Box-office bomb

(Redirecionado de Box office bomb)

Na indústria cinematográfica, uma box office bomb (em português brasileiro "bomba na bilheteria",[1] "bomba de bilheteria"[2] ou "fracasso de bilheteria") é um filme que é visto como muito mal sucedido ou não lucrativo durante sua execução nas salas de cinema, na maioria dos casos com receitas inferiores aos custos de produção.[3][4][5] Geralmente, qualquer filme cujo custo de produção e comercialização exceda a receita combinada recuperada após o lançamento é considerado um fracasso de bilheteria.[6] O rótulo geralmente é aplicado a filmes que perdem as projeções de ganhos por uma ampla margem, principalmente quando são muito caros de produzir. Embora isso geralmente ocorra em conjunto com críticas medianas ou ruins, a recepção crítica tem uma conexão imperfeita com desempenho de bilheteria.[7]

Causas do fracasso de um filmeEditar

Circunstâncias externasEditar

Ocasionalmente, os filmes podem ter um desempenho inferior devido a problemas não relacionados ao próprio filme. Esses problemas geralmente se relacionam com o momento do lançamento do filme. Essa foi uma das razões do fracasso comercial da Intolerance, a sequência do filme The Birth of a Nation. Devido a atrasos na produção, o filme não foi lançado até o final de 1916, época em que o amplo sentimento anti-guerra que refletia começou a mudar a favor da entrada americana na Primeira Guerra Mundial.[8]

Outro exemplo de eventos externos que afundam um filme é o docudrama de 2015 sobre a FIFA, intitulado United Passions. Foi lançado nos cinemas dos Estados Unidos ao mesmo tempo em que os líderes da FIFA estavam sob investigação por fraude e corrupção, e o filme arrecadou apenas US$918 na bilheteria dos EUA no fim de semana de estreia.[9]

Outros problemas, como mal-estar econômico geral, podem causar menos renda disponível para os possíveis cineastas, resultando em menos vendas de ingressos.[carece de fontes?] Além disso, muitos filmes que são exibidos em épocas de crise nacional e logo após desastres como os ataques de 11 de setembro de 2001 e o furacão Harvey tiveram um desempenho abaixo do esperado nas bilheterias.[10][11]

Altos custos de produçãoEditar

Às vezes, um filme pode se sair razoavelmente bem nas bilheterias, mas ainda assim ser considerado um fracasso devido a um grande orçamento. Esse foi o caso do filme Heaven's Gate, que ficou famoso três meses depois do previsto e viu seu orçamento crescer de US$7,5 milhões para US$36 milhões.[12]

Outro exemplo, Saara de 2005, custou mais de US$241 milhões (incluindo marketing e distribuição), devido em parte a custos de produção exorbitantes. Foram arrecadados US$122 milhões, geralmente o suficiente para ter sucesso. No entanto, nesse caso, isso representava pouco mais da metade de suas despesas.[13] Em 2012, a Disney registrou perdas de US$200 milhões em John Carter. O filme faturou US$234 milhões em todo o mundo, mas isso ficou muito aquém de seu orçamento de US$250 milhões, além de publicidade mundial.[14]

Recuperação de flopsEditar

Os filmes que são inicialmente vistos como "fracassos" podem recuperar a renda em outros lugares. Vários filmes tiveram baixo desempenho nos Estados Unidos, mas tiveram sucesso internacional suficiente para recuperar perdas ou até se tornarem sucessos financeiros.[15][16] Os filmes também podem recuperar dinheiro através de distribuição internacional, vendas para distribuição na televisão e distribuição fora dos cinemas (download, DVD, pay-per-view).[17] Outros filmes tiveram sucesso muito depois do lançamento no cinema, tornando-se filmes cult ou sendo reavaliados ao longo do tempo. Os filmes de alto perfil que se encaixam nessa descrição incluem Blade Runner e The Shawshank Redemption,que perderam dinheiro nas bilheterias, mas se tornaram muito populares.[18]

