori (latim: "bicho-da-seda da amoreira"). É um inseto economicamente importante, sendo um produtor primário da seda. A comida preferida do bicho-da-seda é a amoreira branca, embora comam outras espécies de amoreira e até mesmo laranja osage. Mariposas domésticas são intimamente dependentes de seres humanos para a reprodução, como resultado de milênios de reprodução seletiva. As selvagens são diferentes de suas primas domésticas, pois não foram criadas seletivamente; elas não são comercialmente viáveis na produção de seda.

A sericultura, a prática de criação de bichos-da-seda para a produção da seda crua, está em curso há pelo menos 100.000 anos na China,[1] de onde se espalhou para a Índia, Coreia, Japão e Ocidente. O bicho-da-seda foi domesticado a partir da mariposa selvagem Bombyx mandarina, que tem um alcance desde o norte da Índia até o norte da China, Coreia, Japão e as regiões do extremo leste da Rússia. O bicho-da-seda domesticado é derivado do chinês, e não do japonês ou do coreano.[2][3]

É improvável que os bichos-da-seda tenham sido criados domesticamente antes da era neolítica. Antes disso, as ferramentas para fabricar quantidades de fio de seda não haviam sido desenvolvidas. A B. mori domesticado e a B. mandarina silvestre ainda podem se reproduzir e às vezes produzir híbridos.[4]:342 Mariposas domésticas são muito diferentes da maioria dos membros do gênero Bombyx; não apenas perderam a capacidade de voar, mas também perderam seus pigmentos de cor.

Índice

VidaEditar

TiposEditar

Os bichos-da-seda da amoreira podem ser categorizados em três grupos ou tipos diferentes, mas conectados. Os principais grupos se enquadram nas categorias univoltina ("uni-"=um, "voltina"=frequência de cria) e bivoltina. A raça univoltina está geralmente ligada à área geográfica da Europa. Os ovos deste tipo hibernam durante o inverno devido ao clima frio e fertilizam-se apenas pela primavera, gerando seda apenas uma vez por ano. O segundo tipo é chamado bivoltina e é normalmente encontrado na China, Japão e Coreia. O processo de criação deste tipo ocorre duas vezes por ano, um feito possibilitado através dos climas ligeiramente mais quentes e dos dois ciclos de vida resultantes. O tipo polivoltina do bicho-da-seda da amoreira pode somente ser encontrado nos trópicos. Os ovos são postos por mariposas fêmeas e eclodem dentro de nove a 12 dias, então o tipo resultante pode ter até oito ciclos de vida separados ao longo do ano.[5]

Ciclo vitalEditar

   
Mariposa selvagem Bombyx mandarina (esquerda) e casulo de B. mori (direita).
 
Diagrama do ciclo da vida do bicho-da-seda.
1 = ovo
2 = lagarta em 1º instar
3 = lagarta em 2º instar
4 = lagarta em 3º instar
5 = lagarta em 4º instar
6 = lagarta em 5º instar
7 = casulo
8 = mariposa adulta

Os ovos levam cerca de 14 dias para nascer, as larvas comem continuamente. Eles têm uma preferência por amoreira branca, tendo uma atração para a cis-jasmona odorante de amoreira. Eles não são monófagos, já que podem comer outras espécies de Morus, bem como algumas outras Moraceae, principalmente a laranja Osage. Eles estão cobertos com minúsculos pêlos pretos. Quando a cor de suas cabeças se torna mais escura, isso indica que eles estão prestes a mudar. Após a muda, a fase larval dos bichos-da-seda surge branca, nua e com pequenos chifres nas costas.[6]

Depois de terem se modificado quatro vezes, seus corpos ficam levemente amarelos e a pele fica mais firme. As larvas preparam-se para entrar na fase de pupa do seu ciclo de vida e encerram-se num casulo constituído por seda crua, produzida pelas glândulas salivares. A transição final de larva para pupa ocorre dentro do casulo, que fornece uma camada vital de proteção durante o estado de pupila vulnerável, quase imóvel. Muitos outros Lepidoptera produzem casulos, mas apenas alguns — os Bombycidae, em particular o gênero Bombyx, e os Saturniidae, em particular o gênero Antheraea — foram explorados para a produção de tecidos.[7] O casulo é feito de um fio de seda crua de 300 a 900 metros (mil a 3 mil pés) de comprimento. As fibras são muito finas e brilhantes, com cerca de 10 μm de diâmetro. Pelo menos 70 milhões de libras de seda crua são produzidas a cada ano, exigindo quase 10 bilhões de casulos.[8]

