Bolsonarismo

ideologia e movimento político de extrema-direita no Brasil

O bolsonarismo é um fenômeno político de extrema-direita[nota 1][5] que eclodiu no Brasil com a ascensão da popularidade de Jair Bolsonaro, especialmente durante sua campanha na eleição presidencial no Brasil em 2018, que o elegeu presidente. A crise do petismo durante o governo Dilma Rousseff, precipitada e acelerada pela crise político-econômica de 2014, fortaleceu a ideologia bolsonarista e a nova direita brasileira, que se inserem no contexto da ascensão do populismo da Nova Direita em nível internacional.[6][7]

Bolsonarismo
Bolsonaro imitando uma arma de fogo, gesto popularizado entre seus apoiadores durante a campanha presidencial[1][2]
Princípios
Espectro Extrema-direita
Internacionais políticas Nova direita
Principais figuras

O bolsonarismo foi a ideologia predominante do governo Bolsonaro e é associado à retórica de defesa da família, do patriotismo, do conservadorismo, do autoritarismo, de elementos neofascistas, do anticomunismo, do negacionismo científico, do porte de armas, da rejeição aos direitos humanos e da aversão à esquerda política, bem como pelo culto à figura de Bolsonaro, frequentemente chamado de "mito".[5][8] O escritor Olavo de Carvalho é frequentemente citado como tendo sido o guru da ideologia bolsonarista.[9][10][11][12][13]

O bolsonarismo não é reconhecido como uma ideologia por apoiadores[14] — chamados pejorativamente por bolsominions — nem pelo ex-presidente Jair Bolsonaro, que define seu governo como "livre de amarras ideológicas".[15]

Origens e contexto

O bolsonarismo é um fenômeno que surge como resposta da classe dominante a alguns fatores: o antipetismo direitista, o medo e a reação à insurgência esquerdista de 2013, assim como as crises econômicas de 2008 e 2014. A principal figura do bolsonarismo ficou por toda sua carreira na política institucional como um político sem expressão nacional. Foi somente com o acúmulo desses fatores que Jair Bolsonaro se tornou uma opção viável. Mesmo na época do impeachment da presidente Dilma Rousseff, o bolsonarismo era um elemento ainda minoritário no cenário político.[16][17] Bolsonaro conseguiu capitanear a imagem de um político capaz de corrigir a "velha política" e as mazelas do Brasil. Ele conseguiu associar à esquerda o vínculo do petismo e uma suposta degradação moral da sociedade.[18]

A multiplicidade de grupos que constituem o bolsonarismo, as diversas alas (militar, ideológica, religiosa, capital, etc.), não só têm discordâncias pragmáticas mas essas sim, estratégias, objetivos e métodos distintos. Dessa forma, bolsonarismo é uma unidade momentânea, não necessariamente um projeto político de longo prazo.[16][19]

Alguns pesquisadores associam o fortalecimento da nova direita populista e do bolsonarismo às Jornadas de Junho de 2013, mas ainda não há um consenso científico sobre isso.[20]

Características

O bolsonarismo tem sido associado por estudiosos a elementos do neofascismo,[21][22] da necropolítica,[5] do antifeminismo[nota 2] e do protestantismo,[23] bem como à defesa da ditadura militar brasileira.[24] Em um estudo que analisa a dimensão linguística da ideologia bolsonarista, Cris Guimarães Cirino da Silva diz que o "termo bolsonarismo tem sido amplamente utilizado para caracterizar práticas populistas que combinam ideias neoliberais e autoritárias embutidas nas falas do ex-presidente do Brasil Jair Bolsonaro e seus seguidores".[25] Desse modo, o bolsonarismo transcende a imagem do culto à imagem de Bolsonaro, encontrando repercussões também entre seus apoiadores e na formulação da política externa brasileira da gestão Bolsonaro, bem como na chamada "onda bolsonarista".[26]

Vamos unir o povo, valorizar a família, respeitar as religiões e nossa tradição judaico-cristã, combater a ideologia de gênero, conservando nossos valores. O Brasil voltará a ser um país livre das amarras ideológicas [...] Minha campanha eleitoral atendeu ao chamado das ruas e forjou o compromisso de colocar o "Brasil acima de tudo e Deus acima de todos"
— Jair Bolsonaro, discurso de posse[15]

Em sua primeira reforma ministerial, Bolsonaro extinguiu Ministério da Cultura para criar, dentro da estrutura do Ministério da Cidadania, a Secretaria Especial da Cultura. Além disso, criou o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, comandado pela ministra Damares Alves. Em seu discurso de posse em 1 de janeiro de 2019, Bolsonaro definiu os direitos humanos como "ideologia que descriminaliza bandidos, pune policiais e destrói famílias".[27]

Segundo estudos de professores de sociologia do Instituto Federal da Bahia, o bolsonarismo não se define como uma mera versão local neofascismo nem do trumpismo mas um fenômeno essencialmente brasileiro. Segundo os pesquisadores, a ideologia não deve ser vista apenas como uma ruptura com a política. O movimento se muniu de um sentimento de anti-institucionalidade, alimentado numa parcela da população brasileira por séculos, a qual define por "Brasil Profundo". Nesta porção da população, "os valores, as crenças, a moral e mesmo o humor popular se constroem à margem das instituições ou da estrutura formal do Estado." Para essas pessoas, a família se torna a estrutura de amparo e afeto. Ao defendê-la, Bolsonaro ganharia status de mito.[28]

Olavismo

 
Olavo de Carvalho, ideólogo da extrema-direita brasileira, ao lado de Jair Bolsonaro em 2019

Olavo de Carvalho foi considerado um ideólogo do bolsonarismo, suas teorias influenciaram na formação do pensamento dos seguidores do ex-presidente, e nos rumos que ele adotou para o governo. A chamada "ala ideológica" do governo Bolsonaro é um grande expoente dos discursos contrários à China, movimentos sociais, imprensa e à esquerda, além de sustentar teorias conspiratórias, como uma suposta farsa do aquecimento global e a suposta falsa pandemia do corona vírus.[29][30] O termo "ala ideológica do governo Bolsonaro" comumente se refere ao grupo de pessoas, ligadas ao governo ou dos bastidores dele, sob tutela intelectual do ex-astrólogo, escritor e influenciador digital Olavo de Carvalho, Vélez Rodríguez, Carlos Bolsonaro, Abraham Weintraub, Filipe Martins e Ernesto Araújo, por exemplo, além daqueles ligados ao fundamentalismo neopentecostal, como maior exemplo, a ministra Damares Alves.[31]

Carvalho propunha uma guerra cultural para fazer frente ao Marxismo cultural, uma teoria de conspiração, segundo a qual há um movimento contemporâneo da esquerda mundial para destruir a cultura ocidental.[32][33] Inspiradas no seu ideário, têm atuado nessa guerra cultural alguns produtores de cinema, como Josias Teófilo, da Lavra Filmes, Mauro Ventura Alves, sócio da IVIN Films e a produtora Brasil Paralelo.[34] Outros canais bolsonaristas também têm papel importante na difusão das ideias olavistas, como Terça Livre, Senso Incomum, Conexão Política, Reaçonaria e Renova Mídia.[34]