Estúdios enfrentam problemas financeirosEditar

Em casos extremos, o desempenho sem brilho de um único filme pode levar um estúdio a perdas financeiras, falência ou fechamento. Exemplos disso incluem: United Artists (Heaven's Gate)[19] e Carolco Pictures (Cutthroat Island).[20][21] O desempenho insuficiente de The Golden Compass foi visto como um fator significativo em influenciar a decisão da Warner Bros. de assumir o controle direto da New Line Cinema.[22]

Em 2001, a Square Pictures (a divisão de filmes da empresa japonesa de videogame Square, agora Square Enix) lançou seu primeiro filme, Final Fantasy: The Spirits Within, um filme de animação inspirado na série de jogos eletrônicos Final Fantasy. Ele recebeu críticas mistas dos críticos e não conseguiu recuperar seu custo de US$145 milhões. Após as lutas do filme, a Square Pictures deixou de produzir filmes.[23] Em 2011, Mars Needs Moms foi o último filme lançado pela ImageMovers Digital antes de ser absorvido pela ImageMovers com uma perda de quase US$140 milhões – o maior fracasso de bilheteria de todos os tempos em termos nominais em dólares. Apesar dessa perda, a decisão de fechar a produtora havia sido tomada um ano antes do lançamento do filme.[24]

Filmes independentesEditar

O filme independente de 2006, Zyzzyx Road, ganhou apenas US$30 nas bilheterias dos EUA. O filme, com um orçamento de US$1,2 milhão e estrelado por Tom Sizemore e Katherine Heigl, deve sua pequena receita ao lançamento limitado de bilheteria - apenas seis dias em um único cinema em Dallas com o objetivo de atender aos requisitos da Screen Actors Guild - em vez de sua capacidade de atrair espectadores.[25][26] Segundo a co-estrela Leo Grillo, ele vendeu seis ingressos, dois dos quais eram para o elenco.[27]

Anteriormente, o filme britânico Offending Angels havia se tornado famoso por receber menos de £100 (~$150[28]) nas bilheterias.[29] Tinha um orçamento de £70,000 (~$105,000[28]), mas foi criticado por críticos como a BBC, que a chamou de "pilha de lixo realmente horrível"[30] e a Total Film, que o chamou de "irremediável".[31]

Em 2011, o filme The Worst Movie Ever! ganhou apenas US$11 nas bilheterias dos EUA. Foi exibido em apenas um cinema.[32]

