Boeing 737 MAX

4ª geração da família de aviões Boeing 737

Para outras variantes do 737, veja Boeing 737, Boeing 737 Classic, e Boeing 737 Next Generation.

Boeing 737 MAX
Boeing 737 MAX 9 da United Airlines.
Descrição
Tipo / Missão Avião comercial bimotor turbofan
País de origem  Estados Unidos
Fabricante Boeing
Período de produção 2014–2020
Quantidade produzida 387 entregues até dezembro de 2019[1] Aproximadamente 400 produzidos e aguardando entrega até dezembro de 2019[2]
Custo unitário 737 MAX 7: US$ 99.7 milhões[3]
737 MAX 8: US$ 121.6 milhões[3]
737 MAX 200: US$ 124.8 milhões[3]
737 MAX 9: US$ 128.9 milhões[3]
737 MAX 10: US$ 134.9 milhões[3][4]
Desenvolvido de Boeing 737 Next Generation
Primeiro voo em 29 de janeiro de 2016 (5 anos)
Introduzido em 22 de maio de 2017 com a Malindo Air
Tripulação 2 (piloto e copiloto)
Passageiros 138–230
Número de classes 1 ou 2 classe(s)
Notas
Para outras informações, acesse a seção Especificações.

O Boeing 737 MAX é uma aeronave de fuselagem estreita, bimotora e turbofan desenvolvida e produzida pela Boeing como a quarta geração da família 737, sendo o sucessor do Boeing 737 Next Generation. Ele é baseado no projeto do 737 anterior, com os motores mais eficientes CFM International LEAP-1B, melhorias aerodinâmicas (incluindo winglets de ponta dupla) e modificações na fuselagem.[5]

Essa série do 737 foi publicamente anunciada em 30 de agosto de 2011.[6] O primeiro 737 MAX, chamado de The Spirit of Renton, efetuou seu primeiro voo em 29 de janeiro de 2016.[7] A série 737 MAX recebeu a certificação da FAA em 8 de março de 2017.[8][5] A primeira entrega foi um MAX 8 em 6 de maio de 2017, para a Malindo Air,[9] que colocou a aeronave em serviço em 22 de maio de 2017.[10]

A série 737 MAX tem sido oferecida em quatro variantes, tipicamente oferecendo de 138 a 204 assentos numa configuração típica de duas classes e um alcance de 3,215 a 3,825 milhas náuticas (5,954 a 7,084 km). O 737 MAX 7, MAX 8 (incluindo a versão de 200 assentos, o MAX 200) e MAX 9 destinam-se a substituir o 737-700, -800 e -900, respectivamente.[5] Um comprimento adicional é oferecido com o mais esticado 737 MAX 10. Até dezembro de 2019, o Boeing 737 MAX recebeu 4,932 pedidos firmes e entregou 387 aeronaves.[11]

Já foi vendido para: Gol Linhas Aéreas, Aerolíneas Argentinas, American Airlines, United Airlines, LOT Polish Airlines, TUI Fly, Air Canada, AeroMexico, Southwest, WestJet, Iceland Air, Air China, entre vários outros.

Após dois acidentes fatais com a aeronave MAX 8, em outubro de 2018 e em março de 2019, agências regulatórias ao redor do mundo suspenderam a operação dessa série até segunda ordem.[12] Em 19 de março de 2019, o Departamento dos Transportes dos Estados Unidos solicitou uma audição no processo regulatório que levou à certificação da aeronave em 2017.[13][14] A Boeing implementou mudanças no sistema de controle de voo e treinamento de pilotos para esta aeronave e espera que ela volte a voar no meio de 2020.[15] A Boeing suspendeu a produção desta série em janeiro de 2020, com aproximadamente 400 aeronaves MAX aguardando para serem entregues[16] e retomou a produção em maio de 2020, com uma velocidade de produção menor.[17] Entre 29 de junho e 1 de julho de 2020, a FAA e a Boeing conduziram uma série de voos de recertificação. Diversas tarefas ainda precisam ser efetuadas antes da aeronave ser liberada para voar novamente.[18]

Em 18 de novembro de 2020, a aeronave foi autorizada pela Federal Aviation Administration (FAA) a ser usada, devido a entrega do relatório de segurança da Boeing. E em 25 de novembro de 2020 a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) autorizou a circulação dela. Mas só em 9 de dezembro de 2020 que foi realizado o primeiro voo mundial desde os acidentes, pela GOL Linhas Aéreas. [19]

Em 8 de janeiro de 2021, a Boeing foi multada em US$ 2,5 bilhões (US$ 500 milhões de indenização para as vítimas, US$ 1,7 bilhão de indenização para as companhias aéreas e US$ 243,6 milhões de multa) pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos por conspiração e fraude ao não fornecer todas as informações sobre a aprovação da FAA do 737-8 MAX. A empresa teria mentido para a Administração Federal de Aviação (FAA), a agência regulatória do país, antes e depois dos acidentes fatais envolvendo a linha de aeronaves em 2018 e 2019. [20]

Segundo o funcionário do Departamento de Justiça dos EUA David Burns, "Os funcionários da Boeing preferiram os lucros, ocultando informações importantes sobre o uso de suas aeronaves 737 MAX da FAA (autoridade de aviação dos Estados Unidos) e tentando encobrir sua fraude".

Em nota a imprensa, a fabricante confessou que 2 funcionários fraudaram e enganaram o grupo para obter "lucros", contribuirá com todas as investigações atuais e futuras e irá informar as autoridades sobre qualquer exemplo ou suspeita de fraudes cometida por um de seus funcionários. [21]

DesenvolvimentoEditar

ContextoEditar

Em 2006, a Boeing começou a considerar a substituição do 737 com um projeto "começado do zero", que poderia seguir o Boeing 787 Dreamliner.[22] Em junho de 2010, a decisão dessa substituição foi adiada para 2011.[23]

Em 1 de dezembro de 2010, a Airbus, competidora da Boeing, lançou a família Airbus A320neo para melhorar o consumo de combustível e eficiência de operação com novos motores: o CFM International LEAP e o Pratt & Whitney PW1000G.[24] Em fevereiro de 2011, o CEO da Boeing, Jim McNerney, manteve o "faremos uma aeronave nova".[25] Na conferência ISTAT de março de 2011, o presidente da Boeing, James Albaugh, não estava certo sobre a remotorização do 737, tal como o CFO da Boeing, James A. Bell, havia dito na conferência JP Morgan Aviation, Transportation and Defense, naquele mesmo mês.[26] O A320neo recebeu 667 compromissos em junho de 2011 no Paris Air Show, referentes a uma reserva de 1,029 unidades até seu lançamento, marcando um recorde de pedidos para uma nova aeronave de transporte aéreo comercial.[27]

Em 20 de julho de 2011, a American Airlines anunciou um pedido de 460 jatos de fuselagem estreita, incluindo 130 A320ceos e 130 A320neos, e mostrou interesse em pedir 100 737s remotorizados com o CFM LEAP, aguardando a confirmação da Boeing.[28] Esse pedido quebrou o monopólio da Boeing com a American Airlines e forçou a Boeing a remotorizar o 737.[29] Como essa venda incluiu uma cláusula de cliente mais favorecido, a Airbus tem que reembolsar qualquer diferença para a American Airlines se ela vender aeronaves para outra empresa aérea com um preço menor, para que a fabricante européia não consiga fornecer um preço competitivo à competidora United Airlines, deixando-a presa à frota de aeronaves da Boeing.[30]

Lançamento do programaEditar

 
Projeto do 737 MAX 9 na ILA Berlin, em 2012

Em 30 de agosto de 2011, o conselho administrativo da Boeing aprovou o lançamento do 737 remotorizado, esperando um consumo de combustível 4% menor do que o do A320neo.[31] Estudos para uma redução adicional de arrasto foram realizados em 2011, incluindo uma revisão no cone de cauda, uma nacele com fluxo laminar natural e fluxo laminar híbrido no estabilizador vertical.[32] A Boeing abandonou o desenvolvimento de um novo design.[33] A Boeing esperava que o 737 MAX atingisse ou excedesse o alcance do Airbus A320neo.[34] A configuração mais detalhada do 737 MAX foi programada para 2013.[35]

Em março de 2010, o custo estimado para remotorizar o 737, de acordo com o vice-presidente de estratégia de negócios e marketing da Boeing, Mike Bair, seria de US$ 2-3 bilhões, incluindo o desenvolvimento do motor CFM. Durante a chamada dos rendimentos da Boeing no segundo quarto (Q2) de 2011, o então CFO James Bell disse que o custo de desenvolvimento da fuselagem seria somente 10-15% do custo do novo programa, estimado naquele momento de US$10-12 bilhões. A Bernstein Research previu em janeiro de 2012 que esse custo seria o dobro do Airbus A320neo.[36]

O consumo de combustível é 14% menor em relação ao 737NG.[37] Em novembro de 2014, o CEO da Boeing, Jim McNerney, disse que o 737 seria substituido por uma nova aeronave em 2030, levemente maior e com novos motores, mas mantendo sua configuração geral, provavelmente uma aeronave feita de materiais compostos.[38]

