Cabinda (município)

capital da província de Cabinda, Angola
(Redirecionado de Cabinda (cidade))

Cabinda, também conhecida pelo nome Chioua,[4] é uma cidade e município de Angola localizada na costa do Oceano Atlântico, capital administrativa da província de Cabinda.[2]

Cabinda
Localidade de Angola Angola
(Município e cidade)


Aspecto da periferia da cidade de Cabinda, em agosto de 2016.

Brasão
Dados gerais
Fundada em c. 1490 (533 anos)
Gentílico Cabindense
Província Cabinda
Município(s) Cabinda
Características geográficas
Área 1 823[1] km²
População 699 053[1][2][3] hab. (2018)
Densidade 102 hab./km²
Altitude 24 m

Cabinda está localizado em: Angola
Cabinda
Localização de Cabinda em Angola
5° 33' 00" S 12° 12' 00" E{{{latG}}}° {{{latM}}}' {{{latS}}}" {{{latP}}} {{{lonG}}}° {{{lonM}}}' {{{lonS}}}
Projecto Angola  • Portal de Angola

Segundo as projeções populacionais de 2018, elaboradas pelo Instituto Nacional de Estatística, conta com uma população de 699.053 habitantes e área territorial de 1 823 km², sendo o município mais populoso da província e o nono mais populoso da nação.[3]

Cabinda foi elevada a categoria de cidade em 28 de maio de 1956, através do despacho legislativo nº 2.757, proposto pelo então governador português do distrito do Congo, Jaime Pereira de Sampaio Forjaz de Serpa Pimentel.[5]

Etimologia editar

Segundo o historiador e padre Joaquim Martins,[6] o nome "Cabinda" tem origem da junção do termo "Mafuca" com o nome próprio "Binda", onde a aglutinação da última sílaba da palavra "Mafuca" — que nos antigos reinos de Loango, Cacongo e Angoio-Nagoio era uma espécie de intendente-geral do comércio e dignatário do rei que, em nome deste último, tratava de todas as transações comerciais — junta-se a "Binda", que era o nome do "Mafuca" naquela época.[6] Este intendente-geral do comércio de nome Binda era, portanto, um importante funcionário público que tratava questões de interesse dos reinos nativos com os portugueses.[6][7]

No século XIX, a cidade foi denominada também como "Porto Rico", "Vila Amélia"[8] e "Palmar".[9]

Chioua Chimuisi, outra designação dada a cidade de Cabinda, provém de Tchowa, que significa "grande mercado de peixes",[4] nome registrado para a localidade no início da era colonial, quando ainda era somente um vilarejo de pescadores,[4] e; Tchimuisi, referente a uma lenda de uma sereia que habitava os arredores de Chioua.[8]

História editar

Em 1490 Cabinda resumia-se a um pequeno povoado de pescadores e caçadores que vivia a beira-mar. A partir das cercanias de 1530 torna-se a mais importante saída marítima do reino de Cacongo,[4] um dos Estado confederados do reino do Congo.[10] No território do município de Cabinda, inclusive, foi que se estabeleceu uma das capitais de Cacongo, em Caio-Caliado (atual comuna de Tanto-Zinze).[11]

A partir do século XVII Cabinda paulatinamente foi tornando-se uma localidade comercial, com a presença de uma feitoria portuguesa na área em 1620 para negociação de escravos, de panos lubongo, de sal e de madeira.[6] A feitoria no povoado era tão vital que justificou a Expedição de Cabinda, em 1723, onde uma aliança luso-brasileira investiu contra as posições britânicas e as derrotou.[12]

Em 1783 os protugueses costuram um acordo com as autoridades de Cocongo para a construção do Forte de Santa Maria de Cabinda. O forte acabou por ser destruído no ano seguinte após uma incursão conjunta de Angoio, Cacongo e França. O ataque foi bem sucedido, mas trouxe um período de instabilidade para a localidade até o final das Guerras Napoleônicas, quando o reino do Angoio iniciou o processo de fragmentação política e se afastou da cidade de Cabinda.[13]