Veja tambémEditar

Referências

  1. Renato Marafon (10 de março de 2015). «Conheça os maiores fracassos de 2015, um dos piores anos do cinema». CinePOP. Consultado em 19 de janeiro de 2017 
  2. Melissa Andrade (14 de agosto de 2013). «As 10 maiores bombas de bilheteria que, na verdade, são bons filmes». Ambrosia. Consultado em 19 de janeiro de 2017 
  3. «The 15 Biggest Box Office Bombs». CNBC (em inglês). Consultado em 19 de janeiro de 2017 
  4. «Greatest Box-Office Bombs, Disasters and Flops» (em inglês). Consultado em 19 de janeiro de 2017 
  5. «The 15 Biggest Box Office Bombs». Cnbc.com. 23 de agosto de 2010. Consultado em 6 de março de 2013 
  6. «Top 200 Biggest Box Office Bombs. Worst movies with respect to Box Office Gross. | Life & Times». Theforrester.wordpress.com. 12 de maio de 2008. Consultado em 6 de março de 2013 
  7. «As 'Battleship' Flops: Ten Other Memorable Box-Office Bombs | The Playlist». Blogs.indiewire.com. 22 de dezembro de 1995. Consultado em 6 de março de 2013 
  8. «Intolerance (1916)». www.filmsite.org (em inglês). Consultado em 7 de novembro de 2017 
  9. «FIFA film 'United Passions' one of worst in U.S. box office history». ESPN. 18 de junho de 2015. Consultado em 18 de junho de 2015. Cópia arquivada em 18 de junho de 2015 
  10. Kelley, Seth (27 de agosto de 2017). «Box Office Disaster: Lackluster Releases, Mayweather-McGregor, Hurricane Harvey Create Slowest Weekend in Over 15 Years». Variety (em inglês). Consultado em 9 de novembro de 2017 
  11. «Weekend Box Office». Boxofficeguru.com. 17 de setembro de 2001. Consultado em 8 de dezembro de 2011 
  12. «Unmaking of an Epic - The Production of Heaven's Gate». www.filminquiry.com (em inglês). Consultado em 7 de novembro de 2017 
  13. Glenn F. Bunting, Jurors hear tales of studio maneuvering, Los Angeles Times, March 5, 2007
  14. «John Carter flop to cost Walt Disney $200m». BBC News. 20 de março de 2012 
  15. Mendelson, Scott. «'Pacific Rim' And More Domestic "Flops" That Became Global Hits». Forbes. Consultado em 19 de agosto de 2015 
  16. Fleming Jr., Mike (7 de agosto de 2013). «Isn't It Time To Take 'Waterworld' Off The All-Time Flop List?». Deadline Hollywood. Consultado em 13 de agosto de 2013 
  17. «11 Beloved Movies That Were Box Office Flops». Mental Floss. Consultado em 19 de agosto de 2015 
  18. «Which film was the best box-office flop?». The Guardian. 16 de janeiro de 2013. Consultado em 14 de junho de 2017 
  19. Welkos, Robert W. «'Heaven's Gate': The film flop that reshaped Hollywood». latimes.com. Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  20. Sterngold, James (31 de março de 1996). «Debacle on the High Seas». The New York Times. Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  21. «Largest box office loss». Guinness World Records. 30 de abril de 2012. Consultado em 17 de julho de 2019 
  22. Davis, Erik (28 de fevereiro de 2008). «Breaking: New Line Cinema Says Goodbye!». Cinematical.com. Consultado em 8 de dezembro de 2011. Cópia arquivada em 28 de outubro de 2012 
  23. Briscoe, David (1 de fevereiro de 2002). «'Final Fantasy' studio to fold». The Independent. Consultado em 2 de junho de 2019 
  24. Finke, Nikki (12 de março de 2010). «Disney Closing Zemeckis' Digital Studio». Deadline Hollywood. Consultado em 21 de novembro de 2010 
  25. Faraci, Devin (31 de dezembro de 2006). «What if they released a movie and nobody came?». CHUD.com. Consultado em 2 de janeiro de 2007. Cópia arquivada em 7 de junho de 2011 
  26. Brunner, Rob (9 de fevereiro de 2007). «The Strange and Twisted Tale of ... The Movie That Grossed $30.00». Entertainment Weekly. Consultado em 24 de janeiro de 2008 
  27. Mueller, Andrew (16 de janeiro de 2007). «This Film Is Absolute Dross – People Are Going to Love It!». The Guardian. London. Consultado em 15 de janeiro de 2007 
  28. a b Officer, Lawrence H. «Dollar-Pound Exchange Rate From 1791: 2000–2002». MeasuringWorth. Consultado em 9 de novembro de 2017 
  29. logboy (3 de fevereiro de 2006). «Offending Angels. £70k Budget, £89 Box Office. 8 DVD Sales to Double its Takings». Twitch.net. Consultado em 16 de janeiro de 2007. Cópia arquivada em 24 de maio de 2011 
  30. Russell, Jamie (10 de abril de 2002). «Offending Angels (2002)». BBC. Consultado em 16 de janeiro de 2007 
  31. Harley, Kevin (maio de 2002). «Offending Angels film review». Total Film. Consultado em 16 de janeiro de 2007 
  32. «The Worst Movie Ever! (2011)». Box Office Mojo. Consultado em 25 de agosto de 2011