ProduçãoEditar

 
Lançamento do 737 MAX em dezembro de 2015 com o primeiro 737 MAX 8

Em 13 de agosto de 2015, a primeira fuselagem de um 737 MAX foi montada na Spirit Aerosystems, em Wichita, Kansas, para uma aeronave de teste que eventualmente seria entregue no lançamento da cliente Southwest Airlines.[39] Em 8 de dezembro de 2015, o primeiro 737 MAX - um MAX 8 nomeado Spirit of Renton - foi lançado na Boeing Renton Factory.[40][41]

Como a GKN não poderia produzir rápido o bastante a estrutura de titânio no formato de favo de mel da paredes internas dos reversores de empuxo, a Boeing modificou para uma parte produzida de material composto pela Spirit para entregar 47 MAXs por mês em 2017. A Spirit forneceu 69% da estrutura do 737, incluindo a fuselagem, o reversor de empuxo, os cones e naceles dos motores e o bordo de ataque das asas.[42]

Uma nova linha de montagem de longarinas com máquinas de perfuração robóticas deve aumentar o rendimento em 33%. A linha de produção de montagem de painel automatizada da Electroimpact aumentou a montagem do conjunto de aba inferior da asa em 35%.[43] A boeing planeja aumentar a produção mensal de seu 737 MAX de 42 aeronaves em 2017 para 57 aeronaves em 2019.[44]

O aumento nessas taxas sobrecarregou a produção e, em agosto de 2018, mais de 40 aeronaves não finalizadas estavam estacionadas em Renton, aguardando peças ou instalação de motores, já que os motores CFM e fuselagens da Spirit tiveram atraso na entrega.[45] Após o número de aeronaves estacionadas atingir o pico de 53 no começo de setembro, a Boeing reduziu esse número para 9 no mês seguinte, já que as entregas aumentaram de 29 para 61 em julho e 48 em agosto.[46]

Em colaboração com a China Commercial Aircraft, a Boeing construiu uma fábrica de montagem e entrega de 737 MAX em Zhoushan, China.[47][48] Essa fábrica inicialmente lida apenas com a montagem do interior, mas subsequentemente irá se expandir à pintura externa. A primeira aeronave desta fábrica foi entregue em 15 de dezembro de 2018 para a Air China.[49]

Teste de voo e certificaçãoEditar

O primeiro voo ocorreu em 29 de janeiro de 2017, no Aeroporto Municipal de Renton,[50] quase 49 anos depois do voo inaugural do 737, um 737-100, em 9 de abril de 1967.[7] O primeiro MAX 8, 1A001, foi usado para testes aerodinâmicos: teste de vibração, estabilidade e controle, verificação de performance de decolagem, antes de ser modificado e entregue a um operador. O 1A002 foi usado para teste de performance e motores: performance de subida e descida, vento de través, ruído, tempo frio, altas altitudes, consumo de combustível e ingestão de água pelos motores. Os sistemas da aeronave, incluindo o sistema de pouso automático, foram testados no 1A003. O 1A004, com um layout de linha aérea, voou para a certificação de funcionalidade e confiabilidade durante 300h com instrumentações de teste.[51]

O 737 MAX recebeu a certificação FAA em 8 de março de 2017.[8] Ele foi aprovado pela EASA em 27 de março de 2017.[52] Após completar 2,000 horas de voos de teste e o teste de 180 minutos ETOPS, requerendo 3,000 ciclos de voo simulados em abril de 2017, a CFM International notificou a Boeing de um possível problema de fabricação com os discos da turbina de baixa pressão nos motores LEAP-1B.[53] A Boeing suspendeu os voos do 737 MAX em 4 de maio,[9] e liberou os voos em 12 de maio.[54]

Durante o processo de certificação, a FAA delegou várias avaliações à própria Boeing, permitindo que a fabricante revisse seu próprio produto.[55][56] Foi amplamente reportado que a Boeing forçou situações para emitir a aprovação do 737 MAX para competir com o Airbus A320neo. Aquela aeronave chegou no mercado nove meses à frente do modelo da Boeing.[57]

Introdução no mercadoEditar

 
O Boeing 737 MAX 8 entrando em serviço pela subsidiária da Lion Air, Malindo Air/Batik Air

A primeira entrega foi um MAX 8, para a Malindo Air (uma subsidiária da Lion Air), em 16 de maio de 2017. Ele entrou em serviço em 22 de maio. A Norwegian Air International, subsidiária da Norwegian Air, foi a segunda empresa de linha aérea a colocar um 737 MAX em serviço, ao executar seu primeiro voo transatlântico com um MAX 8, chamado de Sir Freddie Laker, em 15 de julho de 2017, entre o Aeroporto de Edimburgo, na Escócia, e o Aeroporto Internacional de Bradley, no estado norte americano de Connecticut, seguido de uma segunda decolagem entre Edinburgh para o Aeroporto de Stewart, em Nova Iorque.[58]

A Boeing planejava atingir a taxa de confiabilidade de despacho de 99,7% do 737 Next Generation (NG).[59] A Southwest Airlines, a cliente lançadora, recebeu seu primeiro 737 MAX em 29 de agosto de 2017.[60] A Boeing planejava entregar de 50 a 75 aeronaves em 2017, cerca de 10 a 15% dos mais de 500 737s a serem entregues naquele ano.[9]

Após um ano de serviço, 130 MAXs foram entregues a 28 clientes, registrando mais de 41,000 voos em 118,000 horas de voo e 6.5 milhões de passageiros. A flydubai observou 15% de melhora na eficiência em relação ao NG, mais do que os 14% prometidos, e a confiabilidade atingiu 99,4%. Longas rotas incluem 24 delas com mais de 2,500 milhas náuticas (4,630 km), incluindo um voo diário da Aerolineas Argentinas entre Buenos Aires e Punta Cana, com cerca de 3,252 milhas náuticas (6,023 km).[61]

Suspensão mundial e recertificaçãoEditar

O Boeing 737 MAX sofreu uma suspensão em todo o mundo entre março de 2019 a novembro de 2020, depois que um sistema de controle de voo defeituoso fez com que duas novas aeronaves caíssem: uma na Indonésia e outra na Etiópia, entre outubro de 2018 e março de 2019, matando todas as 346 pessoas a bordo. Nos dezoito meses seguintes, a Boeing redesenhou a arquitetura do computador que emitia comandos ao sistema MCAS. Enquanto isso, as investigações apontavam falhas no projeto da aeronave e na certificação. A Boeing enfrenta consequências jurídicas e financeiras, já que nenhuma entrega do MAX pôde ser feita enquanto a aeronave estava parada e as companhias aéreas cancelaram mais pedidos do que a Boeing produziu durante este período, além de que uma parte dessas aeronaves produzida perdeu seus compradores originais. Durante inspeções, a Boeing encontrou detritos dentro dos tanques de combustível de 35 entre 50 aeronaves 737 MAX que tiveram seus voos suspensos, além de ainda ter que verificar o restante dos 400 aviões não entregues.[62] A Boeing teve problemas semelhantes com os 787 produzidos na Carolina do Sul.[63] A FAA restringiu a autoridade delegada à Boeing e convidou as partes interessadas da aviação global a comentar sobre as mudanças pendentes na aeronave e no treinamento de pilotos. A ordem da FAA para suspensão de voos do 737 MAX foi cancelada em 18 de novembro de 2020.[64] Todas as aeronaves devem ser reparadas para cumprir as várias diretivas de aeronavegabilidade antes de voltarem a voar.[65]

Depois de ser acusada de fraude, a Boeing concordou em pagar mais de 2,5 bilhões de dólares, sendo uma multa de US$ 243,6 milhões, US$ 1,77 bilhão de danos a clientes de companhias aéreas e um fundo de USS$ 500 milhões para beneficiários de vítimas de acidentes.[66][67]

Diminuição da produção e sua suspensãoEditar

A partir de meados de abril de 2019, a empresa anunciou que estava cortando temporariamente a produção da aeronave 737 de 52 para 42 por mês em meio à suspensão de voos do 737 MAX.[68]

A produção do motor LEAP-1B continuou em uma taxa inalterada, permitindo que a CFM recuperasse seu atraso dentro de algumas semanas.[69]

Como a recertificação do 737 MAX se estendeu até 2020, a Boeing suspendeu a produção da aeronave a partir de janeiro de 2020, priorizando a entrega das aeronaves já produzidas.[70]

Após o anúncio, a Moody's cortou as classificações de dívida da Boeing em dezembro de 2019, citando os custos crescentes devido à paralisação de sua produção, incluindo suporte financeiro aos fornecedores e compensação às companhias aéreas e arrendadores, o que poderia reduzir as margens do programa e a geração de caixa por anos.[71] A Moody's também alertou que a paralisação da produção teria um impacto amplo e prejudicial a toda a cadeia de suprimentos aeroespacial e de defesa e que, se e quando a produção for retomada, seria mais lenta do que o previsto anteriormente, pois os fornecedores terão que fazer ajustes nas estruturas de custos construídas para uma venda recorde de aeronaves planejada no programa 737.[72]

