Bruce Lee

artista marcial, ator, diretor, instrutor de artes marciais e filósofo sino-americano

Lee Jun-fan (chinês tradicional: 李振藩; 27 de novembro de 1940 – 20 de julho de 1973), comumente conhecido como Bruce Lee, foi um artista marcial, ator, diretor, instrutor de artes marciais e filósofo sino-americano.[1] Ele foi o fundador do Jeet Kune Do, uma filosofia híbrida de artes marciais derivada de diferentes disciplinas de combate que muitas vezes é creditada por pavimentar o caminho para as artes marciais mistas modernas (MMA). Lee é considerado por comentaristas, críticos, mídia e outros artistas marciais o mais influente artista marcial de todos os tempos e um ícone da cultura pop do século XX, que fez a ponte entre o Oriente e o Ocidente. Ele é creditado por ajudar a mudar a maneira como os asiáticos eram apresentados nos filmes americanos.[2] Filho da estrela da ópera cantonesa Lee Hoi-chuen, Lee nasceu na área de Chinatown, em San Francisco, em 27 de novembro de 1940, filho de pais de Hong Kong, e foi criado com sua família em Kowloon, Hong Kong.[3] Ele foi apresentado à indústria cinematográfica por seu pai e apareceu em vários filmes como um ator infantil. Lee mudou-se para os Estados Unidos aos 18 anos para receber seu ensino superior na Universidade de Washington em Seattle,[4] e foi nessa época que ele começou a ensinar artes marciais. Seus filmes produzidos em Hong Kong e Hollywood elevaram o tradicional filme de artes marciais a um novo nível de popularidade e aclamação, despertando um grande interesse na nação chinesa e nas artes marciais chinesas no Ocidente na década de 1970. A direção e o tom de seus filmes influenciaram e mudaram dramaticamente os filmes de artes marciais e artes marciais em todo o mundo.[5]

Bruce Lee
Lee em 1971 no filme The Big Boss
Nome completo Lee Jun-fan
李振藩 (Chinês tradicional)
李小龙 (Chinês simplificado)
Lǐ Xiǎolóng (Mandarim)
Lei Siu-lung (Cantonês)
Nascimento 27 de novembro de 1940
São Francisco, na Califórnia
Nacionalidade Sino-americano
Morte 20 de julho de 1973 (32 anos)
Kowloon, em Hong Kong britânico
Ocupação Artista marcial
Instrutor de artes marciais
Ator
Diretor
Comentarista
Produtor
Cônjuge Linda Emery (1964-1973)
Outros prêmios

1994 - Lifetime Achievement Award

Golden Horse Awards

1972 - Fist of Fury (Melhor Filme Mandarim)
1972 - Fist of Fury (Prêmio Especial do Júri)
Página oficial

Ele é conhecido por seus papéis em cinco longas-metragens de artes marciais no início dos anos 1970: The Big Boss (1971) e Fist of Fury (1972) de Lo Wei; The Way of the Dragon (1972), da Golden Harvest, dirigido e escrito por Lee; e Enter the Dragon da Warner Brothers e Golden Harvest (1973) e The Game of Death (1978), ambos dirigidos por Robert Clouse.[6] Lee se tornou uma figura icônica conhecida em todo o mundo, especialmente entre os chineses, com base em sua representação do nacionalismo chinês em seus filmes[7] e entre asiático-americanos por desafiar os estereótipos associados ao homem asiático emasculado.[8] Ele treinou na arte do Wing Chun e mais tarde combinou suas outras influências de várias fontes no espírito de sua filosofia pessoal de artes marciais, que ele apelidou de Jeet Kune Do (O Caminho do Punho Interceptador). Lee tinha residências em Hong Kong e Seattle.[9]

BiografiaEditar

Primeiros anosEditar

No ano e na hora do lendário dragão chinês, Bruce Lee nasceu no Hospital Chinês em Chinatown, São Francisco, na Califórnia, durante uma passagem da Ópera chinesa, da qual seus pais eram integrantes.[10] Voltou para Hong Kong (colônia britânica até 1997) com apenas 3 meses de idade, cresceu e viveu lá até o fim de sua adolescência. Seu pai se chamava Lee Hoi-chuen, e sua mãe, Grace Ho. Bruce foi o quarto de cinco filhos. Por seus pais serem artistas da Ópera Chinesa, Bruce atuou em vários filmes chineses durante sua infância.

NomesEditar

O nome de nascimento era Lee Jun-fan (chinês tradicional: 李振藩). O nome, homofonicamente, significa "retornar de novo"; esse nome foi dado por sua mãe, que sentia que ele retornaria aos Estados Unidos da América quando tivesse já idade para tanto. Por causa do espírito supersticioso da sua mãe, ela lhe deu o nome de Sai-fon (細鳳), que é um nome feminino que significa "pequena fênix". O nome em inglês "Bruce" fora dado pela médica do hospital, doutora Mary Glover. Bruce Lee possuía outros três nomes em chinês: Li Yuanxin (李源鑫), um nome de família; Li Yuanjian (李元鑒), um nome de estudante enquanto ele cursava em La Salle College, em Hong Kong; e seu nome artístico, Li Xiaolong (李小龍; Xiaolong significa "pequeno dragão").

O nome de batismo de Bruce Lee, Jun-fan, era escrito originalmente "震藩". Porém, o caractere chinês Jun (震) era idêntico ao de uma parte do nome de seu avô, Lee Jun-biu (李震彪). Logo, o caractere chinês para Jun no nome de Lee fora mudado para o homófono 振, para evitar o tabu nominal dentro da tradição chinesa.

FamíliaEditar

O pai de Bruce, Lee Hoi-cuen, foi um dos líderes da ópera cantonesa e um ator do cinema chinês. Estava completando um ano de turnê com a ópera cantonesa nas vésperas da invasão japonesa em Hong Kong durante a Segunda Guerra Mundial. Lee Hoi-chuen ficou em turnê nos Estados Unidos por muitos anos realizando apresentações em inúmeras comunidades chinesas. Lee Hoi-chuen decidiu voltar para Hong Kong depois que sua esposa deu à luz Bruce em 1940. Dentro de poucos meses após retornarem, Hong Kong foi invadida e viveu 3 anos e 8 meses sob ocupação japonesa. A família Lee sobreviveu razoavelmente bem aos tempos de guerra e, após o fim da guerra, o pai de Bruce decidiu retomar sua carreira de dentista e se tornou uma estrela ainda maior durante os anos de "reconstrução" de Hong Kong.

A mãe de Bruce Lee, Grace Ho, pertencia a um dos clãs mais ricos e poderosos em Hong Kong, os Senhores de Ferro. Ela era a sobrinha de sir Robert Ho-tung, o patriarca do clã e um importante empresário euro-asiático de Hong Kong. Com isso, o jovem Bruce Lee cresceu num ambiente rico e privilegiado. Logo, pelo lado materno, Bruce Lee era familiar de Stanley Ho, um importante magnata de casinos de Macau.

