Abrir menu principal

Caio Márcio Censorino (cônsul em 8 a.C.)

Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o cônsul em 8 a.C.. Para o general romano da primeira guerra civil, veja Caio Márcio Censorino.
Caio Márcio Censorino
Cônsul do Império Romano
Consulado 8 a.C.
Morte 2 d.C.

Caio Márcio Censorino (em latim: Gaius Marcius Censorinus; m. 2) foi um senador romano da gente Márcia eleito cônsul em 8 a.C. com Caio Asínio Galo. Um membro do ramo plebeu dos Censorinos da gente Márcia, Márcio Censorino era filho de Lúcio Márcio Censorino, cônsul em 39 a.C..

HistóriaEditar

Márcio Censorino foi nomeado triúnviro monetário em algum momento entre 20 ou 19 a.C.[1] e foi eleito cônsul em 8 a.C. com Caio Asínio Galo. Sua eleição foi marcada por acusações de suborno, mas, ainda assim, o imperador Augusto não quis intervir[2]. Durante seu mandato, Márcio ofereceu jogos a Júpiter Ótimo Máximo pelo retorno de Augusto, que estava viajando pelas províncias na época[3]. Ele também comandou a sessão do Senado que votou por renomear o mês "Sextilis" como "Augustus" (o moderno mês de "agosto") em homenagem ao imperador[4].

Antes de 11 a.C., Márcio Censorino foi admitido no colégio dos áugures[5]. Por volta de 3 a.C., Censorino recebeu por sorteio o governo proconsular da Ásia[6]. Acredita-se que ele tenha sido depois legado imperial da Galácia por volta de 2 d.C., quando recebeu o neto de Augusto Caio César durante sua viagem pelo oriente. Márcio morreu ainda nesta função.

PatrocínioEditar

Censorino era patrono da cidade de Mileto e recebeu o título de "salvador e fundador" da cidade de Mylasa, onde eram realizados jogos anuais conhecidos como "Censorineia" anualmente[7][8]. O poeta Horácio escreveu uma ode em sua homenagem[9] e Veleio Patérculo o elogiou como um "vir demerendis hominibus genitus" ("homem que honra os homens")[10].

FamíliaEditar

Aparentemente Censorino jamais se casou e não teve filhos.

Ver tambémEditar

Referências

  1. Syme, p. 395
  2. Syme, p. 79
  3. Swan, p. 60
  4. Swan, p. 68
  5. Martha W. Hoffman Lewis, The Official Priests of Rome under the Julio-Claudians (Rome: American Academy, 1955), p. 42
  6. Ronald Syme, C. Marcius Censorinus in the East, in Anatolica (Oxford: Clarendon Press, 1995), pp. 302–307
  7. Syme, p. 69
  8. Miriam Pucci Ben Zeev, Jewish Rights in the Roman World: The Greek and Roman Documents Quoted by Josephus Flavius (1998), p. 246
  9. Syme, p. 71
  10. Syme, p. 424

BibliografiaEditar

  • Swan, Peter Michael (2004). The Augustan Succession: An Historical Commentary on Cassius Dio's Roman History Books 55-56 (9 B.C.-A.D. 14 (em inglês). [S.l.: s.n.] 
  • Syme, Ronald (1986). The Augustan Aristocracy (em inglês). [S.l.]: Clarendon Press  via Questia