A CFM International reduziu a produção do CFM LEAP-1B do 737 MAX, priorizando o LEAP-1A do A320neo, mas está preparada para atender a demanda de ambas as aeronaves.[73]

A Boeing não disse publicamente quanto tempo a suspensão duraria. As últimas fuselagens antes da suspensão entraram na montagem final no início de janeiro de 2020. A Boeing esperava internamente que a produção fosse interrompida por pelo menos 60 dias.[74] Os observadores da indústria começaram a questionar se a projeção da Boeing de uma taxa de produção recorde de 57 por mês seria realmente alcançada.[75] No início de janeiro de 2020, um problema foi descoberto na atualização do software, atrasando ainda mais o retorno ao serviço.[76]

No final de janeiro de 2020, a produção era esperada para reiniciar em abril e levar um ano e meio para limpar o estoque de 400 aviões, aumentando lentamente ao longo do tempo: a Boeing esperava ter entregue cerca de 180 dos jatos armazenados até o final do ano e ter produzido um número igual de aeronaves.[77] A Boeing não divulgou qualquer possível efeito sobre as entregas causado pela retirada da autoridade delegada à Boeing pela FAA para certificar a aeronavegabilidade de suas aeronaves. O fornecedor Spirit AeroSystems disse que não espera retornar a taxa de produção para 52 por mês até o final de 2022.[78] No início de abril de 2020, a pandemia COVID-19 levou a Boeing a encerrar suas outras linhas de produção de aviões comerciais[79] e adiar a recertificação do MAX.[80] No final de abril de 2020, a Boeing sinalizou que esperava obter a aprovação regulatória até agosto de 2020.[81] Em 27 de maio de 2020, a Boeing reassumiu a produção do 737 MAX com uma velocidade de produção menor, que será aumentada de acordo com a entrega das aeronaves já produzidas, cerca de 31 por mês em 2021.[17]

Recertificação e plano de entregasEditar

Entre 29 de junho e 1 de julho de 2020, a FAA e a Boeing realizaram uma série de voos de teste de recertificação.[82] O Departamento de Transportes do Canadá (Transport Canada) e a EASA concluíram seus próprios voos independentes de recertificação no final de agosto e início de setembro de 2020.[83]

Em 19 de agosto de 2020, a Boeing anunciou que havia recebido novos pedidos para o 737 MAX pela primeira vez em 2020. De acordo com um comunicado da empresa, a Enter Air, da Polônia, celebrou um acordo para comprar até quatro 737. O The Guardian relatou que a Boeing se refere ao avião como Boeing 737-8, em um afastamento da marca Boeing 737 MAX.[84]

Em 28 de outubro de 2020, a Boeing indicou que esperava entregar cerca de metade das 450 aeronaves armazenadas em 2021 e a maioria do restante em 2022, observando que algumas dessas aeronaves precisarão ser recomercializadas e potencialmente reconfiguradas. A taxa de entrega também condicionará a taxa de produção de novas aeronaves, para evitar agravar o problema.[85]

Em 18 de novembro de 2020, a FAA anunciou que o MAX havia sido liberado para retornar ao serviço. Antes que a aeronave possa retomar efetivamente ao serviço, reparos devem ser implementados de acordo com uma diretiva de aeronavegabilidade futura da FAA. Os programas de treinamento de companhias aéreas também exigirão aprovação. Espera-se que os voos de passageiros sejam retomados nos EUA até o final do ano. As entregas podem ser retomadas e espera-se que a produção aumente lentamente.[64] A Boeing viu mais de 1.000 cancelamentos de pedidos desde a suspensão dos voos do 737 MAX, em março de 2019.[86] Algumas dessas aeronaves já construídas tiveram seus pedidos cancelados e a Boeing está trabalhando para encontrar novos clientes para receberem a entregas.[87]

Em 3 de dezembro de 2020, a American Airlines fez um voo de demonstração para jornalistas para explicar as modificações exigidas pela FAA, para reconquistar a confiança pública.[88] A primeira companhia aérea a retomar o serviço regular de passageiros foi a brasileira Gol, em 9 de dezembro de 2020.[89] A primeira nos Estados Unidos foi a American Airlines, em 29 de dezembro de 2020.[90]

A Transport Canada e a EASA liberaram o MAX no final de janeiro de 2021, sujeito a requisitos adicionais.[91][92] Várias outras agências reguladoras em todo o mundo liberaram a aeronave para voo desde então, incluindo aquelas nos Emirados Árabes Unidos, Austrália, Quênia e Brasil.[93]

DesignEditar

Em meados de 2011, o objetivo era bater a vantagem de 15% no consumo de combustível do A320neo, mas a redução inicial no consumo era de 10 a 12%. Depois ela foi melhorada para 14.5%: o fan do motor foi esticado de 150 cm para 176 cm, ao elevar o trem de pouso e deixar o motor mais alto e mais à frente, e os winglets de ponta dupla adicionaram 1 a 1.5%. Um cone de cauda redesenhado adicionou mais 1% e controle eletrônico do sistema de ar sangrado aumentou a eficiência.[94]

Melhorias aerodinâmicasEditar

 
Novo winglet de ponta dupla da Boeing no 737 MAX

Os winglets de ponta dupla foram projetados para maximizar a sustentação, mantendo a mesma categoria letra C do 737 atual em relação ao Código de Referência de Aeródromo OACI. Ele traça seu design no conceito do McDonnell Douglas MD-12, que tinha restrições de tamanho para estacionamento similares antes da fusão com a Boeing.[95] UM MAX 8 com 162 passageiros em uma missão de 3,000 milhas náuticas (5,600 km) terá um consumo de até 1.8% menor do que uma aeronave com o winglet comum e 1% em um voo de 500 milhas náuticas (930 km) a Mach 0.79.[95]

O novo winglet tem 2,90 metros de altura.[43] Outras melhorias incluem um cone de cauda redesenhado, dutos de indução e de escape da Unidade Auxiliar de energia (APU) revisados, remoção de geradores de vórtice na parte traseira e outras pequenas melhorias aerodinâmicas.[37] A Aviation Partners oferece um winglet similar, chamado de "Split-tip Scimitar" para versões do 737NG.[96] Ele parece uma forma híbrida entre winglets do tipo "blended", "fence" e "raked".

Mudanças estruturais e outras melhoriasEditar

A estrutura de 20 centímetros mais alta do trem de pouso mantem a mesma distância de 43 centímetros entre o solo e a nacele do motor.[37] Novas estruturas e naceles para os motores mais pesados adicionam volume, o trem de pouso principal e a estrutura de suporte são mais robustos, e o revestimento da fuselagem é mais espesso em alguns lugares, aumentando o peso básico vazio da aeronave em 2.900 kg.[37] Para manter a capacidade de combustível e carga, seu peso máximo de decolagem é 3.200 kg mais pesado que o do 737NG.[37]

A Rockwell Collins fornece quatro telas de cristal líquido (LCD) de 15.1 polegadas, assim como as usadas no 787 Dreamliner, para melhorar a consciência situacional e eficiência dos pilotos.[97] A Boeing não planeja maiores modificações na cabine de comando do 737 MAX, já que ela pretende manter a similaridade com a família 737 Next Generation. O CEO da Boeing Commercial Airplanes, Jim Albaugh, disse em 2011 que a adição de mais controles de voo do tipo fly-by-wire seria "muito pequena".[98] A maioria dos sistemas são oriundos do 737NG para diminuir as diferenças no curso de treinamento aos tripulantes que passam do 737NG para o MAX.[37]

Além do Speed ​​Trim System (STS), o sistema de controle automático do estabilizador foi aprimorado para incluir o MCAS. Comparado ao STS, o MCAS tem maior autoridade e não pode ser desativado com os interruptores normais na cabine. Os interruptores do compensador do estabilizador localizados no console central da cabine de comando foram refeitos. Ao contrário das versões anteriores do 737, as funções de controle de compensação automática do estabilizador não podem ser desligadas enquanto se mantém ativos os compensadores elétricos.[99]

O sistema MCAS foi considerado necessário pela Boeing para cumprir seu objetivo interno de minimizar os requisitos de treinamento para pilotos já qualificados no 737NG. O MCAS deveria mitigar automaticamente a tendência do nariz da aeronave em apontar para cima devido aos motores estarem localizados mais à frente e mais altos do que nos modelos 737 anteriores.[100] Durante uma reavaliação da aeronave em fevereiro de 2020, tanto a FAA quanto a EASA determinaram que a estabilidade e as características de estol do avião seriam aceitáveis ​​com ou sem o MCAS.[101]

A extensão dos spoilers do 737 MAX é controlada de forma fly-by-wire.[43] De fábrica, o 737 MAX possui Boeing Sky Interior, com bagageiros e iluminação de LED baseados no interior do Boeing 787.[102]

