Breakthrough Prize in Life Sciences

Breakthrough Prize in Life Sciences
Descrição Pesquisa destinada à cura de doenças intratáveis e para prolongar a vida humana.
País  Estados Unidos
Primeira cerimónia 20 de fevereiro de 2013
Sítio oficial

O Breakthrough Prize in Life Sciences (BPLS - Prêmio Rompendo Fronteiras em Ciências da Vida) é um prêmio fundado por Arthur Levinson da Apple, Sergey Brin do Google, Mark Zuckerberg e sua esposa Priscilla Chan do Facebook, e Anne Wojcicki e Yuri Milner da 23andMe, em reconhecimento a pesquisas de excelência para a cura de doenças atualmente sem tratamento adequado e para o prolongamento da vida humana.

Os fundadores responsáveis pela parte financeira do prêmio incluem Sergey Brin e Anne Wojcicki, Mark Zuckerberg, Priscilla Chan, e Yuri Milner, que decidiram coletivamente estabelecer até 6 prêmios anuais de US$ 3 milhões cada um. No seu ano de estabelecimento, 2013, foram concedidos 11 prêmios, totalizando 33 milhões de dólares. Estes 11 primeiros laureados, assim como os laureados por eles indicados, constituem o comitê avaliador do BPLS.[1]

Laureados 2013Editar

11 laureados inaugurais foram anunciados em 2013. Cada um recebeu 3 milhões de dólares.[2]

Ano N.º Imagem Nome País Citação
2013 1   Cornelia Bargmann   Estados Unidos Pela genética dos circuitos neurais e seu comportamento, e moléculas sinápticas.
2   David Botstein   Estados Unidos Por ligar o mapeamento da doença mendeliana em humanos usando polimorfismos do DNA.
3   Lewis Cantley   Estados Unidos Pela descoberta do PI 3-Kinase e seu papel no metabolismo do câncer.
4   Hans Clevers   Países Baixos Por descrever o papel do WNT sinalizando no tecido de células-tronco e câncer.
5   Titia de Lange   Países Baixos Por pesquisar os telômeros, iluminando como eles protegem o final do cromossomo e seu papel na instabilidade do genoma.
6   Napoleone Ferrara   Itália,   Estados Unidos Por descobertas sobre os mecanismos da angiogênese que levou a terapias para o câncer e doenças ópticas.
7   Eric Lander   Estados Unidos Pela descoberta de princípios gerais de identificação de genomas de doença humana, possibilitando sua aplicação no mapeamento genético, físico e sequencial do genoma humano.
8   Charles Sawyers   Estados Unidos Por genomas cancerígenos e terapia-alvo.
9   Bert Vogelstein   Estados Unidos Por genomas cancerígenos e genes supressores tumorais.
10   Robert Allan Weinberg   Estados Unidos Pela caracterização de genes humanos cancerígenos.
11   Shinya Yamanaka   Japão Por induzir células-tronco pluripotentes.

Laureados 2014Editar

Os laureados de 2014 foram:[3]

Ano N.º Imagem Nome País Citação
2014 12   James Patrick Allison   Estados Unidos
13   Mahlon DeLong   Estados Unidos
14   Michael Nip Hall   Estados Unidos
15   Robert Langer   Estados Unidos
16   Richard Priestley Lifton   Estados Unidos
17   Alexander Varshavsky   Rússia,   Estados Unidos

Laureados 2015Editar

Os laureados de 2015 foram:[4]

Ano N.º Imagem Nome País Citação
2015 18   Alim-Louis Benabid   França
19   Charles David Allis   Estados Unidos
20   Victor Ambros   Estados Unidos
21   Gary Ruvkun   Estados Unidos
22   Jennifer Doudna   Estados Unidos
23   Emmanuelle Charpentier   França

Laureados 2016Editar

Os laureados de 2016 foram:[5]

Ano N.º Imagem Nome País Citação
2016 24   Edward Boyden   Estados Unidos Pelo desenvolvimento e aplicação da optogenética
25   Karl Deisseroth
26   John Hardy   Reino Unido Pela descoberta de mutações em proteína precursora de amiloide como causa do surgimento prematuro da doença de Alzheimer
27   Helen Hobbs   Estados Unidos Pela descoberta de variações genéticas que influenciam sobre o nível do colesterol
28   Svante Pääbo   Suécia Pelo sequenciamento de DNAs antigos (paleogenética)

