Biquéris

possível faraó egípcio da IV dinastia

Biquéris (em egípcio: b3-k3-rˁ) é o nome helenizado de um antigo faraó egípcio, que pode ter governado durante a IV dinastia (período do Império Antigo) por volta de 2 570 a.C.. Quase nada se sabe sobre este governante e alguns egiptólogos acreditam que ele seja fictício.[1]

Biquéris
Fragmento de calcário inscrito, possivelmente mostrando o nome de Biquéris
Faraó do Egito
Reinado c. 2 570 a.C.
Antecessor(a) Quéfren (?)
Sucessor(a) Miquerinos (?)
 
Dinastia IV dinastia
Pai Ratoises (?)
Titularia
Nome Bacá
(b3-k3)
Bá e Cá
V10AE10D28Z1V11A


Bacaré
(b3-k3-rˁ)
Sua alma é o Cá de Rá
V10AN5G29D28V11A
Título

IdentidadeEditar

Fontes de nomes possíveisEditar

Na tentativa de reconstruir as listas de reis do Egito Antigo, os egiptólogos e historiadores enfrentam vários problemas. Como já mencionado, Biquéris é uma variação do nome helenizado. O nome aparece no livro Aegyptiaca escrito por Manetão por volta de 300 a.C.. Em uma cópia latina de Manetão, escrita por Eratóstenes, um rei chamado Biuris é colocado na data em que Biquéris supostamente governou. Os estudiosos se perguntam se os dois nomes realmente derivam da mesma fonte egípcia.[2]

No entanto, as fontes egípcias antigas são escassas. A fonte de nome real mais antiga possível pode vir de um eixo de uma pirâmide incompleta em Zauiate Ariane. O poço foi escavado em 1904 pelo egiptólogo italiano Alessandro Barsanti. Ele descobriu várias inscrições em tinta preta dentro do poço, algumas das quais na verdade mostram um nome de cartucho real. Infelizmente, Barsanti não fez nenhum fac-símile, mas os desenhos desleixados e tudo, exceto o nome do cartucho, permanecem ilegíveis. Pelo menos o segundo hieróglifo (inferior) pode ser identificado como um símbolo , tornando assim o nome do rei um ...cá.[1][3]

A próxima fonte possível aparece no famoso Papiro Westcar da XIII dinastia. O texto menciona o filho de um rei, Bauefrá. Os estudiosos se perguntam se este Bauefré pode ser idêntico a Biquéris. Um nome muito semelhante do período do Novo Reino pode ser encontrado em uma inscrição na rocha em Uádi Hamamate. A inscrição consiste em uma oração honorária encimada por uma pequena lista de reis. A lista contém os nomes Quéops, Ratoises, Quéfren, Jedefor e Baefrá.[4]

IdentificaçõesEditar

Alan B. Lloyd está convencido de que os nomes Bacá, Bacaré, Baefrá, Bauefrá e Biuris são todos idênticos ao Biquéris de Manetão.[2] Isso, por sua vez, é questionado por Kim Ryholt, que aponta que os nomes Baefrá e Bauefrá não contêm nenhuma sílaba que se encaixaria foneticamente em "Biquéris". Assim, Ba(u)efrá e Biquéris podem ser dois reis diferentes.[5] Esta visão é reforçada pelo fato de que Bauefra é intitulado em documentos contemporâneos apenas como "filho do rei", que é o título de um príncipe, não de um governante.[6]

O único nome do Reino Antigo que realmente poderia caber é o agora incompleto nome X-cá, como encontrado em Zaiuate Ariane. De acordo com Peter Jánosi, o nome misterioso poderia ser um Bacá, escrito com um símbolo de ovelha. Um filho de Ratoises se chamava Bacá, seu nome foi escrito com um símbolo ram e . Pode ser possível que o príncipe Bacá devesse se tornar rei no trono real, mas então ele morreu inesperadamente durante seu ano de coroação, deixando um poço de tumba inacabado. Talvez Bacá tenha mudado seu nome de "Bacá" para "Bacá-Ré" após sua coroação, ou talvez tenha sido postumamente. Se a teoria estiver correta, Biquéris era a variante helenizada de Baca(ré).[6]