MotoresEditar

 Ver artigo principal: CFM International LEAP
 
Projeto do LEAP
 
Nacele com "chevrons" para redução de ruído

Em 2011, o Leap-1B inicialmente era 10-12% mais eficiente que o anterior CFM56-7B de 156 cm de diâmetro, usado no 737NG.[103] O fan de fibra de carbono de 18 lâminas permite uma razão de diluição de 9:1 (maior que a razão de 5.1:1 com o fan de 24 lâminas de titânio anterior) com um ruído 40% menor.[37] A razão de diluição do do CFM56 varia de 5.1:1 até 5.5:1.[104] O projeto de dois conjuntos de eixos possui uma seção de baixa pressão composta do fan e três estágios de impulsionadores, movidos por uma turbina axial de cinco estágios e uma seção de alta pressão com um compressor axial de 10 estágios, que é movida por uma turbina de dois estágios.[37] A razão de pressão geral de 41:1, aumentada de 28:1, e uma seção quente com materiais avançados permitindo maiores temperaturas, conseguem uma redução de 15% no consumo específico de combustível (TSFC), junto com 20% menos emissão de carbono, 50% menos emissão de óxido de nitrogênio, embora cada motor pese 385 kg a mais que o CFM56, atingindo o peso de 2,780 kg.[37]

Em agosto de 2011, a Boeing teve que escolher entre o fan de 168 cm e o fan de 173 cm de diâmetro, o que exigiu mudanças no trem de pouso para manter uma distância livre de 43 cm entre o solo e a parte de baixo dos motores. O CEO da Boeing Commercial Airplanes, Jim Albaugh, disse "com um fan maior, você consegue maior eficiência, por causa da razão de diluição, [mas também] tem mais peso e mais arrasto", além de mudanças na estrutura externa da aeronave.[105]

Em novembro de 2011, a Boeing escolheu o fan com maior diâmetro, necessitando que o trem de pouso do nariz fosse de 15 a 20 cm mais longo.[106][107] Em maio de 2012, a Boeing alargou mais ainda o fan para 176 cm, junto com um núcleo menor do motor e pequenas alterações do projeto antes da configuração final em meados de 2013.[108]

A nacele apresenta "chevrons" para redução de ruído, como no Boeing 787.[109] Um novo sistema de sangria de ar com regulador digital foi criado para aumentar sua confiabilidade.[110] As novas naceles maiores posicionadas mais à frente possuem propriedades aerodinâmicas que agem aumentando a tendência do nariz subir em voo.[111] O motor mais largo é posicionado mais à frente e ligeiramente acima da asa, e os lábios da nacele do motor foi feito em uma única chapa de alumínio pela GKN Aerospace, inspirada no 787.[43]

Sistema de Aumento de Características de Manobra (MCAS)Editar

O Sistema de Aumento de Características de Manobra (MCAS) é um sistema de proteção de envelope de voo desenvolvido para o 737 MAX para fornecer capacidades de manobrabilidade similares às versões anteriores do 737, especialmente em situações de velocidade baixa e voo com ângulo de ataque elevado. Com base na velocidade indicada, na altitude e sensores de ângulo de ataque, ele abaixa o nariz quando a atitude da aeronave é muito ingrime, para prevenir condições de estol aerodinâmico, sem a ação do piloto. O MCAS foi investigado após os acidentes fatais do Voo Lion Air 610 e do Voo Ethiopian Airlines 302, o que resultou na suspensão de operação do Boeing 737 MAX em 2019.

VariantesEditar

O 737-700, -800 e -900ER, as versões do antecessor 737NG mais comuns,[11] serão substituídas pelo 737 MAX 7, MAX 8 e MAX 9, respectivamente.[112] O 737 MAX 8 entrou em serviço em maio de 2017[10] e o MAX 9 entrou em serviço em março de 2018.[113] O MAX 7 e o MAX 200 (uma versão com maior densidade do que o MAX 8) são esperados para entrar em serviço em 2019,[114][115] e o MAX 10 em 2020.[116]

A Boeing prevê que 60-65% da demanda das empresas de linha aérea será pela variante 737 MAX 8, 20-25% pelo MAX 9 e MAX 10, e 10% pelo MAX 7.[117]

737 MAX 7Editar

 
737 MAX 7 no Show Aéreo Internacional de Farnborough

Originalmente baseado no 737-700, a Boeing anunciou o redesign do MAX 7 derivado do MAX 8 no Show Aéreo Internacional de Farnborough em julho de 2018, acomodando mais duas fileiras de assentos do que o 737-700, atingindo 138 assentos, 12 a mais que o 737-700.[118][119] O redesign usa as asas e trem de pouso do 737-8; um par de saídas de emergência sobre as asas ao invés de uma saída única; fuselagem 116 cm mais longa na traseira e 76 cm mais longa na dianteira; reavaliação estrutural e fortalecimento; e modificações nos sistemas e no interior para acomodar seu maior comprimento.[120] Ele foi feito para voar 1,000 milhas náuticas (1,900 km) mais longe do que o -700, com consumo de combustível por assento de 18% menor. A Boeing prevê que o MAX 7 carregue 12 passageiros a mais e voe 400 milhas náuticas (740 km) mais longe que o A319neo, com custos operacionais por assento cerca de 7% menores.[121] A Boeing planeja melhorar seu alcance de 3,850 milhas náuticas (7,130 km) para 3,915 milhas náuticas (7251 km) após o ano de 2021.[122]

A produção do primeiro conjunto de asas de 20 metros de largura do 737-7 começou em outubro de 2017.[116] A montagem da primeira aeronave de teste começou em 22 de novembro de 2017[123] e saiu da linha de montagem da fábrica em 5 de fevereiro de 2018.[124] O MAX 7 decolou para seu primeiro voo em 16 de março de 2018, da fábrica em Renton, Washington, e voou por três horas sobre o estado de Washington.[125] Ele alcançou a velocidade de 460 km/h e a altitude de 25,000 pés (7,600 m), efetuou passagens baixas, cheque de sistemas e reacionamento de motor em voo, e pousou em Moses Lake, Washington, no centro de testes de voo da Boeing.

A entrada em serviço com a empresa de lançamento, Southwest Airlines, era esperado para janeiro de 2019, mas a empresa adiou seu pedido para 2023-2024. A entrada em serviço pela WestJet está prevista para acontecer com a entrega de cinco aeronaves em 2019. Os clientes da aeronave incluem a Southwest Airlines (30), WestJet (23), Canada Jetlines (5) e a ILFC Aviation (5). O MAX 7 possui menos de 100 pedidos, de um total de 4,300 pedidos da série 737 MAX.

737 MAX 8Editar

 
Vista de cima do MAX 8 mostrando sua dupla saída de emergência sobre as asas

A primeira variante desenvolvida na série 737 MAX, o MAX 8 substitui o 737-800 com uma fuselagem mais comprida do que a do MAX 7. A Boeing planeja melhorar seu alcance de 3,515 milhas náuticas (6,510 km) para 3,610 milhas náuticas (6,690 km) após o ano de 2021.[126] O MAX 8 tem peso básico vazio menor e um peso máximo de decolagem maior que o do A320neo e, em cruzeiro, com peso de 63,700 kg, ele queima 2,020 kg de combustível por hora na velocidade Mach 0.78 (833 km/h) e no FL350, um nível de voo inferior ao ideal e com o centro de gravidade mais à frente.[37]

O boeing 737 MAX 8 completou seu primeiro voo de teste em La Paz, Bolívia. A altitude de 13,300 pés do Aeroporto Internacional de El Alto testou a capacidade do MAX de decolar e pousar em altas altitudes.[127] Seu primeiro voo comercial foi operado pela Malindo Air em 22 de maio de 2017 entre Kuala Lumpur e Singapura, pelo voo OD803.[10] No início de 2017, um -8 novo era avaliado em US$ 52,85 milhões, chegando a pouco menos de US$ 54,5 milhões em meados de 2018.[128]

737 MAX 200Editar

Em setembro de 2014, a Boeing lançou uma versão de alta densidade de assentos do 737 MAX 8, o chamado 737 MAX 200, nomeado assim por sua capacidade de acomodar até 200 passageiros em uma configuração de alta densidade de classe única com assentos estreitos; uma porta de saída extra é necessária devido à maior capacidade de passageiros. A Boeing afirma que esta versão será 20% mais eficiente em termos de custo por assento do que os atuais modelos de 737, e será a aeronave de fuselagem estreita mais eficiente no mercado quando for entregue, incluindo 5% menos custos operacionais do que o 737 MAX 8.[129][130] Três de oito carrinhos da copa são removidos para acomodar mais espaço para os passageiros.[131] Um pedido da Ryanair para 100 aeronaves dessa foi finalizado em dezembro de 2014.[132]

Em meados de novembro de 2018, o primeiro dos 135 pedidos da Ryanair saiu da linha de produção com um conjunto adicional de saídas de emergência.[133] Ele decolou pela primeira vez de Renton em 13 de janeiro de 2019[134] e deve entrar em serviço em abril de 2019. A Ryanair espera receber mais quatro MAX 200 em 2019.[135]