Se for permitido que o animal sobreviva após girar seu casulo e passar pela fase de pupa de seu ciclo de vida, ele libera enzimas proteolíticas para fazer um buraco no casulo para que ele possa emergir como uma mariposa adulta. Essas enzimas são destrutivas para a seda e podem fazer com que as fibras de seda quebrem de mais de um quilômetro de comprimento a segmentos de comprimento aleatório, o que reduz seriamente o valor dos fios de seda. Para evitar isso, os casulos são cozidos. O calor mata os insetos e a água facilita o desenrolar dos mesmos. Muitas vezes, o próprio bicho-da-seda é comido.[9]

Como o processo de colheita da seda mata a larva, a sericultura tem sido criticada pelo bem-estar animal e ativistas dos direitos. Mahatma Gandhi criticava a produção de seda baseada na filosofia Ahimsa de "não ferir nenhuma coisa viva". Isso levou à promoção de máquinas de fiar algodão de Gandhi, um exemplo que pode ser visto no Instituto Gandhi. Ele também promoveu a seda Ahimsa, seda selvagem feita a partir de casulos de mariposas selvagens.[10]

A mariposa ou traça — a fase adulta do ciclo de vida — não é capaz de voar funcionalmente, em contraste com a selvagem B. mandarina e outras espécies de Bombyx, cujos machos voam para encontrar fêmeas e evasão de predadores. Alguns podem emergir com a capacidade de decolar e permanecer no ar, mas o vôo sustentado não pode ser alcançado. Isso ocorre porque seus corpos são muito grandes e pesados ​​para suas pequenas asas. No entanto, alguns ainda podem voar. Mariposas têm uma envergadura de 3–5 centímetros e um corpo branco e peludo. As fêmeas são cerca de duas a três vezes mais volumosas do que os machos (pois carregam muitos ovos), mas são da mesma cor. Os Bombycidae adultos reduziram as partes da boca e não se alimentam, embora um cuidador humano possa alimentá-los.[11]

CaracterísticasEditar

A mariposa tem a cor do corpo embranquecida. O mesmo atinge um comprimento de aproximadamente 25 milímetros. As fêmeas tornam-se maiores que os machos. No tipo que se fertiliza apenas uma vez por ano, elas crescem em média mais do que as da espécie bivoltina. O corpo é claramente dividido em três partes, chamadas de tagmata. Estas são, respectivamente, a cabeça, tórax e o abdômen.[12]

Como a B. mori não é encontrada na natureza, a espécie não pode ser confundida com nenhuma outra. A mariposa selvagem do qual ela se derivou é de cor castanha escura e possui asas bem desenvolvidas. Ambas as espécies ainda podem se cruzar. Essa não é a única mariposa cuja larva é usada como fonte de seda. Outras com casulos úteis são: a mariposa celestial (Samia cynthia), a mariposa atlas-gigante (Attacus atlas), algumas espécies da família Saturniidae, mais especificamente do gênero Antheraea. Em 2016, o bicho-da-seda foi responsável por noventa por cento da produção mundial de seda.[13]

CabeçaEditar

As antenas são grandes e claramente visíveis, elas têm uma cor marrom escura. As antenas de fêmeas e machos têm aproximadamente a mesma forma; as dos machos, no entanto, tornam-se maiores. Elas são altamente ramificadas, sua parte inferior carrega uma fileira de longos apêndices.[14] Os anexos da antena do meio são mais longos, fazendo com que pareçam uma mola. Os olhos são redondos e de cor preta, que os faz sobressair entre os pelos claros do corpo. Os olhos têm uma função sensorial subordinada. Para orientar-se, a mariposa usa principalmente as antenas.[15]

TóraxEditar

O tórax consiste em três partes, que transportam as pernas e as asas. Como todas as mariposas, elas tem dois pares de asas, então quatro no total. O par de asas dianteiras está ligado ao segundo segmento do tórax e a traseira está localizada no terceiro segmento. Como o resto do corpo, o tórax é muito peludo, com pelos finos, brancos a amarelo-esbranquiçados. O comprimento da asa é de cerca de 25 milímetros e a envergadura é de cerca de 40 a 50 milímetros. A ponta da asa tem forma de gancho.[16]

O corpo é grande, grosso e muito peludo. As asas não servem para encontrar comida – ela não come, nem bebe –, mas para encontrar um parceiro. As fêmeas frequentemente esperam que o macho se apresente. Às vezes os macho pulam e agitam-se com suas asas, mas também não podem voar. As pernas têm pequenas garras que consistem em duas estruturas semelhantes a ganchos. Isso permite que a mariposa se fixe ao substrato. Por ela não poder voar, o inseto se locomove andando.[17]

