Brichos

filme de 2007 dirigido por Paulo Munhoz
Disambig grey.svg Nota: Para a série baseada no filme, veja Brichos (série de televisão).

Brichos[a] é um filme de animação brasileiro de 2007 dirigido por Paulo Munhoz e produzido pelo estúdio Tecnokena. O filme é sobre três animais que participam de um campeonato de jogo eletrônico. A ideia para o filme surgiu em 2001, com a criação de personagens da fauna brasileira, considerada "exuberante" pelo diretor. Após seu lançamento em 2 de fevereiro de 2007, teve recepção positiva pelo público e pela crítica, sendo assistido por mais de 180 mil espectadores, segundo Munhoz, além de ser exibido diversos canais de televisão. Em 2011, uma sequência foi lançada, Brichos - A Floresta é Nossa e, em 2014, foi lançada uma série de televisão.

Brichos
 Brasil
2007 •  cor •  77 min 
Direção Paulo Munhoz
Roteiro Paulo Munhoz
Érico Beduschi
Gênero animação, aventura
Distribuição Signopus
Lançamento 2 de fevereiro de 2007
Idioma língua portuguesa

SinopseEditar

O filme conta as aventuras de três garotos animais: Tales, um jaguar; Jairzinho, um quati; e Bandeira, um tamanduá. Os três moram na Vila dos Brichos, uma cidade onde vários animais da fauna brasileira convivem uns com os outros. Os três decidem participar de um campeonato internacional de um jogo eletrônico de luta, buscando criar o "lutador perfeito" para vencer. No entanto, a jornada toma rumos inesperados, levando-os a descobrir a verdade sobre a história da Vila e o passado de seus moradores.[2]

ElencoEditar

Vozes dos personagens do filme, segundo o website oficial.[2]

Antecedentes e produçãoEditar

Brichos foi dirigido por Paulo Munhoz e escrito por ele e Érico Beduschi. A arte foi dirigida por Antonio Eder. Tadao Miaqui foi co-diretor, diretor de animação e animador. O diretor musical foi "Vadeco" e a diretora de produção Daniella Munchoz.[2]

Se tentarmos competir com a Disney, estamos fadados ao fracasso. Temos que criar um modelo nosso.

—Paulo Munhoz, 2004.[3]

A ideia para o filme surgiu em 2001, com a criação de uma turma de personagens inspirados na fauna brasileira. Paulo Munhoz e Antonio Eder, os autores, acreditavam que esses seres pudessem gerar histórias "críticas, bem-humoradas e otimistas" sobre o Brasil e seu povo. Paulo Munhoz, o diretor, teve a ideia incial, e Antonio Eder criou o visual. O filme foca na busca da identidade cultural de cada indivíduo, da invasão de cultura estrangeira, a eterna luta entre pais e filhos e outros assuntos. A palavra "Brichos" significa "Bichos Brasileiros".[4]

Paulo Munhoz comentou que os animais mais lembrados são africanos, como elefantes, tigres e leões, sob uma leitura americana. Brichos foi feito pensando especificamente na fauna brasileira, considerada "exuberante" por ele.[5] Sobre o processo de animação, ele comentou: "Este acabou sendo o primeiro filme da maioria dos animadores, que sequer tinham feito um curta. Às vezes eu brincava que a gente levantava vôo e construía a aeronave ao mesmo tempo". Porém, os animadores tinham o traço adequado para desenho animado, que se acostumaram com a mecânica da produção rapidamente.[1]

Brichos foi realizado com patrocínio da Petrobras e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).[4] O orçamento foi de quase 700 mil reais.[6]

LançamentoEditar

Brichos foi exibido em diversos festivais antes de seu lançamento. Em novembro de 2004, foi exibido no 2.º Festival Internacional de Cinema Infantil, no Rio de Janeiro.[7] Foi exibido no Anima Mundi, na mesma cidade, em julho de 2006.[2] No dia 10 de outubro, teve pré-estreia no 3.º Curta Pará Cine Brasil e, até então, já havia sido exibido também em São Paulo e Fortaleza.[8] Teve exibição no 39.º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro em novembro de 2006. Alunos de escolas públicas do Distrito Federal puderam assistir ao filme no Cine Brasília.[9]

Brichos foi lançado nos cinemas em 2 de fevereiro de 2007.[5] Segundo o G1, 2007 foi um ano onde a animação nacional estava em alta. Com o lançamento desse filme, Garoto Cósmico e Turma da Mônica em Uma Aventura no Tempo, o país teve o maior número de desenhos animados lançados em um mesmo ano, até aquele momento.[1] Mais tarde, foi lançado um álbum em quadrinhos baseado no filme.[4] Foi exibido em trinta mostras e festivais nacionais e internacionais entre 2007 e 2008.[2]

