Abrir menu principal

Cachoeira Paulista

município brasileiro do estado de São Paulo, na microrregião de Guaratinguetá
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde outubro de 2017). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Cachoeira Paulista é um município da Região Metropolitana do Vale do Paraíba, no interior do estado de São Paulo, na microrregião de Guaratinguetá. Localiza-se a uma latitude 22º39'54" sul e a uma longitude 45º00'34" oeste, estando a uma altitude de 521 metros, enquanto sua população estimada em 2018 era de 33 067[3] habitantes. Possui uma área de 287,990 km², contabilizando uma densidade demográfica de 104,49 hab/km².

Município de Cachoeira Paulista
Panorâmica de Cachoeira Paulista

Panorâmica de Cachoeira Paulista
Bandeira de Cachoeira Paulista
Brasão de Cachoeira Paulista
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 9 de março de 1880
Gentílico cachoeirense
CEP 12630-000
Prefeito(a) Edson Mota (PR)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Cachoeira Paulista
Localização de Cachoeira Paulista em São Paulo
Cachoeira Paulista está localizado em: Brasil
Cachoeira Paulista
Localização de Cachoeira Paulista no Brasil
22° 39' 54" S 45° 00' 32" O22° 39' 54" S 45° 00' 32" O
Unidade federativa São Paulo
Região
intermediária

São José dos Campos IBGE/2017 [1]

Região
imediata

Cruzeiro IBGE/2017

Região metropolitana Vale do Paraíba e Litoral Norte
Municípios limítrofes Cruzeiro, Silveiras, Canas e Lorena
Distância até a capital 193 km
Características geográficas
Área 288 km² [2]
População 33 067 hab. (SP: 187º) –  estimativa IBGE/2018[3]
Densidade 114,82 hab./km²
Altitude 521 m
Clima tropical de altitude Cfb
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,794 elevado PNUD/2000[4]
PIB R$ 290,103,015 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 14,637 47 IBGE/2013[5]

Tem como cidades limítrofes Cruzeiro a norte, Silveiras a leste, Lorena a Sul e Oeste e Canas a Sudoeste.

Índice

HistóricoEditar

Documentos de 1730 citam um povoamento pertencente à Vila de Lorena, denominado Arraial do Porto da Caxoeira, cujo marco inicial do primitivo núcleo foi uma pequena ermida erigida por devotos em homenagem ao Senhor Bom Jesus da Cana Verde, no ano de 1780.[6] Manoel da Silva Caldas e sua esposa, Ângela Maria de Jesus, em 18 de Outubro de 1784 doaram "duzentas braças de testada e meia légua em direção aos sertões situados na margem esquerda do Rio Paraíba do Sul, até as divisas com o Embaú", para o patrimônio da nova Capela do Bom Jesus da Cana Verde, erigida em suas terras por Sebastiana de Tal, constituindo de fato o arraial e permitindo assim a expansão do vilarejo ali instalado.[6]

As primeiras edificações instaladas consistiam em choupanas de sertanejos, na sua maioria pescadores, que tiravam seu sustento do Rio Paraíba. A primeira rua de Cachoeira, foi a Rua "Bom Jesus", que na época partia da capela e avançava até a rota por onde passavam os tropeiros que se dirigiam a Minas Gerais.[6] No ano de 1822, nos dias que antecederam a Proclamação da Independência, o Príncipe Regente, Dom Pedro I, passou pela então Freguesia de Santo Antônio da Cachoeira, fazendo parada em 18 de agosto daquele ano.[7]

Um dos momentos históricos mais significativos da cidade ocorreu em 1932, durante a Revolução Constitucionalista. Durante esse período, o município transformou-se em uma praça de guerra, tornando-se o Quartel General do Movimento Constitucionalista.[6]

ToponímiaEditar

A origem do nome Cachoeira Paulista deve-se ao fato de o Rio Paraíba ter algumas corredeiras após o pontilhão de Ferro da MRS Logística (antiga Estrada de Ferro Central do Brasil).[6] Antes de se chamar Cachoeira Paulista, a cidade teve 7 nomes diferentes[6]: Porto da Caxoeira, Arraial do Porto da Cachoeira, Porto da Cachoeira, Arraial porto da Cachoeira de santo Antônio, Freguesia de Santo Antonio da Cachoeira, Vila de Santo Antonio da Bocaina, Vila de Santo Antônio da Cachoeira, Vila da Bocaina, Bocaina, Cachoeira, Valparaíba.

Estação de Cachoeira PaulistaEditar

A cidade de Cachoeira Paulista, no interior do Estado de São Paulo, abriga aquela que foi considerada uma das mais magníficas construções ferroviárias da história deste país.[8]

Inaugurada em 1875, a Estação Ferroviária de Cachoeira Paulista marcava o ponto de encontro entre dois importantes ramais ferroviários do Brasil: a Estrada de Ferro do Norte (também conhecida como Estrada de Ferro São Paulo – Rio) e a Estrada de Ferro Dom Pedro II, que vinha desde a cidade do Rio de Janeiro.[8] Embora, atualmente encontre-se completamente abandonada, a Estação de Cachoeira Paulista ainda exibe traços da bela arquitetura empreendida na época de sua construção.

ReligiãoEditar

Cachoeira Paulista também se destaca por ser sede da Comunidade Canção Nova (comunidade Católica Romana) fundada pelo Monsenhor Jonas Abib e companheiros em 1978.