1940 to 1958: Primeiros papéis, estudo e início nas artes marciaisEditar

O pai de Lee, Lee Hoi-chuen, foi uma famosa estrela da ópera cantonesa. Como resultado, o jovem Lee foi apresentado ao mundo do cinema desde muito jovem e apareceu em vários filmes quando criança. Lee teve seu primeiro papel como um bebê que foi levado ao palco no filme Golden Gate Girl.[11] Aos nove anos, ele coestrelou com seu pai em The Kid em 1950, que foi baseado em um personagem de quadrinhos e foi seu primeiro papel principal.[12] Quando ele tinha 18 anos, ele tinha aparecido em 20 filmes.[13]

 
Bruce Lee em The Kid

Depois de estudar na Tak Sun School (ficava a dois quarteirões de sua casa na 218 Nathan Road, Kowloon) Lee entrou na rígida escola primária de La Salle College, entre 1950 e 1952 (com doze anos).[14] Em 1956, devido ao fraco desempenho acadêmico e possivelmente má conduta, foi transferido para o St. Francis Xavier's College, onde seria orientado pelo irmão Edward, professor e treinador da equipe de boxe da escola.[15]

 
Lee and Yip Man

Depois que Lee se envolveu em várias lutas de rua, seus pais decidiram que ele precisava ser treinado em artes marciais. O amigo de Lee, William Cheung[16] o apresentou a Yip Man, mas,[17] ele foi rejeitado em aprender Wing Chun Kung Fu com ele por causa da regra de longa data no mundo das artes marciais chinesas de não ensinar estrangeiros.[18] Sua formação de um quarto alemão por parte de sua mãe seria um obstáculo inicial para seu treinamento de Wing Chun, no entanto, Cheung falaria em seu nome e Lee foi aceito na escola.[19] Lee começou a treinar Wing Chun com Yip Man.[20] Yip tentou evitar que seus alunos lutassem nas gangues de rua de Hong Kong, incentivando-os a lutar em competições organizadas.[21] Depois de um ano em seu treinamento de Wing Chun, a maioria dos outros alunos de Yip Man se recusavam a treinar com Lee quando souberam de sua ascendência mista, já que os chineses geralmente eram contra o ensino de suas técnicas de artes marciais para não asiáticos.[22][23] O sparring de Lee, Hawkins Cheung, afirma: "Provavelmente menos de seis pessoas em todo o clã Wing Chun foram ensinadas pessoalmente, ou mesmo parcialmente ensinadas, por Yip Man".[24] No entanto, Lee mostrou um grande interesse no Wing Chun e continuou a treinar em particular com Yip Man, William Cheung e Wong Shun-leung.[25]

 
William Cheung and Bruce Lee

Em 1958, Bruce venceu o torneio de boxe das escolas de Hong Kong, eliminando o campeão anterior, Gary Elms, na final.[15] Naquele ano, Lee também era dançarino de cha-cha-cha, vencendo o campeonato Crown Colony Cha-Cha de Hong Kong.[26]

1959 a 1964: Estudos contínuos e descoberta das artes marciaisEditar

Até o final da adolescência, as brigas de rua de Lee se tornaram mais frequentes e incluíam bater no filho de uma temida tríade familiar.[27] Em 1958, depois que alunos de Choy Li Fut, uma escola rival de artes marciais, desafiaram a escola de Wing Chun de Lee, ele se envolveu em uma luta em um telhado. Em resposta a um soco injusto de outro menino, Bruce espancou-o tanto que ele arrancou um dente, levando os pais do menino a uma queixa à polícia. A mãe de Lee teve que ir a uma delegacia de polícia e assinar um documento dizendo que ela assumiria total responsabilidade pelas ações de Bruce se eles o libertassem sob sua custódia. Embora não tenha mencionado o incidente ao marido, ela sugeriu que Bruce, sendo cidadão americano, voltasse para os Estados Unidos. O pai de Lee concordou, já que as perspectivas de Lee na faculdade, caso ele permanecesse em Hong Kong, não eram muito promissoras.[28]

{{

O detetive da polícia veio e disse: "Com licença, Sr. Lee, seu filho está realmente lutando mal na escola. Se ele entrar em apenas mais uma briga, eu terei que colocá-lo na prisão".

Em abril de 1959, os pais de Lee decidiram mandá-lo para os Estados Unidos para ficar com sua irmã mais velha, Agnes Lee (李秋鳳), que já morava com amigos da família em San Francisco. Depois de vários meses, ele se mudou para Seattle em 1959 para continuar seus estudos do ensino médio, onde também trabalhou para Ruby Chow como garçom em seu restaurante. O marido de Chow era colega de trabalho e amigo do pai de Lee. O irmão mais velho de Lee, Peter Lee (李忠琛), também iria se juntar a ele em Seattle por uma curta estadia antes de ir para Minnesota para cursar a faculdade. Naquele ano, Lee também começou a ensinar artes marciais. Ele chamou o que ensinou de Jun Fan Gung Fu (literalmente, Kung Fu de Bruce Lee). Era basicamente sua abordagem ao Wing Chun.[30] Lee ensinou amigos que conheceu em Seattle, começando com o praticante de judô Jesse Glover, que continuou a ensinar algumas das primeiras técnicas de Lee. Taky Kimura se tornou o primeiro instrutor assistente de Lee e continuou a ensinar sua arte e filosofia após a morte de Lee.[31] Lee abriu sua primeira escola de artes marciais, chamada Instituto Lee Jun Fan Gung Fu, em Seattle.

Em dezembro de 1960, Lee concluiu o ensino médio e recebeu seu diploma da Edison Technical School em Capitol Hill, em Seattle

Em março de 1961, Lee matriculou-se na Universidade de Washington e estudou artes dramáticas, filosofia, psicologia e várias outras disciplinas.[32][33] Apesar do que o próprio Lee e muitos outros afirmaram, a especialização oficial de Lee era drama em vez de filosofia, de acordo com um artigo de 1999 na publicação de ex-alunos da universidade.[34]

Lee abandonou a faculdade no início de 1964 e mudou-se para Oakland para morar com James Yimm Lee. James Lee era vinte anos mais velho que Bruce Lee e um conhecido artista marcial chinês na área. Juntos, eles fundaram o segundo estúdio de artes marciais Jun Fan em Oakland. James Lee também foi responsável por apresentar Bruce Lee a Ed Parker, um artista marcial americano. A convite de Parker, Lee apareceu no Long Beach International Karate Championships de 1964 e realizou repetições de flexões de dois dedos (usando o polegar e o indicador de uma mão) com os pés separados aproximadamente na largura dos ombros. No mesmo evento de Long Beach, ele também deu o "soco de uma polegada".[35] Lee ficou em pé, o pé direito à frente com os joelhos ligeiramente flexionados, na frente de um parceiro parado em pé.

