Abrir menu principal

Caio Anício Cerial

Caio Anício Cerial
Cônsul do Império Romano
Consulado 65 d.C.
Morte 66 d.C.

Caio Anício Cerial (em latim: Gaius Anicius Cerialis; m. 66) foi um senador romano nomeado cônsul sufecto para o nundínio de julho a agosto de 65 com Caio Pompônio Pio.

CarreiraEditar

Cerial foi acusado, em 40, juntamente com seu enteado, Sexto Papínio, Betilieno Basso, questor e filho de um procurador, e um outro senador de conspirar contra o imperador Calígula. Ele entregou a conspiração e conseguiu escapar com vida[1][2]. Tácito relata que Cerial foi notado pelo imperador por seu oportunismo: ele propôs uma moção no Senado depois da Conspiração Pisoniana em 65, o ano de seu consulado, propondo a construção de um templo em homenagem ao divino Nero às custas da comunidade, uma iniciativa proibida pelo imperador[3]. No ano seguinte, quando Cerial foi acusado por Marco Aneu Mela, irmão de Sêneca, e se suicidou, Tácito não demonstra nenhuma simpatia por ele e lembra que ele próprio havia traído uma conspiração para matar Calígula[2].

Ver tambémEditar

Referências

BibliografiaEditar

  • (em alemão) Rudolf Hanslik: Anicius II, Nr. 1. In: Der Kleine Pauly (KlP). Vol. 1, Stuttgart 1964, col. 354.
  • Rutledge, Steven H. (2001). Imperial inquisitions. Prosecutors and informants from Tiberius to Domitian (em inglês). London: Routledge. p. 188–189. ISBN 0-415-23700-9