Proposta de 737-8ERXEditar

Foi apresentado às companhias aéreas um conceito de 737-8ERX, baseado no 737 MAX 8 com um peso máximo de decolagem de 88,3 toneladas, usando as asas, o trem de pouso e a seção central do MAX 9, para fornecer um alcance maior de 4,000 milhas náutocas (7,400 km) com 150 assentos, próximo do Airbus A321LR.[136]

737 MAX 9Editar

 
Primeiro voo do 737 MAX 9, em 13 de abril de 2017

O 737 MAX 9 substituirá o 737-900 e terá uma fuselagem mais longa que o MAX 8. A Boeing planeja melhorar seu alcance de 3,510 milhas náuticas (6,500km) para 3,605 milhas náuticas (6,676 km) após o ano de 2011.[122] A Lion Air é a cliente de lançamento, com um pedido de 201 aeronaves em fevereiro de 2012.[43] Ele saiu pela primeira vez da fábrica em 7 de março de 2017 e seu primeiro voo ocorreu em 13 de abril de 2017.[137] Ele decolou do Aeroporto Municipal de Renton e pousou na Boeing Field, após um voo de 2 horas e 42 minutos.[138] Ele foi apresentado no Paris Air Show 2017.[139]

Os testes de voo com o Boeing 737-9 estavam programados para 2017, com 30% dos testes do -8 repetidos; a aeronave 1D001 foi usada para teste de pouso automático, aviônicos, vibrações e principalmente estabilidade e controle, enquanto a aeronave 1D002 foi usada para teste do sistema de controle ambiental.[51] Ele foi certificado em fevereiro de 2018.[140] A companhia aérea asiática de baixo custo, Lion Air Group, recebeu o primeiro em 21 de março de 2018, antes de entrar em serviço pela Thai Lion Air.[113] Como o concorrente A321neo atrai mais pedidos, o valor do 737-9 é o mesmo que um 737-8 em 2018, saindo por cerca de US$ 53 milhões.[141]

737 MAX 10Editar

 
Modelo de 737 MAX 10

Para competir com o Airbus A321neo, clientes fiéis como a Korean Air e a United Airlines pressionaram a Boeing para que desenvolvesse uma variante maior do que o MAX 9, do qual a Boieing revelou estudos no início de 2016.[142] Como o A321neo havia superado o MAX 9 nas vendas em 5:1, a proposta do MAX 10 incluiu um motor maior, asas mais fortes e um trem de pouso modificado em meados de 2016.[143] Em setembro de 2016, foi relatado que a variante seria mais simples e de menor risco, com um modesto alongamento de 1,80 a 2,13 metros, para atingir um comprimento de 43 a 43,9 metros, com capacidade de 12 a 18 passageiros amais, atingindo 192-198 em um layout de cabine dupla ou 226-232 em cabine simples, precisando de um motor CFM LEAP-1B melhorado de 31,000 lbf, que poderia estar disponível em 2019 ou 2020 e provavelmente exigiria uma modificação no trem de pouso para acomodá-lo.[144]

Em outubro de 2016, o conselho de administração da Boeing obteve autonomia para oferecer uma variante esticada com suas seções de fuselagem extra, frontal e traseira, com um alcance reduzido de 3,100 milhas náuticas (5,700 km) em relação às 3,300 milhas náuticas (6,100 km) do -9.[142] No início de 2017, a Boeing apresentou uma versão alongada em 1,7 metros, atingindo 44 metros no total, permitindo 230 assentos em configuração de cabine simples ou 189 assentos em cabine dupla, comparado com os 193 assentos em cabine dupla oferecidos pelo A321neo. O modesto alongamento do MAX 10 permite que a aeronave mantenha a asa e motor CFM LEAP-1B existentes do MAX 9, sendo o trem de pouso principal a única mudança significativa.[145] O vice-presidente e gerente geral do 737 MAX, Keith Leverkuhn, disse que o projeto seria congelado em 2018 para uma introdução em 2020.[142]

Pedidos e entregasEditar

Inicialmente, os clientes do 737 MAX não haviam sido divulgados, exceto pela American Airlines. Em 17 de novembro de 2011, a Boeing divulgou os nomes de dois outros clientes - Lion Air e SMBC Aviation Capital. Naquela época, a Boeing reportou 700 compromissos de compra de 9 clientes para o 737 MAX.[146][147] Em 13 de dezembro de 2011, a Southwest Airlines encomendou 150 aeronaves 737 MAX.[148]

Em dezembro de 2011, a Boeing tinha 948 compromissos de compra e pedidos concretos de 13 clientes para o 737 MAX.[149] Em 8 de setembro de 2014, a Ryanair assinou um contrato com a Boeing para comprar até 200 novas aeronaves Boeing 737 MAX 200 "gamechanger" - sendo 100 pedidos firmes e 100 compromissos futuros.[150] Em janeiro de 2017, a empresa de leasing de aeronaves GECAS encomendou mais 75 aeronaves 737 MAX 8.[151]

Em janeiro de 2019, a Boeing tinha 5.011 pedidos firmes de 78 clientes identificados para o 737 MAX.[11] Dos clientes divulgados, os três principais clientes de companhias aéreas para o 737 MAX são a Southwest Airlines, com 280 pedidos, Flydubai, com 251 pedidos, e Lion Air, com 251 pedidos.[11] A primeira aeronave da nova série, um MAX 8, foi entregue à Malindo Air em 16 de maio de 2017.[9]

Após a suspensão mundial dos voos da aeronave em março de 2019, a Boeing suspendeu as entregas de aeronaves 737 MAX[152] e reduziu a produção de 52 para 42 aeronaves por mês.[153] O primeiro cancelamento confirmado foi anunciado em 14 de março de 2019, quando a transportadora Garuda Indonesia anunciou o cancelamento de 49 pedidos para a aeronave, citando "preocupações com a segurança dos passageiros".[154] Em julho de 2019, a transportadora saudita Flyadeal cancelou um pedido de US$ 6 bilhões referentes a 30 aeronaves 737 MAX 8 e declarou que, em vez disso, compraria aeronaves A320neo da Airbus.[155] No Dubai Airshow, em novembro de 2019, a Boeing recebeu 30 pedidos do MAX da companhia aérea turca SunExpress e de uma companhia aérea que não foi nomeada.[156]

Pedidos e Entregas - Boeing 737 MAX
2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020 2021 TOTAL
Pedidos 150 914 708 891 410 540 774 824 -136 -529 -109 4437
Entregas - - - - - - 74 256 57 0 58 472

Até 31 de março de 2021.[11]

Acidentes e IncidentesEditar

A frota global de quase 400 737 MAX voou cerca de 500.000 voos de março de 2018 até março de 2019 e sofreu dois acidentes fatais, com uma taxa de 4 acidentes para cada um milhão de voos quando foi groundeado. As gerações anteriores do Boeing 737 possuem uma média de 0.2 acidentes a cada um milhão de voos.[157]

Voo Lion Air 610Editar

 Ver artigo principal: Voo Lion Air 610
 
PK-LQP, o avião envolvido no acidente do Voo Lion Air 610, no Aeroporto Internacional Soekarno-Hatta em setembro de 2018.

Em 29 de outubro de 2018, um Boeing 737 MAX 8 da empresa low-cost indonésia Lion Air caiu no Mar de Java minutos depois de ter decolado do Aeroporto Internacional Soekarno–Hatta, Jacarta, Indonésia em direção ao Aeroproto Depati Amir na cidade de Pangkal Pinang, Indonésia. O acidente vitimou as 189 pessoas que seguiam a bordo, incluindo passageiros e tripulação. Segundo comunicado oficial da empresa, o avião era novo, estando em operação há apenas três meses, sendo que o piloto e co-piloto que seguiam a bordo somavam no total mais de 11 mil horas de voo. Todas as vítimas eram de origem indonésia, com exceção do piloto (indiano) e de um passageiro de origem italiana. Informações preliminares apontam que havia uma falha no medidor de velocidade da aeronave, o que pode ter contribuído para a queda.[158]

Voo Norwegian Air Shuttle DY1933Editar

Em 14 de dezembro de 2018, um Boeing 737 MAX 8 registrado com a matrícula LN-BKE, que fazia o voo DY1933 da Norwegian Air Shuttle em um voo de Dubai, Emirados Árabes Unidos para Oslo, Noruega, foi forçado a fazer um pouso de emergência em Shiraz, Irã depois de um defeito no motor esquerdo[159].

Voo Ethiopian Airlines 302Editar

 Ver artigo principal: Voo Ethiopian Airlines 302
 
ET-AVJ, a aeronave envolvida no Voo Ethiopian Airlines 302.