O braço direito de Lee estava parcialmente estendido e seu punho direito estava a aproximadamente 2,5 cm do peito do parceiro. Sem retrair o braço direito, Lee então deu o soco à força no voluntário Bob Baker enquanto mantinha amplamente sua postura, mandando Baker para trás e caindo em uma cadeira que teria sido colocada atrás de Baker para evitar lesões, embora o impulso de Baker logo o tenha feito cair piso. Baker relembrou: "Disse a Bruce para não fazer esse tipo de demonstração novamente. Quando ele me deu um soco pela última vez, tive que ficar em casa sem trabalhar porque a dor em meu peito era insuportável".[36] Foi no campeonato de 1964 que Lee conheceu o mestre de Taekwondo Jhoon Goo Rhee. Os dois desenvolveram uma amizade - um relacionamento do qual se beneficiaram como artistas marciais. Rhee ensinou a Lee o chute lateral em detalhes, e Lee ensinou a Rhee o soco "não telegráfico". Rhee aprendeu o que chama de "accupunch" com Lee e incorporou-o ao taekwondo americano. O "accupunch" é um soco rápido e muito difícil de bloquear, baseado no tempo de reação humana - "a ideia é terminar a execução do soco antes que o oponente possa completar a comunicação cérebro-pulso".[37]

Na Chinatown de Oakland, em 1964, Lee teve uma disputa particular com Wong Jack-man, um aluno direto de Ma Kin Fung, conhecido por seu domínio de Xingyiquan, Shaolin do Norte e T'ai chi ch'uan. De acordo com Lee, a comunidade chinesa emitiu um ultimato para ele parar de ensinar não chineses. Quando ele se recusou a obedecer, ele foi desafiado para uma partida de combate com Wong. O acordo era que se Lee perdesse, ele teria que fechar sua escola, enquanto se ganhasse, ele estaria livre para ensinar os brancos, ou qualquer outra pessoa.[38] Wong negou, afirmando que pediu para lutar contra Lee depois que ele se gabou durante uma de suas manifestações em um teatro de Chinatown que ele poderia vencer qualquer um em San Francisco, e que o próprio Wong não discriminou os brancos ou outros não-chineses.[39] Lee comentou: "Esse jornal tivesse todos os nomes dos sifu de Chinatown, mas eles não me assustam".[40] Indivíduos conhecidos por terem testemunhado a partida incluem Cadwell, James Lee (sócio de Bruce Lee, sem parentesco) e William Chen, um professor de T'ai chi ch'uan. Wong e William Chen afirmaram que a luta durou de 20 a 25 minutos inusitadamente longos.[39][41] Wong afirma que, embora originalmente tivesse esperado uma luta séria, mas educada, Lee o atacou agressivamente com a intenção de matar. Quando Wong apresentou o tradicional aperto de mão, Lee pareceu aceitar a saudação, mas em vez disso,

Lee supostamente empurrou sua mão como uma lança apontada para os olhos de Wong. Forçado a defender sua vida, Wong, no entanto, afirmou que se absteve de golpear Lee com força mortal quando a oportunidade se apresentou porque poderia ter rendido a ele uma pena de prisão, mas usou algemas ilegais sob as mangas. De acordo com o livro de Michael Dorgan de 1980, Bruce Lee's Toughest Fight, a luta terminou devido à condição "invulgarmente sem fôlego" de Lee, em oposição a um golpe decisivo por qualquer um dos lutadores.[39] No entanto, de acordo com Bruce Lee, Linda Lee Cadwell e James Yimm Lee, a luta durou apenas três minutos com uma vitória decisiva para Lee. No relato de Cadwell, "A luta começou, foi uma luta sem barreiras, que durou três minutos. Bruce colocou esse cara no chão e disse 'Você desiste?' e o homem disse que desistiu".[38] Algumas semanas depois da luta, Lee deu uma entrevista alegando que havia derrotado um adversário não identificado, o que Wong diz ser uma referência óbvia a ele.[39][42]

Em resposta, Wong publicou seu próprio relato da luta no Chinese Pacific Weekly, um jornal em língua chinesa em San Francisco, com um convite para uma revanche pública se Lee não estivesse satisfeito com o relato. Lee não respondeu ao convite, apesar de sua reputação de responder violentamente a todas as provocações,[39] e não houve mais anúncios públicos por parte de qualquer um, embora Lee continuasse a ensinar os brancos. Lee havia abandonado a ideia de seguir carreira no cinema em favor das artes marciais. No entanto, uma exibição de artes marciais em Long Beach em 1964 acabou levando ao convite do produtor de televisão William Dozier para uma audição para um papel no piloto de "Number One Son" sobre Lee Chan, o filho de Charlie Chan. O show nunca se materializou, mas Dozier viu potencial em Lee.[43]

1966 a 1970: papéis nos Estados Unidos e criação de Jeet Kune DoEditar

 
Bruce Lee como Kato em The Green Hornet

De 1966 a 1967, Lee desempenhou o papel de Kato ao lado do personagem The Green Hornet (O Besouro Verde no Brasil) na série de mesmo nome interpretado por Van Williams na série de TV produzida e narrada por William Dozier,[44] baseado no programa de rádio de mesmo nome.[45][46] O show durou apenas uma temporada (26 episódios) de setembro de 1966 a março de 1967. Lee e Williams também apareceram como seus personagens em três episódios crossover de Batman, outra série de televisão produzida por William Dozier.[47][48][49]

The Green Hornet apresentou o adulto Bruce Lee ao público americano e se tornou o primeiro programa americano popular a apresentar artes marciais de estilo asiático. O diretor da série queria que Lee lutasse no típico estilo americano, usando punhos e socos. Como um artista marcial profissional, Lee recusou, insistindo que ele deveria lutar no estilo de sua especialidade. No início, Lee se moveu tão rápido que seus movimentos não puderam ser capturados no filme, então ele teve que desacelerá-los.[50] Depois que o show foi cancelado em 1967, Lee escreveu a Dozier agradecendo-lhe por iniciar "minha carreira no show business."[50]

Em 1967, Lee desempenhou um papel em um episódio de Ironside.

