Abrir menu principal

Caio Fúrio Pácilo (cônsul em 251 a.C.)

Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Caio Fúrio Pácilo.
Caio Fúrio Pácilo
Cônsul da República Romana
Consulado 251 a.C.

Caio Fúrio Pácilo (em latim: Caius Furius Pacilus) foi um político da gente Fúria da República Romana eleito cônsul em 251 a.C. com Lúcio Cecílio Metelo.

Consulado (251 a.C.)Editar

 
Teatro de operações da Primeira Guerra Púnica entre 253 e 251 a.C..
  Território siracusano
  Território cartaginês
  Territórios romanos
1. Ataque naval e recuo dos romanos em Lilibeu (253 a.C.).
2. Romanos atacam a costa africana. Frota romana destruída por uma tempestade (253 a.C.).
3. Romanos finalmente tomam as ilhas Líparas (252 a.C.).
4. Romanos tomam Hímera (Thermae) (c. 252 a.C.).
5. Ieta, Solous e Petra firmam a paz com Roma (251 a.C.).
6. Tíndaris firma a paz com Roma (251 a.C.).
7. Romanos atacam e capturam Kephalodon e Panormo (251 a.C.).
8. Tentativa cartaginesa de recapturar Panormo repelida (251 a.C.).

Foi eleito com Lúcio Cecílio Metelo em 251 a.C., décimo-quarto ano da Primeira Guerra Púnica. Ambos os cônsules foram enviados pelo Senado para a Sicília para enfrentar o exército cartaginês de Asdrúbal Hanão. O exército, porém, ficou inativo por um longo tempo, pois as tropas temiam os elefantes do exército romano e os dois não acharam sábio enfrentá-los em combate. Dada a inatividade, o Senado decidiu convocar a Roma o cônsul Caio Fúrio, o que deu oportunidade a Asdrúbal de atacar Metelo em Panormo, que o derrotou na Batalha de Panormo, matando grande parte do exército cartaginês e capturou todos os seus elefantes, que foram exibidos em seu triunfo em Roma.

Esta vitória consolidou a supremacia romana na Sicília e teve uma influência decisiva no destino da guerra.[1][2][3]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Políbio I 39, 40, Floro II 2. § 27; Eutrópio II 24; Paulo Orósio iv. 9; Frontino Strateg. II 5. § 4; Cícero De Rep. i. 1; Dionísio de Halicarnasso II 66.
  2. Lívio Ab Urbe Condita Epit. XIX
  3. Plínio, o Velho, História Natural VII 43. s. 45

BibliografiaEditar