Bolsonaro, às vésperas da posse como presidente, prometeu "combater o lixo marxista que se instalou nas instituições de ensino". Uma das falas mais recorrentes dos membros do governo e de seus apoiadores foi a de que a vitória eleitoral de Bolsonaro teria significado a derrota do marxismo cultural, inspiração teórica dos governos de FHC, Lula e Dilma. Segundo o então ministro das relações exteriores, Ernesto Araújo, em um artigo publicado logo após a posse do governo, "o marxismo cultural governou por dentro de um sistema aparentemente liberal e democrático, construído por meio de corrupção, intimidação e controle de pensamento". Ricardo Vélez Rodríguez, na sua posse como ministro da educação, afirmou que o "marxismo cultural é uma coisa que faz mal para a saúde. A saúde da mente, do corpo e da alma". Segundo o ex-ministro, "somos pessoas individualizadas. O marxismo cultural passa a borracha em cima disso e nos considera massa. Nós não somos massa, somos indivíduos".[35]

Militarismo

Houve no início do governo mais militares no gabinete de Bolsonaro do que durante o primeiro governo da ditadura militar.[36] Atualmente, quase 3 mil militares estão espalhados por ministérios e outros órgãos federais. Os militares no Brasil estão assumindo cada vez mais cargos na administração federal, como a construção de estradas ou a proteção da Floresta Amazônica.[37] O governo também planeja construir cerca de 200 novas escolas militares até 2023. O conteúdo do ensino inclui a alegação de que o golpe de 1964 foi "necessário para impedir o avanço do comunismo".[38] O professor de Harvard Yascha Mounk, especialista em movimentos populistas, considera "preocupante" a crescente influência dos militares no Brasil. O fascínio bolsonarista por armas tem simbiose com esse novo militarismo. "Quero um povo armado",[39] disse Bolsonaro, facilitando a aquisição de armas, a qual resultou em 2020 o aumento do número de vendas de armas em 200% em relação a 2019.[40] A população que defende a flexibilização da legislação sobre armas é composta principalmente por pessoas brancas, ricas e heterossexuais.[41]

Messianismo

Brasil acima de tudo e Deus acima de todos.

O bolsonarismo foi apoiado por uma forte base eleitoral cristã, principalmente do protestantismo,[42] e é apontado como uma ameaça às religiões afro-brasileiras, a exemplo do candomblé.[43] A pastora Romi Bencke, que protocolou um pedido de impeachment contra Bolsonaro, disse que ele "nunca representou e nem representa" os desejos cristãos, mas que "é hábil em manipular a fé".[23]

O bolsonarismo tem um componente que se afirma religioso, expresso no culto à personalidade do Bolsonaro como o Messias do Brasil. Para seus fãs, de "mito" ele se tornou o "salvador da pátria". Ele mesmo se vê como aquele que "salvou o Brasil do comunismo". Seria por isso que "Deus" teria salvado sua vida após o atentado a faca. Segundo o escritor Castro Rocha, autor de livro sobre a retórica do ódio, a guerra cultural dos bolsonaristas se aproxima do fundamentalismo: "É uma fábrica de inimigos em série".[44] Essa forma de culto à personalidade, surgiu ainda durante sua campanha eleitoral em 2018, quando pastores de diferentes igrejas, rogaram a ideia de que Bolsonaro seria um escolhido de Deus.[45][46]

Para os seguidores de Bolsonaro, o que ele quer é automaticamente o que os brasileiros querem e vice-versa.[47] Como Bolsonaro não tem maioria no Congresso, ele está em constante atrito com este, por isso, governa quase exclusivamente por decretos.[48] A frustração leva a ataques constantes ao Congresso e ao STF: os seguidores de Bolsonaro afirmam que ele é perseguido, e exigem que ele possa governar "sem interferências" dos outros poderes da República.[49] Assim, Bolsonaro possui similaridades com Erdogan, Putin, Orbán e Trump, que, ou desativaram o parlamento e a Justiça, ou estão em constante conflito com estes.[50] O cientista político Steven Levitsky, professor na Universidade de Harvard e coautor do livro Como as Democracias Morrem, diz que a democracia brasileira está em risco porque os constantes ataques às instituições democráticas a enfraquecem enormemente.[51]

Anticomunismo

No dia em que assumiu o cargo, Bolsonaro gritou que o povo havia começado a "se libertar do socialismo". Para o especialista em literatura João Cezar de Castro Rocha, um livro intitulado Orvil é parcialmente responsável por essa visão – palavra "livro" escrita de trás para frente. Escrito pelos militares logo após a redemocratização, a obra descreve como a esquerda do Brasil supostamente se infiltrou nas instituições desde a década de 1970. É a partir disso que o bolsonarismo deriva sua "guerra cultural" contra tudo e contra todos que considera suspeitos. Portanto, o governo destrói de dentro para fora os ministérios e secretarias da Educação, Cultura, Meio Ambiente, Família e seus órgãos vinculados, considerados como "antros" do esquerdismo.[52] Jair Bolsonaro prometeu no Piauí, em agosto de 2019, que vai "varrer essa turma vermelha". Nesta mesma época, foi revelado que ele queria fundar um Centro de Inteligência Nacional na Abin, para combater "ameaças à segurança do Estado".[53] O bordão "nossa bandeira jamais será vermelha" tornou-se um slogan do movimento.[54]

Negacionismo

A religiosidade do bolsonarismo é acompanhada por uma hostilidade à ciência e à razão, que se tornou particularmente clara durante a pandemia da COVID-19. Bolsonaro elogiou a hidroxicloroquina como uma cura milagrosa contra a COVID-19 e fez intensa propaganda e defesa do referido medicamento, a qual não há evidências cientificas de sua eficácia.[55][56] Diversos parlamentares bolsonaristas se pronunciaram contra a vacinação[57] e o ex-ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, afirmou que a pandemia era uma "conspiração globalista".[58] Essa hostilidade à ciência já era evidente em 2019, quando dezenas de milhares de incêndios queimaram a Bacia Amazônica, e Bolsonaro chamou os dados do INPE de "mentiras".[59]

Como boa parte dos movimentos da direita alternativa, o bolsonarismo também nega as mudanças climáticas, vistas por Bolsonaro como um "jogo comercial".[60]

Autoritarismo

O autoritarismo é uma característica marcante do fenômeno bolsonarista. O autoritarismo no Brasil não é novo. De fato, conforme um estudo acadêmico sobre o lado autoritarista do bolsonarismo:[61]