AbdômenEditar

O abdômen contém os órgãos internos, como os órgãos digestivos e o sistema nervoso. O abdômen dos machos é mais magro que o das fêmeas. O das fêmeas é relativamente grande e rechonchudo, especialmente as fêmeas grávidas. Nelas, estruturas longas estão presentes; estes são os ovos não fertilizados. Elas geralmente são tão grossas que mal conseguem andar, além de terem duas glândulas odoríferas frágeis no final do abdômen. Essas glândulas têm uma cor amarela marcante e servem para liberar fragrâncias no ar para atrair machos. O cheiro secretado é chamado de feromônio.[18]

HistóriaEditar

 
Produção global de seda em 2015.
Azul escuro = mais de 500 toneladas
Azul = entre 10 e 500 toneladas
Azul claro = menos de 10 toneladas
 
Bichos-da-seda e folhas de amoreira colocadas em bandejas (Sericulture de Liang Kai, século XIII)

O seu nome científico é derivado da palavra latina bombyx, que significa "seda"[19] e vem do grego antigo βόμβυξ. Mori significa "da amoreira" e vem de morus, o nome científico da amoreira.[20][21] O cultivo do bicho-da-seda é chamado de sericultura ou sericicultura, que é originária da China, onde na antiguidade descobriram como cultivá-lo. Esse cultivo é conhecido desde 3.500 a.C. Os bichos-da-seda foram mantidos em segredo por milhares de anos. A seda tornou-se um importante produto de exportação para a China. No século III a.C., eles também foram levados para a Coreia e sucessivamente para o Japão.[22]

Em cerca de 550 d.C., vários ovos e larvas foram contrabandeados por monges persas nas partes ocas de um bastão de bambu, eles os levaram para Constantinopla, capital do Império Bizantino. Como resultado, o bicho-da-seda entrou na Europa e, desde então, o Ocidente pôde estabelecer sua própria produção de seda. Eles também foram cultivados na península grega de Peloponeso. A ilha era então referida como Morea, que significa "amoreira". A partir do século VIII, foi ainda mais difundido pelos muçulmanos. No continente europeu, principalmente Itália e França foram importantes produtores de seda, no entanto, devido a várias doenças no século XIX, grande parte do cultivo foi perdido.[23]

LendaEditar

Uma lenda chinesa indica que a descoberta do bicho-da-seda foi feita pela antiga imperatriz Leizu (嫘祖), esposa de Huangdi e filha de XiLing-Shi.[24][25] A mesma estava bebendo chá debaixo de uma árvore quando um casulo caiu em sua bebida. Ela enrolou o fio de seda em torno de seu dedo, e quando o mesmo acabou viu uma pequena larva. Leizu informou isso ao povo. Muitas outras lendas sobre o bicho-da-seda são contadas. Os chineses guardavam seus conhecimentos sobre a seda, mas, segundo uma lenda, uma princesa chinesa dada em casamento a um príncipe de Khotan trouxe ao oásis o segredo da fabricação, "escondendo bichos-da-seda em seu cabelos", provavelmente na primeira metade do século I.[26]

ProduçãoEditar

O bicho-da-seda é cultivado principalmente na Ásia e em alguns países da América do Sul e da África. A China é líder no mercado da seda, seguida pela Índia e Uzbequistão. Outros grandes produtores são a Tailândia, Brasil, Vietnã, Coreia do Norte, Irã, Bangladesh, Japão e Turquia. Os países que produziram menos de dez toneladas de seda no final de 2016 foram a Bulgária, Colômbia, Egito, Indonésia, Filipinas, Madagascar, Síria, Tunísia e Coreia do Sul.[27] A família do qual pertence (Bombycidae) encontra-se principalmente na Ásia e partes tropicais da África. Às vezes, mariposas domesticadas podem ser encontrados na natureza, mas sempre são espécimes escapados de viveiros. Elas não podem sobreviver na natureza, pois não podem voar.[28][29]

PesquisasEditar

Devido ao seu pequeno tamanho e facilidade de cultura, o bicho-da-seda se tornou um organismo modelo no estudo da biologia de lepidópteros e artrópodes. Descobertas fundamentais sobre feromônios, hormônios, estruturas cerebrais e fisiologia foram feitas com o bicho-da-seda. Um exemplo disso foi a identificação molecular do primeiro feromônio conhecido, bombykol, que exigiu extratos de 500 mil indivíduos, devido às próprias pequenas quantidades de feromônio produzidas por qualquer verme.[30]