Laureados 2017Editar

Os laureados de 2017 foram:[6]

Ano N.º Imagem Nome País Citação
2017 29 Stephen Elledge   Estados Unidos Por elucidar como as células eucarióticas percebem e respondem aos danos em seu DNA e fornecem insights sobre o desenvolvimento e tratamento do câncer
30 Harry Noller Por descobrir a centralidade do RNA na formação dos centros ativos do ribossomo, a maquinaria fundamental da síntese proteica em todas as células, conectando a biologia moderna à origem da vida e também explicando como muitos antibióticos naturais interrompem a síntese de proteínas
31 Roeland Nusse   Países Baixos
  Estados Unidos
Por suas pesquisas pioneiras sobre a via de sinalização Wnt, um dos sistemas cruciais de sinalização intercelular em biologia do desenvolvimento, do câncer e de células-tronco
32   Yoshinori Ohsumi   Japão Por elucidar a autofagia, o sistema de reciclagem que as células usam para gerar nutrientes de seus próprios componentes não essenciais ou danificados
33   Huda Zoghbi   Estados Unidos Por descobertas das causas genéticas e mecanismos bioquímicos de ataxia espinocerebelar e síndrome de Rett, descobertas que forneceram informações sobre a patogênese de doenças neurodegenerativas e neurológicas

Laureados 2018Editar

Os laureados de 2018 foram:[7]

Ano N.º Imagem Nome País Citação
2018 34 Joanne Chory   Estados Unidos Por descobrir como as plantas otimizam seu crescimento, desenvolvimento e estrutura celular para transformar a luz solar em energia química
35   Peter Walter   Alemanha
  Estados Unidos
Por elucidar a resposta proteica desdobrada, um sistema de controle de qualidade celular que detecta proteínas desdobradas causadoras de doenças e direciona as células a tomar medidas corretivas
36 Kazutoshi Mori   Japão Por elucidar a resposta proteica desdobrada, um sistema de controle de qualidade celular que detecta proteínas desdobradas causadoras de doenças e direciona as células a tomar medidas corretivas
37 Kim Nasmyth   Inglaterra Por elucidar o sofisticado mecanismo que medeia a perigosa separação de cromossomos duplicados durante a divisão celular, prevenindo assim doenças genéticas como o câncer
38 Don W. Cleveland   Estados Unidos Por elucidar a patogênese molecular de um tipo de esclerose lateral amiotrófica (ELA) hereditária, incluindo o papel da glia na neurodegeneração, e por estabelecer a terapia de oligonucleotídeo antissenso em modelos animais de ELA e doença de Huntington

Laureados 2019Editar

Os laureados de 2019 foram:[8]

Ano N.º Imagem Nome País Citação
2019 39 C. Frank Bennett   Estados Unidos Pelo desenvolvimento de uma terapia de oligonucleótidos antisentido eficaz para crianças com a doença neurodegenerativa atrofia muscular espinal
40 Adrian R. Krainer   Estados Unidos pelo desenvolvimento de uma terapia de oligonucleótidos antisentido eficaz para crianças com a doença neurodegenerativa atrofia muscular espinal
41 Angelika Amon   Estados Unidos por determinar as consequências da aneuploidia, um número anormal de cromossomos resultante da má segregação dos cromossomos
42 Xiaowei Zhuang   Estados Unidos por descobrir estruturas ocultas nas células, desenvolvendo imagens de super-resolução - um método que transcende o limite fundamental de resolução espacial da microscopia de luz
43 Zhijian James Chen   Estados Unidos por elucidar como o DNA desencadeia respostas imunes e auto-imunes do interior de uma célula através da descoberta da enzima sensível ao DNA cGAS

Referências

  1. BPLS Committee (em inglês)
  2. Rory Carroll (20 de fevereiro de 2013). «Breakthrough Prize announced by Silicon Valley entrepreneurs». The Guardian. Consultado em 17 de novembro de 2018 
  3. «Breakthrough Prize 2014». breakthroughprize.org 
  4. «Breakthrough Prize 2015». breakthroughprize.org 
  5. «Breakthrough Prize 2016». breakthroughprize.org 
  6. «Breakthrough Prize 2017». breakthroughprize.org 
  7. «Breakthrough Prize 2018». breakthroughprize.org 
  8. «Breakthrough Prize 2019». breakthroughprize.org 

Ligações externasEditar


  Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.