A rigor, o Bolsonarismo está para além da figura de Jair Bolsonaro, embora esta figura grotesca e bizarra tenha significados sociopolíticos, trazendo à baila marcas históricas da formação social brasileira e da nossa própria cultura política, materializadas no conservadorismo, no machismo, no racismo, na misoginia, nas discriminações de múltiplas naturezas. Bolsonaro parece bem encarnar a perspectiva colonialista de submissão, elitismo e violência, a atravessar a história do País, reatualizando-se no reacionarismo político-cultural, em pauta no Brasil do Presente.
— Maria do Socorro Sousa de Araújo e Alba Maria Pinho de Carvalho

Vale citar, em se tratando do autoritarismo no Brasil, um trecho de Casa-Grande & Senzala, livro de Gilberto Freyre, escrito no início do Século XX:[62]

A nossa tradição revolucionária, liberal, demagógica, é antes aparente e limitada a focos de fácil profilaxia política: no íntimo, o que o grosso do que se pode chamar "povo brasileiro" ainda goza é a pressão sobre ele de um governo másculo e corajosamente autocrático.
Freyre, Gilberto (15 de março de 2019). Casa-grande & senzala. [S.l.]: Global Editora 

Internacionalismo

Em termos de política externa brasileira foi padrão uma guinada à direita marcada por fatores identitários do governo Bolsonaro associados ao bolsonarismo, os quais privilegiam relações com núcleos específicos de países, caracterizados por:[63]

  • Aproximação com democracias desenvolvidas;
  • No plano simbólico, esses países representam para o bolsonarismo o núcleo da tradição judaico-cristã do Ocidente;
  • São governadas por políticos que compõem a direita nacionalista, como os Estados Unidos durante a gestão Donald Trump e Israel sob o governo de Benjamin Netanyahu.[63]

A política externa do bolsonarismo é marcada pela busca da reconstrução da identidade internacional brasileira que predominou durante os governos petistas de Lula e Dilma, interpretadas por Bolsonaro como influenciadas pela teoria conspiratória do marxismo cultural e por uma aproximação com o comunismo e bolivarianismo. Em artigo escrito pelo ex-ministro das relações exteriores Ernesto Araújo, ele disse que o Brasil estava "rompendo o horizonte comunista e reenquadrando o liberalismo no horizonte da liberdade. [...] O horizonte comunista está sendo rompido na própria Bolívia, onde o povo deu um basta a Evo Morales e Álvaro García Linera, que queriam continuar arrastando os bolivianos para o abismo à custa da fraude eleitoral".[64]

Relações com outras ideologias e fenômenos

Fascismo

Vídeo em que Roberto Alvim, secretário especial da Cultura no Governo Jair Bolsonaro, parafraseia trechos de um discurso feito a diretores de teatro em 1933 por Joseph Goebbels, ministro da Propaganda da Alemanha Nazista.[65] Alvim afirmou que, apesar de a citação ter "origem espúria", as ideias refletidas no discurso são condizentes com o seu posicionamento e explicou que a filiação de Goebbels com o nacionalismo na arte é semelhante à sua, mas que não se pode depreender daí uma concordância sua com toda a parte espúria do ideal nazista.[66]

Muitas comparações são feitas entre o bolsonarismo e o fascismo que surgiu nos anos 1920 e 1930.[67][68][69] Apesar de exibir algumas características frequentemente associadas ao fascismo, o bolsonarismo não pode ser incluído nessa categoria, conforme diversos autores como Marilena Chauí[61] e Rui Costa Pimenta.[70]

A escritora, filósofa e professora Marilena Chauí não usa o termo fascismo para se referir ao bolsonarismo por três razões:[61]

  1. o bolsonarismo, apesar de suas fortes características militaristas (ligações com milícias exterministas, ameaças à Venezuela, etc.), não pode ser associado à ideia fascista de um povo armado;
  2. o fascismo propõe um nacionalismo extremado, mas esse nacionalismo é tornado inviável no atual contexto de globalização; e
  3. o fascismo pratica o imperialismo na forma colonialista, imperialismo esse que é dispensável em uma economia neoliberal.

Marilena Chauí aponta, no entanto, diversos traços do bolsonarismo comuns ao fascismo como: "racismo, homofobia, misoginia; o uso das tecnologias de informação que levam a níveis impensáveis as práticas de vigilância, controle e censura; e o cinismo ou a recusa da distinção entre verdade e mentira como forma canônica da arte de governar."[61] Outro traço do bolsonarismo que se assemelha ao fascismo, ainda segundo Chauí, é o contato direto com o povo, sem intermediação das instituições.[61]

O pesquisador João Cezar de Castro Rocha, especialista brasileiro na política de extrema-direita, classifica o bolsonarismo como "pior que o fascismo". Segundo ele toda forma de totalitarismo do século 20 propunha inicialmente a tentativa de converter o outro, cooptá-lo para o regime, enquanto o bolsonarismo propõe que as minorias se adequem ou devem desaparecer. Segundo Castro Rocha, "Vamos fuzilar a petralhada do Acre" não é apenas uma figura de linguagem, mas "a expressão fiel de uma filosofia política que não aceita que nada que não seja espelho tenha direito à existência".[68]

Odilon Caldeira Neto, professor da Universidade Federal de Juiz de Fora e um dos coordenadores do Observatório da Extrema Direita Brasileira (OEDBrasil) explica que o fascismo está na raiz da ideologia bolsonarista. Segundo Caldeira Neto, Bolsonaro não almeja um governo ou um Estado fascista tal qual o fascismo na primeira metade do século 20, mas compartilha de ideias deste movimento como "repaginação, regeneração e purificação da nação brasileira e da extirpação e da perseguição dos seus opositores políticos".[71]

 
Imagem utilizada pela Secretaria de Comunicação do Palácio do Planalto em homenagem ao Dia do Agricultor exibe um caçador com um fuzil no ombro. Para Pedro Doria, a imagem sugere que o produtor de alimentos também tem que matar.[72]

Pedro Doria, escritor e jornalista brasileiro, editor do Canal Meio, embora conceda que o bolsonarismo não se enquadre estritamente como fascismo histórico, defende que Bolsonaro pode ser definido como fascista por compartilhar da principal característica desse regime: o culto à morte. Fascistas almejam construir um novo Estado, eliminar adversários e os desumanizar. Exemplifica a partir da gestão da Pandemia de COVID-19 no Brasil, da relação com a Amazônia e com os indígenas e da política de segurança pública. Segundo Pedro Doria, o bolsonarismo propõe matar quem não tem a vida reconhecida pelo movimento.[73] Para o analista, o governo Bolsonaro propõe e produz morte.

