Abrir menu principal

BiografiaEditar

Emigrou para o Brasil aos 11 anos de idade, junto com a família, fugindo do nazismo, indo fixar-se em Santa Catarina e, logo após, em Porto Alegre. Ali estudou música no Instituto de Belas-Artes, sendo aluno de Ênio de Freitas e Castro e de Julio Oscar Grau, e posteriormente lecionou na mesma escola as disciplinas de História da Música, História da Música Brasileira (disciplina criada por ele), História e Teoria dos Instrumentos, Apreciação Musical e Teoria do Som.[2]

Foi também compositor, musicólogo e crítico musical. Sua produção musical abrange cerca de 150 obras, e seus escritos incluem vários títulos de musicologia. Recebeu menção honrosa nos concursos de composição da Rádio MEC, da FUNARTE e da Sociedade Brasileira de Música Contemporânea.

Fundou o Seminário Livre de Música de Porto Alegre em 1966, e ocupou importantes cargos na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, sendo um dos criadores do Curso de Pós-Graduação em Música e, no governo estadual, como membro do Conselho Estadual de Cultura. Também deu aulas da Universidade Federal de Santa Maria.

A Casa de Cultura Mario Quintana tem um teatro com seu nome, o Teatro Bruno Kiefer[3]

ObrasEditar

Algumas composições
  • Música de câmara
  • Para piano[4]
    • Colóquio
    • Sonata I
    • Lamentos da Terra
    • Duas peças sérias
    • Tríptico
    • Sonata II
    • Seis pequenos quadros
    • Toccata
    • Ares de moleque
    • Em poucas notas
    • Alternâncias
    • Poema para ti
CDs
Obras literárias
  • História da Música Brasileira, [5]
  • História e Significado das Formas Musicais
  • Elementos da Linguagem Musical
  • Música e Dança Popular
  • Villa Lobos e o Modernismo na Música Brasileira
  • A Modinha e o Lundu

Prêmios e indicaçõesEditar

Prêmio AçorianosEditar

Ano Categoria Indicação Resultado
2000[6] Disco Erudito Sons Perdidos (com Márcio de Souza) Indicado
2005[7] Disco Erudito Colóquio Indicado

Referências