Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2015). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Bruce McLaren
McLarenBruce.jpg
Informações pessoais
Nome completo Leslie Bruce McLaren
Nacionalidade neozelandês
Nascimento 30 de agosto de 1937
Auckland, Nova Zelândia
Morte 2 de junho de 1970 (32 anos)
Goodwood Circuit, West Sussex, Inglaterra
Registros na Fórmula 1
Temporadas 19591970
Equipes 3 (Cooper, McLaren, Anglo American Racers)
GPs disputados 98
Títulos 0
Vitórias 4
Pódios 27
Pontos 188,5 (196,5)
Pole positions 0
Primeiro GP GP de Mônaco de 1959
Último GP GP de Mônaco de 1970
Registros nas 24 Horas de Le Mans
Edições 1959, 1961-1967
Equipes Cooper T49 Monaco MK I
Briggs Cunningham
Aston Martin Lagonda
Ford Motor Company
Shelby American Inc.
Melhor resultado 1 (1966)
Vitórias em classe(s) 1 (1966)

Leslie Bruce McLaren (Auckland, 30 de agosto de 1937West Sussex, 2 de junho de 1970) foi um piloto de automóveis. Disputou 104 provas do Campeonato Mundial de Fórmula 1 entre os anos de 1958 e 1970, obtendo 4 vitórias, 3 melhores voltas, e 188,5 pontos. Foi o fundador da Team McLaren.

Bruce McLaren sofreu da Doença de Perthe na infância, que o deixou paralisado por meses e fez com que sua perna direita fosse 5 centímetros maior que a esquerda. Isso não o impediu de disputar corridas de automóvel com o Austin de seu pai entre 1956 e 1957.

CarreiraEditar

Em 1958, Bruce "comprou" uma vaga na equipe Cooper Car Company, para disputar os Grandes Prêmios de Alemanha e Marrocos de Fórmula 1. Na Alemanha, no antigo circuito de Nürburgring e sua corrida de estreia, chegou em quinto lugar. Seu desempenho nas duas corridas o colocou como piloto oficial da Cooper, e em 1959 obteve sua primeira vitória no Grande Prêmio dos Estados Unidos, se tornando então o mais jovem vencedor de Grandes Prêmios, com 22 anos. Em 1961 tornou-se o primeiro piloto da equipe com a saída de Jack Brabham.

Bruce manteve-se na Cooper até o final de 1965, conquistando boa reputação como um piloto rápido e equilibrado, constantemente terminando as provas na zona de pontuação, apesar de correr com um equipamento inferior (nestes anos, grandes equipes como Ferrari e BRM, assim com a Cooper, alinhavam mais de 2 carros no grid de largada, o que dificultava a competição para equipes de menor porte).

Em 1963 Bruce e seu amigo Teddy Mayer fundaram a Bruce McLaren Motor Racing Ltd. para o desenvolvimento de carros para um campeonato na Tasmânia (o qual Bruce venceu com seu próprio carro no mesmo ano). Ao final de 1965, a Cooper deixava a Fórmula 1, e Bruce McLaren viu a oportunidade de construir seu próprio carro para o Campeonato Mundial. O McLaren M2B rendeu a Bruce 3 pontos e muitas quebras em sua temporada de estreia. Em 1967, Bruce dispunha de apenas um chassi, e quando o danificou em um acidente no Grande Prêmio da Bélgica, se viu obrigado a correr as 3 provas seguintes pela equipe Eagle.

Em 1968, no grande prêmio belga, Bruce McLaren venceu com seu próprio carro, chegando em segundo lugar em outras duas ocasiões. A construção de carros tornara-se um negócio rentável ao passo que dezenas de pilotos financiavam sua participação pela equipe McLaren. Com isso Bruce pôde desenvolver seus chassis com mais eficiência, e em 1969 voltou a ter um desempenho regular.

Bruce McLaren começou a temporada de 1970 com um bom rendimento, chegando em segundo lugar no Grande Prêmio da África do Sul. Porém, após a terceira etapa, durante uma sessão de testes com um carro Can-Am em Goodwood em 2 de junho, Bruce McLaren sofreu um acidente fatal, quando o seu carro saltou o “capot” traseiro . Sem apoio aerodinâmico, o M8D levantou voo e, em pleno ar, começou a derivar para a direita, saindo, sempre em voo, dos limites da pista. Sem o poder controlar, Bruce viu aproximar-se um posto de comissá-rios, onde o carro embateu sem a velocidade ter diminuído. O choque foi terrível, desintegrando-se a frágil construção, bem como o M8D; o piloto morreu de imediato.

Durante cinco anos, as McLaren dominaram o campeonato Can-Am entre 1967 e 1971, Bruce ganhou duas vezes neste campeonato, além de dois de Denny Hulme e a última do norte-americano Peter Revson. Desde o início ele estava interessado neste torneio, na verdade, o primeiro McLaren era quase um protótipo para disputar as 500 Milhas de Indianápolis; mas eles adaptaram com um motor Oldsmobile e pneus Firestone para a Fórmula 1.

Em 1991 passou a integrar o International Motorsports Hall of Fame.

Em 2017, foi lançado o documentário McLaren do cineasta Roger Donaldson, que narra sua carreira.[1][2]

ResultadosEditar

24 Horas de Le MansEditar

Ano Equipe Veículo Co-piloto Posição Nota
1959 Cooper Car Company Cooper T49 Monaco MK I Jim Russell DNF Acidente
1961 Briggs Cunningham Maserati Tipo 63 Walt Hansgen DNF Acidente
1962 Briggs Cunningham Maserati Tipo 151 Walt Hansgen DNF Transmissão
1963 Aston Martin Lagonda Aston Martin DP215 Innes Ireland DNF Pistão
1964 Ford Motor Company Ford GT40 Phil Hill DNF Caixa de engrenagem
1965 Shelby American Inc Ford GT40 Ken Miles DNF Motor
1966 Shelby American Inc Ford GT40 Chris Amon Vitória global na classe P +5.0
1967 Shelby American Inc. Ford GT40 MK IV Mark Donohue Segundo entre os P +5.0

Referências

  1. McLaren (2017), consultado em 10 de junho de 2017 
  2. Macário, José (20 de abril de 2017). «A vida de Bruce McLaren deu um filme. Veja o primeiro trailer». O Jornal Económico 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Bruce McLaren