Segundo estudo do Observatório Judaico de Direitos Humanos no Brasil, durante o governo Bolsonaro, observou-se uma aumento ano a ano de episódios neonazistas no Brasil. A especialista em movimentos neonazistas no Brasil, Adriana Dias, relata que a quantidade de células neonazistas passou de 75 para 530 entre os anos de 2015 e 2021. Segundo Caldeira Neto, os neonazistas brasileiros se sentiram legitimados quando o ex-presidente do país é definido como "homofóbico, racista e que faz o culto da ditadura e da violência" Caldeira Neta explica que "de certa forma, ele é compatível com os ideais" dessas pessoas.[74]

Integralismo

O bolsonarismo também é associado com o Integralismo brasileiro, movimento fascista criado por Plínio Salgado.[75] Bolsonaro resgatou o lema "Deus, pátria e família" em 2019 ao tentar fundar o partido Aliança pelo Brasil.[76] No dia 30 de dezembro de 2019, Paulo Fernando Melo da Costa, foi apontado como assessor para a Ministra de Direitos Humanos, Damares Alves, durante o governo Bolsonaro.[77] Melo da Costa é conselheiro da Frente Integralista Brasileira (FIB) e já fez parte do Partido de Reedificação da Ordem Nacional (PRONA) de Enéas Carneiro,[78] uma extinta sigla conhecida por abrigar integralistas.[79] Bolsonaro já chegou a dizer que admirava Enéas Carneiro.[80] A partir de 2018, a FIB aprofundou uma forte relação com o Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB), chefiado por Levy Fidelix. Na ocasião das eleições daquele ano, o próprio candidato do presidenciável Jair Bolsonaro ao Governo de São Paulo, Rodrigo Tavares, gravou um vídeo com o Presidente da FIB, ao final do qual gritou a saudação integralista “anauê”. Levy Fidelix, por sua vez, usava, durante sua campanha para deputado federal, o slogan “Deus, pátria e família”. Nas eleições, o PRTB foi o único partido a se coligar com o Partido Social Liberal (PSL) de Bolsonaro, garantindo o vice-presidente de 2019 a 2022, o General Hamilton Mourão.[81] Sara Winter, ex-membro do FEMEN Brasil, trabalhou no Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos como coordenadora nacional de políticas à maternidade;[82] enquanto membro do Femen, declarou simpatizar com as ideias de Plínio Salgado, se referindo a ele como um "defensor do país".[83] Em 2021, lideranças da FIB filiaram-se ao Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) de Roberto Jefferson,.[84] outro partido que apoiou o governo Bolsonaro.[85]

Nas Eleições gerais no Brasil em 2022, em campanha pelo Senado no Distrito Federal, Damares Alves afirmou ter identificação com o Integralismo Brasileiro.[86][87]

Apesar disso, a rejeição do liberalismo econômico e a desconfiança da aproximação aos Estados Unidos distanciou os integralistas do bolsonarismo, mantendo-se críticos do governo.[88][89][90] Segundo o especialista Odilon Caldeira Neto, “o integralista está para além de lideranças e instituições, de acordo com os seus membros”, e por isso “os integralistas não são bolsonaristas”. Para ele, “o diálogo entre grupos integralistas e o bolsonarismo não é uma adesão, mas sim uma aproximação estratégica”.[91]

Chavismo

Embora o governo Bolsonaro seja um inimigo da esquerda, há quem aponte semelhanças entre o bolsonarismo e o chavismoː em 1999, após Hugo Chávez ser eleito, Bolsonaro o elogiou e o comparou ao Marechal Castelo Branco.[92] Em 2019, o site The Intercept Brasil publicou o texto "A pior direita: Bolsonaro quer ser Piñera, mas é um Hugo Chávez de sinal trocado."[93] Em 2020, a jornalista Vera Magalhães cunhou o termo "bolsochavismo"ː para a mesma, o aumento das armas na população brasileira (via CACs) daria origem a milícias bolsonaristas.[94][95] Uma outra semelhança com Chavéz seria o aumento de ministros no Supremo Tribunal Federal, podendo resultar em uma autocracia.[96][97] Em 2018, o então vice-presidente Hamilton Mourão defendeu uma nova Constituição,[98] em 2020, negou que o governo tivesse planos de uma nova Constituição,[99] em 2022, eleito senador, Mourão defendeu mudanças no STF, como aumento de ministros.[100][101][102]

Trumpismo

Jair Bolsonaro, às vezes referido como o "Donald Trump brasileiro",[103] que é frequentemente descrito como um extremista de direita,[104][105] vê Trump como um modelo[106] e, de acordo com Jason Stanley, usa as mesmas táticas fascistas.[107] Assim como Trump, Bolsonaro encontra apoio entre evangélicos para seus pontos de vista sobre questões de guerra cultural[108] e abraçou a agenda altamente conservadora e antiglobalização de Trump.

Em agosto de 2018 ocorreu um encontro entre Steve Bannon, diretor-executivo da campanha presidencial de Donald Trump e Eduardo Bolsonaro, filho do então candidato Jair Bolsonaro, atuando com um conselheiro informal da campanha presidencial de Jair Bolsonaro para as eleições de outubro de 2018.[109] Na ocasião, Eduardo Bolsonaro afirmou que Bannon se colocou à disposição para ajudar nas atividades de inteligência da campanha, ações na internet e análise de dados, sem incluir qualquer auxílio financeiro.[110][111] Eduardo Bolsonaro integrou O Movimento, grupo internacional de extrema direta fundada por Steve Bannon.[112][113]

Junto com aliados, ele questionou publicamente a contagem de votos de Joe Biden após a eleição de novembro.[114] Após a derrota de Bolsonaro no segundo turno das Eleições gerais no Brasil em 2022, diversos protestos foram executados no Brasil, similares a Invasão do Capitólio dos Estados Unidos em 2021, culminando em Invasões na Praça dos Três Poderes em 8 de janeiro de 2023.[115][116]

Críticas a Paulo Freire

O filósofo e educador Paulo Freire, patrono da educação brasileira e um dos pedagogos mais citados no exterior, é frequentemente criticado por Jair Bolsonaro e seus apoiadores, sendo mesmo descrito como um inimigo da ideologia bolsonarista.[117] Desde a sua campanha eleitoral, a proposta de banir a suposta influência de Paulo Freire das escolas ganhou força nas redes sociais.[118] Embora Freire tenha influenciado políticas de educação de adultos em diversos outros países, suas ideias nunca foram realmente aplicadas no Brasil, sua influência tendo sido apenas pontual.[119][120]

Em sua campanha eleitoral, em pronunciamento a empresários no Espírito Santo, Jair Bolsonaro defendeu "entrar com um lança-chamas no MEC para tirar o Paulo Freire de lá", explicando rejeitar as ideias freirianas por fomentarem o senso crítico:[118]

Em dezembro de 2019, Jair Bolsonaro definiu Freire como "energúmeno".[121] Em seu discurso de posse como ministro da educação, Abraham Weintraub, questionou: "se o Brasil tem uma filosofia de educação tão boa, Paulo Freire é uma unanimidade, por que a gente tem resultados tão ruins comparativamente a outros países? A gente gasta em patamares do PIB igual aos países ricos".[122] Embora o Brasil invista 5,7% do seu produto interno bruto, fração acima da média dos países desenvolvidos, o valor aplicado por estudante na rede pública é 54% menor do que a média dos países da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).[123]

