Boeing 707

avião comercial a jato

O Boeing 707 é um avião comercial a jato quadrimotor de porte médio e fuselagem estreita desenvolvido e produzido pela Boeing entre os anos de 1958 e 1979 com capacidade de 140 até 219 passageiros, com autonomia de 2 500 a 5 750 milhas náuticas (4 630 a 10 650 km).[1]

Boeing 707
Boeing 707-321B da Pan Am.
Descrição
Tipo / Missão Avião comercial
País de origem  Estados Unidos
Fabricante Estados Unidos Boeing
Período de produção 19581979
Quantidade produzida 856
Custo unitário US$ 4,3 milhões (1955)
Primeiro voo em 20 de dezembro de 1957 (63 anos)
Introduzido em 21 de outubro de 1958 com a Pan American World Airways
Tripulação 3 (piloto, copiloto e engenheiro de voo)
Passageiros 166
Número de classes 2 classe(s)
Especificações
Dimensões
Comprimento 46,61 m (153 ft)
Envergadura 44,42 m (146 ft)
Altura 12,93 m (42,4 ft)
Peso(s)
Peso vazio 49 900 kg (110 000 lb)
Peso máx. de decolagem 151 320 kg (334 000 lb)
Propulsão
Motor(es) 4x PW JT3C-6
4x PW JT4A-3s
4x PW JT3D-1
4x PW JT3D-3 e PW JT3D-7
Performance
Velocidade de cruzeiro 972 km/h (525 kn)
Alcance (MTOW) 5 040 km (3 130 mi)
Notas
Dados da Wikipédia anglófona - 707

O 707 foi o primeiro avião comercial a jato produzido em série pela Boeing. Embora não tenha sido o primeiro avião comercial a jato, o 707 foi um grande sucesso comercial e dominou o transporte aéreo de passageiros durante as décadas de 60 e o início da década de 70. Foi graças ao 707 que a Boeing se tornou a maior fabricante de aviões comerciais do mundo.

HistóriaEditar

Até a década de 1950, a Boeing era uma fabricante sem muita expressão, entre as muitas existentes nos Estados Unidos. Era conhecida apenas por suas aeronaves militares. Como a primeira grande cartada da Boeing para entrar ao mesmo tempo no mercado civil e militar com um avião de asas e enflechadas e propulsão a jato, a Boeing desenvolveu o 367-80 (Dash 80), do qual nasceram a versão civil 707 e a versão militar, o KC-135A, para reabastecimento em voo na era do jato.

O Boeing 707 foi o primeiro a ter grande sucesso de vendas, bem como a primeira aeronave série 7X7 da Boeing. O seu principal concorrente era o Douglas DC-8 da ex-maior fabricantes de aviões comerciais, a Douglas.

O DC-8 se mostrou um formidável concorrente, porém o Boeing 707 vendeu mais de 800 unidades, vencendo a disputa entre as duas fabricantes.

No BrasilEditar

 
Boeing 707-300 da Varig.

Duas únicas empresas aéreas a operar o 707 para voos de passageiros foram a Varig e a Transbrasil. A Varig iniciou as operações com o modelo 400 em 1960, e em 1965 começou a operar os modelos 300. No total foram 20 modelos operados. A Transbrasil operou 9 modelos a partir de 1984. Em 1987 a Força Aérea Brasileira adquiriu quatro desses modelos utilizando um deles como avião presidencial (o FAB 2401), a Varig operou o modelo até o ano de 1989.

O avião também foi operado por diversas empresas cargueiras. A última empresa a operar o avião foi a BETA Cargo até o ano de 2008.[2][3]

Em PortugalEditar

A maior frota de 707 em Portugal foi operada pela TAP Air Portugal. O primeiro voo comercial desta aeronave foi realizado em 22 de Dezembro de 1965, partindo de Lisboa em direcção a Luanda.[4]

Operação nos dias atuaisEditar

Atualmente o Boeing 707 é operado somente pela empresa de reabastecimento aéreo Omega Air Refueling, tendo 2 aparelhos especialmente modificados para essa função.

CaracterísticasEditar

 
Boeing 707-100.
 
Boeing 707-300 British Caledonian (1976).

O 707 é um quadrijato, possuindo dois motores sob cada asa. A primeira linha aérea a operá-lo foi a Pan Am, realizando a rota Nova Iorque - Paris, em 26 de outubro de 1958.

O alcance do Boeing 707 é de aproximadamente 5 700 mn (10 659 km), velocidade de cruzeiro de 815 km/h, e a capacidade de passageiros, de até 202 pessoas. O Boeing 737, o Boeing 727 e o Boeing 747 utilizaram muito da tecnologia do seu antecessor, e podem ser consideradas como descendentes diretos dele.

ProduçãoEditar

 
Uma aeronave da El Al em Zurique.

A produção do 707 começou em 1954 e terminou em 1978, embora as versões de uso militar tenham continuado em produção até 1991. A Boeing fabricou um total de 856 unidades do avião.

VariantesEditar

 
Boeing 707-400.
  • Boeing 367-80: Foi o primeiro modelo desenvolvido da série 707, voando pela primeira vez em 1954.
  • Boeing 707-100: Foi a primeira versão, vendida para a Pan Am.
  • Boeing 707-200: Com motores Pratt & Whitney.
  • Boeing 707-300: é a versão de maior sucesso, com melhorias e novos motores.
  • Boeing 707-400/441: Com motores Rolls-Royce.
  • Boeing 720: Versão menor, para pistas curtas.

Dados técnicosEditar

707-100 707-300
Tripulação de cabine 3 ou 4
Passageiros 110-179 147-219
Comprimento 44,07 m 46,61 m
Envergadura 39,90 m 44,42 m
Altura 12,93 m 12,93 m
Peso máximo de decolagem (MTOW) 116 570 kg 151 320 kg
Peso da aeronave vazia 55 580 kg 66 406 kg
Pista mínima para decolagem 3 330 m 3 280 m
Capacidade de combustível 65 600 L 90 300 L
Pista mínima para pouso 1 875 m 1 813 m
Alcance Operacional 5 200 km 6 920 km
Alcance Máximo (MTOW) 8 704 km 10 650 km
Velocidade de cruzeiro 1 000 km/h 972 km/h
Largura da fuselagem 3,76 m
Motores (4 x) Pratt & Whitney JT3D-1 Pratt & Whitney JT3D-3 ou JT3D-7

Empresas que operaram o aviãoEditar

 
A Saha Air Lines foi a última companhia aérea do mundo a utilizar o 707 para voos comerciais de passageiros.

Ver tambémEditar

Desenvolvimento relacionado
Aeronaves semelhantes

Referências

  1. «Título ainda não informado (favor adicionar)» (PDF). www.boeing.com. Consultado em 22 de setembro de 2012. Arquivado do original (PDF) em 26 de maio de 2012 
  2. «Os primeiros Boeings de cada tipo no Brasil : Aviões e Músicas». www.avioesemusicas.com. Consultado em 30 de julho de 2021 
  3. Liasch, Jonas (27 de fevereiro de 2010). «Cultura Aeronáutica: A conturbada carreira dos Boeing 707 da Varig». Cultura Aeronáutica. Consultado em 30 de julho de 2021 
  4. «Jornal TAP Online PRIMEIRO BOEING 707 CHEGOU À TAP HÁ 50 ANOS». jornal.tap.pt. Consultado em 15 de fevereiro de 2020 

Ligações externasEditar

O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Boeing 707