Atualmente, a pesquisa está se concentrando na genética dos bichos-da-seda e na possibilidade de engenharia genética. Muitas centenas de cepas são mantidas e mais de 400 mutações mendelianas foram descritas. Outra fonte sugere que mil linhagens domesticadas são mantidas em todo o mundo. Um desenvolvimento útil para a indústria da seda é o bicho-da-seda poder se alimentar de outras árvores além das folhas de amoreira, incluindo uma dieta artificial. Pesquisas sobre o genoma também levantam a possibilidade de bichos-da-seda geneticamente modificados produzirem proteínas, incluindo drogas farmacológicas, no lugar de proteínas da seda. As fêmeas Bombyx mori também são um dos poucos organismos com cromossomos homólogos mantidos unidos apenas pelo complexo sinaptonêmico (e não pelos crossovers) durante a meiose.[31]

A Kraig Biocraft Laboratories[32] usou pesquisas das Universidades de Wyoming e Notre Dame em um esforço colaborativo para criar um bicho-da-seda que é geneticamente alterado para produzir seda de aranha. Em setembro de 2010, o esforço foi anunciado como bem sucedido.[33] Pesquisadores da Tufts desenvolveram fios de seda esponjosa que parecem com tecidos humanos. Eles são implantados durante a cirurgia reconstrutiva para apoiar ou reestruturar ligamentos, tendões e outros tecidos danificados. Os mesmos também criaram implantes feitos de seda e compostos de drogas que podem ser implantados sob a pele para liberação gradual de medicamentos.[34]

Pesquisadores do MIT Media Lab realizaram experimentos com bichos-da-seda para ver o que teciam quando deixados em superfícies com diferentes curvaturas. Eles descobriram que os vermes conectavam linhas vizinhas com a seda produzida. Usando esse conhecimento, eles construíram um pavilhão de seda com 6.500 bichos-da-seda durante vários dias. O mesmos têm sido usados ​​na descoberta de antibióticos, pois apresentam vários traços vantajosos em comparação com outros modelos de invertebrados.[35] Antibióticos como a lisocina E,[36] um peptídeo não ribossômico sintetizado por Lysobacter sp. RH2180-5 e GPI0363 estão entre os mais notáveis ​​descobertos.[37][38]

Na LuaEditar

Em 2 de janeiro de 2019, a sonda chinesa Chang'e 4 levou os bichos-da-seda para a Lua.[39] Um pequeno microcosmo continha A. thaliana, sementes de batatas e ovos de bicho-da-seda. Como as plantas forneceriam aos bichos-da-seda o oxigênio, e eles, por sua vez, forneceriam às plantas o dióxido de carbono necessário e nutrientes através de seus resíduos, os pesquisadores avaliarão se as plantas realizam a fotossíntese, crescem e florescem no ambiente lunar.[40]

GenomaEditar

O seu genoma completo foi publicado em 2008 pelo Consórcio Internacional do Genoma do Bicho-da-seda.[41] Sequências de rascunho foram publicadas em 2004.[42][43] O genoma do bicho-da-seda é de gama média com um tamanho em torno de 432 pares de megabase. Alta variabilidade genética tem sido encontrada em linhagens domésticas, embora isso seja menor do que entre mariposas selvagens (cerca de 83% da variação genética selvagem). Isto sugere uma única domesticação, e que isso aconteceu durante um curto período de tempo, com um grande número de larvas selvagens sendo coletados para conversão. Grandes questões, no entanto, permanecem sem resposta: "Se isso ocorreu em um único local ou em um curto período de tempo em vários locais não pode ser decifrado a partir dos dados". A pesquisa também precisa identificar a área chinesa onde a domesticação surgiu.[44]

DomesticaçãoEditar

 
Tecendo seda em Myanmar
 
Prato de pupas do bicho-da-seda

A forma domesticada, comparada à forma selvagem, aumentou o tamanho do casulo, o tamanho do corpo, a taxa de crescimento e a eficiência de sua digestão. Ele ganhou tolerância à presença humana e manuseio, e também a viver em condições de superlotação. A mariposa domesticada não pode voar, por isso precisa de assistência humana para encontrar um parceiro e não tem medo de predadores em potencial. Os pigmentos de cores nativas também são perdidos, portanto as mariposas domesticadas são leucísticas, já que a camuflagem não é útil quando elas só vivem em cativeiro. Essas mudanças fizeram com que as cepas domesticadas dependessem inteiramente dos humanos para sobreviver. Os ovos são mantidos em incubadoras.[45]

CriaçãoEditar

Os bichos-da-seda foram domesticados pela primeira vez na China há mais de 5 mil anos. Desde então, a capacidade de produção de seda aumentou quase dez vezes. O mesmo é um dos poucos organismos em que os princípios da genética e da reprodução foram aplicados para extrair a produção máxima. A criação de bichos-da-seda visa a sua melhoria de um ponto de vista comercial. Os principais objetivos são melhorar a fecundidade, a saúde das larvas, quantidade de casulos, produção de seda e a resistência a doenças.[46][47]