Conforme Thiago José de Biagio, mestre em história social, Freire pregava a emancipação do sujeito e a autonomia do ser humano, o que vai de encontro com o ideário bolsonarista de uma verdade singular e de sociedade baseada na hierarquia. Segundo o pesquisador, os bolsonaristas prezam por uma sociedade fatalista e de medo, enquanto Freire pregava "a esperança e a alegria".[124]

Ver também

Notas

  1. Caracterizações como "extrema-direita" incluem, mas não se limitam a* «O inquietante 'fenômeno Bolsonaro'». El País. 7 de outubro de 2014. Consultado em 10 de junho de 2015. É a caricatura do político de extrema direita * Phillips, Dom (14 de janeiro de 2018). «Brazil's far-right presidential contender gets soft drink named after him». The Guardian (em inglês). Consultado em 19 de fevereiro de 2018 * Boadle, Anthony (27 de setembro de 2017). «Far-right presidential hopeful aims to be Brazil's Trump». Reuters (em inglês). Consultado em 19 de fevereiro de 2018 * Londoño, Ernesto; Darlington, Shasta (20 de janeiro de 2018). «Leftist Lion and Far-Right Provocateur Vie for Brazil Presidency». The New York Times (em inglês). Consultado em 19 de fevereiro de 2018 * Marco Rodrigo Almeida (21 de outubro de 2018). «Afinal, Jair Bolsonaro é ou não é fascista?». Folha de S. Paulo. Consultado em 4 de julho de 2019. Para especialistas, candidato não se encaixa no termo [fascista], mas discurso pode ser qualificado como de extrema direita *SAFATLE, Vladimir; SINGER, André; DUNKER, Christian; ARAÚJO, Cicero; LOUREIRO, Felipe; CARVALHO, Laura; PAULANI, Leda; BRAGA, Rui (2020). Por que assistimos a uma volta do fascismo à brasileira : Intelectuais da USP comparam bolsonarismo ao movimento integralista da década de 1930. Folha de São Paulo: Ilustríssima.*REIS, Arão (2020). Notas para a compreensão do Bolsonarismo. Estudos Ibero-Americanos, 46(1), e36709. PUCRS. Porto Alegre.
  2. Algo visível no discurso do Bolsonaro, e também têm ecos com Donald Trump e que já existia com Berlusconi, é sobre o papel das mulheres na sociedade. É a tese de que todo feminismo é radical, todo feminismo é uma invenção da "ditadura cultural da esquerda" e o único que pretende é legitimar uma ofensiva contra Deus.[5]

