Abrir menu principal
Caças multiuso F-35.

Um caça multiuso (ou multifunção) é um avião a jato militar destinada a realizar diferentes papéis de combate.[1] Um caça multiuso é uma aeronave de combate que pode realizar, ao mesmo tempo, ações de caça além de outras operações como ataque ao solo e tipos de operações ar-ar.

DefiniçãoEditar

O termo "Multiuso" teve origem em determinadas aeronaves desenhadas para utilizar a mesma base comum para múltiplas missões, sendo o desenho básico adaptado frente o tipo de uso. A motivação básica para desenvolvimento de aeronaves multiuso concerne a redução de custos em usar a base comum.

Com o desenvolvimento, mais usos foram adicionados, como o reconhecimento aéreo, controle aéreo avançado e aeronave de guerra eletrônica. Missões de ataque incluem subtipos interdição aérea, SEAD e apoio aéreo aproximado.

Multiuso também pode ser aplicado a aeronaves com duas funções principais, primária para combate ar-ar, secundária para missões de Caças-bombardeiros. Contudo, a aquelas que possuem ênfase em combate aéreo são usualmente considerados como caças de supremacia aérea e usualmente realizam apenas esse tipo operacional, mesmo sendo teoricamente capazes de uso para ataque ao solo. Um bom exemplo concerne ao Grumman F-14 Tomcat comparável ao F/A-18 Hornet; o F-14 foi concebido originalmente como um caça de superioridade aérea e interceptação de aeronaves para defesa de frotas, sendo algumas variantes posteriores (caso do F-14 B) possuírem capacidade de realizar ataque ao solo, enquanto o F/A-18 foi desenhado para ataques ao solo como capacidade limitada para defesa de si e de outras aeronaves no ar-ar.

Swing-role - Mudança InstantâneaEditar

Algumas aeronaves são chamadas de swing-role - "Mudança Instantânea", já que há ênfase na mudança rápida operacional, pelo período curto ou mesmo dentro da missão. De acordo com o Dicionário Militar: "A habilidade de uma aeronave multiuso concerne a múltiplos propósitos durante a mesma missão." [2]

A definição da BAE Systems: "Uma aeronave que pode realizar tanto operações ar-ar e ar-superfície na mesma missão, mudando entre esses tipos operacionais instantaneamente, oferecendo verdadeira flexibilidade. Isso reduz custos, aumenta efetividade e aumenta a interoperabilidade com as forças aéreas aliadas".[3]

De acordo com a Eurofighter: "Capacidade de oferecer considerável custo-benefício para os comandos operacionais." [4]

HistóriaEditar

 
O programa Panavia Tornado foi historicamente o primeiro a possuir tal designação.

Embora o termo "caça multiuso" seja relativamente novo, determinados projetos na história provaram versatilidade em usos múltiplos. Em particular o Junkers Ju 88 era reconhecido na Alemanha como o "pau para toda obra", capaz de realizar missões como bombardeiro, bombardeiro de mergulho, caça, caça noturno etc; assim como o Britânico De Havilland Mosquito realizava operações de bombardeiro rápido, reconhecimento e caça noturno.

O McDonnell Douglas F-4 Phantom II construído pela McDonnell Douglas também entra dentro da definição de aeronave multiuso devido a suas várias configurações baseadas no design básico. Tais configurações eram usadas em operações ar-ar, caça-bombardeiro, reconhecimento e supressão de defesas aéreas.

O primeiro uso do termo por um projeto multinacional europeu ocorreu com o "Multi-Role Combat Aircraft", o qual foi formado em 1968 para produzir uma aeronave capaz de bombardeio tático, reconhecimento aéreo interceptação e operações marítimas. O design tinha como objetivo substituir a ampla gama de diferentes tipo de aeronaves cooperando nas forças aéreas. O projeto produziu o Panavia Tornado, o qual utilizava um design básico para realizar uma variedade de funcções, sendo introduzido as variantes Tornado IDS (inteceptador) e Panavia Tornado ADV de defesa aérea. Por contraste, o F-15 Eagle era outro caça designado para superioridade aérea e interceptação, sem qualquer intuito de uso a ataque a solo, mas seu design resultou no F-15E Strike Eagle, o qual manteve características de combate ar-ar e possibilidade ao solo.

Exemplos - GaleriaEditar

AtivosEditar

País Construtor Aeronave Introdução Variantes
  Canadá McDonnell Douglas CF-18 Hornet 1983 CF-18A, CF-18B  
  China Chengdu J-10 2003 J-10A, J-10S, J-10B
Shenyang J-11B 2008 J-11B/S/H  
J-15 2012 J-15, J-15S
J-16 2013 J-16, J-16D
Xian Xian JH-7 1992 JH-7, JH-7A, JH-7B  
  França Dassault Mirage 2000 1982 N/D  
Rafale 2001 B/C/M  
  Índia HAL HAL Tejas 2015 Tejas Mark 2  
  Japão Mitsubishi F-2 2000 F-2A/B  
  Coreia do Sul KAI FA-50 Fighting Eagle 2011 T-50, TA-50  
  China
  Paquistão
Chengdu
PAC
JF-17 Thunder/FC-1 Xiaolong 2007 Block I/II  
  União Soviética
  Rússia
Mikoyan MiG-29 1983 MiG-29/MiG-29OVT/SMT/M/K  
Mikoyan MiG-35 Yet to enter service MiG-35MiG-35D  
Sukhoi Su-30 1996 Su-30/Su-30K/MK/M2  
Sukhoi Su-30MKK 2000 Su-30MKK/MKV/MK2/MK2V  
Sukhoi Su-35 2008 Su-35/Su-35S  
  Rússia
  Índia
Sukhoi/HAL Su-30MKI 2000 Su-30MKI/SM/MKM/MKA  
  Suécia Saab JAS 39 Gripen 1997 39A/B, 39C/D, 39E/F  
  Alemanha
  Itália
  Reino Unido
Panavia Tornado IDS 1979 Tornado ADV  
  Alemanha
  Itália
  Espanha
  Reino Unido
Eurofighter Typhoon 2003 Tranche 1,2  
  Estados Unidos General Dynamics
(Lockheed Martin)
F-16 Fighting Falcon 1978 A/B, C/D, Özgür, Sufa, N, QF  
McDonnell Douglas (Boeing) F/A-18 Hornet 1983 F/A-18E/F Super Hornet, C/D  

Referências