Brás Neto

Brás Neto, O.F.M. (Braga, antes de 1480 - Baiona, 9 de fevereiro de 1538) foi um frade franciscano, jurista, diplomata e prelado português da Igreja Católica, o primeiro bispo de Santiago de Cabo Verde.

Brás Neto
Bispo da Igreja Católica
Bispo de Santiago de Cabo Verde
Atividade eclesiástica
Ordem Ordem dos Frades Menores
Diocese Diocese de Santiago de Cabo Verde
Nomeação 20 de maio de 1532
Sucessor Dom João Parvi
Mandato 1533-1538
Ordenação e nomeação
Nomeação episcopal 31 de janeiro de 1533
Dados pessoais
Nascimento Braga
antes de 1480
Morte Baiona
9 de fevereiro de 1538
Nacionalidade Português
dados em catholic-hierarchy.org
Bispos
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

BiografiaEditar

Nascido em Braga[1], sabe-se que durante o reinado de Dom Manuel I era desembargador da Casa da Suplicação em 1502[2][3]e do Paço do Rei João III de Portugal, além de seu embaixador junto à Santa Sé.[4]

Em 21 de maio de 1532, o Rei escreve ao Papa Clemente VII pedindo que confirmasse a Dom Brás como bispo de São Tiago de Cabo Verde, diocese recém-erigida e parte da província eclesiástica do Funchal.[4][5] Em 16 de novembro do mesmo ano, o Papa responde com uma boa recomendação de Dom Brás.[6]

Em 31 de janeiro de 1533, foi confirmado como bispo de Santiago de Cabo Verde pelo Papa Clemente VII, pela bula Gratiæ divinæ præmium.[7][8] Em 12 de setembro de 1534, o Rei encaminha documento para as autoridades locais informando da posse de Dom Brás como bispo, para que tenha, assim que embarcar para Cabo Verde, todos os privilégios de seu cargo.[9]

Contudo, ainda na Europa, em 15 de julho de 1537, Dom Brás foi nomeado como embaixador junto à França para ir a Baiona, tratar dos ataques de corsários franceses às embarcações lusas.[10][11]

A notícia de sua morte é de 9 de fevereiro de 1538, por meio de uma carta de Dom João III nomeando a Dom Gonçalo Pinheiro para o lugar de Dom Brás, falecido.[12][13]

Referências

  1. Catholic Hierarchy
  2. «DECRETO PARA O DESEMBARGADOR BRÁS NETO, DA CASA DA SUPLICAÇÃO, DESPACHAR NOS FEITOS DAS CAPELAS E HOSPITAIS.». Arquivo Digital da Torre do Tombo, PT/TT/CC/1/1/000023 
  3. Confirmado que era Desembargador em 1505, pela nota da Cédula Consistorial do Bispo de Cabo Verde, citado em Brásio, op.citada, pág. 255
  4. a b Brásio, op.citada, pág. 235
  5. Manuel Telles da Sylva, marquês de Alegrete (1722). Collecçam dos documentos e memorias da Academia Real da História Portugueza. vol. 2. Lisboa Ocidental: Officina de Pascoal da Sylva 
  6. Brásio, op.citada, págs. 244-245
  7. Brásio, op.citada, págs. 253-254
  8. Bula Gratiæ divinæ præmium, em Bullarium patronatus Portugalliae regum in ecclesiis Africae, Asiae atque Oceaniae, Tomo I, págs. 143 (em latim)
  9. Brásio, op.citada, págs. 266-267
  10. Brásio, op.citada, págs. 300-303
  11. «CÓPIA DA CARTA POR QUE O REI NOMEOU PARA DEPUTADO D. BRÁS NETO, BISPO DE SANTIAGO, NAS CAUSAS DE TOMADIAS FEITAS ENTRE OS VASSALOS DESTE REINO E DO DE FRANÇA.». Arquivo Digital da Torre do Tombo, PT/TT/CC/1/59/6 
  12. Brásio, op.citada, págs. 306-307
  13. «CÓPIA DA CARTA POR QUE O REI NOMEOU O BISPO DE SAFIM, D. GONÇALO PINHEIRO, POR MORTE DE D. BRÁS NETO, BISPO DE SANTIAGO POR DEPUTADO NAS CAUSAS DAS TOMADIAS FEITAS ENTRE OS VASSALOS DESTE REINO E OS DE FRANÇA.». Arquivo Digital da Torre do Tombo, PT/TT/CC/1/59/2 

BibliografiaEditar

Ligações externasEditar

Precedido por
Ereção da Diocese
 
Bispo de Santiago de Cabo Verde

15331538
Sucedido por
Dom João Parvi