O fim definitivo do embarque de escravos pelo porto cabindense, na década de 1840, expôs as dificuldades financeiras do reino Cacongo, que passou a depender cada vez mais do comércio com a Fortaleza de Cabinda e do movimentado porto peixeiro, de tecidos, de sal e de madeira que havia na localidade.[6]

Em 1883 Cabinda já havia se transformado em uma importante vila marítima e comercial no Oceano Atlântico para a África Ocidental Portuguesa, em uma calma baía, ponto vital de navegação nas proximidades da desembocadura do rio Congo.[4] Até o final do século XIX a área que atualmente equivale ao interior do município era extremamente pobre e insalubre, fato que fazia agregar cada vez mais população na faixa costeira. O aumento do comércio portuário favoreceu o desenvolvimento urbanístico, as trocas de mercadorias relacionado com a atividade marítima e outros serviços auxiliares.[8][14][15][16]

Em 1 de fevereiro de 1885, a sete quilômetros ao norte do centro da cidade, onde hoje se encontra um monumento, foi assinado o Tratado de Simulambuco, onde a região de Cabinda foi reconhecida oficialmente como protetorado português.[14][17] Em 1885, passou a ser designada Porto Rico.[18]

Em 1887 Cabinda passou a sede de circunscrição administrativa.[18] Em 31 de maio de 1887 a vila de Cabinda passa sediar, simultaneamente, a capital do recém-criado "distrito do Congo" (atual província do Uíge) e do "Protetorado do Congo Português".[18] Em julho de 1890 foi elevada à categoria de vila, ocorrendo, em 1896, a mudança de sue nome para Vila Amélia.[18]

Mantém a condição de capital das duas entidades até 1917, quando ocorre a transferência da sede distrital para Maquela do Zombo e absorção jurídica completa do protetorado e sua subsequente extinção. Em 1919 a vila de Cabinda torna-se a capital do distrito de Cabinda (atual província de mesmo nome).[18]

Em 28 de maio de 1956 Cabinda foi elevada a categoria de cidade, através do despacho legislativo nº 2.757, proposto pelo então governador distrital Jaime Pereira de Sampaio Forjaz de Serpa Pimentel.[5] A categoria de cidade estava mais adequada ao figurino jurídico-administrativo de sede de distrito provincial.[18] A partir deste ano a cidade passou a concentrar os serviços de apoio à governação, as juntas locais, as comissões municipais e a câmara municipal, transformando o panorama cabindense.[18]

Após a Revolução do 25 de Abril de 1974 em Portugal, a cidade ficou sob controle do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) durante a campanha militar Miconje-Cabinda.[19] Em 1975, nas vésperas da independência nacional, ocorreram intensos combates na batalha da fronteira Antó-Iema contra as forças conjuntas da Frente Nacional de Libertação de Angola (FNLA) e do Exército Zairense.[20] Ao que conseguiram repelir a entrada na fronteira, as forças do MPLA passaram aos combates da batalha do Morro do Chizo, na zona sul da cidade de Cabinda, contra a unidade da FNLA, que estava nas margens do rio Lucola, vencendo os rivais. A cidade de Cabinda, assim, concentrou os maiores esforços militares da guerra na província entre 1974 e 1976, principalmente na batalha do Morro do Chizo, passando a ser um ponto fortemente guarnecido em termos militares, sendo a principal base das Forças Armadas Angolanas no Conflito de Cabinda.[21]

Geografia editar

O município tem 1823 km², sendo que sua principal referência geográfica é a enseada-baía de Cabinda, que cobre quase toda a faixa litorânea da cidade.[1] É limitado a norte pelo município do Cacongo, a leste e sul pela República Democrática do Congo, e a oeste pelo Oceano Atlântico. A cidade encontra-se situada nas coordenadas 5° 33' sul e 12° 12' leste, a 24 metros de altitude.[22]