 
Emblema do "Jeet Kune Do", marca registrada da Bruce Lee Estate. Os caracteres chineses em volta significam "Usando de forma alguma como uma forma" e "Nenhuma limitação como limitação". As setas representam a interação constante entre yin e yang.[51]

Jeet Kune Do surgiu em 1967. Depois de filmar uma temporada de The Green Hornet, Lee se viu desempregado e abriu o The Jun Fan Gung Fu Institute. A polêmica partida com Wong Jack-man influenciou a filosofia de Lee sobre as artes marciais. Lee concluiu que a luta durou muito tempo e que ele falhou em viver de acordo com seu potencial usando suas técnicas de Wing Chun. Ele considerou que as técnicas tradicionais de artes marciais eram muito rígidas e formalizadas para serem práticas em cenários de lutas de rua caóticas. Lee decidiu desenvolver um sistema com ênfase em "praticidade, flexibilidade, velocidade e eficiência". Ele começou a usar diferentes métodos de treinamento, como musculação para força, corrida para resistência, alongamento para flexibilidade e muitos outros que ele constantemente adaptava, incluindo esgrima e técnicas básicas de boxe. Lee foi influenciado pelo campeão de boxe peso-pesado Muhammad Ali, cujo footwork ele estudou e incorporou ao seu próprio estilo.[52]

Lee enfatizou o que chamou de "estilo sem estilo". Isso consistia em se livrar da abordagem formalizada que Lee afirmava ser indicativa de estilos tradicionais. Lee sentiu que até mesmo o sistema que ele agora chamava de Jun Fan Gung Fu era muito restritivo, e eventualmente evoluiu para uma filosofia e arte marcial que ele viria a chamar de Jeet Kune Do ou o Caminho do Punho Interceptador. É um termo do qual ele se arrependeria mais tarde, porque Jeet Kune Do implicava parâmetros específicos que os estilos conotam, enquanto a ideia de sua arte marcial era existir fora de parâmetros e limitações.[53]

Na época, dois dos alunos de artes marciais de Lee eram o roteirista de Hollywood, Stirling Silliphant e o ator James Coburn. Em 1969, os três trabalharam no roteiro de um filme chamado The Silent Flute, e foram juntos em uma busca por locações na Índia. O projeto não foi realizado na época, mas o filme de 1978, Circle of Iron, estrelado por David Carradine, foi baseado no mesmo enredo. Em 2010, foi relatado que o produtor Paul Maslansky planejou e recebeu financiamento para um filme baseado no roteiro original de The Silent Flute.[54] Em 1969, Lee fez uma breve aparição no filme Marlowe, escrito por Silliphant, onde interpretou um bandido contratado para intimidar o detetive particular Philip Marlowe (interpretado por James Garner), que usa suas habilidades nas artes marciais para cometer atos de vandalização para intimidar Marlowe.[55][56] No mesmo ano, ele foi creditado como conselheiro de caratê em The Wrecking Crew, a quarta parte da comédia de espionagem de Matt Helm, estrelada por Dean Martin. Também naquele ano, Lee atuou em um episódio de Here Come the Brides e Blondie.[57][58]

Em 1970, ele foi responsável pela coreografia de luta de A Walk in the Spring Rain, estrelado por Ingrid Bergman e Anthony Quinn, novamente escrita por Silliphant.[59][60]

1971 a 1973: filmes de Hong Kong e descoberta de HollywoodEditar

Em 1971, Lee apareceu em quatro episódios da série de televisão Longstreet, escrita por Silliphant. Lee interpretou Li Tsung, o instrutor de artes marciais do personagem-título Mike Longstreet (interpretado por James Franciscus), e aspectos importantes de sua filosofia de artes marciais foram escritos no roteiro.[61][62] De acordo com declarações feitas por Lee, e também por Linda Lee Cadwell após a morte de Lee, em 1971 Lee lançou uma série de televisão de sua autoria provisoriamente intitulada The Warrior, as discussões também foram confirmadas pela Warner Bros. no The Pierre Berton Show, Lee afirmou que tanto a Paramount quanto a Warner Brothers queriam que ele "estivesse em um tipo de coisa modernizada, e que eles acham que a ideia do faroeste está fora de questão, enquanto eu quero fazer o faroeste". De acordo com Cadwell, entretanto, o conceito de Lee foi reformulado e renomeado como Kung Fu, mas a Warner Bros. não deu a Lee nenhum crédito. A Warner Brothers afirma que há algum tempo vem desenvolvendo um conceito idêntico,[63] criado por dois escritores e produtores, Ed Spielman e Howard Friedlander em 1969,[64] como afirmado também pelo biógrafo de Lee, Matthew E. Polly.[65]

De acordo com essas fontes, o motivo pelo qual Lee não foi escalado foi em parte por causa de sua etnia, mas mais ainda porque ele tinha um sotaque forte.[66] O papel do monge Shaolin no Velho Oeste foi finalmente concedido ao então artista não marcial David Carradine. Em entrevista ao The Pierre Berton Show, Lee afirmou que entendia as atitudes da Warner Brothers em relação ao elenco da série: "Eles acham que para os negócios é um risco. Eu não os culpo. Se a situação fosse inversa, e uma estrela americana viesse para Hong Kong, e eu fosse o homem com o dinheiro, eu teria minhas próprias preocupações sobre se a aceitação estaria lá ".[67]

O produtor Fred Weintraub aconselhou Lee a retornar a Hong Kong e fazer um longa-metragem que ele poderia mostrar aos executivos em Hollywood.[68] Não feliz com seus papéis coadjuvantes nos Estados Unidos, Lee retornou a Hong Kong. Sem saber que The Green Hornet tinha sido exibido com sucesso em Hong Kong e era extraoficialmente referido como "The Kato Show" (O Show do Kato), ele ficou surpreso ao ser reconhecido como a estrela do show.[69] Depois de negociar com o Shaw Brothers Studio e a Golden Harvest, Lee assinou um contrato para estrelar dois filmes produzidos pela Golden Harvest.

Lee desempenhou seu primeiro papel principal em The Big Boss (1971), que provou ser um enorme sucesso de bilheteria na Ásia e o catapultou para o estrelato. Ele logo seguiu com Fist of Fury (1972), que quebrou os recordes de bilheteria anteriormente estabelecidos por The Big Boss. Tendo concluído seu contrato inicial de dois anos, Lee negociou um novo acordo com a Golden Harvest. Mais tarde, Lee formou sua própria empresa, Concord Production Inc., com Chow. Em seu terceiro filme, Way of the Dragon (1972), ele recebeu o controle total da produção do filme como roteirista, diretor, estrela e coreógrafo das cenas de luta. Em 1964, em uma demonstração em Long Beach, Califórnia, Lee conheceu o campeão de caratê Chuck Norris. Em Way of the Dragon, Lee apresentou Norris aos cinéfilos como seu oponente, o confronto deles foi caracterizado como "uma das melhores cenas de luta das artes marciais e da história do cinema".[70][71] O papel foi originalmente oferecido ao campeão americano de caratê Joe Lewis.[72] Fist of Fury e Way of the Dragon geraram US$ 100 milhões e US$ 130 milhões em todo o mundo, respectivamente.[73]