Em 10 de março de 2019, um Boeing 737 MAX 8 registado com a matrícula ET-AVJ, que fazia o voo ET 302 da Ethiopian Airlines, uma ligação regular entre Addis Abeba e Nairobi no Quénia, despenhou-se às 05h30 (UTC) perto de Bishoftu, pouco depois de decolar. O avião tinha entrado ao serviço em dezembro de 2018. Todos os 149 passageiros e oito tripulantes a bordo morreram.[160]

EspecificaçõesEditar

Características do 737 MAX[161]
Variante 737 MAX 7 737 MAX 8 / MAX 200 737 MAX 9 737 MAX 10[162]
Assentos 153 (8J + 145Y) até 172 max 178 (12J + 166Y) até 200 max 193 (16J + 177Y) até 220 max 204 (16J + 188Y) até 230 max
Distância entre assentos 28–29 in (71–74 cm) em alta densidade, 29–30 in (74–76 cm) na econômica, 36 in (91 cm) na executiva
Capacidade de carga 1,139 cu.ft / 32.3 m3 1,540 cu.ft / 43.6 m3 1,811 cu.ft / 51.3 m3 1,961 cu.ft / 55.5 m3
Comprimento 116 ft 8 in / 35.56 m 129 ft 6 in / 39.47 m 138 ft 4 in / 42.16 m 143 ft 8 in / 43.8 m
Asas envergadura de 117 ft 10 in / 35.92 m, área de 1,370 sq ft (127 m2)[8]
Altura geral[163] 40 ft 4 in / 12.3 m
PMD 177,000 lb / 80,286 kg 181,200 lb / 82,191 kg 194,700 lb / 88,314 kg 197,900 lb / 89,765 kg
Carga paga máxima 46,040 lb / 20,882 kg
PBO[164] 99,360 lb / 45,070 kg
Capacidade de combustível 6,820 USgal / 25,816 L - 45,694 lb / 20,730 kg (sem tanque de combustível central adicional)
Motores (× 2) CFM International LEAP-1B, diâmetro do fan de 69.4 in (176 cm),[165] 26,786–29,317 lbf (119–130 kN)[8]
Velocidade de cruzeiro Mach 0.79 (453 kn; 839 km/h)[166]
Alcance[167] 3,850 nmi / 7,130 km 3,550 nmi / 6,570 km 3,550 nmi / 6,570 km 3,300 nmi / 6,110 km
Teto 41,000 ft (12,000 m)[8]
Decolagem (ISA, SL, PMD) 7,000 ft (2,100 m) 8,300 ft (2,500 m) 8,500 ft (2,600 m)
Pouso (SL, PMD) 5,000 ft (1,500 m) 5,000 ft (1,500 m) 5,500 ft (1,700 m)
Tipo ICAO[168] B37M B38M B39M B3XM