Hoje há uma grande estrutura com dois centros de eventos e missas (chamados de "Rincão do Meu Senhor"), salas de confissão, capela do santíssimo sacramento, televisão, rádio etc.

"Hosana, Brasil" é uma grande festa realizada pela comunidade Canção Nova em meados do mês de dezembro, com missas, palestras, e shows. A cidade fica com seus hotéis e pousadas praticamente lotados durante o período da festa.

A sede da Canção Nova também apresenta um grande estúdio de TV, onde são gravados os programas exibidos pela emissora pertencente a esta instituição.

O Cristianismo é predominante em Cachoeira Paulista; a cidade é bem dividida entre Evangélicos e Católicos.

A cidade possuí diversas Igrejas Evangélicas. Algumas das mais tradicionais da cidade são: Igreja Presbiteriana Renovada, Assembleia de Deus, Igreja do Evangelho Quadrangular, Igreja Metodista, Igreja Congregacional, dentre outras igrejas.

A Igreja Católica Apostólica Romana e Renovação Carismática possuem na cidade, além da Canção Nova, diversas paróquias espalhadas pela cidade, algumas tão antigas quanto a cidade.

Ciência e TecnologiaEditar

Na cidade de Cachoeira Paulista está localizada uma das sedes do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, dentro do qual está situado o Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC - INPE).[9] Neste local está instalado o supercomputador mais potente de todo o hemisfério sul do planeta.[10]

TelecomunicaçõesEditar

A cidade era atendida pela Companhia de Telecomunicações do Estado de São Paulo (COTESP), que construiu em 1974 a central telefônica que é utilizada até os dias atuais. Em 1975 passou a ser atendida pela Telecomunicações de São Paulo (TELESP), até que em 1998 esta empresa foi privatizada e vendida para a Telefônica. Em 2012 a empresa adotou a marca Vivo para suas operações de telefonia fixa[11][12][13][14].

GeografiaEditar

O município de Cachoeira Paulista está localizada no fundo do Vale do Paraíba, aos pés da Serra da Mantiqueira. A partir da área central da cidade é possível visualizar diversos cumes dessa formação, dentre os quais destacam-se o Pico dos Marins (com altitude de 2.420 metros) e a Pedra da Mina (altitude de 2.798).

A proximidade com a serra faz com que o clima do município seja bastante instável, com temperaturas podendo cair rapidamente em algumas noites durante o outono e inverno em função das brisas de montanha que ali atuam, carregando o ar gelado dos topos mais elevados até a porção mais baixa do vale.

DemografiaEditar

Evento católico da Canção Nova cuja sede é em Cachoeira Paulista.
Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC-INPE) de Cachoeira Paulista.
Antiga Estação Ferroviária de Cachoeira Paulista

Dados do Censo - 2010

População Total: 32536

  • Urbana: 21.671
  • Rural: 5.534
  • Homens: 13.502
  • Mulheres: 13.703

Densidade demográfica (hab./km²): 94,53

Mortalidade infantil até 1 ano (por mil): 14,38

Expectativa de vida (anos): 72,03

Taxa de fecundidade (filhos por mulher): 1,97

Taxa de Alfabetização: 93,46%

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M): 0,794

  • IDH-M Renda: 0,711
  • IDH-M Longevidade: 0,784
  • IDH-M Educação: 0,886

(Fonte: IPEADATA)

HidrografiaEditar

BairrosEditar

  • Alto da Igreja
  • Chácara do Moinho
  • CDHU
  • Centro
  • Embaú
  • Embauzinho
  • Jardim dos Ipês
  • Jardim Europa I
  • Jardim Europa II
  • Margem Esquerda
  • Palmeiras
  • Parque Primavera
  • Piteu
  • Quilombo
  • São João
  • Vila Cacarro
  • Vila Carmen
  • Santa Terezinha
Rio Paraíba do Sul visto do Bairro Alto da Igreja.
Praça Prefeito Prado Filho no centro da cidade.
Vista superior da cidade.
Pôr do sol em Cachoeira Paulista
Bairro Jardim trabalhista

RodoviasEditar

AdministraçãoEditar

Ver tambémEditar

Referências

  1. «O recorte das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias de 2017» (PDF). Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 2017. p. 20–34. Consultado em 10 de agosto de 2017. 
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010. 
  3. a b «Estimativa populacional 2018 IBGE». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de agosto de 2018. Consultado em 9 de setembro de 2018. 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010. 
  6. a b c d e f Prefeitura Municipal de Cachoeira Paulista. «História» 
  7. «Acompanhe a viagem de D. Pedro até as margens do Ipiranga em 7 de setembro de 1822». www.al.sp.gov.br. Consultado em 24 de fevereiro de 2018. 
  8. a b «Estação de Cachoeira Paulista». São Paulo Antiga 
  9. CPTEC. «CPTEC - INPE». Consultado em 24 de abril de 2017. 
  10. CPTEC. «Supercomputador». Consultado em 24 de abril de 2017. 
  11. «Telesp vai servir mais 86 cidades do estado». Acervo Folha de São Paulo 
  12. «Patrimônio da COTESP incorporado pela TELESP» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo 
  13. «Nossa História». Telefônica / VIVO 
  14. GASPARIN, Gabriela (12 de abril de 2012). «Telefônica conclui troca da marca por Vivo». G1 

Ligações externasEditar