Abrir menu principal
Cílaces
Nacionalidade Reino da Armênia
Etnia Armênio
Religião Cristianismo armênio

Cílaces (em latim: Cylaces ou Gylaces) foi oficial do Reino da Armênia que fugiu ao Império Sassânida e foi acolhido pelo Sapor II (r. 309–379). Foi enviado por Sapor para capturar Artogerassa, onde a rainha-mãe armênia Faranjem e seu filho Papas estavam abrigados, mas desertou e ajudou Papas a fugir. Noel Lenski e Cyril Toumanoff pensam que o mardapetes Glaces (em armênio: Գլակ; transl.: Głak) citado por Fausto, o Bizantino pode ser associado a Cílaces. Toumanoff também o liga, a partir de referência presente na obra de Fausto, ao mardapetes anônimo (somente identificado como o título de hair) ativo nos reinados de Tigranes VII (r. 339–350) e Ársaces II (r. 350–368).

Índice

VidaEditar

Segundo Amiano MarcelinoEditar

 
Dinar de Sapor II (r. 309–379)
 
Soldo de Valente (r. 364–378)

Era eunuco e havia sido prefeito da gente na Armênia. Desertou com Arrabanes ao Império Sassânida e foi com este acolhido pelo Sapor II (r. 309–379), que em 368 os envia à Armênia para governar o país e destruir Artogerassa, onde a rainha-mãe Faranjem e seu filho Papas estavam se escondendo.[1] Não lograram tomar Artogerassa devido às condições climáticas e sua posição. Cílaces, por "ser hábil no bajular como uma mulher" segundo Amiano Marcelino, consegue garantias de que não seria ferido e se aproxima dos muros com Arrabanes. Depois, convence-os a deixá-los entrar, sob alegação de que com uma rápida rendição apaziguariam a natureza violenta de Sapor, que era homem de crueldade sem precedentes.[2]

Nos eventos subsequentes, Papas consegue fugir ao Império Romano e o imperador Valente (r. 364–378) acolhe-o em Neocesareia, enquanto Cílaces e Arrabanes ajudam os sitiados a derrotar o exército persa.[3] Enviam emissários a Valente pedindo que ajudasse e apoiasse Papas como rei, mas a ajuda não foi prestada e Papas foi devolvido junto do general Terêncio para governar o reino, mas sem emblemas reais. Ao saber disso, Sapor reuniu forças maiores e começou a devastar a Armênia. Papas, Cílaces e Arrabanes, temerosos e cientes de que não haveria ajuda, refugiam-se nas altas montanhas que separavam o Império Romano de Lázica.[4]

Permanecem escondidos por cinco meses em bosques profundos e desfiladeiros de montanhas, escapando de várias tentativas de Sapor para encontrá-los.[4] Sob pretexto de uma aliança futura, Sapor repreendeu Papas através de mensageiros secretos, alegando que era escravo de Cílaces e Arrabanes sob a aparência de poder real. Papas, precipitadamente, mata-os e envia suas cabeças para Sapor em Ctesifonte como sinal de submissão.[5] Noel Lenski pensa que Cílaces pode ser associado ao Glaces citado por Fausto, o Bizantino;[6] Cyril Toumanoff concorda e corrige seu nome para Gílaces.[7] Nicholas Adontz também concorda com a identificação.[8]

Segundo Fausto, o BizantinoEditar

 
Soldo de Juliano, o Apóstata (r. 361–363)

Toumanoff considerou que o hair do tempo de Tigranes e Ársaces fosse Glaces (associado ao Cílaces de Amiano Marcelino) citado durante o reinado de Papas (r. 370–374).[9] De acordo com Fausto, o Bizantino, em 352, quando Isaac foi feito católico, o clérigo foi confiado aos cuidados do hair que, juntamente com dez naxarares, levou-o a Cesareia Mázaca para ser consagrado.[10] Depois, designado por Fausto como eunuco, homem de coração amaldiçoado e malfeitor malicioso, causou a morte de vários naxarares que não cometeram crime algum, em especial das famílias Rexituni e Arcruni. Matou quase os clãs inteiros, inclusive mulheres, mas os varões Tatzates Rexituni e Savaspes Arcruni foram salvos por Bassaces I e Artavasdes II;[11] Moisés de Corene alegou que o expurgo foi feito por ordem do rei pela insubordinação de Zora Rexituni, tio de Tatzates, que devia lutar com o imperador Juliano (r. 361–363) em sua invasão ao Império Sassânida de Sapor II em 363.[12]