O município é dominado pela ecorregião das "savanas e florestas de escarpa angolanas",[23] com porções de "florestas equatoriais atlânticas" nas zonas mais ao leste.[24]

Clima editar

Dados climatológicos para Cabinda
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima recorde (°C) 32 33 33 33 33 29 28 29 30 33 33 34 34
Temperatura máxima média (°C) 30 31 31 31 29 26 26 26 27 28 29 28 28
Temperatura mínima média (°C) 23 23 23 23 23 21 18 19 21 23 23 23 22
Temperatura mínima recorde (°C) 20 19 18 19 19 16 13 15 16 19 19 19 13
Precipitação (mm) 58,4 109,2 83,8 116,8 55,9 0 0 2,5 5,1 33 114,3 88,9 668
Fonte: [22] 6-9-2010

Subdivisões editar

O município de Cabinda está dividido em três comunas:[25] Cabinda, a sede do município, com 88,6% da população do município; o distrito urbano de Malembo,[26] com 3,1%; e a comuna-vila de Tanto-Zinze, com 8,3%, que inclui as vilas de Bumelambuto, Cácata, Caio-Cailado, Mazengo e Zenze do Lucula. A comuna de Malembo foi absorvida pelo enorme crescimento da cidade de Cabinda e é o ponto mais ao norte da malha urbana.[26]

A cidade é também dividida 8 distritos urbanos (anteriormente regedorias): Antó, Caio Litoral, Cotra-Centro (a mais populosa com 74,8% da população do município), Chiadede (ou Siadede), Chinsuá, Liambo, Malembo-Fútila e Subantando.[25][27]

Demografia editar

O município tem 699.053 habitantes e área territorial de 1 823 km², sendo o município mais populoso da província e o oitavo mais populoso da nação.[3] Para efeitos de comparação da elevada explosão demográfica, no censo realizado em 15 de dezembro de 1970, a localidade possuía 21 124 habitantes.[28] Da população do município, 46,8% são homens e 53,2% são mulheres.[25]

A população de Cabinda é majoritariamente da etnia congo, do subgrupo étnico ibinda,[5] coexistindo com minorias de ambundos, ovimbundos e chócues, estes vindos de fluxos migratórios do dinamismo econômico do petróleo e pelos deslocamentos nacionais causados pelas guerras.[29] Ainda há subgrupos luso-angolanos, migrantes quinxassa-congoleses,[29] brazavile-congoleses[29] e chineses.[29] Essa formação diversa faz com que a cidade de Cabinda tenha configuração demográfica cosmopolita única dentro da província.[30]

A língua falada na cidade é o português, coexistindo com o ibinda ou fiote.[31]

Economia editar

Na economia primária, há uma grande quantidade de habitantes da cidade e do município vinculados a atividades pesqueiras (marítima e fluvial), marisqueiras e na agricultura de regime de campesinato.[14] O extrativismo vegetal concentra-se na extração de madeira.[14]

Na indústria extrativa o foco fica com o petróleo, que é estocado nos Terminais de Armazenamento do Campo de Malongo, na zona norte da cidade.[32] Está em construção na cidade a Refinaria de Cabinda, com expectativa de produção de 30.000 barris de petróleo diários quando concluída a primeira fase.[33][34][35] Existe também a extração industrial de fosfato e de argila.[14] Outras atividades industriais estão na construção civil e na fabricação de bebidas e de óleos culinários.[8]

A logística de transportes, o comércio, a hotelaria e o turismo, além dos serviços administrativos e financeiros, são outras atividades que geram importante massa salarial para a economia da cidade.[8]

Cultura e lazer editar

Manifestações culturais editar

 
Uma quizaca com feijão (ou quizaca de cabinda), com chicuanga de pau, farinha de mandioca, arroz e gindungo, em 2014.

