Abrir menu principal

Caio Fúfio Gêmino (cônsul em 29)

Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre cônsul de 29. Para o cônsul de 2 a.C. e seu pai, veja Caio Fúfio Gêmino (cônsul em 2 a.C.).
Caio Fúfio Gêmino
Cônsul do Império Romano
Consulado 29 d.C.
Morte 31 d.C.

Caio Fúfio Gêmino (em latim: Gaius Fufius Geminus; 31) foi um senador romano eleito cônsul em 29 com Lúcio Rubélio Gêmino.

CarreiraEditar

 
Teatro romano de Urbs Salvia, construído por Fúfio Gêmino.

Gêmino era oriundo da colônia de Urbs Salvia e sua carreira é conhecida por causa de um fragmento de uma inscrição encontrada em 1955 durante as escavações do teatro construído por ele na cidade em 23[nota 1]. Sua consagração se deu em 29, quando atingiu o cargo máximo de cônsul.

Porém, dois anos depois, foi condenado por crime de lesa majestade depois de interromper as orações sagradas do imperador Tibério[1] e foi condenado à morte. Sua esposa se suicidou.

Urbs SalviaEditar

Na inscrição, Fúfio Gêmino é definido como pai da colônia (pater coloniae) e pretor, o que pôs em dúvida a consenso entre os estudiosos de que ele teria sido o fundador de Urbs Salvia, pois a existência de uma magistratura sofisticada como a de pretor na cidade indica uma fundação anterior ao século I. Por afinidade com outras colônias governadas por pretores (como Áuximo fundada em 157 a.C., e Potência, em 184 a.C.) e com base em achados recentes na região do fórum, atualmente são muitos os arqueólogos que datam a fundação de Urbs Salvia no século II a.C..

A boa sorte de Fúfio Gêmino, porém, não se devia unicamente à sua capacidade: sua família devia a sua boa situação no início do século I ao avô de Fúfio, de mesmo nome, que foi legado em Ilírico durante a guerra civil entre Marco Antônio e Otaviano. Aliando-se a Otaviano, Fúfio (avô) comandou a ala esquerda da frota otaviana na Batalha de Ácio (31 a.C.). Vitorioso, Otaviano, já chamado de Augusto, não se esqueceu de seus antigos aliados. A partir daí, Urbs Salvia, provavelmente assentada com veteranos de Ácio, passou por um período de esplendor e de novas construções monumentais, entre elas o templo-criptopórtico dedicado ao culto imperial, como revela, entre outras coisas, a cena relativa à deposição das armas no ciclo de afrescos no estilo pompeiano (III) ainda hoje visível nas paredes do criptopórtico.

Ver tambémEditar

NotasEditar

  1. O estudo de Gasperini foi decisivo, pois ele conseguiu reconstruir o quebra-cabeças entre dois fragmentos, um deles no Museo archeologico statale di Urbisaglia e o outro incrustado na fachada da igreja de Santa Maria a Montefano, e reconstituindo a porção central intuitivamente.

Referências

  1. Tácito, Anais VI, 10

BibliografiaEditar

  • Der Neue Pauly, Stuttgardiae 1999, T. 4, c. 697