Em 353, após Narses (r. 353–373) ser eleito católico, o hair e outros nobres levaram-no a Cesareia para ser consagrado.[13] Segundo Fausto, nesse tempo o hair era alegadamente mais amaldiçoado e moralmente tolo e mais ímpio e injusto que quaisquer mardapetes anteriores e tal como no tempo de Tigranes, sob Ársaces cometeu maldades. Quando Narses viajava pela Armênia visitando distritos em sua posse, o hair foi a seu principado e decidiu ir aos lugares santos de Astisata para orar e receber a bênção de Narses. Ao chegar, Narses e o hair abençoaram um ao outro e o hair perambulou da residência episcopal às capelas dos santos. Quando voltou, entrou na sala de jantar, sentou-se e começou a comer e beber. Quando estava saciado e bêbado, falou arrogantemente e presunçosamente, insultando o rei Tirídates III (r. 287–330) e os reis mortos e vivos da dinastia arsácida:[14]

Por que locais como esse foram dados não a homens, mas pessoas vestidas com trajes de mulheres? Devemos demolir esses lugares, pois uma mansão real deveria ser construída aqui. E se eu, hair mardapetes, retornar vivo ao rei, substituirei o que está aqui, removerei as pessoas daqui e construirei um aposento real.

Narses retrucou e o hair deixou os lugares sagrados. Desceu ao longo do rio Eufrates, até um vale denso com florestas de ameixoeiras selvagens, perto da confluência dos dois rios onde antes o rei Sanatruces I (r. 88–110) construíra Nísibis. Ali, quando o hair estava numa carroça viajando na estrada, Savaspes Arcruni se aproximou e contou uma história fictícia de que viu um urso branco. O hair se encantou e foi convencido a montar num corcel para procurá-lo. Entraram na floresta e esperaram e quando estavam nos arbustos, Savaspes ficou um pouco para trás e atingiu-o com uma flecha. Fausto alega que o hair pereceu,[14] mas por associá-lo a Glaces Toumanoff cogita que ainda estava vivo depois disso.[9]

Segundo Fausto, o general romano Terêncio e o armênio Muchel I Mamicônio deixaram Glaces como mardapetes e guardião da fronteira em Ganzaca com 30 000 lanceiros. Glaces enviou uma mensagem a Sapor II prometendo trair Papas, Terêncio e Muchel e o xá enviou-lhe grande quantidade de dinheiro como presente. Porém, outros naxarares como Gnelo de Anjevacique secretamente informaram Papas sobre isso. Papas ordenou que Glaces entregasse suas tropas a Gnelo e fosse vê-lo, pois pretendia entregar-lhe a Sapor para servi-lo. Glaces pensou que seria o momento para cumprir sua promessa e então enviou uma mensagem à vila real de Andeanque, em Airarate. Foi diante de Papas, que o exaltou muito e ordenou que fosse vestido com um manto de honra.[15]

Glaces foi convidado para jantar com o rei e foi conduzido ao local onde o aguardava. Ao chegar, foi empurrado pelos soldados que portavam escudos e quando tentou pegar sua arma foi impedido por seu manto, que era muito grande. Os soldados o cercaram e o prenderam, levando-o à ponta do saguão real, onde o matariam. Papas protestou dizendo que o levassem à sala das vestes, para onde foi levado de mãos atadas. Glaces teria dito: "Diga ao rei, diga-lhe que sou digno de morte, mas convém a ele me matar no saguão, não no salão das vestes, que sujará sua coroa com sangue". Ao terminar, foi decapitado e sua cabeça foi colocada numa lança e erguida no saguão da corte. Fausto o descreveu como um homem grande e gentil com ossos grandes.[15]

Referências

BibliografiaEditar

  • Adontz, Nicholas (1970). Armenia in the Period of Justinian. The Political Conditions Based on the Naxarar System. Translated with Partial Revisions, a Bibliographical Note and Appendices, by N.G. Garsoïan. Lovaina: Peeters Publishers 
  • Fausto, o Bizantino (1989). Garsoïan, Nina, ed. The Epic Histories Attributed to Pʻawstos Buzand: (Buzandaran Patmutʻiwnkʻ). Cambrígia, Massachusetts: Departamento de Línguas e Civilizações Próximo Orientais, Universidade de Harvard 
  • Lenski, Noel Emmanuel (2003). Failure of Empire: Valens and the Roman State in the Fourth Century A.D. Berkeley e Los Angeles: California University Press. ISBN 978-0-520-23332-4 
  • Martindale, J. R.; A. H. M. Jones (1971). «Cylaces». The Prosopography of the Later Roman Empire, Vol. I AD 260-395. Cambridge e Nova Iorque: Cambridge University Press 
  • Moisés de Corene (1978). Thomson, Robert W., ed. History of the Armenians. Cambrígia, Massachusetts; Londres: Harvard University Press 
  • Toumanoff, Cyril (1963). Studies in Christian Caucasian History. Washington: Georgetown University Press