A população da cidade possui uma cultura peculiar, com usos e costumes especiais, desde a sua forma de se vestir e comer até os rituais tradicionais, principalmente o chicumbe e as célebres cerimônias dos Bacamas do Chizo,[5] um grupo ritual tradicional que possibilita a interação entre o povo vivo e os espíritos ocultos dos deuses e dos antepassados, assegurando assim a reconciliação entre os mortos e os vivos.[31]

O Museu de Cabinda é um dos maiores centros de pesquisa e coleta da tradição oral cabindense.[31] O museu expõe peças artesanais, tradições, usos e costumes da província.[8] A cidade possui também um centro cultural que desenvolve diversas atividades nas áreas da música, dança, artes cênicas e visuais.[8]

Uma das principais manifestações de cunho cultural-religioso é Procissão do Corpo de Deus, realizada pelos católicos todos os anos, no mês de junho. Outra festividade católica importante é a Festa de São José de Cabinda, realizada todos os anos, em março. Ambas as festividades são promovidas pela Diocese de Cabinda.[36]

Dentre os preparos culinários culturalmente cabindeses, destaca-se a quizaca com feijão acompanhada de chicuanga de pau.[37]

Lazer editar

Os principais locais turísticos da cidade são: o embarque de escravos de Chinfuca, Gruta de Malembo, Igreja Católica Nossa Senhora Rainha do Mundo, Igreja Católica Imaculada Conceição, Cemitério dos Nobres, Cemitério dos Franques, Igreja Evangélica Tendequela, Centro Turístico de Mabande, Largo Pedro Benge, Largo Deolinda Rodrigues, Largo Missão Católica, Parque Infantil, as ruínas do Forte de Santa Maria de Cabinda, Zona Paisagística de Iema e Zona Paisagística do Iabi.[38]

Desportos editar

O município de Cabinda possui três times que participam regularmente de competições provinciais e do Campeonato Angolano de Futebol, também conhecido como Girabola, são eles: Sporting Clube Petróleos de Cabinda, Sport Cabinda e Benfica e Futebol Clube de Cabinda.[39]

Cabinda foi a sede do grupo B do Campeonato Africano das Nações de 2010 (CAN 2010), cujos participantes foram Costa do Marfim, Gana e Burkina Faso. A seleção de Togo foi desclassificada da competição por não comparecer a partida contra Gana devido ao ataque sofrido por sua delegação de rebeldes separatistas de Cabinda, em 8 de janeiro.[40] Os jogos foram disputados no Estádio Nacional do Chiazi, localizado no Bairro Chiazi, com capacidade para 20 000 pessoas, cuja construção foi concluída em 2010.[41] Além do Chiazi, há o Estádio do Tafe.[42]

Infraestrutura editar

Abastecimento de água editar

O abastecimento de água potável na cidade é assegurado pela Empresa Provincial de Águas e Saneamento de Cabida (EPASC), que sustenta o sistema por captações subterrâneas e de rios e, principalmente, dos lagos Cuculo e Lombo e dos rios Lulongo e Lucola,[43] sendo a água bombeada por eletrobombas para os reservatórios.[43]

Comunicações editar

Do ponto de vista de comunicação, os serviços disponíveis são os telefónicos — telefonia fixa e móvel — ofertados pelas operadoras Angola Telecom, Movicel e Unitel;[44] serviços de rádio com frequência da Rádio Cabinda (retransmissora da Rádio Nacional de Angola),[45] da Rádio Ecclesia,[45] da Rádio Comercial de Cabinda[45] e da Rádio Mais;[45] televisivo, com repetidores da Televisão Pública de Angola[45] e da TV Zimbo;[46] Correios de Angola, com serviços de correio e telégrafo,[45] e; serviço de internet disponível pelas operadoras ZAP[47] e Multitel.[48] Nas mídias impressas, ainda há o tradicional Jornal de Angola e o jornal regional Nkanda.[49][50]

Educação editar

Em Cabinda está localizado o campus sede da Universidade 11 de Novembro[51] e do Instituto Superior de Ciências da Educação de Cabinda.[52]