Larvas saudáveis ​​levam a uma cultura de casulo saudável. A saúde depende de fatores como melhor taxa de pupação, menos larvas mortas, menor duração larval (menor duração das larvas diminui a chance de infecção) e larvas de quinto ínstar tingidas de azul (que são mais saudáveis ​​do que as avermelhadas). A quantidade de casulos e seda produzida está diretamente relacionada à taxa de pupa e ao peso das larvas. Larvas mais saudáveis ​​têm maiores taxas de pupação. A qualidade do casulo e da seda depende de vários fatores, incluindo a genética.[48]

Projetos escolaresEditar

Nos Estados Unidos, os professores podem, às vezes, apresentar o ciclo de vida dos insetos aos seus alunos, utilizando os bichos-da-seda na sala de aula como um projeto de ciências. Os alunos têm a chance de observar ciclos completos de vida, desde o estágio do ovo até a larva, a pupa e a mariposa.[49] O bicho-da-seda foi criado como passatempo em países como a China, África do Sul, Zimbábue e Irã. A experiência proporciona às crianças a oportunidade de testemunhar o ciclo de vida dos bichos-da-seda. A prática de cultivá-los como animais de estimação levou, na África do Sul, ao desenvolvimento de raças extremamente resistentes, porque eles são invariavelmente sujeitos a dificuldades não encontradas por membros da espécie comercialmente cultivada. No entanto, estes vermes, não sendo seletivamente criados como tal, são possivelmente inferiores na produção de seda e podem exibir outras características indesejáveis.[50]

CulináriaEditar

As pupas do bicho-da-seda são comidas em algumas culturas: Em Assam, eles são cozidos para extração de seda e as pupas cozidas são comidas diretamente com sal, fritas com pimenta ou ervas como um lanche;[51] Na Coreia, eles são cozidos e temperados para fazer um lanche popular conhecido como beondegi (번데기); Na China, vendedores ambulantes vendem pupas de bicho-da-seda assadas; No Japão, eles são geralmente servidos como tsukudani (佃煮), ou seja, cozidos em molho agridoce feito com molho de soja e açúcar; No Vietnã, isso é conhecido como con nhộng. Os bichos-da-seda também foram propostos para o cultivo pelos astronautas como alimento espacial em missões de longo prazo.[52]

DoençasEditar

Nos países tropicais, são insetos que às vezes invadem as incubadoras e atacam as larvas. Exemplos são o louva-a-deus, grilo, formiga, lacrainha e vespa. No entanto, esses predadores geralmente causam pouco dano. Uma exceção é a Exorista sorbillans, que prefere colocar seus ovos nas larvas do bicho-da-seda.[53] Quando os ovos eclodem, as moscas comem a larva. As larvas sofrem principalmente com parasitas, que podem causar sérios danos se chegarem a um viveiro. Um exemplo são os fungos do gênero Beauveria. Os esporos liberados causam a disseminação do fungo.[54]

O bicho-da-seda também é suscetível à infecção por vários organismos unicelulares e vírus. Na França, toda a produção de seda entrou em colapso quando, por volta de 1860, uma doença desconhecida se manifestou. Isso foi examinado em 1865 pelo cientista francês Louis Pasteur. Ele descobriu a pebrina, nome derivado do francês e significa "doença da pimenta". Este nome refere-se às manchas escuras na pele das larvas fazendo parecer que elas são picantes. A doença foi causada por organismos parasitários pertencentes aos microsporídios. A principal causa é o tipo Nosema bombycis, mas também espécies dos gêneros Vairimorpha, Pleistophora e Thelohania podem manifestar-la. Se a larva for infectada, não há sintomas, mas elas transmitirá a infecção para seus ovos.[55]

Outra doença importante é chamada flacherie, que significa "fraqueza". Esta doença pode ter duas causas: uma física e outra biológica. A primeira ocorre quando as larvas são expostas a muito calor, por exemplo, durante uma onda de calor. A segunda causa é a exposição a folhas de amoreira infectadas com vírus ou bactérias. Os vírus atacam o intestino da larva e ela morre.[56]

No BrasilEditar

A sericicultura começou a ser explorada no Brasil em meados do século XIX, e, praticamente, toda a produção de seda é destinada à exportação, porque a Indústria Têxtil brasileira consome menos de 4% da toda produção nacional. Esta atividade tem significativa importância no cenário nacional, uma vez que além da função econômica possui também um apelo social, pois a atividade é desenvolvida em pequenas propriedades que empregam mão de obra familiar, contribuindo para a renda dessas famílias e diminuindo o êxodo rural.[57][58]