Em 12 de outubro de 2020, Brichos foi inserido no catálogo da Amazon Prime Video.[10]

RecepçãoEditar

Rodrigo Fonseca, do O Globo, comentou que o filme foi "pintado" com ufanismo, assemelhando-se a um lançamento da "década de 70, sob o regime militar". Disse também que não era tão avançado tecnologicamente em comparação a outros filmes estrangeiros.[11] Celso Sabadin do CineClick escreveu, de maneira similar, que o filme é marcado pela simplicidade, com a animação seguindo o "padrão antigo, tradicional". Elogiou o roteiro com "um ritmo mais contemplativo, menos eletrizante" diferente de obras estrangeiras, e que o filme traz uma "forte mensagem nacionalista". Concluiu sua análise escrevendo: "Brichos é um filme guerrilheiro, uma espécie de Brás Cubas que prega a valorização das raízes brasileiras. Um grito alternativo de bichos nacionais contra as feras estrangeiras".[12] Rodrigo elogiou o "poder de mobilizar crianças" de Munhoz, citando que as sessões de exibição do filme no Anima Mundi estavam lotadas. Segundo ele, isso se deve ao carisma dos personagens, que devem aprender lições de "brasilidade" e sobre o valor da família "[a]té a prova final".[11]

Brichos foi indicado ao Grande Prêmio do Cinema Brasileiro 2007 e ganhou o Prêmio Amigo do Cinema Infantil no mesmo ano.[2] Segundo o diretor, no total, mais de 180 mil pessoas assistiram a Brichos, sendo 130 mil pessoas em "cidades do interior de São Paulo" em 2009. O filme já foi exibido na TV Brasil, TV Cultura, TV Rá-Tim-Bum e TV Aparecida. Com o sucesso do primeiro filme, uma sequência foi lançada em 2011, Brichos - A Floresta é Nossa[13] e, em 2014, gerou uma série de televisão.[14]

Notas

  1. Também estilizado como BRichos.[1]

Referências

  1. a b c «"BRichos", "Turma da Mônica" e "Garoto Cósmico": animação nacional em alta». Gazeta do Povo. Consultado em 18 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 18 de outubro de 2021 
  2. a b c d e f «Brichos 1». Brichos. Consultado em 18 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 18 de outubro de 2021 
  3. Werneck, Alexandre (18 de outubro de 2004). «Do feijão-com-arroz ao frango com queijo». Biblioteca Nacional. Jornal do Brasil, Caderno B. Consultado em 18 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 18 de outubro de 2021 
  4. a b c «Brichos em animação e nos quadrinhos». Universo HQ. 1 de fevereiro de 2007. Consultado em 18 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 18 de outubro de 2021 
  5. a b c Flávio, Lúcio (2 de fevereiro de 2007). «Bem Brasil». Biblioteca Nacional. Correio Braziliense, Fim de Semana. Consultado em 18 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 18 de outubro de 2021 
  6. Lúcio, Flávio (21 de novembro de 2006). «Conexão com as crianças». Biblioteca Nacional. Correio Braziliense, Caderno C. Consultado em 18 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 18 de outubro de 2021 
  7. Werneck, Alexandre (18 de outubro de 2004). «De novo! De novo!». Biblioteca Nacional. Jornal do Brasil, Caderno B. Consultado em 18 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 18 de outubro de 2021 
  8. «Pax, do cineasta curitibano Paulo Munhoz, ganha prêmio máximo em Belém». Tribuna do Paraná. 16 de outubro de 2006. Consultado em 18 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 18 de outubro de 2021 
  9. «Animação para a garotada». Biblioteca Nacional. Correio Braziliense, Festival. 20 de novembro de 2006. Consultado em 18 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 18 de outubro de 2021 
  10. «Brichos». AdoroCinema. Consultado em 18 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 18 de outubro de 2021 
  11. a b Fonseca, Rodrigo (2 de fevereiro de 2007). «Fauna em tom ufanista». Acervo O Globo, Rio Show. Consultado em 18 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 18 de outubro de 2021 
  12. «Brichos». CineClick. Consultado em 18 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 18 de outubro de 2021 
  13. Vecchio, Annalice Del. «Do fio ao pavio». Gazeta do Povo. Consultado em 18 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 18 de outubro de 2021 
  14. «Animação "Brichos" estreia na TV como seriado». Revista de Cinema. Consultado em 18 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 18 de outubro de 2021 

Ligações externasEditar