Figura históricaEditar

Alguns estudiosos suspeitam que a linha de sucessões do trono durante a IV dinastia do Egito pode ter sido muito menos suave do que os egiptólogos tradicionais acreditam. Em apoio a isso, eles apontam que já era suspeito que o rei Ratoises rompeu com a tradição familiar de construir tumbas reais em Gizé. Na verdade, Ratoises havia deixado a necrópole de Gizé na tentativa de fundar um novo cemitério real em Abu Rauas. Alan B. Lloyd também aponta que Ratoises ousou outra ruptura com as tradições reais ao introduzir o culto de e colocar Rá acima de todas as outras divindades. Se Ratoises rompeu com as tradições familiares, então Biquéris, como seu filho, pode ter feito a mesma coisa. Isso, e o reinado obviamente muito curto, pode ter levado à exclusão de Biquéris dos registros oficiais.[2][4]

Outro problema é como historiadores posteriores retratam a IV dinastia: Manetão e Eratóstenes descrevem Biquéris como o sexto governante da IV dinastia e como filho e sucessor do rei Ratoises. No entanto, ambos os autores situam os reis cronologicamente de forma errada, uma vez que eles dão a sucessão Seneferu → Quéops → Quéfren → Miquerinos → Ratoises → Seberquerés → Tanfétis; registros arqueológicos, no entanto, fornecem a sucessão correta Seneferu → Quéops → Ratoises → Quéfren → Miquerinos → Seberquerés. A razão para os numerosos deslocamentos de reis em documentos helenísticos pode ser causada pela ideia errônea dos autores antigos de que os três construtores das pirâmides de Gizé (Quéops, Quéfren e Miquerinos) devem ter sido automaticamente sucessores diretos do trono. Além disso, os autores helenísticos parecem ter construído a lista de reis sobre a importância histórica de cada rei: primeiro os "famosos construtores de pirâmides" que todos conheciam em sua época (por causa de seus cultos mortuários ainda praticados e seus impressionantes monumentos), depois os "menores importantes" seguidores.[2][4]

Assim, a maioria dos estudiosos está convencida de que Biquéris, se ele existisse, deve ter governado entre Ratoises e Quéfren, ou entre Quéfren e Miquerinos. Uma vez que Biquéris é descrito como filho e seguidor de Ratoises, uma posição cronológica entre Ratoises e Quéfren parece possível. No entanto, a lista de reis raméssidas fornecem evidências para colocar o reinado de Biquéris entre Quéfren e Miquerinos. A lista real de Sacará fornece uma sequência muito estranha de reis sucessivos para a IV dinastia: depois do rei Quéfren, os cartuchos dele até o rei Userquerés (o primeiro governante da V dinastia) são destruídos e, portanto, ilegíveis hoje. Mas seu número é intrigante, uma vez que entre Quéfren e Userquerés apenas dois reis são arqueologicamente detectados: Miquerinos e Seberquerés. Por outro lado, a lista real de Sacará fornece cinco cartelas entre Quéfren e Userquerés: Quéfren → ??? → (Miquerinos) → (Seberquerés) → (Tanfétis) → ??? → Userquerés. Um foi possivelmente preservado para Biquéris, enquanto o segundo pode ter sido reservado para um rei Tanfétis. O terceiro cartucho (o anterior a Userquerés) permanece um mistério.[2] Jürgen von Beckerath propõe o rei Raturés como o titular do terceiro cartucho; ele acha que é possível que Raturés tenha sido simplesmente deslocada para o início da V dinastia. A lista real de Sacará teria, portanto, a seguinte sucessão: Quéfren → Biquéris → Miquerinos → Seberquerés → Tanfétis → Raturés→ Userquerés.[1]