Energia eléctrica editar

O fornecimento de energia eléctrica na cidade é garantido pela Central Termelétrica de Fútila[53] e pela Central Termelétrica de Cabinda-Malembo.[54][55] Prevê-se aumento da oferta com as linhas de transmissão Inga-Cabinda-Ponta Negra, que transmite da fonte Complexo Hidroelétrico de Inga.[56][57] A eletricidade é distribuída a nível residencial e comercial pela Empresa Nacional de Distribuição de Electricidade (ENDE).[58]

Saúde editar

No âmbito da saúde, a cidade dispõe dos centros de referência Hospital Geral Central de Cabinda, Hospital Provincial 28 de Agosto, Hospital Militar de Cabinda, Hospital Municipal de Cabinda-Chinga e Dispensário-Maternidade 1º de Maio, além de diversas clínicas e centros de saúde.[59][60]

Segurança editar

O sistema de segurança pública de Cabinda é garantido por batalhões da Polícia Militar das Forças Armadas Angolanas,[61] por um destacamento permanente da Polícia Nacional[62] e por um quartel do Serviço de Protecção Civil e Bombeiros.[63]

Embora não tenha papel de força de segurança pública convencional, na cidade está a sede da Região Militar Cabinda, que congrega a Base Costeira de Cabinda da Marinha de Guerra Angolana, onde está estacionado o Comando Naval de Cabinda e a Esquadrilha de Lanchas de Patrulha e Fiscalização de Cabinda.[64]

Transportes editar

As principais vias de ligação da cidade e do município de Cabinda são a rodovia EN-100, que a liga a vila de Iema, ao sul, e; a vila de Massabi, ao norte. Existe ainda a EN-201 que liga a cidade de Cabinda a vila de Tanto-Zinze e a vila de Zenze do Lucula, ao nordeste, e; a EN-202, que a liga o distrito urbano de Malembo a vila de Zenze do Lucula, ao nordeste.[65]

Dado que Cabinda é um exclave, sua mais rápida comunicação com o restante o território nacional se dá por via aérea, sendo que a principal facilidade desta natureza é o Aeroporto Maria Mambo Café.[66]

Porém as mais importantes e fundamentais facilidades de transporte do município estão no chamado Complexo Portuário de Cabinda, que inclui o Porto de Cabinda, o Porto Pesqueiro, o Porto de Caio, o Porto de Malongo e o Porto de Fútila, especializados em embarque de petróleos, equipamentos industriais, alimentos e pessoas.[67]

