Caio Servílio Estruto Aala (cônsul em 478 a.C.)

Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Caio Servílio Aala, o herói romano e assassino de Espúrio Mélio. Para outros significados, veja Caio Servílio Estruto Aala.

Caio Servílio Estruto Aala (em latim: Gaius Servilius Structus Ahala) foi um político da gente Servília nos primeiros anos da República Romana eleito cônsul em 478 a.C. com Lúcio Emílio Mamerco.

Caio Servílio Estruto Aala
Cônsul da República Romana
Consulado 478 a.C.
Morte 478 a.C.

BiografiaEditar

Caio Servílio pertencia a um ramo patrício da gente Servília, uma das gentes da Roma Antiga. Foi eleito cônsul com Lúcio Emílio Mamercino,[1][2] que já estava em seu segundo consulado.

Naquele ano os volscos e équos estavam planejando uma nova invasão ao território romano para aproveitar do foco romano na luta contra Veios. Para conter a ameaça, o Senado Romano enviou Caio Servílio contra os volscos, Lúcio Emílio contra os veios e encarregou ao procônsul Sérvio Fúrio a missão de contar os équos, permitindo em seguida que Cesão Fábio Vibulano levasse reforços, em nome do procônsul, ao seu irmão, Marco Fábio Vibulano, que estava envolvido numa luta particular entre os Fábios e Veios.[3]

Cada um deles comandava duas legiões e tropas aliadas dos latinos e hérnicos. Enquanto o procônsul Sérvio Fúrio desbaratou rapidamente os équos, forçando-os de volta para sua cidade, Caio Servílio sofria numerosas derrotas em sua campanha contra os volscos, tantas que se viu obrigado a evitar batalhas campais e realizar uma guerra posicional.[4]

Lúcio Emílio, que neste ínterim, havia derrotado os veios, se recusou depois a ir ajudar Caio Servílio como lhe fora ordenado pelo Senado Romano por que estava furioso por não ter recebido a honra de um triunfo depois de derrotar os veios.[5]

Caio Servílio morreu antes de terminar seu mandato[6] e foi substituído pelo cônsul sufecto Opitero Vergínio Tricosto Esquilino[a].

Ver tambémEditar

Cônsul da República Romana
 
Precedido por:
'Cesão Fábio Vibulano III

com Tito Vergínio Tricosto Rutilo

Lúcio Emílio Mamerco II
478 a.C.

com Caio Servílio Estruto Aala
com Opitero Vergínio Tricosto Esquilino (suf)

Sucedido por:
'Caio Horácio Púlvilo

com Tito Menênio Agripa Lanato


NotasEditar

  1. Em sua "História de Roma", Lívio não menciona Opitero como sufecto em 478 a.C.; ele atribui a ele, sempre com Lúcio Emílio, o consulado de 473 a.C., apesar de relatar que, em alguns Annales, o cônsul daquele ano era Vopisco Júlio Julo. É, na verdade, possível que Lívio tenha feito confusão entre os consulados de 478 e 473 a.C., que foram, respectivamente, o segundo e terceiro mandatos de Lúcio Emílio.

Referências

  1. Dionísio, Antiguidades Romanas IX, 16.
  2. Lívio, Ab Urbe condita libri II, 49
  3. Dionísio, Antiguidades Romanas IX, 16.
  4. Dionísio, Antiguidades Romanas IX, 16.
  5. Dionísio, Antiguidades Romanas IX, 17.
  6. «Gaio Servilio» (em inglês). Ancient Library 

BibliografiaEditar

Fontes primáriasEditar

Fontes secundáriasEditar

Ligações externasEditar