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Production begins on first 737 MAX parts». Boeing Commercial Airplanes. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  2. «Boeing to halt 737 production in January». Flight Global. Consultado em 16 de dezembro de 2019 
  3. a b c d e «Jet Prices». Boeing Commercial Airplanes. Consultado em 29 de julho de 2015. Cópia arquivada em 4 de julho de 2017 
  4. «Lessor BOC Aviation signs for 10 737 Max 10s». FlightGlobal. 19 de junho de 2017. Cópia arquivada em 13 de agosto de 2017 
  5. a b c «Boeing 737 MAX 8 Earns FAA Certification». Boeing Communications. 9 de março de 2017 
  6. «Boeing Launches 737 New Engine Family with Commitments for 496 Airplanes from Five Airlines». Boeing. 30 de agosto de 2011 
  7. a b «Boeing's 737 MAX takes wing with new engines, high hopes». The Seattle Times. 29 de janeiro de 2016 
  8. a b c d e «Type Certificate Data Sheet No. A16WE (PDF)» (PDF). FAA. 8 de março de 2017 
  9. a b c d Trimble, Stephen (16 de maio de 2017). «Boeing delivers first 737 Max». FlightGlobal 
  10. a b c Hashim, Firdaus (22 de maio de 2017). «Malindo operates world's first 737 Max flight». FlightGlobal 
  11. a b c d e «Boeing 737: Orders and Deliveries (updated monthly)». The Boeing Company. 28 de fevereiro de 2019. Consultado em 15 de abril de 2021 
  12. Austen, Ian; Gebrekidan, Selam (13 de março de 2019). «Trump Announces Ban of Boeing 737 Max Flights». The New York Times. Consultado em 13 de março de 2019 
  13. «Boeing: US orders review of 737 Max licence to fly». BBC. 19 de março de 2019. Consultado em 20 de março de 2019 
  14. Chao, Elaine. «Memorandum from the Secretary» (PDF). Departamento dos Transportes dos Estados Unidos. Consultado em 20 de março de 2019 
  15. «Boeing Statement on 737 MAX Return to Service». MediaRoom. 21 de janeiro de 2020. Consultado em 10 de junho de 2020 
  16. «Boeing has temporarily stopped making 737 Max airplanes». CNN. 21 de janeiro de 2020 
  17. a b Hemmerdinger, Jon (27 de maio de 2020). «Boeing restarts 737 Max production». Flightglobal 
  18. «FAA Updates on Boeing 737 MAX». faa.gov. 1 de julho de 2020. Consultado em 2 de julho de 2020 
  19. https://economia.uol.com.br/todos-a-bordo/2020/12/09/boeing-737-max-o-que-mudou.htm
  20. https://tecnoblog.net/400042/boeing-paga-us-25-bilhoes-por-ocultar-falhas-do-737-max/
  21. https://g1.globo.com/economia/noticia/2021/01/07/boeing-e-acusada-de-fraude-e-pagara-us-25-bilhoes-por-acidentes-com-o-737-max.ghtml
  22. «Boeing firms up 737 replacement studies by appointing team». Flight International. FlightGlobal. 3 de março de 2006 
  23. Hamilton, Scott (24 de junho de 2010). «737 decision may slip to 2011: Credit Suisse». Flight International. FlightGlobal. 
  24. «Airbus offers new fuel saving engine options for A320 Family». Airbus (Comunicado de imprensa). 1 de dezembro de 2010 
  25. Freed, Joshua (10 de fevereiro de 2011). «Boeing CEO: 'new airplane' to replace 737». NBC News. Associated Press. 
  26. «Most airlines taking cautious approach to next gen aircraft». CAPA Centre for Aviation. 11 de abril de 2011 
  27. «Airbus with new order record at Paris Air Show 2011». Airbus (Comunicado de imprensa). 23 de junho de 2011 
  28. «AMR Corporation Announces Largest Aircraft Order in History With Boeing and Airbus». American Airlines (Comunicado de imprensa). 20 de julho de 2011 
  29. Clark, Nicola (20 de julho de 2011). «Jet Order by American is a Coup for Boeing's Rival». The New York Times. Consultado em 12 de março de 2019 
  30. Russell, Edward (4 de outubro de 2017). «United goes airframer 'agnostic' on future orders». Flight Dashboard. FlightGlobal. 
  31. «Boeing Launches 737 New Engine Family with Commitments for 496 Airplanes from Five Airlines"». Boeing (Comunicado de imprensa. 30 de agosto de 2011 
  32. Ostrower, Jon (30 de agosto de 2011). «More details emerge on configuration of re-engined 737"». Flight International. FlightGlobal. Consultado em 5 de setembro de 2011 
  33. O'Keeffe, Niall (12 de setembro de 2011). «Caution welcomed: Boeing's 737 Max». Flight International 
  34. Ostrower, Jon (19 de fevereiro de 2012). «Boeing says 737 Max to meet or exceed A320neo range». Air Transport Intelligence News. FlightGlobal 
  35. Ostrower, Jon (7 de novembro de 2011). «Boeing completes initial review of 737 Max configuration». Air Transport Intelligence News. FlightGlobal. 
  36. Hamilton, Scott (27 de janeiro de 2012). «Boeing disputes 737 Max development cost report». Air Transport Intelligence News. FlightGlobal. 
  37. a b c d e f g h i j George, Fred (12 de maio de 2017). «Pilot Report: Flying the 737-8, Boeing's New Narrowbody Breadwinner». Aviation Week & Space Technology. 
  38. Carvalho, Stanley (5 de novembro de 2014). «Boeing plans to develop new airplane to replace 737 MAX by 2030». Reuters 
  39. Siebenmark, Jerry (13 de agosto de 2015). «Spirit AeroSystems completes first Boeing 737 Max fuselage». Wichita Eagle. 
  40. Gates, Dominic (8 de dezembro de 2015). «Boeing unveils the first 737 MAX and its new production line». The Seattle Times 
  41. DeMay, Daniel (8 de dezembro de 2015). «Photos: Boeing rolls out new 737 MAX 8 airplane». Seattle Post-Intelligencer 
  42. Trimble, Stephen (1 de dezembro de 2016). «First redesigned thrust reverser delivered for 737 Max». Flight Dashboard. FlightGlobal 
  43. a b c d e Norris, Guy (15 de fevereiro de 2017). «In Pictures: First Boeing 737-9 Noses Toward Rollout». Aviation Week & Space Technology. 
  44. Trimble, Stephen (10 de abril de 2017). «Boeing prepares for unprecedented 737 Max ramp-up». Flight Dashboard. FlightGlobal. 
  45. Gates, Dominic (2 de agosto de 2018). «Boeing's 737 ramp-up slows as unfinished planes pile up in Renton». The Seattle Times. 
  46. Gates, Dominic (8 de outubro de 2018). «Boeing finally begins to reduce its 737 delivery backlog Originally». The Seattle Times 
  47. Thompson, Loren. «Boeing To Build Its First Offshore Plane Factory In China As Ex-Im Bank Withers"». Forbes. Consultado em 23 de setembro de 2015 
  48. «Boeing Hosts China President Xi Jinping, Announces Airplane Sales, Expanded Collaboration with China's Aviation Industry». Boeing (Comunicado de imprensa) 
  49. «Pictures: Boeing delivers first China-completed 737 Max». FlightGlobal. 15 de dezembro de 2018. Consultado em 17 de dezembro de 2018 
  50. Gates, Dominic (17 de março de 2019). «Flawed analysis, failed oversight: How Boeing, FAA certified the suspect 737 MAX flight control system». The Seattle Times. Consultado em 18 de março de 2019 
  51. a b Goold, Ian (8 de novembro de 2017). «Boeing Forges Ahead with Flight-test Campaigns». AINOnline 
  52. «Type Certificate Data Sheet No.: IM.A.120» (PDF). EASA. 27 de março de 2017 
  53. Karp, Aaron (10 de maio de 2017). «Boeing suspends 737 MAX flights, cites 'potential' CFM LEAP-1B issue». Air Transport World. Aviation Week Network 
  54. Trimble, Stephen (12 de maio de 2017). «Boeing resumes 737 Max 8 test flights». Flight Dashboard. FlightGlobal 
  55. Gates, Dominic (17 de março de 2019). «Flawed analysis, failed oversight: How Boeing and FAA certified the suspect 737 MAX flight control system». The Seattle Times. Consultado em 17 de março de 2019 
  56. Robison, Peter; Levin, Alan (18 de março de 2019). «Boeing Drops as Role in Vetting Its Own Jets Comes Under Fire». Fortune. Bloomberg. Consultado em 18 de março de 2019 
  57. Stieb, Matt (17 de março de 2019). «Report: The Regulatory Failures of the Boeing 737 MAX». New York Mag. Consultado em 21 de março de 2019 
  58. Moores, Victoria (18 de julho de 2017). «Norwegian performs first transatlantic 737 MAX flight». Aviation Week Network. Consultado em 19 de julho de 2017 
  59. Waldron, Greg (13 de abril de 2017). «Boeing optimistic for early 737 Max dispatch reliability.». FlightGlobal 
  60. Schlangenstein, Mary; Johnsson, Julie (30 de agosto de 2017). «Southwest Quietly Takes Delivery of Its First Boeing 737 Max». Bloomberg 
  61. Tinseth, Randy (22 de maio de 2018). «737 MAX: a year of serving the globe». Boeing 
  62. «Debris found in fuel tanks of 70% of inspected 737 Max jets». ABC News. 22 de fevereiro de 2020 
  63. «Boeing Finds Fuel-Tank Debris in Two-Thirds of 737 MAX Jets Inspected». Wall Street Journal. 22 de fevereiro de 2020 
  64. a b Gates, Dominic (18 de novembro de 2020). «Boeing 737 MAX can return to the skies, FAA says». Seattle Times 
  65. «Boeing 737-8 and 737-9 Airplanes: Return to Service» (PDF). Federal Aviation Administration. 18 de novembro de 2020 
  66. «Boeing Charged with 737 Max Fraud Conspiracy and Agrees to Pay over $2.5 Billion». Departamento de Justiça dos Estados Unidos. 7 de janeiro de 2021 
  67. Gates, Dominic; Kamb, Lewis (7 de janeiro de 2021). «Boeing agrees to pay $2.5B+ to settle criminal fraud charges over 737 MAX». The Seattle Times 
  68. «Statement from Boeing CEO Dennis Muilenburg: We Own Safety - 737 MAX Software, Production and Process Update». Boeing. 5 de abril de 2019 
  69. Bruno, Michael; Dubois, Thierry (11 de abril de 2019). «Leap-1B Eyes Catch Up as 737 Production Slows». MRO Network 
  70. «Boeing Statement Regarding 737 MAX Production». Boeing. 16 de dezembro de 2019 
  71. «Moody's cuts Boeing's debt ratings as 737 MAX problems deepen». Reuters. 18 de dezembro de 2019 
  72. McCoy, Daniel (31 de dezembro de 2019). «Moody's downgrades aerospace outlook due to 737 MAX». Wichita Business Journal. Consultado em 1 de fevereiro de 2020 
  73. Root, Al (3 de janeiro de 2020). «The Boeing 737 MAX Could Have a New Problem---Not Enough Engines». Barron's 
  74. Hamilton, Scott (7 de janeiro de 2020). «Exclusive: Boeing, internally, sees production halt at least 60 days». Leeham News 
  75. McCoy, Daniel (15 de janeiro de 2020). «Analyst sees 737 MAX production restarting at fewer than 20 aircraft per month». Wichita Business Journals. Consultado em 1 de fevereiro de 2020 
  76. «Boeing addresses new 737 MAX software issue that could keep plane grounded longer». Reuters. 17 de janeiro de 2020 
  77. Hamilton, Scott (29 de janeiro de 2020). «Boeing MAX production will restart, build slowly». Leeham News 
  78. Kilgore, Tomi (1 de fevereiro de 2020). «Spirit AeroSystems to restart 737 MAX planes 'slowly,' won't hit 52/month production rate for more than 2 years». MarketWatch 
  79. Bogaisky, Jeremy (6 de abril de 2020). «Boeing Moves To Completely Shut Down Airliner Production». Forbes 
  80. «Regulator test flight of Boeing 737 MAX delayed to May: sources». RFI. 7 de abril de 2020 