Ver também editar

Referências

  1. a b c Angola - Cabinda - Administrative units GeoHive (em inglês)
  2. a b Instituto Nacional de Segurança Social - República de Angola - Cabinda - Estimativa Populacional
  3. a b c Schmitt, Aurelio. (3 de fevereiro de 2018). «Municípios de Angola: Censo 2014 e Estimativa de 2018». Revista Conexão Emancipacionista 
  4. a b c d e LaGamma, Alisa (2015). Kongo – Power and Majesty. Nova Iorque: The Metropolitan Museum of Art. p. 47 
  5. a b c d «Cidade de Cabinda comemora 52 anos». Governo da Província de Cabinda. Consultado em 5 de setembro de 2010 
  6. a b c d e Ines Florinda Luis Buissa (30 de agosto de 2016). Memórias de um curso de formação de professores de Matemática no Instituto Superior de Ciências da Educação de Cabinda/ Angola (1998-2009). Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais 
  7. «História do Porto de Cabinda». Empresa Portuária do Porto de Cabinda. Consultado em 6 de setembro de 2010 
  8. a b c d e f g «Evolução Histórica». Governo da Província de ACabinda. Consultado em 11 de setembro de 2010 
  9. Barão de Reboredo, Antonio Lopes da Costa Almeida. Roteiro geral dos mares, costas, ilhas, e baixos reconhecidos no globo: Extrahido das descripções, e diarios dos mais celebres a acreditados navegadores, e hydrografos, por ordem da Academia Real das Sciencias de Lisboa - Parte 4. Lisboa: Typografia de Academia, 1846. p.369.
  10. A província. Portal Angop. 2012.
  11. Cabinda. Medicareclub. 2022.
  12. Saturnino Monteiro, Armando da Silva (1996). Batalhas e Combates da Marinha Portuguesa - Volume VII (1669-1807). Lisboa: Livraria Sá da Costa Editora. p. 126. ISBN 972-562-331-2 
  13. Acontecimentos no ano de 1786: Janeiro, 30 - Tratado franco-português sobre Cabinda. Página Maria Primeira. 26 de janeiro de 2010.
  14. a b c d e «Desenvolvimento do Município de Cabinda» (PDF). Governo da Província de Cabinda. Consultado em 9 de setembro de 2010 
  15. Sousa Monteiro, "Dicc. geogr. das posses port."
  16. "Resenha das Famílias Titulares e Grandes de Portugal", Albano da Silveira Pinto e Augusto Romano Sanches de Baena e Farinha de Almeida Portugal Silva e Sousa, 1.º Visconde de Sanches de Baena, Fernando Santos e Rodrigo Faria de Castro, 2.ª Edição, Braga, 1991, Volume I, p. 324
  17. Cabinda hoje
  18. a b c d e f g Dados Históricos da Cidade de Cabinda. Cabinda Buala Buitu. 28 de maio de 2022.
  19. «Biografia do Presidente da República». Embaixada de Angola no Brasil. 2017 
  20. «A ascensão política de João Lourenço». VOA Português. 10 de setembro de 2018 
  21. Fern, Paulino; es (2 de dezembro de 2016). «José Eduardo dos Santos, deixa a Presidência do MPLA em 2017». Blogue do "Povo de Portugal". Consultado em 1 de agosto de 2017 
  22. a b «Estatísticas do clima em weatherbase.com» (em inglês). weatherbase.com 
  23. Angola Vegetation. Perry-Castañeda Library Map Collection. University of Texas, 1973.
  24. «Cabinda». Consuldo Geral da República de Angola - Rio de Janeiro - Brasil. Consultado em 7 de julho de 2010 
  25. a b c «Informação trimestral de Cabinda» (PDF). Governo da Província de Cabinda. Consultado em 9 de setembro de 2010 
  26. a b Mille Caroline Rodrigues Fernandes (26 de novembro de 2020). De Angola à Nilo Peçanha: Traços da Trajetória Histórica e da Resistência Cultural dos Povos Kongo/Angola na Região do Baixo Sul (PDF). Salvador: Universidade do Estado da Bahia - UNEB 
  27. Ernesto Milando Fiti (2020). Toponímia de Cabinda: Contribuições Lexicológicas e Lexicográficas para a sua Harmonização Gráfica (PDF). [S.l.]: Universidade do Minho 
  28. Angola em www.citypopulation.de
  29. a b c d Paulo Ricardo Müller (2015). Historicidade, pós-colonialidade e dinâmicas das tradições: etnografia e mediações do conhecimento em Cabinda, Angola. (PDF). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul 
  30. Filipe Zau (2002). Angola: trilhos para o desenvolvimento (PDF). Lisboa: Universidade Aberta 
