Abrir menu principal

Brasa Adormecida

filme de 1987 dirigido por Djalma Limongi Batista
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde Maio de 2009). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Brasa adormecida
 Brasil
1987 •  cor •  105 min 
Direção Djalma Limongi Batista
Roteiro Djalma Limongi Batista
Elenco Edson Celulari
Maitê Proença
Paulo César Grande
Miriam Pires
Sergio Mamberti
Iara Jamra
Género comédia
Idioma português
Página no IMDb (em inglês)

Brasa adormecida é um filme brasileiro de 1987, dirigido por Djalma Limongi Batista.

Índice

SinopseEditar

Um triângulo amoroso formado por dois primos, Ticão e Toni, e uma prima, Bebel, inseparáveis desde a infância rural e rica. O conflito se instala quando a moça finalmente escolhe um dos dois parentes apaixonados como futuro marido. O preterido, naturalmente, não se conforma, e a partir dessa atitude nascem confusões, desentendimentos e revelações.

Elenco[1]Editar

  A Wikipédia tem o


PrêmiosEditar

  • Ganhou quatro prêmios no II Rio-Cine: Melhor Atriz (Maitê Proença), Efeitos Especiais, Cenografia e Figurinos.

CuriosidadesEditar

  • Caracteriza muito bem os anos 60, com trilha sonora de Tom Jobim.
  • Foi um dos grandes sucessos dos anos 80 do cinema brasileiro.
  • Segunda colaboração do diretor Djalma Limongi Batista com o ator Edson Celulari. Os dois já haviam feito, em 1981, o filme "Asa Branca - Um Sonho Brasileiro".
  • O título do filme é uma homenagem ao filme "Brasa Dormida" (1928), de Humberto Mauro. Algumas cenas deste podem ser vistas quando a personagem de Míriam Pires assiste ao referido filme.
  • Foi parcialmente filmado no distrito de Joaquim Egídio(SP), perto de Campinas, cidade-natal de Maitê Proença.
  • Filmado em 1985, mas lançado comercialmente só em 1987.
  • Inicialmente, o nome da protagonista era "Rubi". No entanto, seu tema foi composto por Tom Jobim como "Bebel". A dublagem do filme foi alterada para evitar a discrepância, mas é possível notar pelos movimentos dos lábios dos atores que eles utilizam o nome original.
  • Última participação de Anselmo Duarte no cinema.

Referências

  Este artigo sobre um filme brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.