De agosto a outubro de 1972, Lee começou a trabalhar em seu quarto filme Golden Harvest, Game of Death. Ele começou a filmar algumas cenas, incluindo sua sequência de luta com o astro do basquete americano Kareem Abdul-Jabbar, um ex-aluno de 2,20 metros. A produção foi interrompida em novembro de 1972 quando a Warner Brothers ofereceu a Lee a oportunidade de estrelar Enter the Dragon, o primeiro filme a ser produzido em conjunto por Concord, Golden Harvest e Warner Bros. As filmagens começaram em Hong Kong em fevereiro de 1973 e foram concluídas em abril de 1973.[74] Após um mês de filmagem, outra produtora, a Starseas Motion Pictures, promoveu Bruce Lee como ator principal em Fist of Unicorn, embora ele apenas tivesse concordado em coreografar as sequências de luta do filme como um favor a seu amigo de longa data Unicorn Chan. Lee planejava processar a produtora, mas manteve sua amizade com Chan.[75] No entanto, apenas alguns meses após a conclusão de Enter the Dragon, e seis dias antes de seu lançamento em 26 de julho de 1973, Lee morreu. Enter the Dragon se tornaria um dos filmes de maior bilheteria do ano e consolidaria Lee como uma lenda das artes marciais. O filme fez US$ 850 000 em 1973 (equivalente a US$ 4 milhões ajustados pela inflação de 2007).[76] Enter the Dragon arrecadou US$ 350 milhões ao redor do mundo.[77][78] O filme desencadeou uma breve moda nas artes marciais, resumida em canções como "Kung Fu Fighting" e alguns programas de TV

1978 até o presente: trabalhos póstumoEditar

 
Estrela de Bruce Lee na Avenida das Estrelas, em Hong Kong

Robert Clouse, o diretor de Enter the Dragon, junto com Golden Harvest, reviveu o filme inacabado Game of Death de Lee. Lee tinha filmado mais de 100 minutos de filmagem, incluindo tomadas, para Game of Death antes de as filmagens serem interrompidas para permitir que ele trabalhasse em Enter the Dragon. Além de Abdul-Jabbar, George Lazenby, o mestre de Hapkido Ji Han-Jae e outro aluno de Lee, Dan Inosanto, também apareceriam no filme, que culminaria no personagem de Lee, Hai Tien (vestido o agora famoso fato de treino amarelo)[79][80] enfrentando uma série de desafiadores diferentes em cada andar enquanto caminham através de um pagode de cinco níveis. Em um movimento polêmico, Robert Clouse terminou o filme usando uma imagem semelhante e de arquivo de Lee de seus outros filmes com um novo enredo e elenco, que foi lançado em 1978. No entanto, o filme remendado continha apenas quinze minutos reais filmagem de Lee (ele imprimiu muitas tomadas malsucedidas)[81] enquanto o resto tinha um sósia de Lee, Kim Tai Chung e Yuen Biao como dublês. A filmagem não utilizada que Lee havia filmado foi recuperada 22 anos depois e incluída no documentário Bruce Lee: A Warrior's Journey.

 
Estrela de Bruce Lee na Calçada da Fama em Hollywoo

Além de Game of Death, outros projetos de filmes futuros foram planejados para apresentar Lee na época. Em 1972, após o sucesso de The Big Boss e Fist of Fury, um terceiro filme foi planejado por Raymond Chow na Golden Harvest a ser dirigido por Lo Wei, intitulado Yellow-Faced Tiger. No entanto, na época, Lee decidiu dirigir e produzir seu próprio roteiro para Way of the Dragon. Embora Lee tenha formado uma produtora com Raymond Chow, um filme de época também foi planejado de setembro a novembro de 1973 com o concorrente Shaw Brothers Studio, a ser dirigido por Chor Yuen ou Cheng Kang e escrito por Yi Kang e Chang Cheh, intitulado The Seven Sons of the Jade Dragon.[82]

Em 2015, a Perfect Storm Entertainment e a filha de Bruce Lee, Shannon Lee, anunciaram que a série The Warrior seria produzida e iria ao ar no Cinemax e o cineasta Justin Lin foi escolhido para dirigir a série.[83] A produção começou em 22 de outubro de 2017 na Cidade do Cabo, África do Sul. A primeira temporada temEm abril de 2019, Cinemax renovou a série para uma segunda temporada 10 episódios.[84][85]


Em 25 de março de 2021, foi anunciado que o produtor Jason Kothari adquiriu os direitos de The Silent of Flute para se tornar uma minissérie, que terá John Fusco como roteirista e produtor executivo.[86]

Obras não produzidasEditar

Lee também trabalhou em vários scripts. Há uma fita contendo uma gravação de Lee narrando o enredo básico de um filme provisoriamente intitulado Southern Fist / Northern Leg, mostrando algumas semelhanças com o roteiro enlatado de The Silent Flute (Circle of Iron).[87] Outro roteiro tinha o título Green Bamboo Warrior, ambientado em San Francisco, planejado para ser co-estrelado por Bolo Yeung e ser produzido por Andrew Vajna, que mais tarde passou a produzir First Blood. Fotos de testes de roupas também foram organizadas para alguns desses projetos de filmes planejados.

FilmografiaEditar

Bruce Lee, quando criança, fez muitos filmes, mas só alcançou sucesso a partir da década de 1970 com grandes filmes de ação que o tornaram uma lenda das artes marciais.

MorteEditar

 
Túmulo de Bruce Lee

Em 10 de Maio de 1973, Lee desmaiou no estúdio Golden Harvest, enquanto fazia o trabalho de dublagem para o filme Operação Dragão. Ele sofreu convulsões e dores de cabeça e foi imediatamente levado para um hospital de Hong Kong, onde os médicos diagnosticaram um edema cerebral. Eles foram capazes de reduzir o inchaço com a administração de manitol. Esses mesmos sintomas que ocorreram em seu primeiro colapso depois foram repetidos no dia da sua morte.[88] Em 20 de julho de 1973, Lee foi a Hong Kong, para um jantar com o ex-James Bond George Lazenby, com quem pretendia fazer um filme. Segundo sua esposa, Linda Lee, Lee encontrou o produtor Raymond Chow às 14 horas em casa, para discutir a realização do filme Jogo da Morte.

Eles trabalharam até as 16 horas e depois dirigiram juntos para a casa da colega Lee Betty Ting, uma atriz de Taiwan. Os três passaram o script em casa e, em seguida, Chow se retirou. Mais tarde, Lee se queixou de uma dor de cabeça, e Ting deu-lhe um analgésico denominado Equagesic, que incluía aspirina e um relaxante muscular. Cerca de 19h30min, recolheu-se para dormir. Quando Lee não apareceu para jantar, Chow chegou ao apartamento, mas não viu Lee acordado. Um médico foi chamado, que passou dez minutos tentando reanimá-lo antes de enviá-lo de ambulância ao hospital. Lee foi dado como morto no momento em que chegou ao hospital. Não houve lesão externa visível, porém de acordo com relatórios da autópsia, o seu cérebro tinha inchado consideravelmente, passando de 1 400 a 1 575 gramas (um aumento de 13%).