Referências

  1. Úrsula Passos (31 de outubro de 2018). «Conheça símbolos e gestos que marcaram a campanha de Bolsonaro». Folha de S.Paulo. Consultado em 18 de março de 2021 
  2. «Bolsonaro ensina criança a imitar arma com a mão». O Globo. 20 de julho de 2018. Consultado em 18 de março de 2021 
  3. FARIA, Luiz Augusto Estrella (2020). Liberalismo, Bolsonarismo e Nazismo. FCE/UFRGS. Porto Alegre.
  4. CESARINO, Letícia (2019). Identidade e representação no bolsonarismo: corpo digital do rei, bivalência conservadorismo-neoliberalismo e pessoa fractal. Revista De Antropologia, 62(3), 530 - 557.
  5. a b c d Ribeiro, Guilherme. «Entre armas e púlpitos: a necropolítica do Bolsonarismo.». PPGGEO-UFRRJ. Continentes (em inglês) (16): 463-485. ISSN 2317-8825. Consultado em 17 de abril de 2021. Mito significa embaralhar infantilmente realidade e imaginação. Estar fora da história mas, ao mesmo tempo, deter poderes para nela intervir. Perder a noção de humanidade ao clamar por um super-homem apto a solucionar tudo aquilo visto como problema. O mito é um clamor delirante em nome da eliminação do outro e se porventura a tragédia da morte despontar no horizonte da vida e o tempo histórico reclamar seus direitos, a direita sempre poderá encontrar tanto a desculpa de que não imaginava que as coisas aconteceriam de tal forma quanto a de que a esquerda teria feito muito pior. Em síntese, o mito é o álibi impecável do autoritarismo. 
  6. Galinari, Tiago Nogueira (29 de agosto de 2019). «A "Guinada à direita" e a nova política externa brasileira». Caderno de Geografia (2): 190–211. ISSN 2318-2962. doi:10.5752/P.2318-2962.2019v29n2p190-211. Consultado em 17 de abril de 2021 
  7. Brasil em transe : Bolsonarismo, nova direita e desdemocratização. Rio de Janeiro: Oficina Raquel. 2019. OCLC 1112610937 
  8. Graieb, Carlos (29 de janeiro de 2021). «Prepare-se para falar de armas». ISTOÉ Independente. Consultado em 5 de maio de 2021 
  9. «Militares entram na mira de Olavo de Carvalho, 'guru' de Bolsonaro». Metro1. 18 de março de 2019. Consultado em 18 de março de 2019 
  10. «Guru do bolsonarismo, Olavo de Carvalho orienta alunos a deixarem governo». O Globo. 8 de março de 2019. Consultado em 18 de março de 2019 
  11. «Guru de Bolsonaro, Olavo de Carvalho chama parlamentares do PSL de semianalfabetos e caipiras». Estado de Minas. 17 de janeiro de 2019. Consultado em 18 de março de 2019 
  12. «Guru de Bolsonaro, Olavo de Carvalho reforça crítica ao Escola sem Partido: "Colocaram a carroça na frente dos bois"». GaúchaZH. 23 de novembro de 2018. Consultado em 18 de março de 2019 
  13. Valfré, Vinícius (9 de novembro de 2020). «Olavo de Carvalho já perdeu 250 financiadores desde a eleição de Bolsonaro». Estadão. Consultado em 5 de maio de 2021 
  14. «Silas Malafaia: "Não sou bolsominion"». VEJA. Consultado em 19 de maio de 2022 
  15. a b «Cinco pontos que marcaram os discursos de posse de Bolsonaro». BBC News Brasil. BBC Brasil. 1 de janeiro de 2019. Consultado em 17 de abril de 2021 
  16. a b CORDEIRO, Andrey Ferreira (2020). "Lulismo, bolsonarismo e a crise brasileira: do desenvolvimento dependente a uma política autonômica". Em: BARBOSA, Fabio; etal; O pânico como política: o Brasil no imaginário do Lulismo em crise. Mauad Editora, Rio de Janeiro.
  17. Rocha, Igor (3 de setembro de 2019). «Governo Bolsonaro: ala "técnica" é, também, ideológica». entendendobolsonaro.blogosfera.uol.com.br. Uol - Entendendo Bolsonaro. Consultado em 5 de maio de 2021. É necessário ter em mente que todas as "alas" da base deste e de outros governos é ideológica e isso, em si, não é um problema. Afirmar o contrário apenas indica que alguns comportamentos ideológicos de muitos agentes do governo Bolsonaro se tornaram senso comum, sendo naturalizados a ponto de, mesmo ideológicos, não serem percebidos dessa maneira. 
  18. Baldaia, Fabio Peixoto Bastos; Araújo, Tiago Medeiros; De Araújo, Sinval Silva (29 de dezembro de 2021). «Bolsonarism and deep brazil: notes of an ongoing research / Bolsonarismo e brasil profundo: notas de uma pesquisa em andamento». Brazilian Journal of Development (12): 116154–116169. ISSN 2525-8761. doi:10.34117/bjdv7n12-397. Consultado em 9 de novembro de 2022 
  19. Lissardy, Gerardo (11 de janeiro de 2023). «Bolsonaristas já ganharam autonomia em relação a Bolsonaro, aponta antropóloga». BBC News Brasil. Consultado em 15 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2023 
  20. Velho, Diego Ricardo de Assunção; Moraes, Fernanda; Perruso, Marco Antonio (2018). «Junho de 2013 continua interpelando a intelectualidade brasileira». (Syn)thesis (2): 13–27. ISSN 2358-4130. doi:10.12957/(syn)thesis.2018.55907. Consultado em 18 de abril de 2021 
  21. Viel, Ricardo (29 de julho de 2019). «Entrevista com Manuel Loff: "O bolsonarismo é o neofascismo adaptado ao Brasil do século 21"». Agência Pública. Publica. Consultado em 17 de abril de 2021 
  22. «Neofascismo e Neoliberalismo: o fenômeno Bolsonaro | Ensaios». 1 de abril de 2021. doi:10.22409/revistaensaios.v17.43026. Consultado em 12 de agosto de 2022 
  23. a b «"Bolsonaro sabe jogar muito bem com a religião"». DW.COM. Deutsche Welle. 21 de janeiro de 2021. Consultado em 17 de abril de 2021. Os aspecto religiosos do bolsonarismo estão ligados à defesa da família tradicional, o objetivo de "[...] fazer acreditar que a escola tem como objetivo transformar os jovens em gays e lésbicas, a fim de destruir a 'família tradicional' e ensinar 'pedofilia'". 
  24. Catalani, Felipe (31 de outubro de 2018). «Aspectos ideológicos do bolsonarismo». Blog da Boitempo. Boitempo. Consultado em 17 de abril de 2021 
  25. Silva, Cris Guimarães Cirino da (2020). O bolsonarismo da esfera pública: uma análise foucaultiana sobre os conceitos de pós-verdade, fake news e discurso de ódio presentes nas falas de Bolsonaro (Dissertação). Manaus: UFAM. p. 34. 237 páginas 
  26. Bragon, Ranier; Garcia, Guilherme (6 de outubro de 2020). «Em onda bolsonarista, Republicanos e PSL viram campeões em candidatos a vereador nas grandes cidades». Folha de S. Paulo. Consultado em 17 de abril de 2021 
  27. Da Silva, Emanuel Freitas (22 de abril de 2019). «Os direitos humanos no "bolsonarismo":». Conhecer: debate entre o público e o privado (22): 133–153. ISSN 2238-0426. doi:10.32335/2238-0426.2019.9.22.1026. Consultado em 17 de abril de 2021 
  28. «Fascismo está na raiz do bolsonarismo, diz coordenador do Observatório da Extrema Direita». Brasil de Fato. Consultado em 9 de novembro de 2022 
  29. «Relembre frases controvertidas de Ernesto Araújo sobre 'globalismo', China, coronavírus e religião». O Globo. 29 de março de 2021. Consultado em 21 de abril de 2021 
  30. «Bolsonaro avalia afastar expoente da ala ideológica». ISTOÉ DINHEIRO. 26 de março de 2021. Consultado em 21 de abril de 2021 
  31. «Entendendo Bolsonaro - Governo Bolsonaro: ala "técnica" é, também, ideológica». entendendobolsonaro.blogosfera.uol.com.br. Consultado em 21 de abril de 2021 