  31. a b c «Uma excursão virtual a Cabinda». Teia Portuguesa. Consultado em 8 de setembro de 2010 
  32. Refinaria de Cabinda abre recrutamento Forbes África Lusófona. 24 de setembro de 2022.
  33. Refinaria de Cabinda. MIREMPET. 2022.
  34. Angola quer refinar 400.000 barris de petróleo/dia com construção e requalificação de refinarias. Cofina Media. 16 de maio de 2022.
  35. Construção da Refinaria de Cabinda continua nas prioridades do Governo. Rádio Nacional de Angola. 3 de janeiro de 2023.
  36. Procissão do Corpo de Deus é uma demonstração que jesus esta presente na eucaristia. Rádio Ecclesia. 24 de junho de 2014.
  37. Quizaca com feijão. Dokimbo.
  38. «Cabinda do Maiombe e do petróleo». Jornal dos Desportos. Consultado em 11 de setembro de 2010 
  39. «Girabola 2010». girabola.com. Consultado em 8 de setembro de 2010 
  40. «Sobre a Competição». www.can-angola2010.com. Consultado em 8 de setembro de 2010 
  41. «Estádio Nacional do Chiazi». www.can-angola2010.com. Consultado em 8 de setembro de 2010 
  42. Estádio Municipal do Tafe. O Gol.
  43. a b Estudo de mercado sobre a província de Cabinda. Associação Industrial Portuguesa - Confederação Empresarial. 2015.
  44. Mapa de cobertura 3G / 4G / 5G em Cabinda, Angola. nPerf.com. 2022.
  45. a b c d e f «Ministro Manuel Homem avalia infra-estruturas em Cabinda». Televisão Pública de Angola. 7 de maio de 2021 
  46. Primeira televisão privada TV Zimbo arranca hoje e pretende ser referência. RTP. 14 de dezembro de 2008.
  47. Onde estamos. Zap. 2021.
  48. Multitel: aposta em tecnologia de ponta leva qualidade e segurança ao mercado. Ver Angola. 13 de setembro de 2019.
  49. Xavier António (26 de junho de 2021). «Edições Novembro lança hoje Jornal "Nkanda" em Mbanza Congo». Jornal de Angola 
  50. Victor Mayala (28 de junho de 2021). «"Nkanda" ultrapassa expectativas». Jornal de Angola 
  51. Universidade 11 de Novembro - Catálogo Angola Formativa
  52. Decreto presidencial nº 285, de 29 de outubro de 2020 - Estabelece a reorganização da Rede de Instituições Públicas de Ensino Superior. Diário da República - I Série - nº 173. 29 de outubro de 2020.
  53. Projetos: Usina Térmica de Futila (Angola) - Angola / África. Isolux Corsán. 2022.
  54. Instrumentação / Automação. AVANCE Consultoria e Engenharia Ltda. 2022.
  55. Plano de emergência para reforço de eletricidade ao enclave de Cabinda custa 146ME. Sapo/Lusa. 26 de janeiro de 2015.
  56. Cabinda com perspectiva de ter electricidade da barragem do INGA em 2024. Portal Angop. 11 de fevereiro de 2021
  57. Cabinda recebe energia de Inga. Jornal de Angola. 4 de outubro de 2019.
  58. Potência energética aumenta na periferia de Cabinda. Jornal de Angola. 17 de setembro de 2019.
  59. Oliveira, Miguel dos Santos de; Artmann, Elizabeth. Características da força de trabalho médica na Província de Cabinda, Angola. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 25(3):540-550, mar, 2009.
  60. Oliveira, Ana Cristina. Perfil do Município de Cabinda - Província de Cabinda. Ministério da Administração e Território/Programa de Desenvolvimento Municipal. Julho de 2007.
  61. António, Alfredo Luindula. A Polícia Militar das Forças Armadas Angolanas: Criação, Implementação e Emprego. Academia Militar - Direção de Ensino. 1 de julho de 2013.
  62. Polícia em cabinda tem novas instalações. Jornal de Angola. 2 de março de 2019.
  63. Chuva desaloja famílias na cidade de Cabinda. Jornal de Angola. 10 de abril de 2018.
  64. Organização da MGA. FAA. 2022
  65. Estudo sobre o estado das rodovias de Cabinda. República de Angola - Ministério dos Transportes. 2018
  66. TAAG retoma voos noturnos para Aeroporto Maria Mambo Café. News Avia. 2018.
  67. Complexo Poruário. Jornal de Angola. 6 de maio de 2017.

Ligações externas editar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Cabinda (município)