O Cânone Real de Turim também fornece uma sequência incomum: depois do rei Quéfren, o papiro no qual a lista de reis foi escrita está danificado e apenas algumas notas de um ano sobreviveram. De acordo com o número de notas de ano preservadas, entre Quéfren e Miquerinos um outro rei deve ter sido listado, porque uma linha adicional começa com "rei do Alto e Baixo Egito" (as notas de ano aqui estão danificadas e ilegíveis, no entanto). No ano seguinte, uma nota sobre "18 anos de governo" deve pertencer ao rei Miquerinos. Depois de Miquerinos, 4 anos de governo são mencionados, esta linha foi certamente reservada para o rei Seberquerés. Após Seberquerés, no entanto, uma nota adicional de ano dá "2 anos de governo" antes de iniciar a V dinastia com Userquerés.[2][4]

ReinadoEditar

A duração do reinado de Biquéris está sujeita a alguma disputa. Manetão credita a Biquéris 22 anos de governo, Eratóstenes dá a Biuris 10 anos e o Cânone Real de Turim oferece 2 anos. Egiptólogos e historiadores modernos acreditam que os números dos anos de Manetão e Eratóstenes sejam exageros ou interpretações errôneas. Eles atribuem a Biquéris um reinado de 2 anos (da mesma forma para o Cânone de Turim) ou até menos de um ano (como sugere Peter Jánosi). Um reinado tão curto explicaria por que Bikheris praticamente não deixou monumentos e/ou documentos.[2][4]

EnterroEditar

A tumba de Biquéris é desconhecida. Se ele for de fato idêntico ao príncipe Bacá com atestado arqueológico, ele pode ter sido enterrado na Pirâmide incompleta de Zauiate Ariane. Esta tumba foi deixada inacabada logo após a conclusão da fundação - apenas um sarcófago de formato oval embutido foi encontrado. O estado do túmulo sugere a morte repentina do rei, o que obrigou os trabalhadores do túmulo a deixar a necrópole para trás. A tumba inacabada, portanto, caberia bem para um governante suposto de vida curta, como Biquéris.[4][6]

Referências

  1. a b c Jürgen von Beckerath: Chronologie des pharaonischen Ägypten. Die Zeitbestimmung der ägyptischen Geschichte von der Vorzeit bis 332 v. Chr. (= Münchner ägyptologische Studien, vol. 46). von Zabern, Mainz 1997, ISBN 3-8053-2310-7, p. 158.
  2. a b c d e f g Alan B. Lloyd: Commentary. In: Herodotus, Book II (= Etudes préliminaires aux religions orientales dans l'empire romain, vol. 43). BRILL, Leiden 1993, ISBN 9004077375, p.76-78.
  3. Miroslav Verner: Archaeological Remarks on the 4th and 5th Dynasty Chronology. In: Archiv Orientální, Vol. 69. Prag 2001, p. 363–418.
  4. a b c d e f Peter Jánosi: Giza in der 4. Dynastie. Die Baugeschichte und Belegung einer Nekropole des Alten Reiches. Bd. I: Die Mastabas der Kernfriedhöfe und die Felsgräber. Verlag der Österreichischen Akademie der Wissenschaften, Wien 2005, ISBN 3-7001-3244-1, p. 64-65.
  5. K. S. B. Ryholt, Adam Bülow-Jacobsen: The Political Situation in Egypt During the Second Intermediate Period, c. 1800 – 1550 B.C (= CNI publications, Carsten Niebuhr Institut København, vol. 20). Museum Tusculanum Press, 1997, ISBN 8772894210, p. 17-18.
  6. a b c George Andrew Reisner: A History of the Giza Necropolis, Vol. I. Harvard University Press, Harvard 1942, p. 28.

Precedido por
Quéfren?
Faraó
IV dinastia egípcia
Sucedido por
Miquerinos?