Lee tinha 32 anos. A única substância encontrada durante a autópsia foi Equagesic. Em 15 de Outubro de 2005, Chow declarou, em uma entrevista, que Lee morreu de anafilaxia ao relaxante muscular "Equagesic", que ele descreveu como um ingrediente comum em analgésicos. A controvérsia ocorreu quando o doutor Don Langford, que foi médico pessoal de Lee em Hong Kong e o havia tratado durante seu primeiro colapso, acreditava que o "Equagesic não esteve envolvido de modo algum no primeiro colapso de Bruce". No entanto, o professor RD Teare, um cientista forense da Scotland Yard que supervisionou mais de mil autópsias, foi o perito superior designado para o caso Lee. Sua conclusão foi que a morte foi causada por um edema cerebral agudo devido a uma reação aos compostos presentes na prescrição de remédios como o Equagesic.

Sua esposa Linda levou o corpo de Bruce para a cidade natal de Linda, Seattle. O corpo foi enterrado no lote 276 do Cemitério Lakeview. Seu caixão foi carregado no funeral em 31 de Julho de 1973 por Taky Kimura, Steve McQueen, James Coburn, Chuck Norris, George Lazenby, Dan Inosanto, Peter Chin, e seu irmão Robert Lee. A morte de Lee ainda é um tema de controvérsia, porém no programa Autópsia de Famosos, no Discovery Channel, o médico legista norte-americano, Richard Shepherd, concluiu que houve uso excessivo de cortisona, por conta da hérnia de disco que Bruce Lee sofria há 3 anos, gerando uma crise adrenal, por uso excessivo de esteróides.

FilosofiaEditar

Embora Lee seja mais conhecido como um artista marcial, também estudou teatro e filosofia,[89] enquanto estava na Universidade de Washington. Estudava bastante e tinha lido uma extensa quantidade de livros. Seus próprios livros sobre artes marciais e filosofia de combate são conhecidos pelas suas afirmações filosóficas, tanto dentro como fora dos assuntos sobre artes marciais. Sua filosofia eclética espelhava suas crenças e lutas, embora afirmasse que as artes marciais eram apenas uma metáfora para tais ensinamentos. Acreditava que qualquer conhecimento o levaria ao autoconhecimento, e disse que seu método escolhido foi a auto expressão através das artes marciais. Suas influências incluem o taoismo, Jiddu Krishnamurti, e o budismo. Quando perguntado por Little John, em 1972, qual era sua religião, Lee respondeu: Nenhuma. Também em 1972, quando perguntado se acreditava em Deus, ele respondeu: Para ser perfeitamente franco, na verdade não.[90]

Aptidão físicaEditar

Bruce Lee era conhecido pela sua aptidão física e desenvolvimento avançado dos músculos do corpo. Seus exercícios e treinamentos cumpridos com dedicação tornaram-no tão forte quanto uma pessoa de seu porte poderia ficar. Depois de sua luta com Jack Wong-man, em 1965, Lee se focou totalmente no treinamento de artes marciais. Sentia que muitos artistas marciais de sua época não passam tempo suficiente treinando o condicionamento físico. Bruce incluiu, em seus exercícios de condicionamento, todos os elementos da força e da aptidão muscular, resistência muscular, resistência cardiovascular e flexibilidade. Tentou técnicas tradicionais de musculação para construir músculos volumosos ou aumentar a massa muscular. No entanto, Lee teve o cuidado de advertir que a preparação mental e espiritual era fundamental para o sucesso do treinamento físico nas habilidades de artes marciais.

 
Lee no filme The Way of the Dragon de 1972.

Os abdominais de Bruce LeeEditar

 
Lado a lado, os túmulos de Bruce Lee e de seu filho Brandon.

De todas as partes do corpo que Bruce Lee desenvolveu, os seus músculos abdominais eram os mais espetaculares: sólidos como pedra ao toque, profundamente cortados e altamente definidos. Bruce acreditava que os abdominais eram um dos mais importantes grupos musculares para um artista marcial, já que virtualmente todo movimento requer algum grau de trabalho abdominal. A esposa de Lee, Linda Emery, afirma que o seu falecido marido "era um fanático por treinos abdominais. Estava sempre a fazer agachamentos, abdominais, movimentos de cadeira romanos, elevações de perna, e abdominais em V."

De acordo com algumas notas iniciais de Lee, o seu treino diário abdominal incluía:

  • Torção de Cintura - quatro séries de 90 repetições.
  • Abdominais (sit-ups) com torções - quatro séries de 20 repetições.
  • Elevações de perna - quatro séries de 20 repetições.
  • Torções inclinadas - quatro séries de 50 repetições.
  • Pontapés em posição de rã - quatro séries de 50 repetições.

