British Vogue

Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre a revista britânica. Para a publicação principal, veja Vogue (revista). Para outros significados, veja Vogue.

Vogue, também referida como British Vogue ou Vogue UK é uma revista de moda publicada em Londres desde o outono de 1916. É a edição britânica da revista americana Vogue. Pertence e é distribuída pela Condé Nast. Um editor da Vogue britânica afirmou em 2012 que "o poder da Vogue é universalmente reconhecido. É o lugar que todo mundo quer estar se quiserem estar por dentro do mundo da moda e que 85% dos leitores da revista concordam que a Vogue é a Bíblia da moda".[3]

Vogue
Kate Moss na capa da Vogue em maio de 2000
Editor Edward Enninful
Ex-editores
Categoria moda
Frequência Mensal
Circulação 200 000[1]
Editora Condé Nast
Primeira edição 1916[2]
País Reino Unido
Idioma inglês
vogue.co.uk

A revista é considerada uma que vincula a moda à alta sociedade e classe, ensinando seus leitores a "assumirem uma aparência distintamente chique e moderna".[4] Como filial da Vogue americana, a Vogue britânica é uma revista cujo sucesso se baseia em publicidade e não em receita de vendas. Em 2007 ela publicou 2 020 páginas de publicidade, com uma média de 16 000 libras por página. É considerada mais comercial do que outras edições da Vogue.[5] A British Vogue é a revista britânica mais lucrativa da Vogue além das edições nos EUA e na China.[6]

HistóriaEditar

Durante a Primeira Guerra Mundial, a Condé Nast, editora da Vogue, teve que lidar com restrições ao transporte marítimo no exterior e à escassez de papel nos Estados Unidos. A edição britânica da Vogue foi a resposta para esse problema, fornecendo cobertura de moda da Vogue nas Ilhas Britânicas quando não era possível recebê-la da maneira usual. Sob o comando do segundo editor da edição de Londres, Elspeth Champcommunal,[7] a revista era essencialmente a mesma da edição americana, exceto pelas grafias em inglês britânico. No entanto, Champcommunal achou importante que a Vogue fosse mais do que uma revista de moda. Apresentava artigos sobre 'sociedade e notícias esportivas... dicas sobre saúde e beleza... travelogues... e editoriais', tornando-a um 'coquetel habilmente misto'.[8] Champcommunal manteve sua posição editorial até 1922.

Sob sua próxima editora, Dorothy Todd, uma renomada editora da Vogue devido à sua ousadia, especialmente em seu movimento para misturar arte e moda, a revista mudou seu foco de moda para literatura, apresentando artigos de Clive Bell sobre exposições de arte em Paris. Havia também características de escritores ingleses notáveis, como Virginia Woolf e Aldous Huxley.[9] Devido às mudanças de Todd, a revista perdeu grande parte de seu público, com Todd passando apenas quatro anos como editora.[10] Acredita-se que a Vogue britânica tenha realmente decolado só depois que sua terceira editora, Alison Settle, foi nomeada em 1926.

Sob Audrey Withers (editora de 1940 a 1960), a revista novamente tomou uma direção literária e, durante a Segunda Guerra Mundial, até participou com reportagens da guerra. Em 1944, a fotógrafa americana Lee Miller convenceu Withers a enviá-la para a Normandia para produzir um artigo sobre enfermagem em tempos de guerra; Miller seguiu o avanço dos Aliados pela Europa, relatando a libertação de Paris e enviando uma história de Buchenwald.[11] A Dame Anna Wintour editou a edição britânica de 1985 a 1987, antes de assumir a Vogue na cidade de Nova York.

Alexandra Shulman foi editora-chefe da revista de 1992 a 2017. Quando Shulman foi editora, a revista atraiu mais de um milhão de leitores. Shulman era conhecida por desenvolver edições de colecionador da Vogue britânica, como a Gold Millennium Issue, onde celebridades e supermodelos como Kate Moss apareceram na capa. Shulman também foi elogiada pelo uso de fotógrafos iniciantes como Mario Testino.[carece de fontes?] Shulman ficou conhecida por sua tentativa de mudar a face da moda.[carece de fontes?] Ela forçou os designers a pararem de usar modelos 'tamanho zero'.[12] Shulman afirmou que "modelos super magras não são mais aceitáveis", recebendo notas positivas de mulheres de todo o mundo.[carece de fontes?]