Referências

  1. E. J. W. Barber (1992). Prehistoric Textiles: the Development of Cloth in the Neolithic and Bronze Ages with Special Reference to the Aegean. EUA: Princeton University Press. p. 31. ISBN 978-0-691-00224-8 
  2. K. P. Arunkumar; Muralidhar Metta; J. Nagaraju (2006). «Molecular phylogeny of silkmoths reveals the origin of domesticated silkmoth, Bombyx mori from Chinese Bombyx mandarina and paternal inheritance of Antheraea proylei mitochondrial DNA» (PDF). Molecular Phylogenetics and Evolution. 40 (2). p. 419–427. PMID 16644243. doi:10.1016/j.ympev.2006.02.023 
  3. Hideaki Maekawa; Naoko Takada; Kenichi Mikitani; Teru Ogura; Naoko Miyajima; Haruhiko Fujiwara; Masahiko Kobayashi; Osamu Ninaki (1988). «Nucleolus organizers in the wild silkworm Bombyx mandarina and the domesticated silkworm B. mori» (PDF). Chromosoma. 96 (4). p. 263–269. doi:10.1007/BF00286912 
  4. Brian K. Hall (2010). Evolution: Principles and Processes. Col: Topics in Biology. EUA: Jones & Bartlett Learning. p. 400. ISBN 978-0-7637-6039-7 
  5. Trevisan, Adrian. «Cocoon Silk: A Natural Silk Architecture». Sense of Nature. Arquivado do original em 7 de maio de 2012 
  6. «Bicho-da-seda - Bombyx mori - Insetos». InfoEscola. Consultado em 18 de fevereiro de 2019 
  7. «Como criar bicho-da-seda». Globo Rural. 2 de dezembro de 2013. Consultado em 18 de fevereiro de 2019 
  8. «Faostat». fao.org. Consultado em 19 de fevereiro de 2019 
  9. «Bicho-da-Seda: O bicho do Homem». Superinteressante. 31 de outubro de 2016. Em cena em 18:28. Consultado em 18 de fevereiro de 2019 
  10. «Mahatma Gandhi: 100 years». EUA. 1968. p. 349. Consultado em 18 de fevereiro de 2019 
  11. «Como é fabricada a seda?». 29 de outubro de 2016. Consultado em 18 de fevereiro de 2019 
  12. Jain, Khusboo. «Life Cycle of Silkworm Moth». Consultado em 6 de março de 2019 
  13. «Como é feita a seda? Veja como casulos se transformam em tecido». R7‎. 30 de agosto de 2018. Consultado em 6 de março de 2019 
  14. Teji (布目順郎, Jiro (1967). 『養蚕の起源』 ["Origem da sericicultura"] (em japonês). 6. Japão: Ciência e Tecnologia da Seda (蚕糸科学と技術). p. 50-53 
  15. Último Segundo (13 de março de 2011). «Pesquisadores tentam desvendar segredo da fabricação da seda». iG‎. Consultado em 6 de março de 2019 
  16. Shimoda (下田みさと), Misato; Kanekatsu (金勝廉介), Ryosuke (2016). カイコ幼虫の歩行距離と野外での生存の可能性. 85. Japão: Biotecnologia de insetos (昆虫バイオテック). p. 145-151. doi:10.11416/konchubiotec.85.3_145 
  17. Wormspit. «Bombyx mori - The China Silkworm». Consultado em 6 de março de 2019 
  18. Kawamoto (河本夏雄), Natsuo; Tsuda (津田麻衣), Mai; Okada (岡田英二), Eiji (2014). 遺伝子組換えカイコの飼育における生物多様性影響の評価手法の構築 [Estabelecimento de método de avaliação do impacto da biodiversidade na criação de bicho-da-seda] (em japonês). 83. Japão: Insect Biotech. p. 171-179. doi:10.11416/konchubiotec.83.2_171 
  19. Jan van der Hoeven (1840). «Tijdschrift voor Natuurlijke Geschiedenis en Physiologie». Uitgeverij Sulpke. Consultado em 5 de março de 2019 
  20. Lanting, Mans. «Geen rups gedood voor Ahimsazijde» (pdf). Consultado em 5 de março de 2019 
  21. Karl Friedrich Vollrath Hoffmann (1835). De aarde, hare bewoners, en voortbrengselen: een aardrijkskundig handboek (em neerlandês). 1. [S.l.]: Uitgeverij Sulpke. Consultado em 5 de março de 2019 
  22. Jan Christiaan Sepp (1843). Nacht-Vlinders: De Horzelgelijkende Vlinder, De Zijdeworm (etc.). 6. [S.l.]: Uitgeverij Sepp en zoon. Consultado em 5 de março de 2019 
  23. Shah, Richa. «Mulberry Silkworm: History, Habitat and Life Cycle». Consultado em 5 de março de 2019 
  24. A. B. Klots; E. B. Klots (1970). Elseviers Wereld der Dieren - Insecten. [S.l.]: Uitgeverij Elsevier. p. 141. ISBN 9010001164 
  25. Grzimek, Bernhard (1970). Het leven der dieren Deel II: Insecten. [S.l.]: Het Spectrum. p. 401 - 402. ISBN 90-274-8621-2 
  26. Sarah Underhill Wisseman; Wendell S. Williams (1994). Ancient Technologies and Archaeological Materials. EUA: Routledge. p. 131. ISBN 2-88124-632-X 
  27. International Sericultural Commission. «Statistics». Consultado em 5 de março de 2019 
  28. D Hillenius ea (1971). Spectrum Dieren Encyclopedie Deel 7. [S.l.]: Uitgeverij Het Spectrum. p. 2616 - 2620. ISBN 90-274-2097-1 
  29. Dieren encyclopedie deel 10: ZEE - ZIJL. [S.l.]: Winkler Prins. 1980. p. 1946 - 1950. ISBN 90-10-02845-3 
  30. Goldsmith, Marian R.; Shimada, Toru; Abe, Hiroaki (2005). «The genetics and genomics of the silkworm, Bombyx mori». Annual Review of Entomology. 50 (1). pp. 71–100. PMID 15355234. doi:10.1146/annurev.ento.50.071803.130456 
  31. Gerton and Hawley (2005). «Homologous Chromosome Interactions in Meiosis: Diversity Amidst Conservation». Nature Reviews Genetics. 6 (6). pp. 477–487. PMID 15931171. doi:10.1038/nrg1614 
  32. «Kraig Biocraft Laboratories». Consultado em 3 de março de 2019 