Referências

  1. «Jun Fan Jeet Kune Do». Bruce Lee Foundation 
  2. Stein, Joel (14 de junho de 1999). «Bruce Lee: With nothing but his hands, feet and a lot of attitude, he turned the little guy into a tough guy». The Time 100. New York. Cópia arquivada em 5 de junho de 2010 
  3. «Bruce Lee». Bruce Lee. Consultado em 1 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 1 de agosto de 2017 
  4. Lee 1989, p. 41
  5. «Bruce Lee inspired Dev for martial arts». The Times of India. 1 de julho de 2010. Consultado em 3 de junho de 2011  [ligação inativa]
  6. «How Bruce Lee changed the world-Series». The Hindu. India. 29 de maio de 2011. Consultado em 3 de junho de 2011. Cópia arquivada em 25 de outubro de 2012 
  7. Dennis 1974
  8. McDermon, Daniel. «How Bruce Lee Exploded a Stereotype With a One-Inch Punch». The New York Times. Consultado em 15 de outubro de 2018. Cópia arquivada em 15 de outubro de 2018 
  9. Bruce Lee Arquivado em novembro 23, 2012[Erro data trocada], no Wayback Machine. at Hong Kong Cinemagic. (look under the 'nationality' section)
  10. «Biography» (em inglês). Bruce Lee Foundation. Consultado em 7 de junho de 2010 
  11. Sid Campbell; Greglon Lee (2003). Dragon and the Tiger: The Birth of Bruce Lee's Jeet Kune Do - The Oakland Years. [S.l.]: Frog Books. pp. 1–. ISBN 978-1-58394-089-1. Consultado em 18 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 27 de julho de 2020 
  12. Christopher J. Berry; Mary Ann Farquhar (4 de abril de 2006). China on Screen: Cinema and Nation. [S.l.]: Columbia University Press. pp. 100–. ISBN 978-0-231-51030-1  Verifique o valor de |url-access=registration (ajuda)
  13. «Biography». Bruce Lee Foundation. Consultado em 7 de junho de 2010. Arquivado do original em 22 de agosto de 2010 
  14. Bruce Thomas (1994). Bruce Lee: Fighting Spirit : a Biography. [S.l.]: Frog Books. pp. 11–. ISBN 978-1-883319-25-0  Verifique o valor de |url-access=registration (ajuda)
  15. a b Thomas 1994, pp. 29–30.
  16. «Kaleidoscope Chinese Kungfu». cultural-china.com. 2007-2014 cultural-china.com. Consultado em 26 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 26 de dezembro de 2016 
  17. Lallo, Michael (20 de janeiro de 2011). «All the right moves». The Sydney Morning Herald (onliine). Fairfax Media. Consultado em 26 de dezembro de 2016 
  18. De Roche, Everett (junho de 1989). «William Cheung Scene one... Take One». Australasian Blitz Magazine (Print edition Vol.3 No.3). Blitz Publishers ISSN 0818-9595. Gordon and Gotch Ltd. Consultado em 12 de janeiro de 2017 
  19. Chen, Edwin (5 de janeiro de 2016). «Bruce Lee Was an Anchor Baby». asamnews.com (Online). AsAmNews. Consultado em 1 de novembro de 2020 
  20. Black Belt: Bruce Lee Collector's Edition Summer 1993
  21. Black Belt: Bruce Lee Collector's Edition Summer 1993, p. 18.
  22. Thomas 1994, p. 26.
  23. Sharif 2009, p. 56.
  24. Black Belt: Bruce Lee Collector's Edition Summer 1993 p. 19.
  25. Campbell 2006, p. 172.
  26. Lee, Linda; Lee, Mike (1989). The Bruce Lee Story (em inglês). [S.l.]: Black Belt Communications. p. 30. ISBN 978-0-89750-121-7. Consultado em 23 de julho de 2020. Cópia arquivada em 27 de julho de 2020 
  27. Linda Lee; Mike Lee (1989). The Bruce Lee Story. [S.l.]: Black Belt Communications. pp. 26–. ISBN 978-0-89750-121-7. Consultado em 18 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 27 de julho de 2020 
  28. Burrows, Alyssa (2002). «Bruce Lee». HistoryLink. Consultado em 30 de maio de 2008. Cópia arquivada em 8 de maio de 2008 
  29. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Bruce Lee 2002
  30. «Wing Chung Gung Fu». Hardcore JKD. Consultado em 30 de maio de 2008. Arquivado do original em 14 de maio de 2008 
  31. «Bruce Lee Biography». Bruce Lee Foundation. Consultado em 4 de setembro de 2012. Arquivado do original em 19 de novembro de 2012 
  32. Little 2001, p. 32
  33. Thomas 1994, p. 42
  34. «U. of Washington alumni records». Washington.edu. Consultado em 22 de janeiro de 2010. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2011 
  35. «Two Finger Pushup». Maniac World. Consultado em 30 de maio de 2008. Arquivado do original em 21 de maio de 2008 
  36. Vaughn 1986, p. 21
  37. «Jhoon Rhee, Father of American Tae Kwon Do». jhoonrhee.com. Consultado em 1 de maio de 2019. Cópia arquivada em 6 de maio de 2019 
  38. a b Bruce Lee: The Immortal Dragon, January 29, 2002, A&E Television Networks
  39. a b c d e Dorgan 1980
  40. Black Belt: Bruce Lee Collector's Edition, Summer 1993 Rainbow Publications Inc, p. 117
  41. Rossen, Jake (10 de agosto de 2015). «Bruce Lee: The Time Bruce Lee Was Challenged to a Real Fight». Mental Floss. New York. Consultado em 10 de julho de 2016. Cópia arquivada em 11 de julho de 2016 
  42. Rossen, Jake (10 de agosto de 2015). «Bruce Lee: The Time Bruce Lee Was Challenged to a Real Fight». Mental Floss. New York. Consultado em 10 de julho de 2016. Cópia arquivada em 11 de julho de 2016 
  43. Aarons, Leroy F. (2 de outubro de 1966). «Color Him Green». Tampa Bay Times. 83. 148 páginas – via Newspapers 
  44. «American Heritage Center Blog: Bruce Lee Steals the Show in ""The Green Hornet""». American Heritage Center. The American Heritage Center holds the papers of William Dozier, who produced and narrated the TV series The Green Hornet, as well as the Batman TV series. 16 de março de 2020. Consultado em 5 de abril de 2020. Cópia arquivada em 10 de abril de 2020 
  45. «Green Hornet's Creator Visits TV Scene». The Times Herald. 56. 17 páginas. 3 de setembro de 1966. Consultado em 14 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 27 de julho de 2020 – via Newspapers 
  46. Aarons, Leroy F. (2 de outubro de 1966). «Color Him Green». Tampa Bay Times. 83. 148 páginas – via Newspapers 
  47. «Batman | TV Guide». TVGuide.com (em inglês). Consultado em 15 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2019 
  48. «Batman | TV Guide». TVGuide.com (em inglês). Consultado em 15 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2019 
  49. «Batman | TV Guide». TVGuide.com (em inglês). Consultado em 15 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2019 
  50. a b «American Heritage Center Blog: Bruce Lee Steals the Show in ""The Green Hornet""». American Heritage Center. 16 de março de 2020. Consultado em 5 de abril de 2020. Cópia arquivada em 10 de abril de 2020 
  51. Bishop 2004, p. 23
  52. Vaughn, Jack; Lee, Mike, eds. (1986). The Legendary Bruce Lee. [S.l.]: Black Belt Communications. p. 127. ISBN 978-0-89750-106-4. Consultado em 15 de junho de 2020. Cópia arquivada em 17 de junho de 2020 
  53. Thomas 1994, p. 81
  54. McNary, Dave (15 de abril de 2010). «Bruce Lee's 'Flute' heads to bigscreen – Entertainment News, Film News, Media». Variety. Consultado em 22 de fevereiro de 2011. Arquivado do original em 27 de outubro de 2010 
  55. Muss, H.P. (31 de outubro de 1969). «Meet Master Of Jeet Kune Do». The Cincinnati Enquirer. 10 páginas. Consultado em 19 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 17 de novembro de 2020 – via Newspapers 
  56. «AFI|Catalog». catalog.afi.com. Consultado em 15 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 8 de junho de 2019 
  57. «Prospective Bridal Pair». The Journal Times. 113. 34 páginas. 27 de julho de 1969. Consultado em 17 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 17 de novembro de 2019 – via Newspapers 
  58. «Wednesday». Chicago Tribune. 60 páginas. 4 de janeiro de 1969. Consultado em 17 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 17 de novembro de 2019 – via Newspapers 
  59. Heffernan, Harold (19 de junho de 1969). «Hollywood». The Times-Tribune. 25 páginas. Consultado em 17 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 17 de novembro de 2019 – via Newspapers 
  60. «AFI|Catalog». catalog.afi.com. Consultado em 19 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 17 de junho de 2019 
  61. Riste, Tom (18 de novembro de 1971). «Bruce Lee's Acting adds To 'Longstreet'». Arizona Daily Star. 130. 79 páginas. Consultado em 8 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 8 de novembro de 2019 – via Newspapers 
  62. Riste, Tom (18 de setembro de 1971). «'Longstreet' Shines As New Detective Hit». Arizona Daily Star. 130. 53 páginas. Consultado em 8 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 8 de novembro de 2019 – via Newspapers 
  63. Bleecker, Tom (1996). Unsettled Matters. The Life & Death of Bruce Lee. Gilderoy Publications
  64. «The Truth about the Creation of the Kung Fu TV Series». Martial Journal. Consultado em 20 de fevereiro de 2021. Arquivado do original em 30 de janeiro de 2021 
  65. Polly, Matthew E. (2018). Bruce Lee: A Life. [S.l.]: Simon & Schuster. pp. 277–280, 321–327, 573–574. ISBN 978-1501187629 
  66. "From Grasshopper to Caine" no YouTube
  67. From The Pierre Berton Show no YouTube December 9, 1971 (comments near end of part 2 & early in part 3)
  68. Tale of the Dragon (Channel 4), directed by Jess Search
  69. Rob Cohen (1993). Director's Commentary (Dragon: The Bruce Lee Story, DVD). Universal Pictures 
  70. Lee 1989
  71. John Blake. «New Bruce Lee bio debunks 'kung fu Jesus' myth». CNN. Consultado em 19 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 19 de dezembro de 2019 
  72. Thomas, B. (1994) Bruce Lee Fighting Spirit. Berkeley: Frog Ltd.
  73. Krizanovich, Karen (2015). Infographic Guide To The Movies. [S.l.]: Hachette UK. pp. 18–9. ISBN 978-1-84403-762-9. Consultado em 8 de junho de 2020. Cópia arquivada em 8 de junho de 2020 
  74. «Archived copy». Consultado em 14 de março de 2020. Cópia arquivada em 18 de fevereiro de 2020 
  75. Thomas, B. (2003) Bruce Lee Fighting Words. Berkeley: Frog Ltd.
  76. «Inflation Calculator». Bureau of Labor Statistics. Consultado em 30 de maio de 2008. Cópia arquivada em 29 de maio de 2008 
  77. Polly, Matthew (2019). Bruce Lee: A Life. [S.l.]: Simon and Schuster. p. 478. ISBN 978-1-5011-8763-6. Consultado em 8 de junho de 2020. Cópia arquivada em 20 de junho de 2020. Enter the Dragon struck a responsive chord across the globe. Made for a minuscule $850,000, it would gross $90 million worldwide in 1973 and go on to earn an estimated $350 million over the next forty-five years. 
  78. Stein, Joel (14 de junho de 1999). «The Gladiator Bruce Lee». TIME. p. 3. Consultado em 29 de agosto de 2010. Cópia arquivada em 6 de março de 2008 
  79. Film producer Andre Morgan, who worked with Lee on the set of Game of Death, recalls that a choice had to be made from what was made available: a yellow suit or a black suit. The yellow suit was chosen because it allowed a footprint from a kick to be seen on film in a fighting scene with Kareem.
  80. «The truth about Bruce Lee's yellow jumpsuit». South China Morning Post. 27 de novembro de 2015. Arquivado do original em 28 de novembro de 2015 
  81. Bruce Lee, the Legend, 1977, Paragon Films, Ltd., 20th Century Fox Home Entertainment
  82. «Shaw Brothers Film Project». Consultado em 6 de janeiro de 2011. Arquivado do original em 3 de novembro de 2011 
  83. Andreeva, Nellie (21 de maio de 2015). «Cinemax Developing Bruce Lee-Inspired Crime Drama 'Warrior' From Justin Lin». Consultado em 16 de abril de 2020. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2020 
  84. Andreeva, Nellie (11 de outubro de 2017). «'Warrior': Cinemax Sets Cast & Director For Bruce Lee-Inspired Martial Arts Series». Consultado em 16 de abril de 2020. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2020 
  85. Andreeva, Nellie (24 de abril de 2019). «'Warrior' Renewed For Season 2 By Cinemax». Deadline Hollywood. Consultado em 24 de abril de 2019. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2020 
  86. Frater, Patrick; Frater, Patrick (23 de março de 2021). «Jason Kothari and John Fusco to Produce Bruce Lee-Scripted 'The Silent Flute'». Variety (em inglês). Consultado em 25 de março de 2021 
  87. Bruce Lee The Man & The Legend (Documentary, Golden Harvest, 1973)
  88. 13 famosos que tiveram mortes misteriosas - Bruce Lee Portal de Notícias Observatório do Cinema - pesquisado em 7 de julho de 2018
  89. «5 Frases de Bruce Lee 李小龙 para Levar para a Vida». Conexão China. 27 de novembro de 2020. Consultado em 28 de março de 2021 
  90. Little, John (1996). The Warrior Within – The philosophies of Bruce Lee to better understand the world around you and achieve a rewarding life, p. 128. McGraw-Hill. ISBN 0809231948.