Vogue britânica atualmenteEditar

Edward Enninful foi confirmado como o novo editor-chefe da Vogue britânica em 10 de abril de 2017.[13] O presidente e CEO da Condé Nast International, Jonathan Newhouse, anunciou-o como sucessor de Alexandra Shulman, chamando Enninful "uma figura influente nas comunidades de moda, Hollywood e música que moldam o espírito cultural", acrescentando que "em virtude de seu talento e experiência, Edward está extremamente preparado para assumir a responsabilidade da Vogue britânica". A primeira edição de Enninful como editor-chefe foi a edição de dezembro de 2017, com a modelo e ativista britânica Adwoa Aboah na capa.[14] Em setembro de 2019, Enninful colaborou com Meghan, duquesa de Sussex, na edição de setembro.[15] A edição destaca "Forces for Change" e traz na capa 15 ativistas, incluindo a atriz Salma Hayek e entrevistas com a ex-primeira-dama norte-americana Michelle Obama.

CríticasEditar

Há um debate em andamento sobre se a indústria da moda é racista ou não, e com a prisão do estilista britânico John Galliano, que foi considerado culpado de fazer comentários racistas e anti-semitas em um ambiente público[16], bem como as notícias do cabeleireiro James Brown, que trabalhou em estreita colaboração com Kate Moss, fez um discurso retórico onde usou a palavra 'N',[17] mais atenção foi dada à questão. A editora da Vogue Alexandra Shulman entrou no debate sobre raças, afirmando ao Daily Mail que ela "não acha que a moda é nem um pouco racista institucionalmente". [18]

A Vogue britânica também enfrenta algumas críticas por erros de moda. Em 2011, a revista foi criticada por uma propagação na edição de dezembro de 2011, que apresentava um modelo de bochechas rosadas sentado em cima de um iaque, ostentando uma calça de 5 820 libras para fazer o modelo parecer com o animal.[19]

Referências

  1. Barber, Lynn (10 de fevereiro de 2008). «Behind the scenes at Vogue». The Observer (em inglês). Consultado em 15 de dezembro de 2019 
  2. «Opinion». The Telegraph (em inglês). 16 de março de 2016. Consultado em 15 de dezembro de 2019 
  3. «Media Information». Vogue. Cópia arquivada em 14 de abril de 2012 
  4. [König A. (2006) Glossy Words: An Analysis of Fashion Writing in British Vogue. Fashion Theory: The Journal of Dress, Body & Culture, 10(1/2), 205–224.]
  5. english@peopledaily.com.cn. «China's in vogue so Vogue's in China». People's Daily 
  6. Lisa Armstrong. «Vogue China celebrates 100 issues with Mario Testino edition». The Daily Telegraph. Angelica Cheung is arguably the most powerful Vogue editor in the world. Anna Wintour may be more famous, but Cheung's Vogue - the Chinese edition - is so commercially successful... 
  7. «Elspeth Champcommunal Contribution». Vogue. UK. 17 de maio de 2011. Consultado em 22 de março de 2012. Arquivado do original em 5 de abril de 2012 
  8. Mahood, A., Fashioning Readers: The avant garde and British Vogue, 1920-9 in Women, 13 (1) (2002), pp. 37–47
  9. Aldous Huxley: Selected Letters". p. 144. Ivan R. Dee, 2007
  10. [Reed, C. (2006). A Vogue That Dare Not Speak its Name: Sexual Subculture During the Editorship of Dorothy Todd, 1922–26. Fashion Theory: The Journal of Dress, Body & Culture, 10(1/2), 39–71.]
  11. Drusilla Beyfus, 'Withers, (Elizabeth) Audrey (1905–2001), magazine editor' in Oxford Dictionary of National Biography (Oxford University Press, 2005)
  12. Marcelle D'argy Smith. «Zero Tolerance». Daily Mail 
  13. «British Vogue hires first male editor». BBC News (em inglês) 
  14. «Can a New Vogue Editor Make Britain Great Again?». The Atlantic (em inglês) 
  15. «Meghan, Duchess of Sussex, Guest-Edits British Vogue's September Issue». The New York Times 
  16. Ella Alexander. «John Galliano found guilty». Vogue 
  17. «James Brown apologises». Madnewsuk.com 
  18. Ella Alexander. «Shulman joins the race debate». Vogue 
  19. «Yak Chic Vogue». The Guardian 

Ligações externasEditar