  32. Berkowitz, Bill (2003), "Reframing the Enemy: 'Cultural Marxism', a Conspiracy Theory with an Anti-Semitic Twist, Is Being Pushed by Much of the American Right." Intelligence Report. Southern Poverty Law Center, Summer. [1]
  33. Lind, William S. "What is Cultural Marxism?". Maryland Thursday Meeting.
  34. a b Rudnitzki, Ethel; Oliveira, Rafael (10 de agosto de 2019). «Produtoras de cinema embarcam em "guerra cultural" de Olavo e ganham apoio». Exame. Agência Pública. Consultado em 6 de maio de 2021 
  35. Silva, Michel Goulart da (18 de março de 2020). «REFLEXÕES SOBRE O "MARXISMO CULTURAL"». Boletim de Conjuntura (BOCA) (3): 77–82. ISSN 2675-1488. doi:10.5281/zenodo.3900667. Consultado em 29 de janeiro de 2022 
  36. «Ministério terá mais militares do que em 1964». noticias.uol.com.br. Consultado em 28 de agosto de 2021 
  37. «Governo Bolsonaro mais que dobra número de militares em cargos civis, aponta TCU». G1. Consultado em 21 de abril de 2021 
  38. «Bolsonaro lança programa para criar 216 escolas cívico-militares». Nova Escola. Consultado em 21 de abril de 2021 
  39. Minas, Estado de; Minas, Estado de (25 de dezembro de 2020). «Bolsonaro defende povo armado e ironiza ida de Doria a Miami». Estado de Minas. Consultado em 21 de abril de 2021 
  40. Freitas, Felipe (2 de agosto de 2020). «Venda de armas de fogo no Brasil cresceu 200% em 2020: efeito Bolsonaro?». Último Segundo. Consultado em 21 de abril de 2021 
  41. Marina, Estarque (31 de dezembro de 2018). «Ricos, héteros e eleitores de Bolsonaro lideram defesa da posse de arma, diz Datafolha». Folha de S.Paulo. Consultado em 22 de abril de 2021 
  42. Leite, Vanessa; Leite, Vanessa (agosto de 2019). «Em defesa das crianças e da família": Refletindo sobre discursos acionados por atores religiosos 'conservadores' em controvérsias públicas envolvendo gênero e sexualidade». Sexualidad, Salud y Sociedad (32): 119–142. ISSN 1984-6487. doi:10.1590/1984-6487.sess.2019.32.07.a. Consultado em 17 de abril de 2021 
  43. «Bolsonarismo e ascensão evangélica são novas ameaças ao candomblé, diz sociólogo». Folha de S.Paulo. 23 de janeiro de 2021. Consultado em 17 de abril de 2021 
  44. Maakaroun, Bertha (9 de abril de 2021). «Castro Rocha: 'Bolsonarismo está se transformando em seita'». Estado de Minas. Consultado em 21 de abril de 2021 
  45. eduguim (9 de outubro de 2019). «Bolsonaro aposta no culto à personalidade». Blog da Cidadania. Consultado em 21 de abril de 2021 
  46. redator (19 de maio de 2019). «Segundo Pastor, Bolsonaro foi escolhido por "Deus" para governar o Brasil». Rede Jornal Contábil - Contabilidade, MEI, crédito, INSS, Receita Federal. Consultado em 21 de abril de 2021 
  47. «Quem é o povo de Bolsonaro?». Jornalistas Livres. 8 de maio de 2020. Consultado em 21 de abril de 2021 
  48. «Bolsonaro edita 4 decretos que ampliam acesso a armas e munições». Poder360. 13 de fevereiro de 2021. Consultado em 21 de abril de 2021 
  49. Minas, Estado de; Minas, Estado de (17 de janeiro de 2021). «'Deixa o cara governar, pô!', afirma Mourão sobre Bolsonaro». Estado de Minas. Consultado em 21 de abril de 2021 
  50. «Trump ataca duas juízas da Suprema Corte dos EUA». ISTOÉ Independente. 25 de fevereiro de 2020. Consultado em 21 de abril de 2021 
  51. «"Bolsonaro é mais autoritário do que qualquer outro líder eleito", diz autor de "Como as Democracias Morrem"». NeoFeed. 3 de maio de 2020. Consultado em 21 de abril de 2021 
  52. «Como funciona a guerra cultural de Bolsonaro». Agência Pública. 28 de maio de 2020. Consultado em 21 de abril de 2021 
  53. «Bolsonaro cria Centro de Inteligência Nacional na Abin». Poder360. 4 de agosto de 2020. Consultado em 21 de abril de 2021 
  54. Marques, Hugo; Caldas, Leonardo (7 de setembro de 2022). «Brasília tem revista contra explosivos e gritos pró-Bolsonaro e contra STF». VEJA. Consultado em 7 de setembro de 2022 
  55. «Em evento sobre pandemia, Bolsonaro defende cloroquina e critica jornalistas». CNN Brasil. Consultado em 21 de abril de 2021 
  56. Saúde, iG (21 de março de 2021). «Bolsonaro defende nebulização da hidroxicloroquina para tratar Covid-19; veja». Saúde. Consultado em 21 de abril de 2021 
  57. Schimitd, Gustavo; Roxo, Sérgio (29 de agosto de 2021). «Aliados de Bolsonaro evitam vacinação com argumentos desmentidos por médicos». O Globo. Consultado em 11 de outubro de 2021 
  58. «Ernesto Araújo cita teoria da conspiração sobre covid-19 após evento na ONU». Poder360. 6 de dezembro de 2020. Consultado em 21 de abril de 2021 
  59. «Bolsonaro vê "psicose ambiental" e diz: Inpe mente em dados». Terra. Consultado em 21 de abril de 2021 
  60. Amorim, Felipe (15 de dezembro de 2019). «Bolsonaro diz que pressão sobre mudança climática é "jogo comercial"». noticias.uol.com.br. Consultado em 22 de abril de 2021. Eu quero saber, alguma resolução para a Europa começar a ser reflorestada? Alguma decisão? Ou só ficam perturbando o Brasil? É um jogo comercial, disse Bolsonaro. 
  61. a b c d e Araújo, Maria do Socorro Sousa de; Carvalho, Alba Maria Pinho de (23 de abril de 2021). «Autoritarismo no Brasil do presente: bolsonarismo nos circuitos do ultraliberalismo, militarismo e reacionarismo». Revista Katálysis: 146–156. ISSN 1982-0259. doi:10.1590/1982-0259.2021.e75280. Consultado em 13 de julho de 2022 
  62. Freyre, Gilberto (15 de março de 2019). Casa-grande & senzala. [S.l.]: Global Editora 
  63. a b Casarões, Guilherme (2019). «Eleições, política externa e os desafios do novo governo brasileiro.» (PDF). Pensamento proprio (49-50): 231-260 
  64. Maia, Gustavo (18 de dezembro de 2019). «Em artigo, Ernesto Araújo alerta contra 'horizonte comunista' na América Latina». Globo. 2019-12-18. Consultado em 17 de abril de 2021 
  65. «Em vídeo, Alvim copia Goebbels e provoca onda de repúdio nas redes sociais». Folha de S.Paulo. 17 de janeiro de 2020. Consultado em 16 de novembro de 2022 
  66. «Discurso de Alvim com referências ao nazismo gera repúdio maciço nas redes». Deutsche Welle. 17 de janeiro de 2020. Consultado em 17 de janeiro de 2020 
  67. Ricupero, Bernardo (5 de setembro de 2022). «FASCISMO: ONTEM E HOJE». Lua Nova: Revista de Cultura e Política: 27–36. ISSN 0102-6445. doi:10.1590/0102-027036/116. Consultado em 18 de novembro de 2022 
  68. a b «Pesquisador João Cezar alerta: "O bolsonarismo é pior do que o fascismo"». Jornal Opção. 28 de agosto de 2022. Consultado em 9 de novembro de 2022 
  69. Lacombe, Milly. «"O Brasil virou uma Disneylândia do nazismo"». UOL. Consultado em 15 de novembro de 2022 
  70. BOLSONARO é FASCISTA? | À Deriva Cortes, consultado em 9 de novembro de 2022 
  71. «Fascismo está na raiz do bolsonarismo, diz coordenador do Observatório da Extrema Direita». Brasil de Fato. Consultado em 9 de novembro de 2022 
  72. Bolsonaro e os nazistas I Ponto de Partida, consultado em 9 de novembro de 2022 
  73. Bolsonaro é fascista I Ponto de Partida, consultado em 9 de novembro de 2022 