  33. «University of Notre Dame». Consultado em 3 de março de 2019 
  34. «Wolchover, Natalie». Consultado em 3 de março de 2019 
  35. Panthee, S.; Paudel, A.; Hamamoto, H.; Sekimizu, K. (2017). «Advantages of the silkworm as an animal model for developing novel antimicrobial agents». Front Microbiol 8. p. 373. PMID 28326075. doi:10.3389/fmicb.2017.00373 
  36. Hamamoto, H; Urai, M; Ishii, K; Yasukawa, J; Paudel, A; Murai, M; Kaji, T; Kuranaga, T; Hamase, K; Katsu, T; Su, J; Adachi, T; Uchida, R; Tomoda, H; Yamada, M; Souma, M; Kurihara, H; Inoue, M; Sekimizu, K. (2015). «Lysocin E is a new antibiotic that targets menaquinone in the bacterial membrane». Nat. Chem. Biol. pp. 127–133. PMID 25485686. doi:10.1038/nchembio.1710 
  37. Panthee, S.; Hamamoto, H.; Suzuki, Y.; Sekimizu, K. (2017). «In silico identification of lysocin biosynthetic gene cluster from Lysobacter sp. RH2180-5. J». Antibiot. pp. 204–207. PMID 27553855. doi:10.1038/ja.2016.102 
  38. Paudel, A; Hamamoto, H; Panthee, S; Kaneko, K; Matsunaga, S; Kanai, M; Suzuki, Y; Sekimizu, K. (2017). «A novel spiro-heterocyclic compound identified by the silkworm infection model inhibits transcription in Staphylococcus aureus». Front Microbiol. p. 712. PMID 28487682. doi:10.3389/fmicb.2017.00712 
  39. Letzter, Rafi (4 de janeiro de 2019). «There Are Plants and Animals on the Moon Now (Because of China)». Space. Consultado em 15 de janeiro de 2019 
  40. Connor, Neil (13 de abril de 2018). «China plans to grow flowers and silkworms on the dark side of the moon». The Telegraph (em inglês). ISSN 0307-1235. Consultado em 15 de janeiro de 2019 
  41. The International Silkworm Genome Consortium (2008). «The genome of a lepidopteran model insect, the silkworm Bombyx mori». Insect Biochemistry and Molecular Biology. 38 (12). pp. 1036–1045. PMID 19121390. doi:10.1016/j.ibmb.2008.11.004 
  42. Kazuei Mita; Masahiro Kasahara; Shin Sasaki (2004). «The genome sequence of silkworm, Bombyx mori». DNA Research. 11 (1). pp. 27–35. PMID 15141943. doi:10.1093/dnares/11.1.27 
  43. Xia Q; Zhou Z; Lu C (2004). «A draft sequence for the genome of the domesticated silkworm (Bombyx mori)». Science. 306 (5703). pp. 1937–40. Bibcode:2004Sci...306.1937X. PMID 15591204. doi:10.1126/science.1102210 
  44. Normile, Dennis (2009). «Sequencing 40 silkworm genomes unravels history of cultivation». Science. 325 (5944). pp. 1058–1059. Bibcode:2009Sci...325.1058N. PMID 19713499. doi:10.1126/science.325_1058a 
  45. Marian R. Goldsmith; Toru Shimada; Hiroaki Abe (2005). «The genetics and genomics of the silkworm, Bombyx mori». Annual Review of Entomology. 50. pp. 71–100. PMID 15355234. doi:10.1146/annurev.ento.50.071803.130456 
  46. Hong-Song Yu1; Yi-Hong Shen; Gang-Xiang Yuan (2011). «Evidence of selection at melanin synthesis pathway loci during silkworm domestication». Molecular Biology and Evolution. 28 (6). pp. 1785–99. PMID 21212153. doi:10.1093/molbev/msr002 
  47. Dennis Normile (2009). «Sequencing 40 Silkworm Genomes Unravels History of Cultivation». Science. 325 (5944). pp. 1058–1059. Bibcode:2009Sci...325.1058N. PMID 19713499. doi:10.1126/science.325_1058a 
  48. «Mountage: Meaning and Types | Sericulture». Zoology Notes. Consultado em 21 de julho de 2016 
  49. «De fantastische wereld van het kleine - Insecten». p. 190 - 192. Consultado em 5 de março de 2019 
  50. «Silkworm School Science Project Instruction» (PDF). Consultado em 18 de outubro de 2011. Arquivado do original (PDF) em 14 de março de 2012 
  51. «10 Weird Foods in India - Eri polu». Consultado em 1 de fevereiro de 2013 
  52. Choi, Charles Q. (13 de janeiro de 2009). «Care for a Silkworm With Your Tang?». ScienceNOW Daily News. Consultado em 14 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 25 de fevereiro de 2011 
  53. Ida Masahiro (一田昌利) (2003). «新しいシルク素材としての野蚕 [pronuncia: Atarashī shiruku sozai to shite no kuwago]» [Mariposa selvagem como um novo inseto da seda] (pdf). Jornal da Sociedade Têxtil (繊維学会誌) (em japonês). 59 (9). p. 298-301 
  54. 佐々木正己; 地曳文夫; 広部達道. クワコとカイコの日周行動の比較. 24. Japão: 玉川大学農学部研究報告. p. 26-4 
  55. Fernando E. Vega; Harry K. Kaya (2012). Insect Pathology. [S.l.]: Academic Press. p. 433. ISBN 9780123849847. Consultado em 6 de março de 2019 
  56. Dong Li; Yiran Guo; Haojing Shao; Laurent C Tellier; Jun Wang; Zhonghuai Xiang; Qingyou Xia (2010). «Genetic diversity, molecular phylogeny and selection evidence of the silkworm mitochondria implicated by complete resequencing of 41 genomes». BMC evolutionary biology. 10 (1). p. 81. doi:10.1186/1471-2148-10-81 
  57. «Paraná é líder nacional na produção de bicho-da-seda». Globo.com‎. 22 de outubro de 2017. Consultado em 6 de março de 2019 
  58. «Paraná é responsável por 86% da produção nacional do fio de seda». G1‎. 14 de outubro de 2018. Consultado em 6 de março de 2019 

