Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com boogie, ou boogie-woogie.
Boogie
Origens estilísticas Pós-disco, funk, synthpop, new wave, R&B contemporâneo, jazz
Contexto cultural Final dos anos 1970, Estados Unidos
Instrumentos típicos Vocais, sintetizadores, teclados, baixo elétrico, sampler, sequenciador, percussão (Latina, bateria, caixa de ritmos)
Formas derivadas Funktronica, Nu-disco
Subgêneros
electro
Outros tópicos
Jazz-funk, Britfunk

Boogie (às vezes chamado de pós-disco)[1][2][3] é um gênero de rhythm and blues e dance music eletrônica, com laços estreitos com o estilo pós-disco, que surgiu pela primeira vez nos Estados Unidos no final da década de 1970 até meados da década de 1980. O som do boogie definido pela ponte entre instrumentos musicais acústicos e eletrônicos, com ênfase nos vocais e efeitos diversos, posteriormente evoluiu para electro e house music.[4][5][6][7][8]


HistóriaEditar

Décadas de 1920 a 1930: etimologiaEditar

O primeiro uso documentado da palavra boogie é datado de 1929.[nota 1] O Boogie, conforme definido pelo Merriam-Webster Dictionary, é uma ocasião para dançar o rock fortemente rítmico que incentiva as pessoas a dançar.[9] A associação mais antiga da palavra boogie foi com blues e mais tarde gêneros rock and roll e rockabilly.

Décadas 1970 e 1980: significado atualEditar

 Ver artigo principal: Pós-disco

Na década de 1970, o termo foi revitalizado para subculturas de disco e posteriormente pós-disco. O termo "boogie" foi usado em Londres para descrever uma forma de dance/funk afro-americano da década de 1980. O nome boogie tendia a ser usado, pois, embora essencialmente usado para descrever gravações no estilo disco, a palavra disco ganhou más conotações no início dos anos 80.

Originalmente, a palavra boogie podia ser encontrada nos álbuns de funk e disco dos anos 70, principalmente "Boogie Oogie Oogie" de A Taste of Honey e Boogie Wonderland" de Earth Wind and Fire,[10] faixas dos anos 80 como "Give Me the Night" (George Benson, 1980), "Boogie's Gonna Get Ya" (Rafael Cameron, 1981), "If You Want My Lovin'" (Evelyn King, 1981), "You're the One for Me" (D. Train, 1981 ), "Don't Make Me Wait" (Peech Boys, 1982) ou "Break Dancin '- Electric Boogie" (West Street Mob, 1984) ajudaram a definir o estilo musical do boogie.[3][4]

Ao longo dos anos 80, vários grupos de boogies da cidade de Nova York começaram a experimentar o dub infundido com baixo que antecipava os sons da house music. Um desses grupos foi o Peech Boys, seguido por D. Train, Vicky D e Sharon Redd. Enquanto alguns produtores de discos, como François Kevorkian e Larry Levan, estavam aperfeiçoando e estendendo os limites do boogie urbano, outros como Arthur Baker e John "Jellybean" Benitez tiveram suas influências da música technopop européia e japonesa. A última abordagem abriu o caminho para o electro e, posteriormente, o freestyle.[11]

O Boogie teve seguidores populares na cena underground de Londres, muitas vezes em boates e DJs de clubes devido à falta de suporte de rádios convencionais. Os discos de Boogie eram importados principalmente dos Estados Unidos e às vezes eram rotulados como "electro-funk" ou "disco-funk".[3]

Década de 1980: evolução da electroEditar

 Ver artigo principal: Electro
 
O instrumento que construiu o electro, a bateria eletrônica Roland TR-808.