BibliografiaEditar

  • Bishop, James (2004) Bruce Lee: Dynamic Becoming, Dallas: Promethean Press ISBN 0-9734054-0-6
  • Lee, Linda (1989) The Bruce Lee Story, United States: Ohara Publications ISBN 0-89750-121-7
  • Little, John (2001) Bruce Lee: Artist of Life, Tuttle Publishing
  • Little, John (1998) Bruce Lee: The Art of Expressing the Human Body, Tuttle Publishing
  • Little, John (1997) Words of the Dragon: Interviews 1958–1973 (Bruce Lee)
  • Thomas, Bruce (1994) Bruce Lee: Fighting Spirit: a Biography, Berkeley, California: Frog, Ltd. ISBN 1-883319-25-0
  • Yılmaz, Yüksel (2000) Dövüş Sanatlarının Temel İlkeleri, İstanbul, Turkey: Beyaz Yayınları ISBN 975-8261-87-8
  • Yılmaz, Yüksel (2008) Jeet Kune Do'nun Felsefesi, İstanbul, Turkey: Yalın Yayıncılık ISBN 978-9944-313-67-4
  • Vaughn, Jack (1986) The Legendary Bruce Lee, Ohara
  • Dorgan, Michael (1980) Bruce Lee's Toughest Fight, EBM Kung Fu Academy, www.kungfu.net/brucelee

Ligações externasEditar

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre Bruce Lee:
  Citações no Wikiquote
  Imagens e media no Commons
  Categoria no Commons
  Base de dados no Wikidata