BibliografiaEditar

  • Grimaldi, Engel; David A., Michael S. (2005). Evolution of the Insects. EUA: Cambridge University Press. ISBN 978-0-521-82149-0 
  • Johnson, Sylvia (1989). Silkworms. EUA: Lerner Publications. ISBN 978-0-8225-9557-1 
  • Scoble, M. J. (1995). The Lepidoptera: Form, Function and Diversity. EUA: Princeton University Press. ISBN 978-0-19-854952-9 
  • Yoshitake, N. (1968). «Phylogenetic aspects on the origin of Japanese race of the silkworm, Bombyx mori L.». Journal of Sericological Sciences of Japan. 37. pp. 83–87 
  • Trevisan, Adrian. «Cocoon Silk: A Natural Silk Architecture». Sense of Nature. Arquivado do original em 7 de maio de 2012 
  • Wolchover, Natalie. «The Silk Renaissance». Seed Magazine. Consultado em 4 de março de 2019 
  • Kelly, Henrietta Aiken (1903). The culture of the mulberry silkworm. Washington DC: U.S. Department of Agriculture, Government Printing Office. Consultado em 17 de janeiro de 2012 

Notas

  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em inglês, cujo título é «Bombyx mori».
  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em neerlandês, cujo título é «Zijdevlinder».

Ligações externasEditar

  •   Media relacionados com Bombyx mori no Wikimedia Commons

  Media relacionados com Bicho-da-seda no Wikimedia Commons