Entre os pioneiros do electro-boogie (mais tarde abreviado para electro) incluem Zapp,[12] D. Train, Sinnamon e outros músicos pós-disco/boogie; especialmente aqueles influenciados por artistas new wave e synth-pop como Human League ou Gary Numan, combinados com o som de R&B de Herbie Hancock e George Clinton.[13] À medida que a progressão eletrônica continuava, instrumentos acústicos, como o baixo, foram substituídos por sintetizadores japoneses e, principalmente, por caixas de ritmos icônicas como o Roland TR-808. Os primeiros usos desta "bateria eletrônica" incluem várias faixas da Yellow Magic Orchestra em 1980–1981, "Planet Rock" (1982) de Afrikaa Bambaataa e a canção "Sexual Healing" de Marvin Gaye.[14]

Sobre origens do eletro, Greg Wilson argumenta:

[3]

Décadas de 2000 a 2010: revitalizaçãoEditar

Muito mais tarde, nos anos 2000 (na década) e início de 2010, grupos e artistas indietrônicos como James Pants, Juice Aleem, Sa-Ra Creative Partners estão sendo influenciados pelos sons do boogie e da música eletrônica dos anos 80 em geral.[15][16][17]

Chromeo, uma dupla canadense, lançou um álbum orientado para boogie chamado She's in Control em 2004.[18] Dâm-Funk é outro artista influenciado por boogie vindo de Los Angeles. Ele lançou um álbum chamado Toeachizown em 2009.[19]


Notas

  1. O Oxford English Dictionary afirma que o termo foi usado desde 1913.

Referências

  1. «DJ Spinna: The Boogie Back: Post Disco Club Jams». PopMatters (em inglês). 18 de janeiro de 2010. Consultado em 24 de outubro de 2019 
  2. Reynolds, Simon (3 de maio de 2011). «Name it on the 'boogie' – the genre tag that won't sit still». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  3. a b c d «The Building Blocks of Boogie». Electrofunkroots. 3 de outubro de 2011. Consultado em 24 de outubro de 2019 
  4. a b Serwer, Jesse (19 de maio de 2009). «Dam-Funk: Galaxy Quest». XLR8R (em inglês). Consultado em 24 de outubro de 2019 
  5. «Post-Disco Music Genre Overview». AllMusic (em inglês). Consultado em 24 de outubro de 2019 
  6. «80's Modern Soul & Funk - Danceclassics.net». web.archive.org. 26 de agosto de 2015. Consultado em 24 de outubro de 2019 
  7. «Rap meets Techno, with a short history of Electro». web.archive.org. 19 de dezembro de 2009. Consultado em 24 de outubro de 2019 
  8. «Beatport: DJ & Dance Music, Tracks & Mixes». www.beatport.com. Consultado em 24 de outubro de 2019 
  9. «Definition of BOOGIE». www.merriam-webster.com (em inglês). Consultado em 24 de outubro de 2019 
  10. Reynolds, Simon (3 de maio de 2011). «Name it on the 'boogie' – the genre tag that won't sit still». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  11. Reynolds, Simon (16 de julho de 1999). Generation ecstasy: into the world of techno and rave culture. Taylor & Francis. p. 35. ISBN 0-415-92373-5.
  12. "Zapp". Vibe. 6: 84. agosto de 1999.
  13. «Electro-Funk – What Did It All Mean?». Electrofunkroots. 13 de outubro de 2011. Consultado em 24 de outubro de 2019 
  14. «Slaves to the rhythm». web.archive.org. 1 de dezembro de 2008. Consultado em 24 de outubro de 2019 
  15. «Basic Soul: Interview with James Pants». www.basic-soul.co.uk. Consultado em 24 de outubro de 2019 
  16. «James Pants | Stones Throw Records». www.stonesthrow.com. Consultado em 24 de outubro de 2019 
  17. «Tensnake: In the House». Pitchfork (em inglês). Consultado em 24 de outubro de 2019 
  18. Juzwiak, Rich (2004). "Reviews >>> Chromeo - She's In Control". CMJ New Music Monthly. 64 (120): 50. ISSN 1074-6978.
  19. Macpherson, Alex (26 de novembro de 2009). «DâM-FunK, suave saviour of the lost funk». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077