Boanerges Ribeiro

Boanerges (Adiron) Ribeiro (19192003) foi um pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil, cujo Supremo Concílio presidiu, nos mandatos de 1966 a 1970, 1970-1974 e 1974 a 1978.[1] Nesse período saíram da Igreja Presbiteriana do Brasil alguns membros, os quais deram origem a outras igrejas como a Igreja Presbiteriana Unida do Brasil e Igreja Presbiteriana Renovada, esta de linha pentecostal.

Boanerges Ribeiro
Nascimento 1919
 Brasil
Morte 2003 (84 anos)
Ocupação Pastor
Religião Presbiteriano

Ministério e atividades religiosasEditar

Graduou-se Bacharel em Teologia pelo Seminário Presbiteriano de Campinas, em 1941, tendo ainda obtido licenciatura em Filosofia, mestrado e doutorado em Ciências Sociais.

Foi pastor da Igreja Presbiteriana do Brás, em São Paulo-SP, tendo sido, a partir daquele pastorado, fundador de 17 outras igrejas na Capital do Estado. Numa delas, a Igreja Presbiteriana do Calvário, no bairro do Campo Belo, exerceu o pastorado durante mais de 30 anos, recebendo o título de pastor emérito, ficando ali até o final de sua vida. Também foi pastor em uma Igreja Presbiteriana, de membros norte-americanos, em Saint Louis, Michigan, nos Estados Unidos da América.

Atuou como professor universitário, em várias instituições, incluso o seminário onde estudou e recebeu a graduação em Teologia. Como representante da Igreja Presbiteriana do Brasil, atuou em congressos e encontros nacionais e internacionais. Foi Preletor do Sínodo Reformado Ecumênico, em Sydney, e da Assembleia Geral da Igreja Presbiteriana na América, em Jackson, Mississipi, EUA.

Como conferencista e orador religioso, contam-se inúmeros pronunciamentos, muitos deles publicados na imprensa presbiteriana.

Dentre suas atividades foi o fundador da Casa Editora Presbiteriana, a que dirigiu entre 1947 a 1961. Também foi o idealizador do Jornal Brasil Presbiteriano, em 1964, tendo sido, ainda, o seu 1º diretor.

No campo administrativo-educacional, foi membro dos Conselhos Deliberativos do Instituto Mackenzie, Presidente do Instituto Mackenzie e Chanceler da Universidade Mackenzie. Também idealizou e foi diretor da Fundação Educacional Presbiteriana Rev. José Manoel da Conceição (Fundação JMC), dentre outros.

Na década de 90, recebeu da Câmara Municipal de São Paulo o título de Cidadão Paulistano.

Exerceu o cargo de Presidente do Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana do Brasil, entre 1966 e 1978, em três mandatos de 4 anos.

BibliografiaEditar

É autor dos seguintes livros:

  • O Apóstolo dos Pés Sangrentos (1943) (estudo biográfico de um caso de misticismo protestante);
  • Seara em Fogo(1952) (sobre o evangelista norte-americano Dwight L. Moody);
  • O Padre Protestante(biografia do Rev. José Manoel da Conceição, concluída em Santos no Natal de 1948);
  • Protestantismo no Brasil Monárquico (1822-1888): Aspectos Culturais da Aceitação do Protestantismo no Brasil (1973);
  • Protestantismo e Cultura Brasileira: Aspectos Culturais da Implantação do Protestantismo no Brasil (1981);
  • A Igreja Presbiteriana no Brasil, da Autonomia ao Cisma (1987);
  • Terra da Promessa (1988);
  • O Senhor que se fez Servo (1989);
  • Igreja Evangélica e República Brasileira: 1889-1930 (1991);
  • O Culto em Corinto e o Nosso Culto (1992);
  • José Manoel da Conceição e a Reforma Evangélica (1995).

Ver tambémEditar

BibliografiaEditar

  • RIBEIRO, Boanerges. O Senhor que se fez Servo. São Paulo: O Semeador, 1989 - Sobre o Autor
  • RIBEIRO, Boanerges. Ser Pastor no Brasil (São Paulo, 1999). Palestra proferida aos bacharelandos em teologia do Seminário Rev. José Manoel da Conceição no dia 4 de dezembro de 1999

Referências

  1. «Boanerges Ribeiro». VIAF (em inglês). Consultado em 1 de dezembro de 2019 

Precedido por
Rev. Amantino Adorno Vassão
Presidente do Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana do Brasil
1966 - 1978
Sucedido por
Presb. Paulo Breda Filho
  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.