  74. «Neonazistas estão mais "visíveis e descomplexados" no país de Bolsonaro, diz Le Monde». RFI. 11 de outubro de 2021. Consultado em 18 de novembro de 2022 
  75. «Por que assistimos a uma volta do fascismo à brasileira». Ilustríssima - Folha de S. Paulo. 9 de junho de 2020. Consultado em 14 de outubro de 2022 
  76. «Partido de Bolsonaro usa lema integralista, mas se aproxima da Arena, da ditadura, diz sociólogo». O Globo. 14 de novembro de 2019. Consultado em 14 de outubro de 2022 
  77. «Integralista Paulo Fernando Costa é nomeado assessor especial de Damares». Revista Fórum. 31 de dezembro de 2019. Consultado em 20 de janeiro de 2021 
  78. «Folha Online - Especial - 2006 - Eleições». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 11 de outubro de 2022 
  79. «CALDEIRA NETO, Odilon. O Neointegralismo e a questão da organização partidária. Revista Eletrônica Boletim do TEMPO, Ano 6, Nº18, Rio, 2011 [ISSN 1981-3384].». 2 de agosto de 2014. Consultado em 1 de junho de 2014 
  80. «Bolsonaro disse que se identificava com Enéas Carneiro». Folha de S. Paulo. 7 de maio de 2007. Consultado em 14 de outubro de 2022 
  81. SEGALLA, Vinícius (25 de outubro de 2018). «Representante do fascismo raiz no Brasil, Frente Integralista Brasileira adere à candidatura de Bolsonaro». Diário do Centro do Mundo. Consultado em 26 de janeiro de 2019 
  82. «Sara Winter no ministério de Damares: "Amar mulheres não é ser feminista"». Uol. 26 de abril de 2019. Consultado em 15 de maio de 2020 
  83. «Acusada de ser nazista, líder do Femen se diz ameaçada», Folha da manhã, Folha .
  84. «Painel: Integralistas planejam participar de eleições pelo PTB do bolsonarista Roberto Jefferson». Folha de S.Paulo. 24 de julho de 2021. Consultado em 7 de outubro de 2022 
  85. «PTB bolsonarista filia integralistas e ruma à extrema-direita - Política». Estadão. Consultado em 14 de outubro de 2022 
  86. «Chico Alves - Kelmon reforça elo bolsonarista com integralismo, o fascismo à brasileira». noticias.uol.com.br. Consultado em 9 de outubro de 2022 
  87. «Damares e Integralismo: candidata diz se identificar com movimento de extrema direita inspirado no fascismo italiano». Extra Online. 26 de setembro de 2022. Consultado em 7 de outubro de 2022 
  88. GONÇALVES, Leandro Pereira (8 de maio de 2021). «Pai do aerotrem, Levy Fidelix foi uma das vias entre tradição fascista e Bolsonaro». Folha de S.Paulo. Consultado em 24 de julho de 2021 
  89. GONÇALVES, Leandro Pereira (2020). O fascismo em camisas verdes: do integralismo ao neointegralismo. Rio de Janeiro: FGV Editora. p. 195 
  90. «Integralistas estão de volta e resgatam camisas verdes - Política». Estadão. Consultado em 11 de janeiro de 2020 
  91. «Fauzi prepara terreno para sua volta ao Brasil ao acenar para movimento neointegralista?». Sputnik Brasil. 21 de janeiro de 2022. Consultado em 23 de janeiro de 2022 
  92. «Bolsonaro defende Hugo Chávez em entrevista de 1999». VEJA. Consultado em 7 de novembro de 2022 
  93. de 2019, Lucas; Berti. «Bolsonaro é cópia à direita e desajeitada de Chávez». The Intercept Brasil. Consultado em 7 de novembro de 2022 
  94. Magalhães, Vera. «Polícias sem comando». Vera Magalhães - O Globo. Consultado em 7 de novembro de 2022 
  95. «O 'bolsochavismo'». O Globo. Consultado em 8 de novembro de 2022 
  96. «Amoêdo compara proposta de bolsonaristas para o STF ao chavismo». O Antagonista. 9 de outubro de 2022. Consultado em 7 de novembro de 2022 
  97. «Jamil Chade - Bolsonarismo imita Chávez, Fujimori e Orbán e quer controle do Judiciário». noticias.uol.com.br. Consultado em 7 de novembro de 2022 
  98. «Vice de Bolsonaro defende nova Constituição sem Constituinte». Folha de S.Paulo. 13 de setembro de 2018. Consultado em 7 de novembro de 2022 
  99. «Governo não defende nova Constituição, afirma Mourão [28/10/2020]». noticias.uol.com.br. Consultado em 7 de novembro de 2022 
  100. «Senador eleito, Mourão sugere ampliar número de cadeiras no STF | Metrópoles». www.metropoles.com. 8 de outubro de 2022. Consultado em 7 de novembro de 2022 
  101. null. «Mudanças no STF e nova Constituição: o plano bolsonarista de poder total». Gazeta do Povo. Consultado em 7 de novembro de 2022 
  102. «Entendendo Bolsonaro - Ao propor intervenção no Supremo, Mourão escancara bolsochavismo». noticias.uol.com.br. Consultado em 8 de novembro de 2022 
  103. Haltiwanger 2018.
  104. Survival International 2020.
  105. Phillips & Phillips 2019.
  106. Weisbrot 2017.
  107. Brant 2018.
  108. Bailey 2017.
  109. Caetano, Maria Joao (9 de outubro de 2018). «Depois de Trump, Bannon ajuda na campanha de Bolsonaro». Diario de Noticias 
  110. Bresciani, Eduardo (9 de agosto de 2018). «Filho de Bolsonaro diz que marqueteiro de Trump vai ajudar seu pai». Época. Consultado em 29 de abril de 2020 
  111. Pires, Breiller (20 de agosto de 2020). «Os laços do clã Bolsonaro com Steve Bannon». El País Brasil. El País. Consultado em 2 de janeiro de 2021 
  112. Zuidijk, Daniel (2 de fevereiro de 2019). «Jair Bolsonaro's Son Joins Steve Bannon's Nationalist Alliance». Bloomberg. Consultado em 3 de fevereiro de 2019 
  113. «Son of Brazil President Bolsonaro joins Steve Bannon group». France24. 2 de fevereiro de 2019. Consultado em 3 de fevereiro de 2019 
  114. Ilyushina 2020.
  115. «O que reação de Trump ao perder nos EUA pode ensinar ao Brasil após derrota de Bolsonaro». br.noticias.yahoo.com. Consultado em 5 de novembro de 2022 
  116. «Entenda as semelhanças e diferenças entre atos golpistas em Brasília e a invasão ao Capitólio nos EUA». O Globo. Consultado em 9 de janeiro de 2023 
  117. Verenicz, Marina (26 de novembro de 2021). «Inimigo do bolsonarismo, Paulo Freire ganha estátua na Universidade de Cambridge». Carta Capital. Consultado em 3 de dezembro de 2021 
  118. a b c Haddad, Sérgio (14 de abril de 2019). «Por que o Brasil de Olavo e Bolsonaro vê em Paulo Freire um inimigo». Folha de S.Paulo. Consultado em 3 de dezembro de 2021 
  119. Costa, Camilla (24 de julho de 2015). «'Brasil nunca aplicou Paulo Freire', diz pesquisador». BBC News Brasil. Consultado em 3 de agosto de 2022 
  120. Calçade, Paula. «Existe método Paulo Freire nas escolas públicas?». novaescola.org.br. Consultado em 3 de agosto de 2022 
  121. Mazui, Guilherme. «Bolsonaro chama Paulo Freire de 'energúmeno' e diz que TV Escola 'deseduca'». G1. Consultado em 3 de dezembro de 2021 
  122. Haddad, Sérgio (14 de abril de 2019). «Por que o Brasil de Olavo e Bolsonaro vê em Paulo Freire um inimigo». Folha de S.Paulo. Consultado em 3 de dezembro de 2021 
  123. «Quanto e como é o gasto do Brasil com educação». Fundacred. 16 de abril de 2019. Consultado em 3 de agosto de 2022 
  124. Bacelar, Vinícius (19 de setembro de 2021). «100 anos de Paulo Freire: por que patrono da educação irrita tanto bolsonaristas». Portal iG. Consultado em 3 de dezembro de 2021 

Bibliografia

Ligações externas

 
O Wikcionário tem o verbete bolsonarismo.