  81. Shepardson, David (28 de abril de 2020). «Boeing 737 MAX expected to remain grounded until at least August: sources». Reuters 
  82. «FAA Updates on Boeing 737 MAX». faa.gov. 2 de julho de 2020 
  83. «Breaking: EASA Completes Boeing 737 MAX Test Flights». Simple Flying. 11 de setembro de 2020. Consultado em 11 de setembro de 2020 
  84. «Boeing publicises new name for 737 Max planes after crashes». The Guardian. 21 de agosto de 2020 
  85. Hemmerdinger, Jon (28 de outubro de 2020). «Boeing revises 2021 737 Max delivery pace, reflecting depressed demand». Flight Global 
  86. «FAA clears Boeing 737 Max to fly again 20 months after grounding over deadly crashes». CBS News. Consultado em 18 de novembro de 2020. Cópia arquivada em 18 de novembro de 2020 
  87. «U.S. ends Boeing 737 MAX flight ban after crash probes». Reuters. Consultado em 18 de novembro de 2020. Cópia arquivada em 18 de novembro de 2020 
  88. Genovese, Daniella (3 de dezembro de 2020). «Journalists board American Airlines Boeing 737 Max in first public flight since grounding». FOXBusiness 
  89. «Boeing 737 Max: Brazilian airline resumes passenger flights». BBC News. 9 de dezembro de 2020 
  90. Wallace, Gregory (29 de dezembro de 2020). «Boeing's troubled 737 Max is back in the air after nearly two years». CNN Business 
  91. «Transport Canada introduces additional requirements to allow for the return to service of the Boeing 737 MAX». Transport Canada. 18 de janeiro de 2021 
  92. «Boeing 737 Max cleared to fly in Europe after crashes». BBC News. 17 de janeiro de 2021 
  93. «Boeing 737 MAX Return To Service Gathers Pace». Simple Flying. 10 de março de 2021. Consultado em 11 de março de 2021 
  94. Trimble, Stephen (15 de junho de 2017). «737 Max cutaway and technical description». FlightGlobal 
  95. a b Norris, Guy (2 de dezembro de 2013). «Laminar Flow Boosts 737 MAX Long-Range Performance». Aviation Week & Space Technology. 
  96. Trimble, Stephen (10 de agosto de 2012). «Aviation Partners, Boeing split opinions on 737 wing-tips». FlightGlobal 
  97. «Rockwell Collins wins Boeing 737 MAX contract for large-format flight displays». Rockwell Collins. 15 de novembro de 2012 
  98. «Boeing aims to minimise 737 Max changes». FlightGlobal. 31 de agosto de 2011 
  99. Lemme, Peter (28 de outubro de 2019). «Flawed Assumptions Pave a Path to Disaster» 
  100. Ostrower, Jon (13 de novembro de 2018). «What is the Boeing 737 Max Maneuvering Characteristics Augmentation System». The Air Current 
  101. «Boeing's MCAS may not have been needed on the 737 Max at all». The Air Current. 10 de janeiro de 2021 
  102. «Boeing Introduces 737 MAX With Launch of New Aircraft Family"». Boeing (Comunicado de imprensa). 30 de agosto de 2011 
  103. Ostrower, Jon (30 de agosto de 2011). «More details emerge on configuration of re-engined 737». FlightGlobal 
  104. «CFM56-7B». Safran. 1 de junho de 2015 
  105. Ostrower, Jon (31 de agosto de 2011). «Boeing narrows 737 Max engine fan size options to two». FlightGlobal 
  106. Ostrower, Jon (3 de novembro de 2011). «Boeing reveals 737 Max configuration details». FlightGlobal. Consultado em 26 de março de 2019 
  107. «Boeing cites 600 commitments for revamped 737». Reuters. 3 de novembro de 2011 
  108. Ostrower, Jon (17 de maio de 2012). «Boeing Tweaks Engine for New 737 Max». The Wall Street Journal 
  109. Polek, Gregory (13 de novembro de 2011). «Boeing Takes Minimalist Approach to 737 MAX». Aviation International News 
  110. Trimble, Stephen (23 de julho de 2013). «Boeing locks in 737 Max 8 configuration». FlightGlobal. Consultado em 26 de março de 2019 
  111. Brady, Chris. «737 MAX - MCAS». The Boeing 737 Technical Site. Consultado em 3 de maio de 2019 
  112. Ostrower, Jon (30 de agosto de 2011). «Boeing designates 737 MAX family». FlightGlobal. Consultado em 31 de agosto de 2011. Cópia arquivada em 25 de setembro de 2011 
  113. a b «Boeing Delivers First 737 MAX 9». Boeing (Comunicado de imprensa). 21 de março de 2018 
  114. Mcgough, Michael (16 de março de 2018). «New Boeing 737 Max hits the skies. How its performance could impact flights to Hawaii». The Sacramento Bee. Consultado em 15 de março de 2019 
  115. Calder, Simon (1 de março de 2019). «Which routes does the Boeing 737 MAX fly, and what are my options if I'm booked on one?». The Independent 
  116. a b Trimble, Stephen (4 de outubro de 2017). «Boeing starts building first 737 Max 7». FlightGlobal 
  117. Kingsley-Jones, Max (7 de fevereiro de 2018). «Detailed design starts on 737 Max 10». FlightGlobal 
  118. «Farnborough: Boeing's Execution on 737 MAX Sparkles as MAX 7.5 and MAX 10X Loom». Airways Magazine. 10 de julho de 2016 
  119. «Boeing confirms 737 Max 7 redesign». FlightGlobal. 11 de julho de 2016 
  120. «Boeing Upscales 737-700». Aviation International News. 12 de julho de 2016 
  121. Norris, Guy (16 de março de 2018). «Boeing Begins 737-7 Flight Test Program». Aviation Week Network 
  122. a b «Boeing plans performance upgrade for 737 Max after 2021». FlightGlobal. 13 de outubro de 2016 
  123. Trimble, Stephen (23 de novembro de 2017). «Boeing starts assembling first Max 7». FlightGlobal 
  124. Gates, Dominic (5 de fevereiro de 2018). «Boeing debuts MAX 7 jet, smallest and slowest-selling of its 737 MAX family». The Seattle Times. Consultado em 6 de fevereiro de 2018 
  125. «Boeing 737 Max 7 narrowbody jetliner makes maiden flight». Reuters. 16 de março de 2018. Consultado em 16 de março de 2018 
  126. «Boeing plans performance upgrade for 737 Max after 2021». FlightGlobal. 31 de outubro de 2016 
  127. «737 MAX 8 performs first international flight». AeroLatin News. 3 de maio de 2016 
  128. «End of Line B737-800 Values Show Fatigue». Aircraft Value News. 17 de setembro de 2018 
  129. «Boeing Launches 737 MAX 200 with Ryanair». Boeing (Comunicado de imprensa). 8 de setembro de 2014 
  130. Gates, Dominic (8 de setembro de 2014). «Ryanair makes big order for 737 MAX jets that can carry 200». The Seattle Times 
  131. «Update 5-Ryanair buys 100 Boeing 737 MAX jets, sees fare price war». Reuters. 8 de setembro de 2014 
  132. «Ryanair, Boeing Finalize Max 200 Deal». Aviation International News. 1 de dezembro de 2014 
  133. Norris, Guy (20 de novembro de 2018). «Ryanair high density Boeing MAX emerges from factory». Aviation Week Network 
  134. Norris, Guy (23 de janeiro de 2019). «First High-Capacity Boeing 737-8 Enters Flight Test». Aviation Week Network. 
  135. Clark, Oliver (14 de fevereiro de 2019). «Ryanair Max to make debut at Stansted». FlightGlobal 
  136. «Boeing showing 737-8ERX concept in response to A321LR». Leeham News. 12 de março de 2015 
  137. «Boeing's 737 MAX 9 takes off on first flight». The Seattle Times. 13 de abril de 2017 
  138. «Boeing completes 737 Max 9 maiden flight». FlightGlobal. 13 de abril de 2017 
  139. «Civil Aviation Programs To Watch». Aviation Week & Space Technology. 9 de junho de 2017 
  140. Trimble, Stephen (16 de fevereiro de 2018). «Boeing 737 Max 9 receives certification». FlightGlobal 
  141. «B737-9 EASA Certification Does Nothing for Values». Aircraft Value News. 12 de novembro de 2018 
  142. a b c Flottau, Jens (10 de março de 2017). «Customers Press Boeing To Launch New Midsize Widebody Aircraft Soon». Aviation Week & Space Technology 
  143. Trimble, Stephen (4 de julho de 2016). «Farnborough: Proposed stretch of 737 Max 9 possible, but challenging». FlightGlobal 
  144. Norris, Guy (30 de setembro de 2016). «Simpler 737-10X, New Midsize Airplane Both 'Doable'». Aviation Week & Space Technology 
  145. Norris, Guy (17 de janeiro de 2017). «Boeing Defines Final 737 MAX Stretch Offering». Aviation Week & Space Technology. 
  146. Ostrower, Jon (17 de novembro de 2011). «Lion Air commits to up to 380 Boeing 737s». Flightglobal.com (em inglês). Consultado em 6 de dezembro de 2019 
  147. Ostrower, Jon (17 de novembro de 2011). «ACG becomes third identified 737 Max customer». Flightglobal.com (em inglês). Consultado em 6 de dezembro de 2019 
  148. «Boeing 737 MAX Logs First Firm Order from Launch Customer Southwest Airlines». Boeing. Consultado em 13 de dezembro de 2011 
  149. Ostrower, Jon (13 de dezembro de 2011). «737 Max commitments top 948». Flightglobal.com (em inglês). Consultado em 6 de dezembro de 2019 
  150. «Ryanair places $22bn order with Boeing, buys up to 200 new aircraft». Independent.ie (em inglês). Consultado em 6 de dezembro de 2019 
  151. «Boeing, GECAS Announce Order for 75 737 MAXs" (Press release)». Boeing. 4 de janeiro de 2017 
  152. «Lion Air Said to Plan Airbus Order Switch After Boeing 737 Crash». Bloomberg. 12 de março de 2019 
  153. «Statement from Boeing CEO Dennis Muilenburg: We Own Safety - 737 MAX Software, Production and Process Update». Boeing (Comunicado de imprensa). 5 de abril de 2019 
  154. «Indonesia's Garuda cancelling 49 Boeing 737 MAX 8 plane orders after crashes». CNA (em inglês). Consultado em 6 de dezembro de 2019 
  155. Kaminski-Morrow, David (7 de julho de 2019). «Saudi carrier Flyadeal switches to A320neo from 737 Max». Flightglobal.com (em inglês). Consultado em 6 de dezembro de 2019 
  156. Catchpole, Dan (20 de novembro de 2019). «Boeing 737 MAX Gets a $1.2 Billion Vote of Confidence at the Dubai Air Show». Fortune (em inglês). Consultado em 6 de dezembro de 2019 
  157. «The Boeing 737 Max is now the deadliest mainstream jetliner». finance.yahoo.com. 11 de março de 2019. Consultado em 5 de agosto de 2019 
  158. «Avião que caiu na Indonésia estava com indicador de velocidade danificado». O Globo. 5 de novembro de 2018. Consultado em 10 de março de 2019. Cópia arquivada em 11 de maio de 2018 
  159. Noëth, Bart (22 de fevereiro de 2019). «Seventy days after diversion to Shiraz in Iran, Norwegian's Boeing 737 MAX 8 returns to Stockholm». Aviation24.be (em inglês). Consultado em 17 de março de 2019 
  160. «Accident to Ethiopian Airlines flight number ET 302». Ethiopian Airlines. 10 de março de 2019. Consultado em 10 de março de 2019. Cópia arquivada em 6 de novembro de 2018 
  161. «737 MAX Airplane Characteristics for Airport Planning» (PDF). Boeing. 1 de novembro de 2018 
  162. «Airport Compatibility Brochure 737 MAX 10» (PDF). Boeing. 1 de janeiro de 2019 
  163. «Boeing 737 MAX by design». Boeing 
  164. «737 MAX Airplane Characteristics for Airport Planning» (PDF). Boeing. 1 de agosto de 2017 
  165. «LEAP Brochure» (PDF). CFM International. 2013. Cópia arquivada (PDF) em 23 de setembro de 2015 
  166. «737MAX and the MD-12». Aviation Week. 9 de dezembro de 2013 
  167. «737 MAX». Boeing. Technical Specs. 
  168. «DOC 8643 – Aircraft Type Designators». ICAO 

Ligações externasEditar